Seguidores

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Procissão dos Mortos

Inspirado na procissão ocorrida na Semaninha Chico Triste.
Casa de Cultura em São José dos Campos São Paulo.
Bairro Vila Tesouro Fundação Cultural Cassiano Ricardo.

Madrugada, levanto-me e nem me percebo.
Na rua um barulho de matracas, saio quase despido.
É que nas noites quentes não fecho a porta do quarto nem
a janela.
Quando vejo atravesso a porta não a abro e a estranha procissão
acontece.
Vejo alguém correr em direção contraria aos passantes.
Seria por acaso Flávio de Carvalho ?
Que rua estranha, não vejo ninguém que me lembre.
Todos cantam e fico em silencio.
Velas de todas as cores. Olho para seus pés e não vejo ninguém pisando
no chão.
E vejo novamente a figura que vai em sentido contrario a procissão.
Nem me apavoro, percebo- me existindo, na madrugada quente.
Tento falar nada saie. Só o canto.
Derrepente percebo-me no centro de São José dos Campos a procissão
caminha em direção a Igreja de São Benedito.
A cidade vazia, só o som das matracas a cidade se faz outra como
em velhas fotos amarelas.
As roupas de uma época distante.
Não uso mais o mesmo corpo, já não sou eu mesmo. E sim outro.
Caminhamos adentramos a igreja.
E ali um túnel se revela.

Joka

João Carlos Faria

Observação : Flávio de Carvalho artista plástico que fez performance
nos anos 50 indo em direção contraria a uma procissão em São Paulo.


Criador e idealizador da saia masculina entre tantas feituras de arte.

Nenhum comentário: