Seguidores

quinta-feira, 5 de novembro de 2015



O inventor do xadrez

Num repente Caetano Veloso vem abraçar
nossos ouvidos. Beijando a melodia.
E olho para fora e vejo a noite. E o caos do dia e suas angustias dissipam -se.
E poetas numa foto qualquer em um lugar do Rio de Janeiro.
Entre nossos abismos, crises e a cidade sempre a mesma e as pessoas sonham com outras
vidas. E as vezes ante o divino e o êxtase da vontade
de cair de joelho numa rua e agradecer nossa singela existência.
Enquanto em nossos desespero para ganhar o pão de cada dia. Estudando para concursos.
Distribuindo currículos mas a poesia sempre nos tira de nossas ilusões.
E alguém vai montar Macbeth de Shakespeare. E um livro me conquista numa vitrine da
biblioteca O inventor do xadrez de Sebastião Nunes. Tão belo o exemplar e vindo da dura realidade
da leitura dos jornais do dia. Entreguei-me a sua rápida leitura. E porque as bibliotecas prendem os livros em prateleiras ? Livros deveriam estar em todos os cantos para nos encantar. Nas praças
nos bancos. Nas lojas. Editoras deveriam nascer em todas as cidades deste pequeno planeta que chamamos de Terra.
Os livros e uma boa leitura salvam um dia. Um ano e a nossas vidas. A muito além da mera sobrevivência. E um livro encontrado e um rápido contato entre leitor e autor. Eles enchem nossas vidas de inúmeras possibilidades. Sonhar será só algo humano ? Existir a que se destina. E saber que nunca mais verei muitos que já foram para outras dimensões.
E uma moça a muito tempo enviou uma carta a Carlos Drummond de Andrade e tornaram -se amigos e se corresponderão pelo resto da vida e agora esta historia virou um lindo documentário.
E uma hora desta acabarei chegando a este documentário.
E um cachorro meio perdido na rua nos encanta. E não vi a noite chegar vou sair as
ruas para redescobrir a existência das estrelas. E achar o Deus que esta perdido dentro de mim.

Joka

João Carlos Faria

Biblioteca referida no escrito Cassiano Ricardo em São José dos Campos SP.
Um lindo prédio que foi um teatro. Um oásis no centro da cidade.
Imagem da foto o poeta Edu Planchez e dois amigos. 



Nenhum comentário: