Seguidores

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Nossa pequena fração de consciência

Redes Sociais estamos acorrentados a elas ?  Qual é a relação de sanidade que devemos ter com redes sociais ? Para que usamos internet qual a maneira é a correta ?
Esta semana encerrei minha conta no Facebook, mas ainda não me sinto livre. Acabei de ler Liberdade de Pedro Paiva aqui no Entrementes. Estamos acorrentados as redes sociais ?
Acreditamos que poderíamos mudar o mundo e nossas vidas através dela. Meu face  era para abrilhantar minha carreira de escritor e o  ativismo. E ai vejo um texto de Barata Chicheto sobre o tema. Profundo silencio !
Mas que ativismo ?  Enquanto o mundo se explode. E a corrupção tomou conta do estado em partidos de todas as linhas ideológicas da direita a esquerda . Partidos são cheio de discursos pela ética e somos tolos enganados por seus discursos.
E o individualismo toma conta do mundo. E a Venezuela ?
Este planeta. Escravidão seja nas redes sociais ou fora delas. Meus caros estamos sendo vigiados. Ou acham que empresas não verificam nossas redes sociais , para nos contratar. Os velhos anarquistas tinham seus próprios pequenos negócios. Mas hoje tudo é monitorado. Temos liberdade civis ? Mas temos liberdade econômica ? E a Venezuela e o silencio das esquerdas ?
Posso eu me ausentar de minha cidade ir a outro pais a hora que bem entenda ? Solfidone nos dizia isto em nossa mesa num shoping.
Estamos presos a economia. Um cartão de credito com 500 por cento de juros.
Estamos sufocados pelas algemas Prometeus !
Consumidos no fast food da vida. Busquemos sentido além das series da Net Flix .. Abandonamos nossos Deuses. Esquecemos de criar alma. Como nos conta Samael Aun Weor.
Negar a si mesmo e pegar a cruz. Almas a deriva  nesta era de desunião. A sabedoria dos filósofos da televisão nos faz ser livres ?
Liberdade não é dizer nossas inverdades nas redes sociais. Precisamos renascer. Viver nestes dias de guerras. Guerras dentro e fora de nós.
A deriva nas redes sociais. Escravizados pela desinformação e a dor da existência alcança nossa
pequena fração de consciência .
Nossas vidas  sempre esta entre a infelicidade e a felicidade. Este dia de chuva nos acalenta. Dias de outono. E a Venezuela ?
E confessamos nossos deslizes nas redes sociais. E hora de encontros em mesas de bares, é hora de encontros em casas de cultura. Criar espaços de calor humano. As redes  sociais criam um frio glacial em nosso coração. O ódio não deve reinar. Comunicamos-nos tanto e estamos vazios.
E hora de solidariedade, fraternidade  e nos vermos iguais . A dor do povo Venezuelano ou do morador de rua é nossa dor. Todos nos estamos  conectados.
E quando realmente me sentirei livre ? E tu também ?
Silenciemos !
Almas desconectada de nosso ser.

Joka

João Carlos Faria      

Nenhum comentário: