Seguidores

domingo, 31 de agosto de 2014

Filosofar se faz necessário


O que é a paz para estes dias de guerra, onde a sociedade se convulsiona nas eleições
para a presidente?
E nos digladiamos para defender nossas propostas. E nos repartimos em partidos, crenças, ideologias.
Mas tudo passa alguém ganhara as eleições e tocaremos nossa vida como sempre até ter algo que faça nos sensibilizar enquanto povo?
A economia sempre fala mais alto. Vemos os humores do mercado. E um amigo falou como mercado tem humores mercado não é gente?
E gente que trabalha, estuda, tem amores as vezes não.
Acredita ou não em algo. E o que de fato muda em nossas vidas se nosso candidato ganha a eleição?
Ou fazemos protestos?
Ontem assisti no Canal Brasil o documentário Setembrada falando da revolta do povo de Santa Catarina quando João Figueiredo foi visitá-la confesso não sabia deste episódio de nossa historia recente um grande curta metragem com Lima Duarte.
Dali em diante houve o diretas já. E o pais deu uma guinada com a constituição cidadã.
De lá para cá foram eleitos vários presidentes. E a democracia vem se consolidando.
Mas devemos sempre manter esta noção que eleições muda um pais?
Ou falta termos a maturidade de aprendermos a nos organizar de outras maneiras?
Estou ou estava pensando em juntar um grupo para a próxima eleição lançarmos um candidato a vereador em São José dos Campos ?
Mas uma amiga me fez refletir ? Vale a pena não corrermos o risco de sermos iguais a quem já esta no poder?
Temos que buscar outras formas de organização social que gere transformações sociais na cidade
e no pais.
Mas as eleições não deixam este espaço para refletirmos e viramos enquanto massa torcedores
por nossos candidatos.
E este comportamento de massa na internet e na vida do dia a dia. Nunca contribuem para nossa reflexão.
A cidadania é uma conquista para alcançá-la devemos refletir a vida e o mundo é filosofar se faz necessário.
Sem medo de errarmos, hoje passei o domingo refletindo e achei a bela música de Cristina Amaral para gerar uma tranquilidade, a vida é sempre mais que politica, arte, religião como diria poeta Moraes TODOS TOTAIS E TÃO DESIGUAIS.
E a vida sempre segue mas devemos ser senhores de nosso destino. Sentirmos nosso coração e transformar o que esta dentro para refletir o que esta fora.
Nestes momentos penso em encerrar o Face e me desligar. Mas para que fugir a luta?
Estejamos nela com alma, razão e coração que a emoção seja para construir.
Enfim estamos em 2014 e o mundo gira.
Quem nesta cidade? Neste pais sabe agregar para construir algo que transforme realmente a sociedade?
Cabe a nós e que tal dançarmos uma Ciranda na Praça Afonso Pena e nas praças centrais de nossas cidades?
E nos olharmos nos olhos? O ódio nos divide o amor nos torna humanos.


Joka

João Carlos Faria


https://www.youtube.com/watch?v=1y2BV4xgz9g

sábado, 30 de agosto de 2014

Atos falhos

Quando devemos escrever poemas?
Quando o dia se faz pesado, quando cometemos
atos falhos?
Quando estamos felizes?
Não sei o dia hoje mostrou-me vários ensinamentos.
Desfazer males. As vezes precisamos calar.
Muitas vezes falar.
Deixemos o coração a frente.
De nossa mera ausência de razão.
O sono bate a porta.
Vem devagar.
A vida sempre em alta.
Quando aprenderemos a dar as mãos para dançar uma ciranda?

Joka

João Carlos Faria

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

VIVER

E se só existe o agora?
Para que tanto planejamento com relação a um futuro que será um agora?
O tempo e o espaço não existe.
Mas nossos corpos envelhecem.
Nossas cabeças pensam. E fazemos um imenso esforço pelo silencio.

As vezes nos cansamos mas tudo gira, calor, frio.
Inverno, verão.
E cade a primavera e o outono?

E dentro de nós nasce uma estrela.
Temos uma fagulha divina dentro de nós que precisa ser acendida.
Que precisa nascer.

Agora faz frio.
Tudo se faz presente e estamos ausentes de nossa consciência.

Ainda não nos fazemos humanos.

E se só existe o agora?
Necessitamos viver.
E que a vida seja plena em abundancia.

Joka

João Carlos Faria

Edu Planchêz acredito que deva se criar formas mais baratas de edição em papel enfim criar editoras mais populares para as obras serem publicadas quando eu achar este formato, econômico, financeiro e literário você e o Ricola de Paula estão na minha lista. Acho que são dois poetas fundamentais nos dias de hoje não porque seja eu amigo de vocês e os conheça mas ninguém se conhece? Mas pela literatura a sua no caso bem narcísica se colocando no centro do mundo. Já Ricola mais analítico e observador da vida. Sobre a editora sempre converso com a Beth do Entre Mentes acho vai acabar virando sobre nome. Enfim devemos achar novos modelos de organização das obras e divulgação. Ninguém tem dinheiro para pagar caro em livro Ferrez num documento no canal Curta diz que livros deveriam estar nas cestas básicas. Nem pobres, ricos leem tanto acho que o Face e sites como o Entrementes - Revista Digital de Cultura tem feito um bom trabalho. Mas falta críticos e dos bons. E prêmios para se descobrir neste imenso oceano digital a nova poesia ouso apontar o nome de Nydia Bonetti entre os bons poetas. 
Mas quem sou eu para ousar enfim cabe este aperfeiçoamento nesta grande geleia para redescobrirmos os grandes talentos da literatura e das artes que se fazem hoje.
E meus caros só existe o agora.
Edu Planchêz acredito que deva se criar formas mais baratas de edição em papel enfim criar editoras mais populares para as obras serem publicadas quando eu achar este formato, econômico, financeiro e literário você e o Ricola de Paula estão na minha lista. Acho que são dois poetas fundamentais nos dias de hoje não porque seja eu amigo de vocês e os conheça mas ninguém se conhece? Mas pela literatura a sua no caso bem narcísica se colocando no centro do mundo. Já Ricola mais analítico e observador da vida. Sobre a editora sempre converso com a Beth do Entre Mentes acho vai acabar virando sobre nome. Enfim devemos achar novos modelos de organização das obras e divulgação. Ninguém tem dinheiro para pagar caro em livro Ferrez num documentário no canal Curta diz que livros deveriam estar nas cestas básicas. Nem pobres, ricos leem tanto acho que o Face e sites como o Entrementes - Revista Digital de Cultura tem feito um bom trabalho. Mas falta críticos e dos bons. E prêmios para se descobrir neste imenso oceano digital a nova poesia ouso apontar o nome de Nydia Bonetti entre os bons poetas.
Mas quem sou eu para ousar enfim cabe este aperfeiçoamento nesta grande geleia para redescobrirmos os grandes talentos da literatura e das artes que se fazem hoje.
É meus caros só existe o agora.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014


 Mariana a candidata dos avestruzes

O problema do Brasil é que queremos um estado mãe, pai.
Um pais que de fato não investe em educação.
Um estado pesado de impostos. Que não se incentiva o empreendedorismo.
Temos sempre os juros mais altos, as estradas ruins e onde cobra-se pedágios.
Queremos manter um estado de precário de bem estar social.
E deixamos a economia patinar.
Uma policia violenta e sem nenhum preparo para lidar com os movimentos sociais.
Enfim um estado repressor que não vemos o respeito das autoridades as livres manifestações de rua.
Marina para mim é mais do mesmo. Vem com umas formulas já cansadas de serem debatidas no PT.
Aécio Neves não propõem nada novo. E Dilma já com doze anos de PT , não aproveitou a chance para fazer reformas politicas. E agora corre o risco de perder as eleições.
Como mudar um pais se Marina é a candidata para os avestruzes gente que só reclama dos partidos políticos e nunca se arriscaram a filiar-se a um.
Estamos falando de politica e não se faz ela sem uma participação dentro dos partidos. E no Brasil todos tem seus caciques seus donos. Vide Marina que não ficou dentro do PV.
E agora ela vem como uma avalanche nas incertezas de um pais quer quer mudar mas para onde?
Talvez uma mudança mais conservadora seria Aécio Neves, Marina radicaliza e ganha força.
Não sei se algum grupo conseguirá detê-la? E ai ela sem partido governará com quem fará aliança
com o PT,PSDB?
O Brasil esta se aventurando a era PT chega ao fim?
Mas sempre sobrevivemos já passamos por Jânio Quadros, Collor e agora veremos Marina Silva
no poder o populismo de esquerda reina nesta América latina.
E de Marina e com apoio das tradicionais famílias banqueiras.
Nossas esquerdas comem caviar nas festas.


Joka

João Carlos Faria

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Uma faxina no céu? E estamos todo nós aqui. Joka

sábado, 23 de agosto de 2014

João Carlos Faria

Uma leve tentativa de um poema para uma tarde de sábado

O dia já se faz quase na metade.
As almas caminham pelas ruas.
Carros em pressa.
Crianças com os Paes.
É sábado e tudo se encaminha para o Domingo.
Eleições, festas, orações.
Os templos lotam.
O ar de deserto.
Muitos nem respiram

O dia já se faz quase na metade.
E a vida na maturidade.
Quanto ainda temos por conquistar?
Que a vida com seus desafios seja em abundância.

Joka

https://www.youtube.com/watch?v=SwUbWkPCmEo

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

WOODSTOCK

A noite a poesia se faz valer em nossas vidas como uma velha canção de
Peninha na voz de Caetano Veloso através dos tambores ecoam desde 1969 em
Woodstock
Nesta época estava eu para vir de novo ao mundo. Nem sei ainda onde eu tinha ido mas estava
para voltar a este plano.
E estes tambores de Woodstock ecoam em nossas almas até hoje. Aqui no Brasil mais pra frente teve o Festival das Águas Claras reflexo desta época.
Anos sessenta e setenta o mundo explodia em liberdade, experimentalismos.
Nascia na França a Revista Planeta bíblia do esoterismo publicada até hoje no Brasil agora com o enfoque ambiental aqui posteriormente teve a ANO ZERO.
Enfim a partir de 1962 o mundo se transformou e vem se transformando. Os anos 90,
foram essencialmente conservadores e já no seu fim a internet começa a ser divulgada.
Hoje vivemos as redes sociais. Site e Web Sites. Tivemos a Primavera Árabe no mundo e
tudo se transforma varias revoluções acontecem a todos os momentos tento sintonizar-me pois como diz Elizabeth Souza na revista Entrementes agora os ativistas são outros.
Mas de fato o que é revolucionar-se?
Em tempos de terrorismo de um ISIS no Iraque onde pessoas perdem a cabeça diante das câmaras?E pessoas saem da Europa para revoluções armadas por causa de religiões mundo afora.
Quantas vezes nos ativistas quase não caímos nestas ideias barbaras. De se explodir shopping ou espaços públicos revoltas sociais, psicossociais. A morte nos cerca.
Mas a arte esta ai para nos salvar ou fazermos descermos aos infernos?
Na praça Afonso Pena estava meu portal para acender a escada da perfeição ou me precipitar aos infernos?
Quanto caminhar para se entender no universo. E tudo se faz paralelo no mundo. Só o amor pode nos transformar.
A razão aumenta nossa besta. E o coração nos liberta.
Eleições, fome, guerra.
A besta esta solta. Esta em nós. Qual caminho seguir?
Tudo se faz metafisica WOODSTOCK liberdade?
Arte, ciência, metafisica.
Quantos universos.
Quem sou eu neste dilema?
Mero navegador neste imenso planeta.
Santana e seu som nos leva a um Êxtase a arte nos faz lembrar e nos mostra nossa sombra e nossa luz.
Que a luz nos traga nosso sol do interior de nossa caverna.
Será que existo. Consigo resistir aos encantos da ilusão.
Que a luz se faça dentro de mim. Existo na indelicadeza de ser. Que ainda não sou, fragmento de uma estrela distante. Quimera ilusória.

JOKA

João Carlos Faria


https://www.youtube.com/watch?v=AqZceAQSJvc
Marina ficção ou realidade?

Será que a ficção tornou-se realidade enfim temos nosso Sassá Mutema da vez e leva o nome de Marina Silva?
Começo a me preocupar com esta eleição?
O Brasil merece salvadores da pátria ?
Talvez Marina Silva de ingenua não tenha nada. Mas ela não é do PSB um partido que vem se estruturando a anos e em cada eleição ganhando mais espaço. Que tinha em Eduardo Campos um líder natural. E a Rede de Marina uma aventura de uma classe media mal acostumada a militância politica.
Em parte a culpa é também destes dois grandes partidos políticos que se revezam no poder PT, PSDB.
Estamos vendo um fenômeno eleitoral que hoje parece ter força para gerar um segundo turno.
Mas e ai Marina Silva ganhando as eleições saberá governar?
Negociar com o congresso, fazer o pais avançar. Coisas que o pais vem fazendo aos poucos desde a criação do plano real no governo do presidente Itamar Franco depois foi eleito Fernando Henrique que fez as privatizações tão questionadas. E os anos dourados de Lula.
E agora vivemos no governo Dilma com alguma dificuldades econômicas. Até porque tem algum reflexo da crise mundial de 2008.
É fácil manter um discurso de força para o eleitor. E convencê-lo através de um marketing capenga mas esta mulher terá a destreza de saber trabalhar com o congresso que será eleito?
Negociar com as forças politica do pais? Os setores econômicos?
Tenho minhas dúvidas ela não me mostra força.
Mas esta eleição começa agora.
E espero que não seja um salvador da pátria sem a delicadeza e a destreza necessárias ao jogo politico.
Estamos para decidir o rumo de um pais.


João Carlos Faria
Caso kit escolares

Tenho acompanhado com tristeza a questão dos kits escolares cabe ao senhor prefeito Carlinhos Almeida esclarecer este caso definitivamente.
A compra de materiais escolares para os alunos da rede municipal é um grande avanço. Assim como
processo de informatização da rede municipal de educação projeto pioneiro no pais.
Vejo a cidade já avançar em muito nestes quase dois anos.
Acho que ainda falta um dialogo maior com a população esclarecida da cidade. Estes encontros do Pope Orçamentos Participativos são muito centrados em pessoas ligadas ao governo. E muito desatualizado fui num deste no ano passado na Casa do Idoso e lá vi um dejávú da administração Ângela Guadgnim com pessoas ligadas a administração se passando por povo eles tem seus próprios canais de contato dentro de seus partidos políticos.
Precisa-se cliar mecanismos de participação imediata do cidadão a anos uso o 156. E as cartas a este jornal como forma de participação e cade encontros abertos sobre temas importantes da cidade? Falta-se pensar em outras dinâmicas e neste caso a Câmara Municipal também se omite. Nos dias de hoje transparência é tudo e mais importante que ideologias politicas já estamos no século vinte e um. Não podemos nos basear somente em velhas teorias sociais e econômicas do século dezenove.
Não sou muito bom de cálculos mas a conta do kit não me satisfaz.
A cidade precisa avançar a alternância de poderes na democracia é fundamental. Espero que o prefeito nos esclareça sobre este tema? Em processos licitatórios não se deve ter erros de digitação
ainda mais que possam causar um estrago nas contas públicas.
Mas agora esta nas mãos da promotoria. E debater este caso dos kits não é questão de requentar um tema como mero prazer para se questionar uma adiministração pública. A população joseense esta de olho e vai responder nestas eleições nas urnas.
Sinceramente espero que o prefeito supere este episódio triste em sua carreira politica.
E continue este mandato ajudando a cidade a avançar. Este fato é de grande aprendizado para a comunidade joseense.
E mostra que o cidadão esta de olho em como governantes conduzem a administração de uma cidade.
Carlinhos Almeida governe com o povo e para o povo. Aprenda a ouvir a população não se distancie do povo da qual faz parte.


João Carlos Faria      

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Eleições tenho a leve impressão que o povo continua sendo manipulado.
Prestemos atenção aos fatos recentes?
Carta ao Povo Brasileiro 2? Estão pressionando Marina para fazer este ultraje.
Enfim carta aos banqueiros, empresários, multinacionais, sistema econômico.
Da a leve impressão que com Dilma, Aécio, Marina ou quem quer que seja.
Eles continuam a mandar e brasília é uma ilusão.
O poder de fato ainda não esta nas mãos do povo.
Esta eleição para mim já era.
Falta nos tutano e perspicácia para entender este jogo nefasto.

A luta é árdua.

domingo, 17 de agosto de 2014

https://www.youtube.com/watch?v=x8q9TOsw8HoEnsaio Edu Gair

Edu Gair a espera de GODOT

São tantas as experimentações que geralmente fazemos e aqui dois vídeos com o ator Edu Gair que
nos deixa. Prefiro homenagear os amigos em vida. Pois quando partem o consolo e para a família e os amigos.
O poeta Wilson Gorj falou que o Face esta um grande obituário mas é a vida as pessoas nascem,crescem e morrem.
Para mim vão para outras dimensões de vez em quando as reencontramos Edu não tinha celular, não usava internet.
Era bem humorado de um grande censo critico sobre politica, arte, filosofia a cidade fica vazia quando perde uma pessoa desta que não tinha nenhum titulo ou reconhecimento mas o calor humano. Que na vida é o que mais basta, títulos, dinheiro, poder nestas horas de nada nos vale
o Rei esta nú viva o Rei. E até nossas ambições artísticas mas façamos arte enquanto respirarmos.
Andar com ele pelo centro ou em ônibus sempre era uma festa.
O conheci em peças de teatro de um diretor polemico dos anos noventa entre nossas proezas jogamos palha por entre a iluminação de nosso teatro municipal.
Quase que viramos churrasco. Edu entrava de fraudas na peça. Depois fez muitas coisas trabalhou com Harley Campos.
Recentemente com Wagner Moloque e fez dois vídeos comigo. Eu que não estou fazendo vídeos ultimamente pois não estou familiarizado com o modelo de edição do Ubuntum.
Mas quiça em breve volto. Meus vídeos estão ai registrando nossos amados personagens da cidade.
Edu Gair me afirmou que participou com o cineastas paulistano Diomédeo Moraes que por aqui filmou a lenda Urubuzão Humano que nunca vi até hoje.
Enfim esta ai a cena maravilhosa e kaotica de São José dos Campos e uma pessoa querida me vem com esta tem ator em São José dos Campos ? Para uma parcela da população artistas são os que
estão na grande mídia.
Enfim São José dos Campos tem atores, poetas, diretores de cinema, escritores.
E muita gente mesmo produzindo lanço sempre minhas provocações para que aconteça muito mais.
Edu partiu mas o sonho de fazer cinema não. O sonho de fazer teatro também não.
Ele estava preparando esperando Godot e deve ter se juntado a Harley Campos, Zé Omar de Carvalhos e muitos e muitos para continuar produzindo.
Não tivemos informações sobre sua estada no hospital. A mim não chegou com clareza.
Mas não importa meu ultimo encontro com ele foi segundo minha memoria em frente a biblioteca
onde a conversa rolou mais sobre politica. E o incentivei a produzir seus escritos.
Enfim perdemos mais um amigo. Mas geralmente sempre nos veremos nas infinitas dimensões do universo. Não morremos perdemos um corpo.
Viva Edu Gair. Será que ele leva uma moeda para Caronte? Ou esta brigando com São Pedro para entrar no céu? Do jeito que é vai fazer como fez comigo adentrou o caminho do Santos Dumont de uma portaria a outra e como os guardas apitavam fazia que não ouvia. Enfim ele deve dar uma passeada pelo inferno, purgatório e sem uma Beatriz chega ao céu. Ele conhece bem os caminhos e capaz de enrolar demônios e anjos. Vai mas volte te encontraremos em outras existências quiça com uma nota acima.

Joka


João Carlos Faria

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

A alegria de ouvir uma nova canção de Caetano Veloso

Estou Triste

Caetano Veloso emociona-me sempre e ainda mais quando descubro uma música inédita
dele ao menos para mim.
Ele pode até estar Triste eu estou alegre por poder ouvir esta sensibilidade em forma de música
e letra.
Um dos grandes gênios de nossa música.


Alegre
Alegre
Alegre

A vida esta ai

Alegre
Alegre
Alegre

A vida esta ai

Caetano me desencanta e volto ao encanto.
O tempo para, deixa de existir.

Alegre
O tempo adormeceu no quarto de Caetano

Alegre
Alegre
Alegre

Meus gestos se desfazem.

Caetano Veloso

Almas errantes, sambas, canções

E a poética se reconstrói na alma do poeta Caetano

Alegre
Alegre
Alegre

Num dia de inverno ouvir a tristeza do poeta.

Alegre
Alegre
Alegre



Joka

João Carlos Faria

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

João Carlos Faria

Uma breve lembrança em memoria a Eduardo Campos.

Leio vorazmente poetas. Vejo as noticias do mundo. Ouço cantares.
Vida em abundancia.
Viver se faz necessário em bravios mares, ou em calmarias.
A cidade anda fria. Nos homens estamos frios diante da vida.
As escolas reproduzem nossas incertezas, traduzidas em vãs teorias.
Não ponho pensamentos de outros entre aspas os cito.
Não me seduz as regras acadêmicas apenas tento entender e cumprir.
Como eram belas as mulheres de Atenas.
Quando andava com Sócrates debatíamos a vida.
Hoje debatemos a vida diante de uma maquina de esfriar corações.
As vezes ela também esquenta depende do uso.
A mídia nos idiotiza, a escola nos mantêm alienados.
Estava chovendo o avião decolou. O homem com sua vã ciência
acredita que pode desafiar a natureza.
E temos que conviver com uma perda. E como em funerais que
as pessoas debatem as heranças. O pais debate o futuro das eleições.
E assim somos uma nação.
Tantas coisas em nossas cabeças. Tudo por construir e o politico me cisma
de morrer?
Pra que morrer numa hora destas? Ele teria tanto tempo ainda
para partir.
E Deus esta escrevendo por suas linhas tortas, jornada cumprida.
Eduardo Campos descanse em paz.
Quando caminhava em Atenas ao lado dos filósofos eu ainda mero cão
a observar o mundo.
Como o que tentava salvar os peixes num video.
Ouço o cantar Português por acidente saio da idiotização que a mídia nos
provoca como diria Os Titãs o sorvete me deixou gripado pelo resto da vida.
A cidade não acontece ao menos para mim.
Ouço a música Portuguesa de João Pedro Pais, Rui Veloso.
A cidade vibra.
Leio vorazmente poetas.
Bocage passou pelo meu quarto me deu um recado.
Pena que me esqueci. Vamos para as ruas o verdadeiro palco de grandes transformações
sociais. Não vamos temer os cães de um estado violento. Ou aceitar acordos de bastidores.
Migalhas jogadas ao chão nos move. Não é hora de sacoalhar bandeiras de políticos nefastos.
Eles já não nos enganam.

Joka


Foto Cesar Pope numa viagem a India, Nepal.
Músíco João Pedro Paes Músico Rui Veloso

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Luto

O Brasil perde Eduardo Campos uma liderança. Em um momento em que as liberdades civis e o direito a livre manifestação não esta sendo respeitados. Cidadãos comuns não estão tendo direito de se manifestar nas ruas livremente por causa de uma policia violenta amando de quem?
Perdemos Eduardo Campos eu não votaria nele este ano mas quem sabe no futuro?
Tenho minhas grandes duvidas sobre esta democracia em que vivemos. Mas perder uma liderança
de uma maneira tão trágica é algo forte.
O dia de hoje faz me lembrar da morte de Tancredo Neves um fato obscuro deste pais.
Aqui em São Paulo vivemos o pesadelo da possível falta de água e não entro no debate para não
partidarizar o debate. A água é valiosa.
Enfim podemos construir um pais melhor e pode-se fazer muito mais que o meio tradicional que é a politica partidária.
Vejo um pouco de utopia na Rede que Marina ajuda a construir mas como bom caipira sempre com um olhar de desconfiança.
Enfim estas eleições tem um fato novo e o Brasil perde uma liderança.
E o povo decidira nas urnas nosso caminho. Mas com tudo isto temos a necessária maturidade politica para enquanto povo deixarmos de ser gado marcado?
O fazer politico precisa das manifestações que sejam elas pacificas. E o que o cidadão tenha seu direito a livre manifestação sem ser enquadrado na lei de segurança nacional.

Joka



João Carlos Faria

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Poema para ser lido no facebook 1

Manhã de gripe que não se vai.
Eu aqui lendo poemas no face.
Tantos sonhos.
Por acaso deveria ler as velhas noticias em jornais?
Saber da economia. Dos descaminhos da politica.
Das guerras que explodem mundo afora.
E nos mortais não podemos fazer nada.
Já tive meu tempo de militante andava de mãos dadas com a poesia.
Organizava greves e comprava cadernos para escrever poemas no começo dos anos 90.
Hoje nada disso já não me comove. A politica é sínica e nela nada acontece.
Já a poesia anda gripada e tossindo. Reflete o mundo que esta dentro e fora de nós.
Gosto de ler poetas que conheço pessoalmente sei de seus desafios e dilemas.
Mas poetas sempre andam só. Já não gosto de declamar em sarais.
E não gosto dos feitos em salões gosto dos que acontecem nas ruas neles não há meias
verdades, neles somos o que somos.


Joka

João Carlos Faria


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Esquina do tempo


O homem que ensarrafava nuvens documentário que acabei de assistir no Canal Curta este belo retrato de nossa canção. Falando do parceiro de Luiz Gonzaga Humberto Teixeira.
Todos as vezes com justa ou não razão falam da falta de criatividade da música brasileira a partir dos anos noventa. Eu tinha zapeado antes e tinha achado Os Engenheiros do Havaí no Globo de Ouro nos anos 80.
Estava tentando me livrar da acomodação de assistir ao noticiário velho habito que vem antes da TV a Cabo cruzar meus olhares. No ano passado trabalhei numa redação de Jornal numa função que não tem a ver com a escrita e lia três jornais por dia. E atravessava a madrugada contando estrelas.
Mas contar é o que sei de vários modos fazer. E hoje descobri que existe o estilo de escrita memorialista. Sei lá escrever é reinventar memorias. E fazer documentários e retratar a vida de modo ficcional na escrita e na TV nada é real apenas nossas impressões.
E escrever e registrar impressões. Gostaria de ter participado da escrita da Bíblia. Acho que não fiz é algo a altura de um Guimarães Rosa, Machado de Assis eu sou um cronista que vai desaparecer na esquina do tempo.
Já ate tive ilusões mas nada como desaparecer enquanto personalidade a eternidade nos acompanha. Não vou aqui citar amigos do passado que optaram pelo silencio que sejam esquecidos jogo uma pá de cal em suas covardias de desistir de tentar voar. Só tenho olhos para quem tenta ao menos voar o passado passou. Liberto-me destas algemas.
Enfim nossa musica consegue me incendiar e gerar a bendita inspiração. Sem elas nada conseguimos fazer.
Nossa musica cria uma identidade nacional e mais este documentário nos mostra isto. Não é a politica que a cria é a musica. A literatura vai no vácuo. Que o diga o poeta Vinícius de Moraes. Que de poetinha não tem nada ele alcançou a alma do Brasileiro.
Musica sem musica não somos não existimos.

Joka

João Carlos Faria


O Homem Que Engarrafava Nuvens (2008)



Você viu o mar que estava ali?
Mergulhemos.
Essa ilusão de ótica.
Essa neblina.
A cidade acordando.
E um mar em meio a neblina.
Essa ilusão de ótica.

Cade os portais?

Escrito Joka
Foto Celeste Febe

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Mandei a imagem via face é um artista de fora confira.


Conversando com SHARAM ALZIDEH

Estamos numa ilha cercada de vários outros idiomas nosso Português.
esta ilhado. Fui falar com um artista e ele só falava Inglês.
E eu com meu velho idioma.
Ta não são tão radical assim mas entrar nestas escolas de idiomas
no geral é uma roubada.
E nossas escolas nunca saem do velho Verbo To BE.
E mais nada.
Ficou no sori pra lá sori. Pra cá congratulation.
KKK e mais nada.
Mas nada que a força de vontade não de um jeito.
Afinal com esta net estamos no word.
Opa no mundo.
Mas como o poeta disse não me chamo Raimundo.
E vamos por ai a musica é universal a pintura é universal.
E a nossa língua puro carnaval.
Carnaval. E Caetano Veloso disse que não se filosofa em Português é um ato falho.
Fico com a memoria.

Joka

João Carlos Faria

Talking to Sharam ALZIDEH 

We are surrounded by a number of other languages ​​our Portuguese island. 
this marooned. I went to an artist and he spoke only English. 
And I with my old language. 
Ta are not as radical as well but enter these language schools 
overall it's a stolen. 
And our schools never leave the old Verb To BE. 
And nothing more. 
For there was in sori sori. Here for congratulation. 
KKK and nothing more. 
But nothing willpower not one way. 
After all we are in the net with this word. 
Thanks worldwide. 
But as the poet said do not call me Raymond. 
And let the music out there is universal paint is universal. 
And our language pure carnival. 
Carnival. E Caetano Veloso said he does not philosophize in Portuguese is a Freudian slip. 
I get the memory. 
 
Joka 

João Carlos Faria
SHARAM ALZIDEH

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Cade aquele Jesus Cristo de uma aldeia de Portugal?

Ouvir Creendence.
Meche com as emoções.
Para onde vamos?
Se estamos no mesmo lugar.
De fato estamos aqui mesmo?
Espero que nossas almas não sejam pequena.
Para que realmente vala a pena.
Faz tempo que Fernando Pessoa não vem para
meus olhares.
E aquele menino aquele pequeno Jesus Cristo de uma aldeia
de Portugal.
Aquele declamado por Irael Luziano numa Celebração ao Renascimento da Poesia.
Quando terei a chave dos registros akassicos?
Quando irei aos velhos templos egípcios?
E poderei falar com os Deuses em pé de igualdade.
Sinto por estar adormecido.
Quando fecho os olhos não vejo nada.
Ainda não aprendi a meditar.
E talvez seja como respirar.
Ouvir Creendence.
Nos transporta a infinitos.
A vida é mais que percebemos.
Quantos tombos e não aprendo a me levantar.
Cair, cair, cair.
Preciso voltar dos abismos.

Joka


João Carlos Faria        
João Carlos Faria

O dia num circulo

Joana Darc, Credencie, Oswaldo Jr.
Poemas se fazem com pessoas.
Quantas voltas?
Sobreviventes.
Ou viventes.
O Sol se faz forte.
E na represa de Paraibuna a água evapora.
O que fazer ?
A vida é metafisica, real.
Pragmática e transcendental.
Quantas quedas?
Nas madrugadas.
Sempre sobrevivemos a elas.
Ainda se faz manhã.
Quantos desafios para atravessar o dia.
Imaginem uma vida inteira.
E na represa de Paraibuna a água evapora.

Joka