Seguidores

quinta-feira, 22 de junho de 2017


Série Curitiba dedicado a Camille Serpa

Curitiba, fresta de sol .. A cidade ..


Claridade , inverno .. Curitiba .. raios de sol

Batman passeia por Curitiba !
Por entre raios de sol


Tarde, inverno .. cadê o velho poeta de Curitiba ?
Um tal de Paulo

Jardins, praças a cidade se encanta no Sol de inverno !


Joka

João Carlos Faria

Série Fernando Pessoa numa tarde de incertezas !

Dancemos cirandas , em torno do congresso !
Justiça social, paz, trabalho !
Como se constrói a democracia ?

Que a poesia alcance Brasília, irmanados num canto de amor !

Não ser mera , sombras sem o Sol !
Alma por nascer.

Quantos amores para desbravar a poesia ?
Quantos poemas são necessários para abrir um portal?

É preciso navegar nos pensares de algum educador !
Mas Pessoa é amor !

É a leitura de Fernando Pessoa se encerra com o carregar de uma bateria !

Joka

João Carlos Faria

terça-feira, 20 de junho de 2017

O velho novo discurso das elites burocráticas da cidade

Desejo todo sucesso a nova diretoria da Fundação Cassiano Ricardo mas sou frequentador e já fui do “ conselho democrático “ quando a comunidade opinava de fato e tinha nove comissões setoriais de arte e cultura.
Vivemos numa cidade em que a classe politica e empresarial não investe nem no time de Futebol da Cidade a velha Águia do Vale.
Muito menos em arte e cultura. Vi varias iniciativas assim desde a Gestão de André Freire, Diniz e tantos outros.
O mecenato não faz parte do empresariado sangue suga brasileiro.
Cade a Embraer, General Motors , Jonhson e Jonnson entre outras industrias e comércios.
E Associação comercial ? E o Shopping Colinas ?
Estes modelos de Festivais já não estão ultrapassados ?
Carecemos na cidade não fechar uma Fundação mas mudar o conceito de politica de arte e cultura nisto o Vicentina Aranha sua gestora esta anos luz a frente.
Chega-se o fim de semana e só nos cabe o SESC e o Vicentina Aranha com uma certa programação de arte e cultura na cidade.
A Fundação sempre deixa um vácuo.
E a cidade silenciou com o fim do ‘Revelando São Paulo cade os agentes culturais da
areá de folclore e cultura popular se calaram ?
Cade um debate para uma politica de arte e cultura que gere empregos para a comunidade artística investir num polo de cinema pode ser um dos caminhos.
Divertam-se senhores gestores de cultura deste município vocês não enganam ninguém mais. Uma hora a comunidade artística da cidade amadurece e saberá construir uma politica horizontal de cultura. Porque esperar de governos que são representação dos feudos partidários .Nada de novo e inventivo vira .Só a manutenção dos velhos currais eleitorais.A sociedade se transforma em suas bases e suas elites estão podres.

Joka

João Carlos Faria

http://www.ovale.com.br/_conteudo/2017/06/viver/8975-fccr-de-olho-no-setor-privado.html

segunda-feira, 19 de junho de 2017

A arte de não escrever roteiro

Podia fazer um roteiro assim entrava-se num buraco de minhoca e saia no palácio do planalto. Raptava-se o presidente e enviava para uma galaxia muito muito distante.
Punha uma cópia ao estilo Super Dínamo e ela renunciava.
E gritava. Se é para o bem da nação diga ao povo que saio pelas portas do fundo.
Quando se assiste filmes Americanos dá uma impressão que faríamos melhor.
Mas é uma mera impressão. O buraco é de minhoca.

Joka

João Carlos Faria

domingo, 18 de junho de 2017

Só nos resta um levante popular ?
Ou silenciar e continuar gado marcado ?

Acabei de ver e ouvir num programa de politica da TV.
A classe politica se articula para dar banana a opinião pública
de todos os espectos e gostos ideológicos. Você se engana no fast food de suas
ideologias mortas.
Na atual circunstancia só um levante popular pode mudar o rumo
do Brasil.
Querem fazer as reformas trabalhista e da providenciá goela abaixo.
E reforma politica ?
Hoje não se usa nem foice e nem martelo cade os hackers ?
Como podem muitos defenderem certos partidos e seus lideres
desmoralizados ?!
É hora de uma reorganização social que seja horizontal e não vertical.
Destitua seus deuses “políticos “ corruptos que vendem o Brasil por trinta moedas.
Só nos cabe novas articulações e novas organizações.
Tenhamos fé e ação. Acreditemos na capacidade do povo se reorganizar.
Estes partidos estão podres, enlamados na corrupção.
Se venderam ao mercado. Traíram por trinta moedas o povo Brasileiro. 

Joka

João Carlos Faria

 https://www.youtube.com/watch?v=LVLzEYS5c_g

Globo News Painel 17 de Junho de 2017




 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

E pedra já não é pedra.
Homem já não é nome de homem.
Mulher já não é mulher.
E ironicamente cotidianamente continuamos desumamos.

Inúteis

Dedicado a Jacek Ricardo Sielawa

“ Poema de Jacek

LANCEIROS NEGROS, No Porto mais triste de todos alegres portos do mundo, no paralelo mais 30, mais até do que se sinta.
O estado do prédio era de puro abandono. Abandono é não ter dono, Ninguém abandona pessoas, pessoas não tem dono, embora seus estados, sejam de puro abandono.”



Para sair deste politicamente correto agora vos chamo a todos de seres humanos.
Já que ter sexo masculino ou feminino anda bem fora de moda.
Este tal de gênero. Estamos querendo dar outros nomes as coisas, objetos e a nós
desumanos. 
Não se pode dar as cores o sentido do rosa e do azul ?
Silenciamos diante de uma minoria ruidosa. Enquanto no mundo real são todos
massacrados no velho sistema.
Como somos idiotas. Somos maioria e minoria no mundo sem respeito a humanidade.
E por baixo do tapete transvestis, homo sexuais e todas as vertentes são indistintamente
mortos e massacrados.
As periferias sempre a margem sendo “favela ou comunidade “ não temos direito
nem sabemos escolher presidente seu “Róger “
Velha canção do Ultraje a rigor e hoje Róger execra na redes sociais.
Negro , pobre , puta, bixa , trave co são nomes dado ao povo.
Que se cala. Que se mata no uso de crack, álcool, maconha.
Lutar é inútil ?! Nestes dias incorretos ?
Pasto merda no pasto diz Moraes em poemas bombas.
Bombas de arte. No cotidiano de desemprego, injustiças sociais.
Enquanto vermelhos e azuis incendeiam a pátria da corrupção diária.
Estamos “mortos “ diante da impossibilidade “democrática “
Reagir ? Mudar ?
Inúteis na imprecisão de dias mortos.  
Fico com as anárquicas bombas poéticas de 
Jacek Ricardo Sielawa. A inutilidade do poema lhe dá vida.

Joka

João Carlos Faria 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Sombras de democracia !?
O caos no abismo cotidiano

Dias de delírios e utopias despedaçadas. Cacos que não se juntam.
Fé em que ?
Injustiças sociais .. desperdício de recursos públicos. Na puta nua
no palácio do planalto .. sórdidas ... Algemas da desilusão .. já não
somos os mesmos .. cada um a sua maneira sente a dor e a desilusão ..
de podres poderes .. reagir ao cinismo dos palácios e festas em Paris ..
Estamos sem chão diante da puta nua senhora Brasília .. esgotos ratos
de gravatas ..
Cracolândias espalhadas Brasil afora. A fome em qualquer lugar.
Insegurança onde o trafico reina .. Que Deus nos perdoe de tanta
inercia. Não sabemos reagir ?!
Gritar, incendiar nossa inconsciência onde esta nossa cidadania ?!  
E o nefasto poder paralelo nas ruas e nos palácios de governos.
Quem ousa romper e dar um basta a este nefasto jogo de maldades ?!
Nossa dor e tanta que estamos em silencio. Calados.

Joka

João Carlos Faria
Sombras de Oscar Niemeyer
O caos no abismo cotidiano

Artes .. performance .. teatro ..o que seria da vida sem estas insanidades .. arte ..
 A vida é Curta !
 Não nos pecados no óbvio .. olhar a vida nas profundezas das cores .. Velásquez ..
 Artes insanos , profanos .. sagrado desejo do existir !
 Morte , Caos .. adentremos ao coração do universo .. !
Versos de um não existir o óbvio .. nos aliena .. a arte subverte o olhar cotidiano ..
 Que Gláuber .. Que Nietzsche iluminem o caminho da saída do labirinto .. a vida é um laboratório de imensas oportunidades .. criar Kaos .. Mautner .. Caetano ..
 Sombras de Oscar Niemeyer .. A semana de 22 .. transforma .. o nada em tudo o cotidiano é matéria bruta do criar !

Joka
João Carlos Faria
Invadir ou dialogar

A questão é que o município esta quebrado ?  A tal da iniciativa privada e sua especulação
imobiliária cobra 350 mil por uma casa nova de meio lote na Vila Industrial ?
Os preços com esta imensa crise Brasileira que não tem fim não abaixam. Faltam remédios nos postinhos não quero crucificar o prefeito Felício Ramuth neste texto. Esta crise politica e a insistência de Temer ficar no poder acaba com a economia.
Sem dinheiro não se gera emprego , abre -se concurso público.
Universidades públicas em colapso. Invadir resolve nestes tempos turbulentos ?
Caros colegas de esquerda do PSTU ?
E o que é esquerda ou direita nestes dias onde temos um pais quebrado e um congresso que propõem reformas onde o cidadão nunca ira se aposentar ?
Moradia é um direito básico do ser humano. E quanto já se perdeu na corrupção neste pais ?
E PT e PSDB continuam a ter eleitores e gente defendendo.  
Estamos e nos esforçamos para cavar mais ainda o buraco que não nos tira deste caos politico e econômico . Ou aprendemos a arte do dialogo ou nos afundamos.
Cabe a Câmara e a Prefeitura debater as politicas publicas com o cidadão. Mostrar a real situação econômica do município para juntos pensarmos saídas para a cidade.
Mas dialogar não esta no agir da classe politica brasileira tanto a esquerda quanto a direita.
De fato esta gente quer é poder e ludibria sua base in calta e ingenua.

Joka
João Carlos Faria

domingo, 4 de junho de 2017

Manhã entre Sol musica e livros no sebo de Analú Oliveira
Parque Vicentina Aranha


O Sol iluminava os livros. Na manhã de outono .. Tantas emoções ali registradas parte da vida humana ali retratada .. diversos autores ali em corpo,alma gesto e palavras. A cidade em vida !
Uma peça de Plínio Marcos sobre Helena Petrovna Blavastsky que li no seculo passado.
Deo Lopes, Moacyr Pinto, Paulo Barja todos em meio aos livros e as cores de um outono
numa manhã de domingo.
Literacia .. arte .. vida a poesia vive na cidade das palavras.
Numa calçada em frente a um velho sanatório.

Joka

João Carlos Faria

https://www.youtube.com/watch?v=j5jx6lpPFMU

sábado, 3 de junho de 2017

Em nome de ideologias se sacrifica uma nação

Somos estranhos não debatemos ideias públicas e sim o carimbo PSDB x PT. / coxinhas / petralhas.
Enquanto isto soluções e ações não vem. Só debates reacionários de ambas as partes.
E o legislativo em todas suas estancias não debate o rumo da nação.
Esta falsa polarização de esquerda x direita não oxigena a sociedade. 
É um mera luta de dois grupos políticos brigando pelo poder e nos bastidores vendem a nação por um bocado de moedas.
As vezes malas de dinheiro em pizzaria, contas no exterior.
E vemos uma enorme e alienada torcida quase como de futebol se digladiando nas redes sociais.
Em nome de que ? Lideres corruptos e nefastos ?  
E inúteis somos. Não sabemos caminhar com nossas pernas. Pensar por nos mesmos e nos unir. Preferimos a vassalagem ideológica.
Ou vamos acordar ou permaneceremos nesta eterna crise de moral e ética.
Sem  ação e sem noção da realidade brasileira em nome do povo. As contas bancarias se faz alta nos bancos fora do pais.
Desperta te ou silencie -se. Estamos coniventes com estas incertezas.
Em nome de ideologias se aniquila a democracia.


Joka

João Carlos Faria

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Como é insana a reflexão politica nestes dias de redes sociais. É mais fácil se dedicar
ao fazer poético. Do que as barbaridades que vemos nestes dias. Para não perder insanos amigos fiquemos em silencio. Tudo passa só não passa nossa idiotice .. Vassalos de ideologias mortas. Quando chegaremos ao século VINTE E UM no campo das ideias politicas.
Fanatismo na politica é um passo mal dado para o fascismo.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A morte do texto inacabado

Acabei de perder um texto em linux refletindo sobre um livro de JACEK Ricardo Sielawa .. o livro ainda não existe é uma proposta de Paulo Barja. Estava delirando na possibilidade de uma diagramação fora do padrão para um escritor que incendeia as redes sociais.

Joka
João Carlos Faria