Seguidores

segunda-feira, 4 de julho de 2016


Mas livro para que ?

Eu aqui em meu caos pessoal na doce desventura de existir. E me emociono ao ler o escrito de Germano Xavier Qual é a da poesia ? Na edição de inverno da revista Entrementes sei que
voltarei para frente e para traz para ler todos estes textos.
Existir é algo estranho. Conheço pessoas que querem deixar de tomar remédio aos quase noventa
anos para ir embora deste mundo.
Poesia e filosofia andam para mim juntas. E tudo dentro de nós entre mal e bem. Bem e mal.
Artistas sempre nos abalam. Estive em um sarau onde jovens faziam a festa. Mas o que é poesia
não nos cansamos de perguntar. Peguei um livro de Cora Coralina e acabei lendo um poema dela.
Cora sempre me faz lembrar do livro sempre inacabado de Rita Elisa Seda e Clóvis Carvalho Brito Raízes de Aninha. Quero ler sua poesia. Nos poemas que li na doce tarde de domingo entre jovens senti aquela eterna dúvida do que é prosa e poesia. Arte e filosofia. Sinto em minha escrita não consigo decifrar se faço prosa, poesia só escrevo. E não chego nunca a seleção de meu segundo livro. Mas livro para que ?
Se ninguém se aventura a me ler talvez alguns no O VALE e no Entrementes. Hoje andei pesquisando na biblioteca o livro Psicogênese da língua Escrita de Emília Ferreiro e Ana Teberosky.
A educação anda me dasafiando e preciso decifra-la para não ser devorado ?
Mas empreender é o caminho. Cansei da tradicional militância social e politica que roda sempre
em círculos dessedentes rumo ao nada.
Quero saltar abismos ! Não acredito em aposentadoria. Preciso superar desafios. E acredito que
o Entrementes tem dado contribuições importantes a cena social e politica. Ao buscar uma independência do setor público. A cultura e arte no Brasil precisa criar caminhos alternativos ao
estado e governos. Precisamos empreender . Não me pergunte como ? Não tenho mapa de caminho.
Não tem trilha nem estrada. Mas não devemos acabar com a mata.
Neste caos. A poesia nos abre caminho. Artistas ousam. E ver jovens fazendo um sarau no Parque
da Cidade nos abre a esperança de algo concreto e novo na artes de São José dos Campos.
E quando sai de casa pensei numa roupa de poeta ? E por acaso poetas tem roupa. Sim no sentido
de ousadia e mudanças comportamentais.
Como pensar fora de eixo e zona de conforto. Por isto conversar com Paulo Chiachio da Site Vale
é sempre algo generoso e ousado.
Ideias e ações. Que metafisica é esta enquanto o tempo se faz escasso ?
E Germano Xavier nos mantêm indagados ! Qual é da poesia ?
Qual é da escola neste inicio de século vinte e um ?
O que fazemos diferente para gerar uma luz a crianças, adolescentes e jovens.
Estruturas tecnológicas bastam ! Ler livros basta ?
Então por que o grito da indisciplina ?
A educação precisa se reinventar. E queremos reinventá-la ?
A arte e a cultura pode abrir caminhos para educadores.
Que mundo estamos construindo ?
É Germano qual é da poesia !

Joka

João Carlos Faria

Nenhum comentário: