Seguidores

quarta-feira, 27 de julho de 2016


Canção ao deus poder !

Após a alucinógena poesia de Piva

Nestes breves dias de eleição. Votar não votar …
manter o sistema carcomido .. um sistema imbecil … que devora almas
afoitas de não ter !
Silenciar diante do gado que caminha no domingo para dar
o voto … que partidos partidos … na pobreza de espirito e alma
na torpe democracia … quem ousa gritar por algo fora
deste manicômio chamado democracia ...

Joka

João Carlos Faria


https://www.catarse.me/pt/projects/31509/


P.I.Va. - Uma Alucinação na Ponta de teus Olhos (full album)


https://www.youtube.com/watch?v=sKDYKXVp47o

Os 10 melhores poemas de Roberto Piva


http://notaterapia.com.br/2015/10/31/os-10-melhores-poemas-de-roberto-piva/



Campanha no catarse para a criação da biblioteca Roberto Piva não tenho muito a falar deste
poeta da atualidade. Por causa do destino não conheci pessoalmente mas a turma da Comissão de
Literatura da FCCR .. O conheceu Edu Planchez e companhia ilimitada junto com Jorge Mautner
na época do LITTER na Funart em Sampa ! Por volta de 1997.
Quando Edu fazia a ponte entre Sampa e SJC.

A catarse de Piva

Alucinações enquanto ouço Piva. Diante de meu olhar ouvido. Ouço Roberto Piva.
Meu tédio se faz Piva !
Quem somos nestes dias metamorfoses ! Já carreguei uma tocha apagada em São Xico, Mantiqueira
e não era eu … Desligo Piva eu precisa de um start para escrever.
Em nossas febris alucinações … quantos olhares ? Almas censuradas em sua incompleta existência. Resistir a que ?
Dias e dias liberais sem anarquia ?
O individualismo nos consome e a vida se faz em condomínios fechados …
Preciso ler Piva decifrar sua poesia ...antropofagicamente …
delírios .. de que nos serve nestes dias solitários a filosofia , poesia … descalço .. descanso meus olhos não pensar não pensar …
Nossa arma e o silencio… comemos a sua poesia .. A comunhão de poetas alucinados. Tentando escapar do diário tédio. Desfrutemos de Piva.

Joka


 

Piva

Poema vertigem

Eu sou a viagem de ácido
nos barcos da noite
Eu sou o garoto que se masturba
na montanha
Eu sou o tecno pagão
Eu sou o Reich, Ferenczi & Jung
Eu sou o Eterno Retorno
Eu sou o espaço cibernético
Eu sou a floresta virgem
das garotas convulsivas
Eu sou o disco-voador tatuado
Eu sou o garoto e a garota
Casa Grande & Senzala
Eu sou a orgia com o
garoto loiro e sua namorada
de vagina colorida
(ele vestia a calcinha dela
& dançava feito Shiva
no meu corpo)
Eu sou o nômade de Orgônio
Eu sou a Ilha de Veludo
Eu sou a Invenção de Orfeu
Eu sou os olhos pescadores
Eu sou o Tambor do Xamã
(& o Xamã coberto
de peles e andrógino)
Eu sou o beijo de Urânio
de Al Capone
Eu sou uma metralhadora em
estado de graça
Eu sou a pomba-gira do Absoluto



terça-feira, 26 de julho de 2016


A intolerância de cada dia

Xenofobia, Homofobia !
E as diversidades se fazem na
pós modernidade.
E quando que algum profeta pregou
o ódio entre os homens ?
Por acaso Buda, Jesus Cristo , Maomé.
Nenhum destes !
E porque a intolerância ainda se faz
presente ?
Esta pós modernidade …
Xenofobia, Homofobia !
E qual identidade temos nas inúmeras
diversidades de gênero ?
A vida é leve …
Deixemos o ódio nos corações
para redescobrir o amor !

Joka

João Carlos Faria 


http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2016/07/14/nunca-pensei-que-ia-acontecer-comigo-diz-brasileiro-alvo-de-xenofobia-no-reino-unido.htm?cmpid=tw-uolnot

domingo, 24 de julho de 2016


Precisamos ir as ruas !

A classe trabalhadora precisa cair a ficha que é classe trabalhadora.
Com a desmoralização moral dos partidos “ ditos de esquerda “.
E com o enfraquecimento do movimento sindical. Direitos trabalhistas
podem ser perdidos.
Confiram este artigo no UOL de Gustavo Felipe Barbosa Garcia intitulado
Sem mobilização direitos trabalhistas não serão preservados..
Eleições municipais são importantes mas a precarização do emprego
ainda mais do que já é pior.
Cabe a organização da sociedade para enfrentar o que vem por ai
de Setembro em diante ?
Precisamos ir as ruas. Não como cabo eleitorais mas enquanto cidadãos.

João Carlos Faria



quinta-feira, 21 de julho de 2016


Poemas reescritos para ler em alguns sarais.
Nesta sexta-feira no sarau da Casa de Cultura Chico Triste
E outros …


Anjos dançam em volta da fogueira !
Não são meras esculturas nos cemitérios.


Cancões na manhã azul

Nos concretos da cidade a poesia pichada em
postes, muros e de repente um disco voador nos
encanta ao cruzar o céu. 

Manhã,
tarde … canções ! 

Azul,
céu enquanto o inverno
ainda não é calendário. 

A vida é pôs eterna né, uai. 
  
Atlântico, oceano , Mantiqueira , serra !
Quero uma mochila nas costas, cartão de
débito, dinheiro no bolso e cruzar a América !
Quem sabe ouvindo Ezra Pound. 

Joka


Boa noite Cinderela

Gatos, pardos ,
elefantes azuis.
Rato e gato.

Manhã doce ,
manhã
sábado !

Obvio que
não seja
obiviO

RegraS
inexistem,
resistem

Gatos, pardos,
Rato e gato.
EleFantes azuis.

A felicidade
esta dentro
por entre nós.

Joka


Quasar koan !

Se deus sempre existiu.

Então só somos partículas de Deus.
Nos sempre existimos ?
Afinal existimos sempre ?

Joka

Útero

Tudo torna-se difícil em certos
momentos ..
No horizonte sem montanhas.
Porque deixamos as cavernas ?

Joka


Desilusão diante do naufrágio humano

Silenciamos não devemos dizer
nada nesta noite sombria

Joka

Outono na avenida Bacabal


 Crianças brincam na tarde outonal,
A vida se faz breve , uma gata se diverte
no jardim de uma escola.
Crianças brincam na tarde outonal,
Quantas canções a cantar !
Atravessa-se a cidade.
Bacabal !
Crianças brincam na tarde outonal,

Joka

João Carlos Faria 

Inverno de 2016

São José dos Campos São Paulo Brasil 

 

quarta-feira, 20 de julho de 2016


Vida longa e prospera

Seriados listas no netflix


Ontem li o jornal “ O Vale “ e esta matéria me conquistou. E agora no site do jornal. A Netflix
é uma das mais recentes revoluções no universo das liberdades tecnológicas. O Uber foi regulamentado em São Paulo. Whatsapp proibido no Brasil novamente. Aprendemos matemática
na Khan Academy. Escolas com lousas digitais no caso Caraguatatuba, São José dos Campos.
Que admirável mundo é este como proclamava Aldous Huxley em seu livro.
Mas em que de fato estamos mudando em relação a nossa vida democrática e politica as eleições
municipais estão ai. E o desafio para quem gosta de refletir o mundo a cidade e tudo o mais.
E nos bastidores tudo quase sempre igual na festas das pré – campanhas. Já meio quase sem jeito
peço votos. Mas em que as eleições mudam de fato nossas vidas coletivas ?
Quantos e quantos governos a esquerda ou a direita se é que ainda existe direita ou esquerda ?
Com tantas e inúmeras tecnologias não desenvolvemos novas maneiras na relação de trabalho
e a velha ideia de cooperativas no Brasil anda abandonada. Na Argentina a inúmeras ou
centenas de cooperativas.
E a educação não propõem novas reflexões neste campo de trabalho e mercado. Já não era
para criarmos maneiras criativas de produzir o tão necessário dinheiro. Sem precisarmos
nos deslocarmos tão longe de casa. Qualidade de vida em minha opinião é ter tempo. O bem
mais precioso que só conseguimos perceber quando passamos dos quarenta.
Em que candidatos a vereadores e a prefeitos em nossas cidades irão propor na idéia de criação
de empregos bens e serviços.
Cada dia mais a longevidade vai alcançando a população. Quem sobrevive a balas perdidas.
Ou ao meu ver balas achadas ou acidentes de transito pode chegar a mais de oitenta anos.
Mas em tempos de eleições devemos debater de forma profunda educação,emprego, arte, cultura
segurança pública.
A festa democrática esta ai escolham seus candidatos eu já escolhi os meus para prefeito
e vereador.
E a vida segue. Como diria senhor Spok em Jornadas nas Estrelas “ VIDA LONGA E
PROSPERA “
Que outubro abra novos caminhos na Nação Brasilês.
Senhor cidadão / eleitor o rumo da nação esta em seu voto.
Votar é preciso quiça um dia não sejamos obrigados a votar. E ai a qualidade
do eleito será bem maior.
É hora de voltarmos as ruas. Mostrar nossa opinião e nos abraçarmos numa ciranda
na celebração ao inverno.

Joka

João Carlos Faria 

http://www.ovale.com.br/2.624/seriados-listas-no-netflix-1.699939

segunda-feira, 18 de julho de 2016


Quase um coam ?

Entre os caminhos percorridos por Anchieta estive sem ler poetas.
Não foi dias como tinha escrito numa cronica.
Mas sentir a areia da praia, respirar o céu que avistava horizontes.
Serra do Mar !
Caminhos de Anchieta ! Quilombos , Tamoios !
Mar, terra e ar …
Longe de toda e qualquer virtualidade para não dizer que nada
escrevi um quase coam !
Aqui em minha escrita inelegível …

Quasar koan !

Se deus sempre existiu.

Então só somos partículas de Deus.
Nos sempre existimos ?
Afinal existimos sempre ?

Joka

E assim caminhei de Caraguatatuba até Ubatuba em busca do
quase perfeito.
Um dia quem sabe moro naquelas praias. Estarei sorridente
diante do mar, céu azul.
E cantar dos pássaros … as grandes cidades já não me dizem
nada.
Quero descobrir os caminhos do cinema sei que ainda dá
tempo. Hoje tenho 47 anos completado ontem 17 de Julho de
2016.
Poucos séculos me resta enquanto faço-me João Carlos
Faria.
Mas somos eternos … E os olhares de Anchieta não
são meus olhares.
Maranduba ! Maranduba ! Maranduba !
Praia que nasceu um poeta.
Eis me alma , corpo sentindo as areias que
viram nascer Domingos Santos.
Não fico sem a poesia de Nydia Bonetti, Cláudio Daniel,
Edu Planchez.
O que vale a internet sem estes e outros poetas !
Quero chegar a um romance, escrever roteiros e
participar de filmes.
Chega de escrever manifestos !
A vida se faz breve.
E as areias das praias se fazem infinita.
Enquanto viver se fizer preciso, compro uma
canoa e a deixo na praia da Cocanha, Caraguatatuba.
Ei de comprar umas terras na Mantiqueira.
Não é vontade de ter e sim ser.
O que o ser humano sem a natureza que
vida lhe dá.
Sem filosofia a vida não vai.
Sem poesia não se vive.
Ter é quimera diante da eternidade afinal
de qual estrela caímos ?
Pithis Sophia !
Pithis Sophia !
Pithis Sophia !
Em quais caminhos anda Samael Aun Weor ?
Um dia nos cruzaremos numa estrada de Ubatuba.

Quasar koan !

Se deus sempre existiu.

Então só somos partículas de Deus.
Nos sempre existimos ?
Afinal existimos sempre ?

Joka

João Carlos Faria

Inverno de 2016
São José dos Campos São Paulo Brasil

quarta-feira, 6 de julho de 2016


A cultura caipira em seus diversos sabores

Do triangulo mineiro a cidade de Coromandel Minas Gerais
uma rapadura !
Das mais gostosas que possamos provar da Chácara Santa
Rosa de Cima uma produção do senhor Lazaro Roberto
França.
Em dias de Revelando São Paulo aqui no Vale do Paraíba
em São José dos Campos.
A cultura brasileira se revela em todos os seus sabores.
Quem frequenta os mercados municipais do Vale do
Paraíba e Sul de Minas Gerais.
Sabe o que é uma boa rapadura.
E aqui bem pertinho em Caçapava se produz belos
doces vendidos em cestas Vale afora.
Arte, cultura e tradição de nosso povo.
Saudemos o Revelando São Paulo !
E nos caipiras estamos aqui vivendo em dias futuristas
sem nos esquecermos de nossas raízes.
O compositor de Adeus Paulistinha o Goiá o Gérson
Coutinho da Silva ele era de Coromandel e fez a música
para celebrar a saudade de sua terra.
E assim entre canções, comida e vida Coromandel
nos chega em seus sabores rapaduras, queijos e muitas
iguarias.
Desfrutemos de nossas tradições.
E aqui partir delas o novo nasça.
Afinal arte, economia, politica estão ai
para reinventarmos o mundo.

Joka

João Carlos Faria

Foto : Leticia Costa Leite

segunda-feira, 4 de julho de 2016


Mas livro para que ?

Eu aqui em meu caos pessoal na doce desventura de existir. E me emociono ao ler o escrito de Germano Xavier Qual é a da poesia ? Na edição de inverno da revista Entrementes sei que
voltarei para frente e para traz para ler todos estes textos.
Existir é algo estranho. Conheço pessoas que querem deixar de tomar remédio aos quase noventa
anos para ir embora deste mundo.
Poesia e filosofia andam para mim juntas. E tudo dentro de nós entre mal e bem. Bem e mal.
Artistas sempre nos abalam. Estive em um sarau onde jovens faziam a festa. Mas o que é poesia
não nos cansamos de perguntar. Peguei um livro de Cora Coralina e acabei lendo um poema dela.
Cora sempre me faz lembrar do livro sempre inacabado de Rita Elisa Seda e Clóvis Carvalho Brito Raízes de Aninha. Quero ler sua poesia. Nos poemas que li na doce tarde de domingo entre jovens senti aquela eterna dúvida do que é prosa e poesia. Arte e filosofia. Sinto em minha escrita não consigo decifrar se faço prosa, poesia só escrevo. E não chego nunca a seleção de meu segundo livro. Mas livro para que ?
Se ninguém se aventura a me ler talvez alguns no O VALE e no Entrementes. Hoje andei pesquisando na biblioteca o livro Psicogênese da língua Escrita de Emília Ferreiro e Ana Teberosky.
A educação anda me dasafiando e preciso decifra-la para não ser devorado ?
Mas empreender é o caminho. Cansei da tradicional militância social e politica que roda sempre
em círculos dessedentes rumo ao nada.
Quero saltar abismos ! Não acredito em aposentadoria. Preciso superar desafios. E acredito que
o Entrementes tem dado contribuições importantes a cena social e politica. Ao buscar uma independência do setor público. A cultura e arte no Brasil precisa criar caminhos alternativos ao
estado e governos. Precisamos empreender . Não me pergunte como ? Não tenho mapa de caminho.
Não tem trilha nem estrada. Mas não devemos acabar com a mata.
Neste caos. A poesia nos abre caminho. Artistas ousam. E ver jovens fazendo um sarau no Parque
da Cidade nos abre a esperança de algo concreto e novo na artes de São José dos Campos.
E quando sai de casa pensei numa roupa de poeta ? E por acaso poetas tem roupa. Sim no sentido
de ousadia e mudanças comportamentais.
Como pensar fora de eixo e zona de conforto. Por isto conversar com Paulo Chiachio da Site Vale
é sempre algo generoso e ousado.
Ideias e ações. Que metafisica é esta enquanto o tempo se faz escasso ?
E Germano Xavier nos mantêm indagados ! Qual é da poesia ?
Qual é da escola neste inicio de século vinte e um ?
O que fazemos diferente para gerar uma luz a crianças, adolescentes e jovens.
Estruturas tecnológicas bastam ! Ler livros basta ?
Então por que o grito da indisciplina ?
A educação precisa se reinventar. E queremos reinventá-la ?
A arte e a cultura pode abrir caminhos para educadores.
Que mundo estamos construindo ?
É Germano qual é da poesia !

Joka

João Carlos Faria

sexta-feira, 1 de julho de 2016


Boa noite Cinderela

Gatos, pardos ,
elefantes azuis.
Rato e gato.

Manhã doce ,
manhã
sábado !

Obvio que
não seja
obiviO

RegraS
inexistem,
resistem

Gatos, pardos,
Rato e gato.
EleFantes azuis.

A felicidade
esta dentro
por entre nós.

Joka

João Carlos Faria








Praça Afonso Pena : Ventre das almas que deliram !

Aos irmãos Davi F. F. , Edu Planchez ,
Diego El Khoury, Solfidone, Elizabeth Souza.


Enxergo as vísceras em sangue, gozo e vida
dos poetas viscerais
neste século vinte e um !
Almas corsárias, amáveis que atravessam
milênios.
No ir e vir no espaço tempo !
Este sol de inverno nos impulsiona a vida.
As praças ainda não acabaram.
Dentro de mim a poesia visceral grita.
Como nas palavras de Nietzsche em assim
falou Zaratustra !
Li o livro inteiro para descobrir a frase :
Presente em um poema de Edu Planchez.
Heróis marginais poesia vivas em mim
na praça afonso pena !
Encontrar a loucura de Edu Planchez,
Solfidone !
Marcou a ferro e o fogo minha alma
de poeta !
Vísceras expostas em plena praça !
Manhas de sábado !
Eternas manhãs de sábado.
Como o poema de Vinícius de Moraes
poema oração !
Desde a lemúria, china, Egito !
Estamos a nos reencontrar sempre nas praças !
Ventre das almas que deliram !
Poesia já gritei em Paraty que vive dentro de mim.
Um pré- fáscio para Diego El Khoury …
Poesia como cantou Malafaia.
Enxergo as vísceras em sangue, gozo e vida
dos poetas viscerais
neste século vinte e um !
Cantemos a poesia em nossa casa pau
a pique em um canto da Mantiqueira.
Nossa canoa Piraquara segue no rio
Parayba do Sul.
Praça Afonso Pena,
Portal do Banhado.
O tempo não existe !
Caraguatatuba, Ubatuba !
Dancemos cirandas irmanados
em nossas vísceras.
Inexistimos, resistimos.
Como um quadro de Davi FF.
A nona esfera,
inutilmente censurado por
algum programa de computador.
Mas sua arte ecoará pelo
universo !
Como a teoria do caos nos diz !
Borboletas, poetas , profetas
Borboletas …
Poesia registrada em nossa retinas !
Quiça os Deuses permitam -me
gestar novos livros !
E os parir !
Do ventre de mãe Gaia.

E Nietzsche em Zaratustra

Cantou :

“ É necessário possuir um caos
dentro de si para fazer nascer
uma estrela brilhante “

Que das trevas faça -se
luz !

Joka

João Carlos Faria 

Escrito após a leitura da coluna de Elizabeth
Souza o canto da cultura na revista Entrementes
edição de inverno de 2016
E o pré – fácio escrito por Edu Planchez para
o livro de Diego El Hhoury.