Seguidores

domingo, 26 de novembro de 2017

 Diógenes Caminha pelo abismo das cidades


Ler Fernando Pessoa é bem mais real que o vazio existencial das redes sociais.
Será a poesia a religação com o divino ?
 Sem a necessidade dos livros sagrados, e a mediação de sacerdotes , templos ..
 Somos os deuses dentro de nós ?
 O sétimo círculo Dantesco nos aguarda ?
 Ídolos de barro , caí Babilônia !
 Triste humanidade , capitalista.
 O deus mercado nos transforma em máquinas. Onde anda homens de verdade ?


Joka

João Carlos Faria


Quase dezembro !

https://www.youtube.com/watch?v=7BMjibWEqYohttps://www.youtube.com/watch?v=7BMjibWEqYo
Pedras na inexistência

Dedicado a Nydia Bonetti

Quase 108 inexistência .. presos a matéria. Quando fabricaremos as Asas que não derretem com os raios de Sol !
 Ícaro caí como pedra no abismo do mar !

Joka

João Carlos Faria


Civilização de imbecis com suas ideologias mortas !
Zumbis do deus Mercado.
Gado , bois de piranha.
Acreditando em eleições.
As ruas ! As ruas ! As ruas !

 O esforço é enorme para não escrever sobre politica.
Não nos cabe as “ Redes Sociais “ é hora de combater nas
ruas. De nos organizarmos.
Contra as oligarquias e os coronéis do momento !

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Dias de inexatidão em nossas frias almas

 

 

Um pedaço de mim o tempo todo sente frio.
Outro pedaço é fio desencapado.
— se me cubro me queimo —
[moro num lugar chamado inverno
. . . . . . . . . . . . . . . . . .e o tempo todo neva]
Nydia Bonetti



Acabei de copiar e colar com os devidos créditos, na minha pagina no Face, este poema de Nydia Bonetti. Foi para encerrar o fim de semana. E buscar encontrar Arcanjos. Esta noite não quero enfrentar meus demônios.
Sei que em meus caminhos devo vagarosamente enfrentar meus Demônios, perceber meu lado escuro e sombrio. Mas um poema deste quilate nos tira a possibilidade de abismos. Dias de inexatidão em nossas frias almas. Somos felizes diante de uma segunda-feira que teima em chegar?
Assisti a um filme onde se congelava o tempo e o fazia recuar. Se via o espirito fora do corpo num duelo de mal e bem.
Nydia, em outro poema me lembrou Cassiano Ricardo, que precisa ser revisto e lido. Mas quem sou eu DIANTE dos cânones de nossa literatura? Já pensei em prêmios, a poesia é um naufragar, mergulhar em abismos. E por que não alcançar o céu? Desculpe, mas achei que a Divina Comedia fica sem graça ao chegar ao Céu.
Cadê nossa alma? O quadro que retrata a dureza do caminho do espírito na minha retina é o “Jardim das Delicias” de Hieronymus Bosch. Que encantamento! Desvendar os três fatores é um imenso desafio, devo ler, reler, meditar e assim mesmo sinto-me débil diante da obra de Samael Aun Weor.
Poesia e arte me salva dos dias de cansaço e solidão. Ler a sofisticada poesia de Nydia Bonetti nos traz esperança. Que o leitor do Entrementes conheça esta obra. Faço questão de sempre publicar em minha coluna esta poeta de agora.
O grito de Edvard Much é outra obra que me impacta. Dos amigos aos quais convivi e convivo na vida e em nossa aldeia, a obra de Solfidone com sua simplicidade e ferocidade, um artista genial.
Davi Fernandes de Faria, DAVI FF mergulha nas artes plásticas em sua singular obra esotérica. E uma simples natureza morta de Davi FF me encanta. Pena que não faz seu markenting.
Arte e a cidade sombria, sem seus poetas em praças públicas, sem performances em frente a antiga Camara Municipal. Nestes dias de caos, desamor, dor e medo. Só poetas nos fazem ver mundos, Doutor Estranho com suas multiplicidades de universo?!
Vida, arte, caminhei no sábado de Sol e Chuva pelo centro da cidade, quase virei porteiro do Mercado Municipal, ao conversar com um amigo, cidade cheia de graça e encantamentos. Cadê seus poetas nas praças e ruas? Onde estamos? Adormecidos em berço esplêndido? Que a música e a poesia de Edu Planchez ecoe pela cidade, hoje e sempre em frente ao Copacabana Palace com sua esposa Catarina Crystal! Que ela cante e encante com a obra de Edu!  Poesia, arte, luta .. Chico Buarque quer nos tirar deste marasmo, quando publica um vídeo nas redes sociais.
Viver, eis nosso único caminho!
Como diria o Eclesiastes, é a hora do bom combate!


Joka

João Carlos Faria

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Zumbis da politica

Alguém consegue desdefinir esquerda e direita nestes dias de ausência de solidariedade
humana ?
Mortos vivem na internet sem reagir nas ruas.


 Joka

João Carlos Faria

sábado, 11 de novembro de 2017

Vamos mudar?

 

 

Dedicado a Tico Santa Cruz
* Texto mais antigo.


Os séculos passam as noites passam e nós nunca passarinhos? Hoje estou aqui, após uma semana sem conseguir escrever uma vírgula sequer. Nos deixamos perder na infeliz correria desta era vazia de internet e TV a cabo. Nestes tempos modernos, finalmente cheguei a TV a cabo numa das infinitas promoções que nos enrolam. E tchbum descobri um mundo sem criticidade, onde só se mostra um lado bem leve da vida. Ontem numa roda de amigos, num apartamento da Vila Ema, aprendi mais de nossa realidade do que numa semana de internet. Depois acabei parando num destes bares, onde somos todos bem vazios. Por mim ficava lá toda noite ou até parava nos Freitas. Já estava ganha a noite. Não perco meu tempo nas madrugadas, querendo mulher nenhuma, pois numa madrugada e nos bares só se acham mulheres vazias. Quero mulheres que estão nos ônibus e metrôs, que pela manhã saem para ganhar o pão. Estas sim me interessam. Sempre vi a falsidade na noite. É um ambiente bem artificial. Nunca fui boêmio, prefiro um bom show, uma peça de teatro a andar em buscas de luxúrias que nunca alcançarei. Já as tenho e muito em minha mente, busco libertar-me delas. A sociedade está cada vez mais artificial. Antes íamos ao centro da cidade de dia, para se encontrar pessoas bem críticas. Hoje não se acha ninguém. Contento-me numa banca de revista no meu bairro, onde ao lado de jornais que nada de valor contem, nos deliciamos analisando o mundo.
Devemos dar um basta nisto e marcarmos encontros, falar com as pessoas em troca pura e simplesmente de saber. Quando ouço a fundo sobre política, só se fala das jogadas, das trocas de votos, já não vejo mais falarem de sonhos e ideias que possam melhorar a vida de todos nos, por isto me aborreço com a política. Já não carrego nenhuma bandeira. Estas bandeiras ideológicas de nada servem. Precisamos, se ainda houver tempo, refundar a sociedade. Tanta tecnologia e possibilidades e deixamos a internet e a TV a cabo vazia. Não consigo achar pessoas para algum projeto que tenha alma. Nossas crianças estudam em escolas competitivas onde o importante é tirar dez em Matemática e daí, aprendem o que? Sempre estudei em escola pública nos anos oitenta e uma parte dos noventa. Os professores nos falavam fora do horário de aula, da vida, da politica e daí ingressei num PT de utopia. Fui militante porque acreditava, quando já não acreditei, sai. Temos que fazer as coisas por amor e não só recompensas. Façamos por amor e o que precisarmos da vida material virá por acréscimo. Nesta noite no apartamento ouvi projetos e vi os olhos brilharem. Ouvi pessoas que tentam viver e não sobreviver. Chega de tentarmos sobreviver, precisamos aprender a viver. Só temos o agora para alcançar a felicidade, tanto a individual quanto a coletiva. Ando a pé pela cidade e ainda vejo pássaros ao lado de Rios mortos, talvez ainda resta um pouco de vida lá. O parque de minha cidade é belo, mais belo hoje que ontem, cheio de animais livres e soltos, enquanto se mantém um casal de passarinhos presos, numa gaiola de minha casa. E as secretarias de meio ambiente nada fazem, as secretarias de educação nada fazem, talvez porque eu e você sempre estamos de braços cruzados. Não sabemos nos articular. Preferimos esperar de alguém que faça. Este alguém não existe, este alguém sou eu e você. Se o prefeito de nossa cidade é incompetente, cabe a nós o tirarmos e encontrar alguém competente ou sejamos nós o candidato a Prefeito. Se nosso governador não governa ou não sabe governar sejamos nós o Governo ou o Presidente da República. Os partidos estão ai sem moral e sem liberdade porque nós cruzamos os braços. Se o Rio está morto é porque nos o matamos. Tá na hora de nos reerguermos e limparmos nossa mente, nosso corpo e buscar a sabedoria que está dentro de nós. E irmos à luta. Não importa se morreremos amanhã ou hoje, que seja feita a nossa vontade agora. Que nosso ser se manifeste e não nosso ego.
Sejamos mulheres e homens de verdade e o mundo pelo menos a nossa volta, será outro. Temos força para sairmos de dentro de nosso abismo e recriar a vida em plenitude. Nós somos os filósofos, os políticos, artistas, operários, somente a nós e em nossas mãos está a mudança.
Se eu ou você nada fizermos, as coisa sempre serão iguais. Em minha cidade jovens se encontram e as vezes acontecem brigas e a policia intervem, por que? Se governos não dão lazer, não geram empregos a estes jovens. O Estado manda sua policia descer a borracha, em vez de mandar educadores e agentes culturais. Que sociedade tola, estes jovens gritam por ajuda. E nós bem famílias deixamos nossa policia os repreender. Quiçá saiam lideres destes jovens para buscar o que a eles pertencem. E quiça da medíocre sociedade sai alguma orientação de lhes oferecer as mãos em vez de cassetetes. Ó minha, sua São José dos Campos, cidade de muito dinheiro e muita corrupção. Que hora teremos vergonha em nossa cara e a mudaremos?
Os séculos passam as noites passam e nós nunca passarinhos?

João Carlos Faria

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Se a poesia veio que seja em celular , papel de pão e o que mais tiver a mão !
Depois vem a revisão.

Beatriz Galvão

No Sarau Maldito, num ato tardio de aceitação aos apelos de Dailor Varela (extensivo aos insistentes teus, Faria Joka) vou dar vazão a alguns dos poemas meus.
Obrigada!
#SarauMaldito2017
Dias de prosa !
Dedicado a Beatriz Galvão
Tenho nostalgia do poema que ainda não escrevi.
 Do poema que transforme em carne nosso coração de pedra.




Apocalipse virtual

Boa noite !
 Que Fernando Pessoa nos guie no caminho além do bem e do mal !
 Adentrarmos no sono e aí Mano Raul Seixas somos borboleta ou sábio chinês ..?
 Somos mercado , mercadoria ou cidadãos !
 Somos nação ou vaquinha de presépio ?
 Revolução ? Se nem sabemos de onde viemos ?
 Entre deus e o diabo !
 O que nos liberta ?

Joka
 João Carlos Faria


Dias de Apocalipse

Ao artista plástico Davi Fernandes Faria, Hoje num ônibus alguém lia um livro e não era a Bíblia e sim Vinícius de Moraes !
 Quais foram os poetas que escreveram a Bíblia ?
 Sagrados são os poetas eles entendem a língua de Deus !

Joka
João Carlos Faria



quinta-feira, 26 de outubro de 2017


Estou livre das mentiras dos telejornais da TV a cabo ! ?


Dias de cansaço fisico ! Mudanças de habito ! Mas sem poesia , sem arte não dá . O portal Entrementes de Elizabeth Souza me surpreende positivamente com a republicação de textos
publicados desde o inicio do site. Ando meio fora da linha ou entrando numa linha tenue entre
o ócio e o trabalho. Dias de cansaço e prazer . Dormir cedo acordar nas madrugadas e desbravar
o universo da educação.
Uma sinusite sendo tratada e a minha releitura fora de meu contexto. Meu blog a um tempo sem postagem.
Cade minha inexistente poesia ? Vida , cotidiana e cheia de prazeres , cade o revolucionário que
me habitava ? Ainda existe ?
Mas palavras nos surpreendem assim como o inexistente cotidiano das escolas , só o horário é o mesmo. Hoje um toró inundou a manhã da cidade. E eu já estava pronto para uma jornada. Eu militante de causas impossiveis adentro a vida de pacato cidadão.
Cavernas , personagens na vida , mudar a si mesmo já é uma enorme revolução !
O que seria de mim sem a reflexão ? Sem poesia que circula nossas vidas , cotidiano algo raro
em minha vida . Sem meditação ? Não viveria mais sem meditação.
Estou livre das mentiras dos telejornais da TV a cabo ! ?
Nem sei a quantas anda a economia , um amigo em seu ócio pesquisa sobre o fim do mundo, preocupo – me com o agora.
Uma colega recoloca as velhas brincadeiras de roda no centro para crianças que vivem em apartamentos , casas sem conhecer a vida das ruas e o livre brincar sem a opressão do adulto.
Liberdade , cheiro de terra na infancia eu andava por ai . Via o Corrego Cambui , brincava
de esconde esconde , em frente a rodoviaria nova. E estas geraçoes . Cercadas pelas teorias
educacionais . Gosto de Max Weber mas os filosofos educacionais não fazem minha cabeça.
Sou mais Friedrich Nietzsche , Gabriel Garcia Marquez que segundo um amigo falou de um bruxo de Sierra Maestra em uma de suas obras ! Já li vários livros de Gabo.
Filosofos , poetas cade o tempo para eles enquanto estamos cercados de celulares inteligentes , mas
que nos mantém burros. Fernando Pessoa se faz presente no meu celular através de um aplicativo de
leitura de livros.
Não sabemos o caminho da felicidade , sabedoria é algo raro em nossas
vidas nesta vida em que o tempo é o bem mais precioso. Liberdade , ocio e trabalho precisamos
resolver esta equação !
O capitalismo nos faz consumidores , quando teremos a real noção de cidadania ? Quando aprenderemos a arte da politica para o bem comum ?
Quiça como alguém me falou o apocalipse está dentro de nós. E fora é tempo de achar a
felicidade no cotidiano.
A TV repete um milhão de vezes o ódio e a falta de amor , precisamos de coração de verdade
a sabedoria esta em minha em sua alma.
Falei do significado de alguns nomes das crianças , numa roda de conversa.
Vida , breve … quando publicarei um novo livro ?
Ouço Belchior de forma acidental .. Enquanto encerro este texto sem nenhuma pretensão além
de viver o momento … Amanhã é Sexta – Feira … 27 de Outobrro de 2017 ..
Recordo do velho Saw ! Que nos desbravou a mistica vindo de uma Serra da Colombia , atravessou a América pelas matas …
Te saudo o Mestre neste 27 de Outubro ..
Vida , breve .. vida livre .. Em busca da essencia humana , sabedoria.

Joka

João Carlos Faria
Raro é o tempo para o ócio ! O tempo é a vida ! Sem ócio mera inexistência ! O dinheiro não liberta. O ócio abre portas e saídas do labirinto.

terça-feira, 19 de setembro de 2017



A caneta rasga o céu de nossa imaginação ..


Minha alma ao menos esta noite foi salva da monotomia da TV o poeta Diego El KHOURI PUBLICOU um poema de Ikaro Max “ PEDAGOGIA DAS FOGUEIRAS “ Ai cheguei ao KINDLE de meu celular onde Fernando Pessoa espalha sua vida em nosso viver .. Entre tantos poemas de Pessoa “ Cruzou por mim, veio ter comigo , numa rua da Baixa “ .. Não consigo na noite ler manuais de concurso .. Não tenho nada contra Vygostsky , Piaget , Wallon .. Embora ache que mesmo depois de alguns anos entendo pouco destes pensadores da educação .. Paulo Freire é diicil de ler mas é prazeroso. Gosto de ler Edu Planchez , Nydia Bonetty e tudo o mais que caie na rede .. Filosofos em geral … Estou com uma sede por um romance bem escrito .. E estes concursos a nos tirar a alegria da vida … E o prazer da leitura sem nenhum compromisso. A sala de aula é algo tão prazeroso que me dá prazer levantar as cinco da matina … Quem sabe um dia tenha paciencia para cadernetas , relatórios , corrigir e elaborar provas mas gosto da ousadia de um documentaŕio que questiona a educação a A EDUCAÇÃO PROIBIDIDA disponivel na NET FLIX .. Pensar e agir .. Deveriamos ser mais ousados e me faço poeta … A vida é guerra e arte … E um poema nos ganha o dia .. Tem hora que me pergunto o que faço neste mundo .. Sem metafisica, deixaria um onibus me atropelar .. Redes Sociais espalham poesias … Este fim de semana foi ‘ GLORIOSO “ estavamos numa Festa Literaria ..
Ler , refletir o mundo e escrever ...Quero comprar um KINDLE para salvar minhas noites pós meditação da Globo Nwes .. Já me basta o UOL prefiro descubrir a poesia no Face e no Entrementes.
Sei que não me transformo. Se não me transformar o mundo sempre será mundo. Eu deveria criar um romance experimental .. Recriar minha vida em diversos personagens tem um filme assim sobre a vida de Bob Dylan nem ouço tanto Bob , sou mais Caetano Veloso , Raul Seixas e nossa velha MPB sem esquecer as novidades como MUSA HIBRIDA .. Quero fazer um curso de letras não para revolucionar a educação , mas passar o prazer da leitura e escrita aos alunos.
Poemas eu faço nascer poucos e raros e nem tão bãos assim. Livro não lanço não sei fazer a SELEÇÃO DOS TEXTOS … Vi tanta coisa bela impressa na festa literaria .. Tanta ousadia , preciso achar um diagramador para criar algo simples como uma revista da Turma da Monica para custar pouco. Quero publicar na AMAZON … Tantos planos e pouca ação. A caneta rasga o céu de nossa imaginação .. Tinha um poema assim de uma garota no cd cidade das palavras ..
Este egoismo de mercado que não nos deixa juntar para fazer. A palavra “ PROJETO “ e “ GRANA “ precisa ser excluida dos meios artisticos. Um poema republicado por Diego El Khouri causou um abalo cismico em minha zona de conforto .. E este escrito nasceu.
Confiram o poema de IKARO MAX …

Joka

João Carlos Faria




PEDAGOGIA DAS FOGUEIRAS
Por: Ikaro Max
outrora as próprias ervas de cheiro, tempeiros, incensos de uso mágico eram vistos como ameaça diante dos dogmas da Santíssima Trindade: pois devolvia aos sentidos a primazia deste mundo & não a arquitetada cegueira de um mundo inventado fora deste.
E as "bruxas" foram perseguidas & queimadas para se arrependerem da profana devoção ao sensível...
Para quê, pois, deixar a estes inquisidores o monopólio das fogueiras & das Noites de São Bartolomeu?
Imensas piras em que obras inteiras, bibliotecas inteiras, Alexandrias inteiras, que datam de Nero a Hitler.
Os catálogos de iguarias
As revistas de sport
Ou de moda
As publicações evangélicas:
& se elas fossem, igualmente,
queimadas?
Não se vê Espírito escrever:
estamos atolados entre corpos & arbítrios
entre privilégios de quem, enquanto casta, legalizou a abominação & o assassinato.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Apocalipse

A besta esta ai , livre e solta a trazer dor !



Eu que coleciono as imagens de espelhos de minhas memorias
sentidas de minhas quase 108 existências !
Quase 108 inexistências, acecessalas é um desafio.
Eu sim Eus em suas malévolas pluralidade nunca a essência.
Demônio a arrastar corpos e mais corpos masculinos e femininos em eras grilhões de medo e dor.


As vezes em jangadas perdidas no Oceano da Lemúria ..
Hoje conto historias infantis em salas de leitura .. Cinderela , Branca de Neve
eu sempre Lobo e Ovelha ..
Sedento de sangue e orgias … Em seculos e seculos perdidos …
No êxtase do pecado e da luxuria.


Eu hoje neste Vale do Paraíba entre a Mantiqueira e o Oceano Atlântico ..
Que futuro nos reserva nestes sombrios dias , onde se anuncia a soltura
da besta que agora tem nome ?!


Fim de tempos , oceano de vidas e vidas e nunca alcanço a liberação
de minha essência ..


Canções , canções , canções ..


Vaidade e dor .. nestes dias de fim …
Só no resta cair de joelhos e orar , meditar .. Suplicar ao Pais que esta em nosso
interior e o Amor da Mãe que vive em segredo.


Eu sacerdote de civilizações perdidas hoje no lodo …
Buscando a essência , querendo luz e descendo aos abismos sombrios
de minhas 108 inexistências …


Alma , fragmentada , cansada … Bebo a taça e o saber de
Samael Aun Weor ..


Que nos alivia da desesperanças , tempos sombrios ..


Tempos de desamor , silenciemos acessemos o
coração é tempo de orar , meditar e conquistar o amor.




Joka


João Carlos Faria






domingo, 10 de setembro de 2017

Catedral de ventos ..

Eis os mortos de tempos inexatos , calor de inverno ..
Antecipa - se a primavera ...
Desesperança ...
Uiva - se
Silencio, Atlântico ..
Floresta de concreto , lobos ..
Eis a festa .. sob a luz da noite ..
Mergulhemos na escuridão .. abismos
diante da estrela que deve nascer dentro
de nosso abismo.
Morte , inexata .. canção de um fim.
Porque não existir ?

Joka

João Carlos Faria

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Nydia Bonetti nos dá a certeza de existência numa tarde sem chuva , últimos dias de inverno. Sem chuva enquanto ainda não chega a primavera. Uma canção de Antônio Marcos outra de Beto Guedes e a poesia de Nydia.

Nydia Bonetti
a dor que mata é a mesma que salva
os calos nas mãos protegem
e todo esquecimento
e os olhos embaçados
e os ouvidos moucos
talvez sejam dons
entre ser e não ser a vida se equilibra
na mais perfeita ordem
neste universo advindo do caos
onde tudo mergulha e silencia

sábado, 2 de setembro de 2017

A CONEXAÇÃO DA SOLIDARIEDADE


Como sair de nossas zonas de confortos sejam as espirituais , econômicas e sociais. Vejo todos nos se debatendo nas redes sociais feito peixes a agonizar fora da água. O amigo Paulo Lopes quando trabalhávamos num evento para sua produtora. Falava em criar um jornal com Boas Noticias e hoje vemos as redes sociais. E uma lamentação enorme.
Como diria Raul pare o mundo que vou descer. Tem um nome bem chic em Inglês o tal de Carl Working onde muitas empresas se juntam. E não é que tem um povo na periferia de São Paulo criando seus espaços de trabalho. A “ esquerda “ não gosta muito da palavra “ empreendedorismo “ mas sou ovelha bem vermelhinha os socialistas Utópicos do inicio do século dezenove tinham uma visão mais independente do que a “ esquerda “ que gosta de se deixar levar pelas benesses do estado. Sinto precisamos saber arregaçar as mangas e criar soluções econômicas de modo coletivo neste século vinte e um.
Quantas ferramentas ?! Nunca tive a visão de me acomodar num empreguinho qualquer de funcionário público. Para mim vender a minha mão de obra a preço de banana é sempre algo passageiro e que quase nunca passa. Temos que nos revoltar contra nos mesmos e achar saídas
nestes labirinto econômico e social. A estrutura da escola publica muitas vezes é ótima mas a visão
da comunidade e dos trabalhadores em educação é geralmente bem tacanha. Faz se um decoreba de alguns pensadores sempre os mesmos e tenta se implantar numa escola que não liberta e sim nos
mantém escravos deste sistema que nos alimentamos. As pessoas no dia a dia esquecem de pensar o mundo e suas vidas. E dedicam -se a seus trabalhos mecânicos. Mais de oito horas de trabalho por dia mais o tempo do translado. E ficam esgotadas eu mesmo estou nesta, mas que seja momentâneo
temos que nos refletir temos uma data de nascimento e um curto intervalo para uma data de sepultamento. Precisamos ser ousados e criativo neste intervalo. E geralmente não somos. Cade
nossa ousadia ?
É preciso repensar tudo religião , metafisica, educação, arte e economia. E não o fazemos as universidades não ensinam a pensar. Então nos esforcemos não pensando para não sermos mecânicos.
Cidadania é um termo forte. A economia no mundo muda sempre. Agora este tal de Carl WORKING.
E o nome de Solano Trindade um poeta dá nome a um espaço deste na periferia de São Paulo.
A vida não deve ser passado em preto e branco não estamos aqui para nascer , crescer , reproduzir e morrer. Temos que deixar algo além de uma herança genética. Inspiremos nos em Buda , Jesus o Cristo e outros historia a fora que deixaram suas marcas.
Temos uma herança humana e porque somos tão desumanos que aceitamos moradores de rua, crianças sem escola e crianças com uma escola que não lhes dá uma boa perspectiva de vida ?!
Sair do lugar comum para que lemos tanto e pensamos tanto ? Se refletir no espelho deixar
a consciência se manifestar.
Nunca é tarde para se construir algo novo. Partidos Políticos , Sindicatos estão envelhecidos e nas
periferias deste planeta surgem novidades que devemos estar atentos que podem mudar a vida
das pessoas.
O Estado é uma invenção humana que pode ser transformado. A economia deve ser solidaria e humana. É preciso descobrir maneiras de gerar riquezas e as distribuir. A escola deve ser um lugar de mudanças e transformação social mas ao contrario é o local mais reacionário e conservador que conhecemos. No geral ela reproduz a cruel realidade da exclusão social. Com o embasamento de teóricos e acadêmicos.
Gosto mais de Ivan Illich , José Pacheco que buscam mudanças no ensinar e no convívio escolar.
É preciso criar uma economia solidaria nas periferias Brasileiras e criar uma teia de comunicação no Brasil para que novidades que transforme a economia , educação , arte das comunidades sejam
socializadas.
Não estamos numa ilha estamos conectados. Temos infinitas possibilidades além de um mero e cansativo trabalho mecânico.
Ousadia o mundo precisa de ousadia !


Joka


João Carlos Faria




domingo, 27 de agosto de 2017

Não devemos nos desesperar quando não vem o poema. Quando menos esperamos
ele vem e nasce e nos saúda !
O poema é raro mas a prosa o prepara para nascer. Hoje ele veio a luz !
Brincante como aquele Jesus Cristo de Fernando Pessoa .. Quem vive sem a luz do
poema descemos ao nossos infernos. Pé ante pé enfrentemos nossos dragões ..
Que o poema nasça em nossas almas.
No espelho Clarice


A partir do conto no Espelho de Ronie Von R. Martins e a imagem postada no Entrementes e relembrando o poema Clarice de minha autoria publicado no meu livro Retinas.
Recrio livremente.



No espelho Clarice


Clarice, sempre no espelho a se refletir desde menina. Clarice sempre menina sempre
livre e solta a subir nos pés de arvore.
Sempre andando descalça. Nadando nos rios. E assim cresceu Clarice nos quintais da Mantiqueira.
Clarice sempre nua diante do espelho. Tentando desvendar o que é além ?
Mergulhada nos livros e na vida …
Clarice diante do espelho se refletindo antes de que houvesse nudes e fotos.
A beleza .. Narcísica de Clarice .. desvendar o mundo .. Caminhar pela Mantiqueira.


Clarice esbelta , forte e audaciosa ..


Banha -se no Sol dos Outonos ..


Clarice mergulha no espelho adentra a si mesma ..
Sempre Clarice …


Clarice se faz mulher , diante do espelho …


Clarice nos quintais da Mantiqueira .


E o que além no existir ?! Se estamos sempre aquém de nos desvendarmos !?


Clarice, alguém em busca da essência , mergulhada dentro do espelho.


Entre livros , filmes e filosofia ..


Afinal quem é Clarice , círculos , montanhas , eternidade ..


No atravessar o ESPELHO ..


Clarice , Clarice , Clarice …


Diante de sua imagem no espelho.




Joka


João Carlos Faria

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

BRASILIA e seus lideres populistas

As redes sociais parecem desconectadas da realidade. O cotidiano fora das redes é prazeroso.
Canções de pássaros , crianças , trabalho.
E a politica é uma ilusão. Brasília deserta de humanidade.
Enquanto o povo calado só constrói riquezas .. Que perdidas na ilha da fantasia “ Brasília “ palácio de devoradores de sonhos e utopias.
O que será o destino de um povo sem líder, sem vozes? Sem quem realmente faça pelo destino do povo. Estamos cansados “ de lideres populistas “
Quando mudaremos de fato esta podridão ?
Só as ruas pode libertar o povo de sua “ classe politica “ só as ruas. só as ruas . só as ruasssssssssssss. E nos" calamos " em gritos histéricos nas redes desconectadas da realidade.
   
Joka

João Carlos Faria

sábado, 19 de agosto de 2017

A espetacular sociedade das redes sociais !


Dias felizes de chuva navego por nosso Vale do Paraíba na “ Canoa de Ossos de Ricola ! .. “ uma ida a Montes Verdes no programa do Gabeira . Sábado uma passada na feira , num caixa eletrônico a descoberta de Robert Burns sera que nunca pisarei no chão da Escócia ? Montes Verdes na Mantiqueira só uma trilha interminável apenas. Nem chego a segunda MONTANHA . Imagine na terceira ? Dias de trabalho , rotina .. mas EXISTE felicidade no sorriso das crianças.
Chove em nossa aldeia. Limpa nossos ares . Imaginem diante do mar ? Gaivotas , quem sabe hoje
filmes , séries. Comecei a ver um filme Argentino. Dias destes na NETFLIX a Beleza Fantástica do
diretor Simon Abold.
A violência a plena força nos jornais televisivos esta repetição das dores humanas. Fico com a chuva. Concursos para estudar.
Ler e criar poemas a vida em seus desnificados. Canções …
E a politica em suas enganações a pleno pulmões. Mentiras repetitivas nas redes sociais.
Quando um poema nos salva ? Uma meditação nos abrirá nosso coração ?
Canções , alma , essência.
Banheiros unissex em universidades. Roupas unissex .. E o corpo o que nos diz ?
Identidades do século vinte e um … O barulho da chuva .. Quero um dia voar num teco teco no Vale do Paraíba … Nada da esquadrilha da fumaça nos ares da cidade.
Rotinas cansativas , mecânicas. Quem sabe um curso de moda? Eis que criar nos aproxima de nosso
divino. Empreender nos salva a vida financeira. Realizar-se profissionalmente nestes dias competitivos.
A masculinade e a feminidade podem ser avaliada pelas roupas que vestimos .. ? Desde a juventude faço este debate e agora toma força dentro da sociedade . A espetacular sociedade das redes sociais.
E no dia a dia as convenções sempre as mesmas ? E a fogueira das inquisições sociais no dia a dia fora das redes sociais.
Somos sempre iguais em nossos papeis mecânicos. Bater cartão. Quando se tem um trabalho. O trabalho é uma raridade em nossa comteporanedade. Criemos uma novidade que salve nossas vidas econômicas. Esta opressão de sobreviver. Devemos ser felizes e viver ! Capitalismo , socialismo tudo mera ilusão o mercado é canibal. Todos somos devorados pela mecanicidade.
Liberdade ?! Que palavra difícil de se vivenciar. Não sabemos nada de nosso lado oculto.
O que Freud diria de minhas fixassaçoes. Encontrei inúmeras chaves em Samael Aun Weor mas vão
dizer que é mistico e não cientifico. Quando fé e pensamentos se amarão na cama das ideias ?
O homem no caso o ser humano é a esfinge a ser decifrada ?
Vou esquentar meu almoço de sábado.
Quem sabe uma hora desta escrevo um roteiro um romance e faço um poema que alcance
o coração do leitor.
Por enquanto me encontro nas cronicas. O verbo , canção e o amor.
Dias felizes de chuva … Quero criar um poema que nos liberte das agruras inóspitas do dia a dia.
Por enquanto fico com a poesia viceral de Ricola de Paula que retrata o Vale do Paraíba gravado e tatuado em sua alma.
O Rio de Janeiro nos poemas de Edu Planchez .. E as aventuras poéticas de Nydia Bonetti ..
Viver eis nosso eterno desafio. Muitas vezes somente sobrevivemos no caos do dia a dia.


Joka


João Carlos Faria

terça-feira, 15 de agosto de 2017



Melões da Namíbia e o caos social




Manhã fria de inverno , telefone toca a vida segue e Rynaldo Papoy recuperou
Melões da Nanibia um roteiro de um filme . Nem sabemos quando será filmado
mas esta ai escrito. Li um trecho é bem divertido e dentro de nossa realidade
atual.
A vida segue em suas desrazões. Pessoas mortas em manifestações , guerras civis.
Guerra politica ideológicas. O dia a dia nos sae cansativo e prazeroso quem tem
uma vida estável ?
Cães na chuva sem direito a um abrigo. Trabalhadores sem uma remuneração
justas. E Sindicatos que não juntam mais ninguém.
A luta urbana nunca é por ter negócios comunitários. O MST é um avanço
luta por terra que é emancipação financeira das famílias. O MTST por moradia.
Alguém conhece um movimento pró geração de empregos na sociedade Brasileira
ou outros países ? Gerar negócios, trabalhos. A esquerda precisa se repensar e mudar
e nos mudamos ?
A opressão pela falta de trabalho , teto e educação de qualidade. Saúde nem se fala
e a arte para que fins ? Para nos transformarmos e refletirmos o mundo. E o roteiro
de Rynaldo Papoy é fonte de um dialogo a alguns anos. Fazer e criar filmes bons ou ruins
não interessa o importante é agir.
Criticamos o empreendedorismo enquanto pensantes de esquerda , mas propomos algo
que emancipe as pessoas de patrão seja na iniciativa privada ou no setor publico ?
Criar possibilidades de romper paradigmas. O governo real da esquerda Brasileira Lula
e Dilma financiarão estas possibilidades em seus governos ?
A Venezuela tem alguns avanços no setor de cooperativismo como na Argentina ?
Professores num dialogo debatiam as mudanças na educação.
Nossa geração esta no trem da historia. Agora batalhamos por garantias básicas
do cidadão. E um prefeito de direita corta o direito a repetir a merenda escolar
mas foi eleito recentemente pelo povo. O mesmo povo que ele prejudica.
A democracia tem possibilidades para o mal e o bem.
E não ousamos pensar além de direita e esquerda. Precisamos Desconstruir nossas reflexões e ações
as pessoas tem medo de pensar imagina escrever.
E Rynaldo Papoy com seu roteiro de Melões da Nanibia esta ai. Materializado participei
deste processo.
Produzir cinema no Vale do Paraíba já tem muita gente fazendo em São José e Jacareí
preciso fazer meu radar funcionar para registrar aqui no Entrementes.
A Marzia Gatto participou de um filme me convidou pára a estreia mas não me passou
detalhes.
Enfim criar, pensar e agir no mundo é o que nos torna humanos.
Temos inúmeros caminhos enquanto humanidade repetir erros de sociedades fascistas é um abuso.
Uma morta numa rebelião nos Estados Unidos covardemente atropelada.
E só resta aos artistas e livres pensadores registrar estes descalabros.
Enfim Melões da Nanibia esta ai. Ainda como uma idéia. Quiça vira um filme.



Joka


João Carlos Faria

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Ser tão
dimensões múltiplas ..




Por entre a canção de Caetano Veloso .. nos seus setenta e cinco anos. Lanço uma flecha no espaço, dança a mulher maravilha diante de mim.
Ítalo Calvino chega a mim numa flecha quântica , crianças brincam ao comtenplar o voo dos urubus. Na era de aquário um poema inquietante de Ricola , torno me mutante.Dialogo com a poética de Edu Planchez … Mergulho nos quadros e na poética de Diego El Khouri .. Ser tão
dimensões múltiplas .. E Deus e a Deusa dançam dentro de meu coração .. cantemos a vida, tarde de agosto um sorvete de queijo no intervalo de um estudo de concurso. Mergulho nas paginas do livro
e diante de mim Marco Polo e Kublai Khan ali vivos num texto de Ítalo Calvino.
Interconexões no viver … Cantai vos ó pássaros da vida e alguém posta no face o tempo de brigar e o mesmo de amar. Escolhemos entre amar e brigar. A vida corrida do povo que acorda nas madrugadas, trens , ônibus e o cansaço. E cade a poesia para esta gente ..? Quem se encontra numa meditação ? ! Viver entre trabalhar e não trabalhar. Sentir -se vivo como cantou Caetano “ SEM LENÇO NEM DOCUMENTO “ afinal não temos nada .. nascer , crescer , viver amar e morrer e novamente eternidade afora .. quando daremos um salto quântico ? !
E Deusa e Deus estão dentro de nosso coração esperando ser sentido e amados .. Os poetas Sufis cantam ao amado o pai que esta em segredo.


Ser tão
múltiplas dimensões ..


A cidade plena na manhã de uma quinta feira nada de telefonemas para ver o sorriso das crianças e o chorar pela mãe.
Nas canções do Bola de Meia e as crianças se encantam .. OUVEM o Bola .. e as canções de Beto Quadros lindamente apresentado sua arte por uma professora as crianças.
Sorrimos ao Sol de Agosto , cade a chuva ?
Promessas para ver o Mar ? Promessas para ir a Mantiqueira ?
E concursos e mais concursos e sempre “ sem lenço e documento “ pelado pelado nú com a mão no
bolso “ como canta Róger no Ultraje a rigor.
Cade aquela saia vermelha e você mulher dançar para mim. E uma linda mulher dança no stagram nem sei qual música ?
Nunca vi o dançar Sufi .. danças circulares .. cirandas .. Gaia dança e faz gerar universos …


Ser tão


Venezuela , Brasil e o desamor não deve suprimir o amor !


América univos em torno da liberdade de seus povos ..


Dancemos ciranda nas escolas, criemos uma educação que liberte como no sorriso de uma professora no jornal Hoje ..


Ser tão


Dentro de mim entre o morrer e o renascer , Fênix fênix fênix … Eis Deus e Deusa
a dançar dentro de mim .. E quando daremos o salto quântico ?!


Ser tão
Minha alma clama por Ser !
Eu cansado, devemos resurgir como a AVE FENIX .. Ser tão … Ser tão … Ser tão …


Joka


João Carlos Faria









domingo, 6 de agosto de 2017

Viver eis o desafio




Epa fim de semana ao estilo dos poetas que vive doente. Mas escrever é uma necessidade vital e quiça as vezes seja o ultimo. Ninguém sabe o que vem depois. Vivamos intensamente. A literatura de cordel tem chegado a mim de forma nova. Estava ligado em Hai Kai mas o cordel vem através de Paulo Barja , Marzia Gatto que é atriz e escritora. Tantos gêneros literários que podemos experimentar e a cronica parece estar em minhas veias. Estava jogando minhas frases no Face para
bombardear e alguém ponderou que parece auto ajuda. Único gênero literário que não quero experimentar. Linguagem é experimento. E letramento não é só ler e escrever é teatro , dança , cinema, musica não aprendemos o mundo só pela literatura mas com tudo que nos cerca !
Hoje me diverti numa sala de leitura lendo revistas e jornais no inicio de uma tarde , vi duas exposições e um velho Bandeirante em um parque.
Sou do tempo dos jornais. Sei achar o que me interessa para entender nossos dias. E não é que na revista Planeta diz que existe multi versos. Vários universos. Não achei a Caros Amigos sai mais
leve lendo O Vale e a Folha de São Paulo. Dia de céu azul e frio e as pessoas no parque. Nem de longe uma cena de uma musica de Gilberto Gil. E perdemos Luiz Melodia tanta gente boa indo
embora e muita gente para ser descoberta.
Vivemos um mundo meio andrógino onde homens se maqueiam em comerciais de TV. Uma exposição de gravuras que critica a propaganda. Mas sempre nos enganamos. Sera que o leitor chegou até aqui neste meu texto ? Texto é tecer. Criar nem sempre o novo já tentei misturar gêneros numa escrita pretensiosa. Já não pretendo nada fico com o ostracismo e a solidão necessária aos que escrevem. O mundo a vida é um laboratório para entende-lá e tecer meus escritos.
Talvez tenha pretensão ai ? Hoje li Carlos Heitor Cony que talento. Barja e seus cordéis me encantam já tivemos a convivência e a presença de Paulo Nubile neste universo caipira de nossa
cultura no interior entre Sampa e Rio.
Estamos fora e nem somos umbigos com nossas artes. Viver de arte ? Arte é respirar. Imaginar
ser livre. Mas o que é liberdade ? Neste debate interminável sobre gênero. Ney Matogrosso disse que é masculino e pronto. Masculino e Feminino. Mas o corpo é arte ! Do corpo se faz a arte. Porque não o inusitado no corpo masculino ? Só as mulheres experimentam o lúdico no se vestir.
E o corpo masculino sempre a deriva no ostracismo de uma sociedade patriarcal que se esvai. Não ser , nos faz ser ?
Poemas , poesia , arte .. Tantas dialéticas … E a cidade pulsa a vida pulsa .. Vi uma exposição de ciências hoje. E somos uma cidade de ciências e arte. Que tudo se misture esta magia estava na presença de Paulo Nuble e agora em Paulo Barja, Jacek Ricardo SLEVAWA porque não abrir os Laboratorios de Ciências Exóticas no INPE, CTA. Deixa as crianças os artistas brincarem naqueles imensos computadores. Que nem sonhamos chegar perto ?
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS pode ser um experimento humano e não desumano !
Arte , ciência , religião de forma harmônica e integrada. Trabalhei numa escola ao lado do INPE, CTA e nem sentia a presença da ciência e de seus cientista. A educação Básica precisa da presença de doutores , cientista estimulando a criatividade.
Só um prefeito meio cientista, exótico circulava cantando o hino nacional nas escolas.
Viver a ciência é necessário. Experimentar , criar, temos a possibilidade de fundir ciência e poesia , matemática e palavra que é tudo a mesma coisa.
Somos enfim experimentos divinos , fragmentos de estrelas.
Esta cidade pode ir além mas parece ficar aquém. O estado é um pacto social mantido por nós.
A cidade é algo imaginado, tecida dia a dia num texto interminável.
E João Nicolau quer se aventurar nas trovinhas. Façamos da arte uma revolução individual e coletiva.
Afinal este momento só acontece agora. Viver eis o desafio. Sobreviver e desesperança.
Tanta gente que me ensina sobre a vida e aqui citei alguns nomes.
Mas qual é o nome de nosso pai ?!
E seja feita sempre a vontade do Pai que esta dentro de nós !




Joka


João Carlos Faria

domingo, 30 de julho de 2017

E os P de partidos já não nos ilude


Negros , brancos , pobres !
A pátria da exclusão , tudo sempre igual mesmo
após o discurso na Flip .. Nas periferias , centros
não existe segurança.
Nas periferias sem emprego.
E na mídia façam bolos ..sejam empreendedores …
Povo sem trabalho , sem aposentadoria
sem dinheiro …
E os P de partidos já não nos ilude ,
esquerda a direita .. e os conchavos aos grandes empresários.
Você vai votar em quem ?!
E nos iludimos nos concursos , nas provas e editais …
A vida é breve .. bela e o Sol de inverno nos dá sentido
de viver.
E as ruas vazias de sentimento .. ilusão, paz opa
levaram seu celular ..
Levaram seu carro , entraram na sua casa ,
opa você morreu !


Joka


João Carlos Faria

sábado, 29 de julho de 2017

Aos P de partidos o lixo da historia

Culhões falta nos culhões para mudar este Brasil !
Sera que no fundo concordamos com a corrupção de cada dia neste
pais ?
O crime organizado já esta se infiltrando nos governos. Devem se juntar
aos já organizados ladroes nacionais.
Este P de partidos são a escoria da nação. Eles já não nos representam
vamos votar para que no ano que vem ?
Nas periferias brasileiras o crime organizado é quem manda.
Ditam as regras e se fazem lei.
Aos P de partidos o desprezo que entrem para o lixo da historia.
Mudanças de forma horizontal e não vertical.
Cabe ao povo Brasileiro novos caminhos na reconstrução da democracia.

Joka

João Carlos Faria

 

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Cidadania !

Silenciar -se nunca diante do desgoverno que se faz no Brasil nos dias de hoje.
O ato politico é um ato de cidadania e amor ao próximo estamos todos neste imenso Brasil
e temos direito a segurança publica, trabalho e emprego, o direito de ir e vir precisa ser garantido , saúde , educação , arte , cultura.
Que democracia é esta? Que os direitos básicos não são respeitados nos não temos classes
somos todos seres humanos.
Se manifestar em redes sociais e nas ruas e praças publicas é dever de todos nós. Não importa nossas cores ideológicas , crenças e divergências somos todos Brasileiros.

Joka

João Carlos Faria
 
Rumo ao 2º Encontro Literário da Mantiqueira




No ultimo dia 21 de Julho de 2017 aconteceu no SESC na comedoria um encontro de pessoas interessadas em literatura e politica cultural em São José dos Campos um encontro prazeroso com mais ou menos dez pessoas entre poetas e escritores.
Mostrando a força e a vontade de fazer arte e cultura na nossa região e uma das decisões é que conversaríamos com a comunidade cultural do distrito de São Francisco Xavier e agora vai ter um outro encontro na Biblioteca de São Francisco no dia 6 de agosto ( domingo ) às 15h na biblioteca pública local.
Este encontro do SESC foi chamado pelo poeta e professor José Moraes Barbosa com boa aceitação por e-mail e nas redes sociais.
No encontro debatemos a falta de apoio dos governos estadual e municipal, Federal na questão de cultura e arte.
No mesmo dia assisti a um documentário na Globo News no horário antigo do Globo Nesws literatura e que mostrou os cortes na arte e cultura no Brasil.
Governos usam da crise econômica para cortar gastos na cultura ?
Sempre defendo nos meus textos a independência no setor cultural e o empreendedorismo.
Mas investir em arte , cultura , educação, saúde publica é um dever do estado Brasileiro.
Como manter orquestras sinfônicas , recuperação do patrimonio histórico das cidades ?
A comunidade avançar e criar um mercado de arte é importante como criação de editoras , gravadoras, produtoras de cinema e video , sites como o Entrementes e ueb rádios como a KFK.
A comunidade local , estadual e nacional precisa se organizar.
Fiquei sabendo hoje que estão propondo a extinção de uma Fundação de Cultura na cidade de São Paulo no inicio do ano aventou-se esta hipote de fechar a Fundação Cultural Cassiano Ricardo que precisa
é se debater a politica de arte e cultura em nosso município.
Mas fechar uma entidade que nasceu no processo de redemocratização do pais é um abuso em nome
do controle das finanças do município.
Cada senador Brasileiro tem direito a 80 acessores e estão penalizando o povo Brasileiro já com a
reforma trabalhista e em breve com a reforma da previdência.
Que pais é este ?
Não iremos nos silenciar que seja um sucesso este 2º Encontro Literário da Mantiqueira.
Quero estar lá enquanto cidadão e escritor.
Cidadania é uma luta árdua. Ano que vem tem eleições que façamos o bom combate.
Mais do que nunca precisamos avançar nos processos de organização do povo Brasileiro.
Que as finanças de nossos governos sejam uma caixa aberta e que possamos decidir os rumos
dos gastos públicos.


Serviço :


Reunião no dia 6 de agosto ( domingo ) às 15h na biblioteca pública local.
Distrito de São Francisco Xavier




Joka


João Carlos Faria

terça-feira, 18 de julho de 2017

O ato sagrado de ler e escrever




Para mim a escrita é um ato Dionísico mas este Êxtase só vem depois da leitura. Sem ler não existimos o ato de ler é criação. É reinvenção bebi de Samael Aun Weor, Paulo Roxo Barja, Jorge Mautner o êxtase é tanto que não cheguei a uma leitura de educação. Mas a sabedoria destes autores e a escrita é a posse numa antropofagia eu os devorei suas letras , sua magia e suas sabedoria. Ser escriba é magico. Ensinemos esta magia as criancas , velhos e jovens. Desfrutar das
palavras é um ato de rebeldia.
Homens sejamos rebeldes vamos abrir as paginas de livros seja em qualquer suporte. Metafisica, física quântica.
Desfrutar da taça do saber. Sou eu você e quem me ler. A humanidade se faz real quando mulheres e
homens leem. Somos imortais. Avancemos num segundo estamos em Atlântida no outro New Yorque. E o monstro da lagoa emerge na sabedoria de Jorge Mautner.
E minha cidade se desvenda em Paulo Barja .. E a criação humana em Samael Aun Weor.
Refundemos a vida. O que nos impede de conquistar a almejada liberdade econômica da América
Latina ? !
O que nos segura a não ser eliminar nossos egos para nossa revolução individual. O coletivo é uma junção de homens livres das amarras egoicas.
Das trevas se chega a luz.
Eu não sou Shophia , nem Maria sou seculos .. 108 EXISTENCIAS … Para se libertar através do
ato de amar.
Criar , homens e mulheres , subir aos céus , baixar aos infernos eis a necessidade de ir além do
homem.
Êxtase sublime este êxtase o ato de ler. Viajar eternidades , redescobrir verdades silenciar em
meditação.
Quando abrimos e nos entregamos a ao ato de ler temos o poder em nossas mãos, canções , poemas, romances , ensaios.
A sabedoria humana numa decifração de códigos.
Sim a escrita é um ato Dionísico onde nos tornamos humanos.
Momentos de liberdade, eis que nos aproximamos de nossa eternidade.


Joka


João Carlos Faria


sexta-feira, 14 de julho de 2017

O osso duro da sopa e cade aquela mosca na sopa ?

Não acredito mais em velhas raposas ... De tão velhas com suas palavras de
desordem desgastadas.
Lamentável estamos sendo roubados pelas elites, direitos sendo retirados
e não temos lideranças o suficiente para nos organizar. Articular palavra fora do dicionario do povo. E por isto sempre povo. Esbravejemos nas redes insonsas.
E as ruas vazias. Fé sem ação , utopia diante da televisão.
Como diria Raul Seixas “ quem não tem visão bate a cara contra o muro “ imaginem uma nação inteira batendo a cara contra o muro ?!
Talvez o clamor das ruas se faça eco. As redes insonsas alivia nossa dor ?


Joka
João Carlos Faria

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Por um fundo nacional de arte e cultura

Para não perder a insistência e a guerrilha em arte e cultura.
Acabei de sugerir a um deputado via instagram a criação de um
fundo nacional de arte e cultura.
Cade vez que mergulho na educação enquanto profissional
mais sinto a importância da arte e cultura no desenvolvimento de jovens e crianças.
O trabalho do Grupo Bola de Meia através de seus CDs esta presente
nas salas de aula na cidade. Precisa - se de um projeto de difusão de teatro, musica, dança nas escolas de nossa rede Municipal e Estadual.
E como anda o Fórum de Cultura de São José dos Campos ?
Mais que nunca a arte transforma.


Joka

João Carlos Faria

sábado, 1 de julho de 2017








Fim de tarde numa estrada para o infinito


Sol ,


noite por onde anda o homem enquanto os Deuses
nos trazem a certeza de suas existências ?
Como poderia eu ser ateu !
Se existir é algo não ao acaso ..
Resistir , existir no eterno ir e vir ..
E Deus não sai comigo para trocarmos um dedo de prosa.
Vida , existência ..
Ele sempre dentro e eu sempre fora.


Joka


João Carlos Faria

Foto Elizabeth Souza


A arte de Diego El Khouri

Primeiro conheci o poeta indicado por Edu Planchêz depois veio o artista plástico que é muito bom. E ganha reconhecimento. Um artista as margens e dentro. Fora e no centro. Precisamos escrever mais sobre você. Gostaria que o Edu Planchêz manda-se um escrito sobre você mas ele esta sempre ocupado. Poeta, artista e provocador direto do centro do Brasil para o mundo. Quiça ainda cante e toque como Aguilar faça performance e no cinema ? Experimentar .. criar .. existir não se define Diego El Khouri.

Joka

João Carlos Faria

domingo, 25 de junho de 2017

periferias senzalas de nossa barbarie


Cançoes, poemas no inivitavel céu azul , quero voar , saltar abismo. Incendiar minha ainda
inexistente alma com o fogo do amor.
É inverno descubro poetas incendiarias que acendem o fogo da vida , e a serpente enroscada
em mim nunca despertará ?
Ontem estava distante de mim, de mal com a vida e um homem em Sampa distribui quinhentos
paes o amor multiplica os paes.
Não adianta me dizer que deus morreu. Dentro de mim esta vivo no fragmento de minha alma ,
ainda desconectado mas o coração incendeia.
Para que tanto temor numa tarde de sábado, se foi um dia de Sol ?


Quantas cançoes ainda não criei , tantos roteiros e os paes se multiplicam na cracolandia.
E nosso desamor tatua o rosto do garoto.
Não desvendamos as periferias senzalas de nossa barbarie

Nas ruas cantores cantam nossa desagradavel barbarie .. não deixe o crack se multiplicar e sim os
paes.
Cade o Cristo que não nasce em nossos coraçoes?

Céu e Inferno numa tarde de incertezas .. tantos livros que já li e não sei dar um abraço, rezar para
o próximo e sentir as dores de sua vida ?
Não se ver no outro é uma cegueira do coração.
Para que servem todo nosso saber, conhecimentos cientificos se deixamos a selvageria tomar
conta da razão.
E o amor não nos junta nem a dor.
Cançoes , poemas , filmes e sou pedra !?
Não sei amar ao próximo e não me vejo nele ?
Quanta dor numa tarde de sábado, praça , cidade vazia de solidariedade.
Cançoes inexistente.
Que o Cristo nasça em nosso coração, religiosidade transforme e nos religue ao Deus dentro de
nós. O resto é um supermercado de miserias sociais. Miserias que esta dentro. Sempre dentro de uma pedra no peito. Onde enterramos o coração !?

Joka

João Carlos Faria

quinta-feira, 22 de junho de 2017


Série Curitiba dedicado a Camille Serpa

Curitiba, fresta de sol .. A cidade ..


Claridade , inverno .. Curitiba .. raios de sol

Batman passeia por Curitiba !
Por entre raios de sol


Tarde, inverno .. cadê o velho poeta de Curitiba ?
Um tal de Paulo

Jardins, praças a cidade se encanta no Sol de inverno !


Joka

João Carlos Faria

Série Fernando Pessoa numa tarde de incertezas !

Dancemos cirandas , em torno do congresso !
Justiça social, paz, trabalho !
Como se constrói a democracia ?

Que a poesia alcance Brasília, irmanados num canto de amor !

Não ser mera , sombras sem o Sol !
Alma por nascer.

Quantos amores para desbravar a poesia ?
Quantos poemas são necessários para abrir um portal?

É preciso navegar nos pensares de algum educador !
Mas Pessoa é amor !

É a leitura de Fernando Pessoa se encerra com o carregar de uma bateria !

Joka

João Carlos Faria

terça-feira, 20 de junho de 2017

O velho novo discurso das elites burocráticas da cidade

Desejo todo sucesso a nova diretoria da Fundação Cassiano Ricardo mas sou frequentador e já fui do “ conselho democrático “ quando a comunidade opinava de fato e tinha nove comissões setoriais de arte e cultura.
Vivemos numa cidade em que a classe politica e empresarial não investe nem no time de Futebol da Cidade a velha Águia do Vale.
Muito menos em arte e cultura. Vi varias iniciativas assim desde a Gestão de André Freire, Diniz e tantos outros.
O mecenato não faz parte do empresariado sangue suga brasileiro.
Cade a Embraer, General Motors , Jonhson e Jonnson entre outras industrias e comércios.
E Associação comercial ? E o Shopping Colinas ?
Estes modelos de Festivais já não estão ultrapassados ?
Carecemos na cidade não fechar uma Fundação mas mudar o conceito de politica de arte e cultura nisto o Vicentina Aranha sua gestora esta anos luz a frente.
Chega-se o fim de semana e só nos cabe o SESC e o Vicentina Aranha com uma certa programação de arte e cultura na cidade.
A Fundação sempre deixa um vácuo.
E a cidade silenciou com o fim do ‘Revelando São Paulo cade os agentes culturais da
areá de folclore e cultura popular se calaram ?
Cade um debate para uma politica de arte e cultura que gere empregos para a comunidade artística investir num polo de cinema pode ser um dos caminhos.
Divertam-se senhores gestores de cultura deste município vocês não enganam ninguém mais. Uma hora a comunidade artística da cidade amadurece e saberá construir uma politica horizontal de cultura. Porque esperar de governos que são representação dos feudos partidários .Nada de novo e inventivo vira .Só a manutenção dos velhos currais eleitorais.A sociedade se transforma em suas bases e suas elites estão podres.

Joka

João Carlos Faria

http://www.ovale.com.br/_conteudo/2017/06/viver/8975-fccr-de-olho-no-setor-privado.html

segunda-feira, 19 de junho de 2017

A arte de não escrever roteiro

Podia fazer um roteiro assim entrava-se num buraco de minhoca e saia no palácio do planalto. Raptava-se o presidente e enviava para uma galaxia muito muito distante.
Punha uma cópia ao estilo Super Dínamo e ela renunciava.
E gritava. Se é para o bem da nação diga ao povo que saio pelas portas do fundo.
Quando se assiste filmes Americanos dá uma impressão que faríamos melhor.
Mas é uma mera impressão. O buraco é de minhoca.

Joka

João Carlos Faria

domingo, 18 de junho de 2017

Só nos resta um levante popular ?
Ou silenciar e continuar gado marcado ?

Acabei de ver e ouvir num programa de politica da TV.
A classe politica se articula para dar banana a opinião pública
de todos os espectos e gostos ideológicos. Você se engana no fast food de suas
ideologias mortas.
Na atual circunstancia só um levante popular pode mudar o rumo
do Brasil.
Querem fazer as reformas trabalhista e da providenciá goela abaixo.
E reforma politica ?
Hoje não se usa nem foice e nem martelo cade os hackers ?
Como podem muitos defenderem certos partidos e seus lideres
desmoralizados ?!
É hora de uma reorganização social que seja horizontal e não vertical.
Destitua seus deuses “políticos “ corruptos que vendem o Brasil por trinta moedas.
Só nos cabe novas articulações e novas organizações.
Tenhamos fé e ação. Acreditemos na capacidade do povo se reorganizar.
Estes partidos estão podres, enlamados na corrupção.
Se venderam ao mercado. Traíram por trinta moedas o povo Brasileiro. 

Joka

João Carlos Faria

 https://www.youtube.com/watch?v=LVLzEYS5c_g

Globo News Painel 17 de Junho de 2017




 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

E pedra já não é pedra.
Homem já não é nome de homem.
Mulher já não é mulher.
E ironicamente cotidianamente continuamos desumamos.

Inúteis

Dedicado a Jacek Ricardo Sielawa

“ Poema de Jacek

LANCEIROS NEGROS, No Porto mais triste de todos alegres portos do mundo, no paralelo mais 30, mais até do que se sinta.
O estado do prédio era de puro abandono. Abandono é não ter dono, Ninguém abandona pessoas, pessoas não tem dono, embora seus estados, sejam de puro abandono.”



Para sair deste politicamente correto agora vos chamo a todos de seres humanos.
Já que ter sexo masculino ou feminino anda bem fora de moda.
Este tal de gênero. Estamos querendo dar outros nomes as coisas, objetos e a nós
desumanos. 
Não se pode dar as cores o sentido do rosa e do azul ?
Silenciamos diante de uma minoria ruidosa. Enquanto no mundo real são todos
massacrados no velho sistema.
Como somos idiotas. Somos maioria e minoria no mundo sem respeito a humanidade.
E por baixo do tapete transvestis, homo sexuais e todas as vertentes são indistintamente
mortos e massacrados.
As periferias sempre a margem sendo “favela ou comunidade “ não temos direito
nem sabemos escolher presidente seu “Róger “
Velha canção do Ultraje a rigor e hoje Róger execra na redes sociais.
Negro , pobre , puta, bixa , trave co são nomes dado ao povo.
Que se cala. Que se mata no uso de crack, álcool, maconha.
Lutar é inútil ?! Nestes dias incorretos ?
Pasto merda no pasto diz Moraes em poemas bombas.
Bombas de arte. No cotidiano de desemprego, injustiças sociais.
Enquanto vermelhos e azuis incendeiam a pátria da corrupção diária.
Estamos “mortos “ diante da impossibilidade “democrática “
Reagir ? Mudar ?
Inúteis na imprecisão de dias mortos.  
Fico com as anárquicas bombas poéticas de 
Jacek Ricardo Sielawa. A inutilidade do poema lhe dá vida.

Joka

João Carlos Faria 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Sombras de democracia !?
O caos no abismo cotidiano

Dias de delírios e utopias despedaçadas. Cacos que não se juntam.
Fé em que ?
Injustiças sociais .. desperdício de recursos públicos. Na puta nua
no palácio do planalto .. sórdidas ... Algemas da desilusão .. já não
somos os mesmos .. cada um a sua maneira sente a dor e a desilusão ..
de podres poderes .. reagir ao cinismo dos palácios e festas em Paris ..
Estamos sem chão diante da puta nua senhora Brasília .. esgotos ratos
de gravatas ..
Cracolândias espalhadas Brasil afora. A fome em qualquer lugar.
Insegurança onde o trafico reina .. Que Deus nos perdoe de tanta
inercia. Não sabemos reagir ?!
Gritar, incendiar nossa inconsciência onde esta nossa cidadania ?!  
E o nefasto poder paralelo nas ruas e nos palácios de governos.
Quem ousa romper e dar um basta a este nefasto jogo de maldades ?!
Nossa dor e tanta que estamos em silencio. Calados.

Joka

João Carlos Faria
Sombras de Oscar Niemeyer
O caos no abismo cotidiano

Artes .. performance .. teatro ..o que seria da vida sem estas insanidades .. arte ..
 A vida é Curta !
 Não nos pecados no óbvio .. olhar a vida nas profundezas das cores .. Velásquez ..
 Artes insanos , profanos .. sagrado desejo do existir !
 Morte , Caos .. adentremos ao coração do universo .. !
Versos de um não existir o óbvio .. nos aliena .. a arte subverte o olhar cotidiano ..
 Que Gláuber .. Que Nietzsche iluminem o caminho da saída do labirinto .. a vida é um laboratório de imensas oportunidades .. criar Kaos .. Mautner .. Caetano ..
 Sombras de Oscar Niemeyer .. A semana de 22 .. transforma .. o nada em tudo o cotidiano é matéria bruta do criar !

Joka
João Carlos Faria
Invadir ou dialogar

A questão é que o município esta quebrado ?  A tal da iniciativa privada e sua especulação
imobiliária cobra 350 mil por uma casa nova de meio lote na Vila Industrial ?
Os preços com esta imensa crise Brasileira que não tem fim não abaixam. Faltam remédios nos postinhos não quero crucificar o prefeito Felício Ramuth neste texto. Esta crise politica e a insistência de Temer ficar no poder acaba com a economia.
Sem dinheiro não se gera emprego , abre -se concurso público.
Universidades públicas em colapso. Invadir resolve nestes tempos turbulentos ?
Caros colegas de esquerda do PSTU ?
E o que é esquerda ou direita nestes dias onde temos um pais quebrado e um congresso que propõem reformas onde o cidadão nunca ira se aposentar ?
Moradia é um direito básico do ser humano. E quanto já se perdeu na corrupção neste pais ?
E PT e PSDB continuam a ter eleitores e gente defendendo.  
Estamos e nos esforçamos para cavar mais ainda o buraco que não nos tira deste caos politico e econômico . Ou aprendemos a arte do dialogo ou nos afundamos.
Cabe a Câmara e a Prefeitura debater as politicas publicas com o cidadão. Mostrar a real situação econômica do município para juntos pensarmos saídas para a cidade.
Mas dialogar não esta no agir da classe politica brasileira tanto a esquerda quanto a direita.
De fato esta gente quer é poder e ludibria sua base in calta e ingenua.

Joka
João Carlos Faria

domingo, 4 de junho de 2017

Manhã entre Sol musica e livros no sebo de Analú Oliveira
Parque Vicentina Aranha


O Sol iluminava os livros. Na manhã de outono .. Tantas emoções ali registradas parte da vida humana ali retratada .. diversos autores ali em corpo,alma gesto e palavras. A cidade em vida !
Uma peça de Plínio Marcos sobre Helena Petrovna Blavastsky que li no seculo passado.
Deo Lopes, Moacyr Pinto, Paulo Barja todos em meio aos livros e as cores de um outono
numa manhã de domingo.
Literacia .. arte .. vida a poesia vive na cidade das palavras.
Numa calçada em frente a um velho sanatório.

Joka

João Carlos Faria

https://www.youtube.com/watch?v=j5jx6lpPFMU

sábado, 3 de junho de 2017

Em nome de ideologias se sacrifica uma nação

Somos estranhos não debatemos ideias públicas e sim o carimbo PSDB x PT. / coxinhas / petralhas.
Enquanto isto soluções e ações não vem. Só debates reacionários de ambas as partes.
E o legislativo em todas suas estancias não debate o rumo da nação.
Esta falsa polarização de esquerda x direita não oxigena a sociedade. 
É um mera luta de dois grupos políticos brigando pelo poder e nos bastidores vendem a nação por um bocado de moedas.
As vezes malas de dinheiro em pizzaria, contas no exterior.
E vemos uma enorme e alienada torcida quase como de futebol se digladiando nas redes sociais.
Em nome de que ? Lideres corruptos e nefastos ?  
E inúteis somos. Não sabemos caminhar com nossas pernas. Pensar por nos mesmos e nos unir. Preferimos a vassalagem ideológica.
Ou vamos acordar ou permaneceremos nesta eterna crise de moral e ética.
Sem  ação e sem noção da realidade brasileira em nome do povo. As contas bancarias se faz alta nos bancos fora do pais.
Desperta te ou silencie -se. Estamos coniventes com estas incertezas.
Em nome de ideologias se aniquila a democracia.


Joka

João Carlos Faria

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Como é insana a reflexão politica nestes dias de redes sociais. É mais fácil se dedicar
ao fazer poético. Do que as barbaridades que vemos nestes dias. Para não perder insanos amigos fiquemos em silencio. Tudo passa só não passa nossa idiotice .. Vassalos de ideologias mortas. Quando chegaremos ao século VINTE E UM no campo das ideias politicas.
Fanatismo na politica é um passo mal dado para o fascismo.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A morte do texto inacabado

Acabei de perder um texto em linux refletindo sobre um livro de JACEK Ricardo Sielawa .. o livro ainda não existe é uma proposta de Paulo Barja. Estava delirando na possibilidade de uma diagramação fora do padrão para um escritor que incendeia as redes sociais.

Joka
João Carlos Faria

terça-feira, 30 de maio de 2017

Da fragilidade da alma

Alma , inexistência ... Tarde de outono ..
Canções ..
Da fragilidade da alma ..
Inexata manhas de cantares de bem te vi ..

Tarde , inexistente ..  dias sempre incertos ..
A poética de motores ?!

Canções ainda não criadas .. gatarujas de nossa
infância ..
Nem sabemos desenhar ?
Imagina viver .. Não tem mapas para subir
montanhas ..
Este Sol de outono ocuta minhas trevas.

Da fragilidade da alma ..
Canções , amores inexistentes ..
Como ouvi alguém dizer “ Desde a Lemúria homens e mulheres em
eterno conflito “

Alma, inexistência adentro a minha caverna com uma tocha para achar o
Deus que esta em mim.

Da fragilidade da alma ..
Não sou o mesmo que nadou naquele Rio .. quantas pontes aquela
água já passou ?
Cade a terceira margem.
Não me vejo refletido no espelho eu narciso em redes sociais.

Da fragilidade da alma .. diante de me ver sombra qual o meu real
nome ?

Da fragilidade da alma ..
Eterna inexistência ainda não alcancei a primeira montanha.
Sempre a seis passos do abismo.
Meu grito ecoa a  na doce canção do eterno inexistir .. Não vejo Sophia ..
Da fragilidade da alma ...
Insano sacerdote de tempos ancestrais .. da fragilidade da alma preciso .. achar o caminho e a saída do labirinto. Sempre a seis passos do abismo.

Joka

João Carlos Faria




 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Canção em busca da centelha de alma !

Meu corpo em chamas, sinto a solidão das trevas .. quantos inefáveis segredos nesta eternidade de fantasma.
Canso -me .. entrego-me a meditação. Minhas ilusões .. tantos fantasmas a cerca-me .. Eu multiplicidade .. diversidade .. olho - me nu no espelho e num filme um velho poeta japonês o mesmo fez.
Subo montanhas , desço ladeiras ao inferno.
108 inexistência .. morte e vida .. meu corpo em chamas. Desilusão da não existência.
Entrego-me a meditação sem nenhuma ilusão.
Diante do deus infinito .. sem fé .. E buscando a fé que ainda esta adormecida no meu coração ... Meu corpo em chamas .. demônio que não existe ..
Inúmeras existência trocas de corpo, segredos indizíveis na cansativa tentativa de alcançar o poema perfeito .. Eu imperfeição.
Meu corpo em chamas na busca de fazer nascer minha alma. Desço as escadas do inferno.
Pássaro sem asas  meu corpo em chamas tento alcançar Sophia ...

Joka
João Carlos Faria
Pina Bausch
A dança .. eternidade .. Pina

Pina
 Pina
 Pina
Dança
 Dança
Dança
Gaia gira .. Gaia ..gira ..Pina dança
Dancemos na eternidade .. no pulsar de nosso coração ..
 mutum perpétuo
Pina ..Pina ..Pina ...
 Dança ..
 O universo em diversas ..
 Sintonia ..
 Pina Pina Pina

Joka
 João Carlos Faria
Nosso pulmões não é direita e nem esquerda apena pulmões

Tenho feito vários textos colocando esta questão e a sociedade não entende esta questão de qualidade de vida na cidade. É lamentável que a sociedade não se mobilize pela questão ambiental. Também a árdua luta no dia a dia. Em ônibus lotado, transito e sem perspectiva de aposentadoria e um salario decente o cidadão acaba não tendo tempo para se defender. E o deus " mercado " entidade personificada e com humores dita a regra em tudo. Vi juntar umas duzentas pessoas e até Fórum de cultura que dizem ter dois e cade uma luta ambiental ?
E estamos divididos em esquerda e direita enquanto nossos pulmões não tem ideologia nenhuma acorda São José dos Campos a corda esta em nossos pescoços !
Não sabemos reagir e nem se organizar. E nenhum partido politico ou associação seja ONG’s e outras tem liderança para mudar este estado lamentável e esta crise que vem desde 2013.
Alguém ou um conjunto de pessoas que não seja “quadrilha “ precisa se organizar para dar
outro rumo a cidade. E a nação Brasil.

terça-feira, 23 de maio de 2017

A desumanização da sociedade diante da crua realidade dos “ noia “

Cade um sarau de rua daqueles que formamos novos amigos que refletem a sociedade e as artes onde se possa debater de tudo sem restrições ?
Porque esta nossa insistente desorganização ? Desamprendemos a solidariedade de estar juntos. Quantas possibilidades em nossos fins de semana perdemos ?
Ninguém de nós esta morto ?  Mas com tudo não queremos ser massas de manobras destes nefastos lideres que não lideram nada e aumentam suas contas bancarias.
Temos ainda seculos de vida. E não conseguimos estar nestes dias frios em volta de uma fogueira. Levemos nossas crianças, filhos, sobrinhos a vida nas praças publicas.
Que os bancos de praças publicas sejam confortáveis para lermos poemas, trocarmos livros acessar a internet para mostrar algo realmente interessante.
Sei que as praças publicas estão repletas de exclusão. Que moradores de ruas estão nelas e gente doente pelo uso de drogas “ os noias “  é que a sociedade os renega e só fazem aumentar sei que nossas leis não obriga o tratamento forçado destas pessoas. Mas elas tem outro caminho que este suicídio aos poucos ?  Fantasmas nas ruas ou nas telas de TV como em Sampa ?
Devemos exigir do poder publico uma assistência a estes seres que se desumanizam.  Afinal eles tem uma família em algum canto deste imenso Brasil. O caso deles é saúde publica e não cadeia ou correr o risco de serem exterminados . Sei o quanto esta gente nos incomoda no dia a dia em semáforos , ruas e portão de nossas casas. Mas a omissão da sociedade em não exigir mudanças de lei. Ações afirmativas do poder publico. Que não jogue em baixo do tapete pois não existe tapete. Aquelas inúmeras pessoas dispersas em São Paulo vão rumar para algum lugar. Isto nossas forças publicas não conseguem enxergar ?
Armas, soldados e repressão não vai longe. Nem grupos de extermínio. São seres humanos doentes e desesperados. Na exclusão ultimas da sociedade em qualquer ponto do planeta. Nosso silencio é omissão.  Mas voltemos as praças publicas façamos o banquete dos deuses distribuindo sopa, solidariedade ao próximo. Não nos vemos refletidos na dor do próximo. Estamos tão desumanizados quanto estes seres que clamam por solidariedade e amor ?!

Joka

João Carlos Faria