Seguidores

sábado, 31 de maio de 2014




Bilhete único afeta caixa das empresas


Sobre esta matérias gostei muitos dos comentários dos internautas. Transporte público nos
dias de hoje nas grandes cidades é a única saída.
Tenho observado já não há quase tranquilidade no transito de nossa cidade.
Teve uma solução que não foi pra frente nos anos 80 aqui em São José dos Campos que foi
a criação de uma empresa municipal de transporte público.
A sociedade como um todo deve refletir e pensar nestas alternativas. Porque não uma empresa
municipal que não vise o lucro e sim a qualidade do transporte público?
Acho que numa sociedade do século vinte e um. Temos que buscar as soluções mais variadas
para os problemas de hoje sem nos atermos a ideologias de esquerda ou de direita.
Soluções são fundamentais para nossa cidade hoje e para as próximas décadas.
E debates são sempre bem vindos. Cabe a nossa Câmara Municipal promover estes debates
e a Sociedade Civil se organizar para propor soluções sem o calor das disputas de poder
que partidos políticos A e B tenham pois este C nunca se cristaliza.
O bilhete único é um avanço na qualidade de vida dos usuários de transporte público.
Em São Paulo tem o projeto da Prefeitura e do governo do Estado onde o usuário pode pagar 220
reais por més e usar ônibus, trens e metros. Fiquemos de olho neste projeto.
A sociedade deve debater o sistema de transporte para que a suas necessidades sejam atendidas.
A cidade não se expande o tamanho sempre será o mesmo. Qualquer hora desta vamos debater
o rodizio de carros.
Que pena vivemos numa sociedade onde se valoriza o crescimento populacional e não valoriza
a qualidade de vida de seus habitantes.
A Univap deu um paço importante ao organizar o debate da água porque não o de transporte
e outros temas?
A cidade sempre agradece quando se é refletida. O único espaço realmente democrático
na cidade onde o cidadão é ouvido é seção de cartas deste jornal e as redes sociais.
Cade nossa Câmara Municipal com espaço semanal para o cidadão se manifestar?


João Carlos Faria




















http://www.ovale.com.br/bilhete-unico-afeta-caixa-das-empresas-1.533600http://www.ovale.com.br/bilhete-unico-afeta-caixa-das-empresas-1.533600

terça-feira, 27 de maio de 2014

Revolução que seja hoje

O que é cultura?
Como se da a cultura de uma cidade onde o cidadão não participa
das decisões que lhes afetam?

O que é democracia?
Como podemos viver numa democracia onde o cidadão diretamente
não opina e decide os projetos de um pais?

Congresso, câmaras?
O legislativo através de sua representatividade ainda de fato
nos representa?

Só votar já não basta na sociedade complexa na qual vivemos.
A democracia na forma Grega deve ser repensada.
Grandes empresas influenciam decisões de governo.
Vivemos numa sociedade onde o mercado influenciam
a sociedade mais que cidadãos.

Como no aprendizado que tive hoje numa frase de uma mulher
Africana

ALMA E CORAÇÃO DEVEM GOVERNAR O MUNDO.


João Carlos Faria

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Cidade em brumas.
Tudo pode e dever ser reinventado.
Uma nação em desacordos.
Instabilidade.
O vil metal cega mulheres e homens.
O poder do marketing em gana a todos.
Não há mais homens sensatos no poder.
Insanos covardes.


Joka
O sistema pode ser desinventado


Joka
O marketing é mascarado


Joka
Qual modelo a comunidade quer para a cultura joseense?

O modelo da Fundação Cultural Cassiano Ricardo não esta ultrapassado?
Como me disse um amigo qualquer pessoa que sente na cadeira de
Presidente da Fundação Cassiano Ricardo.
Fazendo ou não nada vai acontecer.
Não esta na hora de rever esta ideia de Festivais como Festidança, Festivale
e outros.
Precisamos de uma boa programação de teatro o ano todo.
Precisa-se de um modelo que de espaço para a comunidade voltar a participar
da Fundação.
Precisa-se de um debate amplo com a Comunidade como um todo.
Este sistema de oficinas nas Casas de Cultura foi implantado em 1993.
E nunca se altera?
A comunidade não é convidada para um debate profundo sobre os
destino da cultura da cidade.
A atual gestão quer passar em brancas nuvens?


João Carlos Faria
Palcos da vida

O teatro é fascinante. Um palco. Seja em qualquer lugar.
Num palco Italiano.
Nas ruas.
O teatro sempre a nós fazer refletir.
Seja qual for seu processo.
Quanto tempo ainda levarei para pisar num palco.
Não sei. Somente os Deuses sabem.
A vida é bela.
Quem vive sem arte?


Joka     

domingo, 25 de maio de 2014

João Carlos Faria

Poema contra o fascismo
do século vinte e um.

Os filhos de Goebbels
Nada fazem.
Nada tem em seus corações

Os filhos de Goebbels
Espalham o mal.
São dissimulados.

Os filhos de Goebbels
Cantam e dançam sobre a ilusão
do povo.

Os filhos de Goebbels
Odeiam a fé na humanidade
São dissiminadores de mal.

Os filhos de Goebbels
Acham que nos enganam.
Com seus gestos de demagogia.

Os filhos de Goebbels
Se travestem de cordeiros
E nos devoram quando menos esperamos.

Só o amor pode vencer os filhos de Goebbels.




Joka

Homens de marketing

Quantas mentiras que os poderosos contam para
se manter no poder.
O inferno é a sala de refeições deles.
O povo nunca foi bobo. Só as elites politicas
acham isto.
Povo levanta de madrugada, estuda, trabalha.
E não fica pensando bobagens o dia inteiro para
tentar enganar as multidões.
Povo tenta achar novas formas de mudar a sua
historia.
Tem ideias e criam uma nova saída econômica.
A democraticia é uma conquista.
O poder se transforma.
A vida esta repleta de mudanças.
Chega de se reproduzir a Casa Grande e a Senzala.
Chega das idiotices dos homens de marketing.
Velhos lideres parecem que perderão a razão
o senso de ridículo.
E espalham o mal. Se fazendo de cordeiros.
Enquanto em hotéis, restaurantes de luxo.
Articulam as batalhas doentias para se manter o poder
conquistado na ilusão de um povo.
Parecem que enterram o amor ao próximo, as futuras
gerações.
Em nome de velhas ideologias que já se perderam na
historia.
Precisamos construir novas ideias e realizar algo novo.
Estamos no alvorecer do uma nova era.
E não tem espaço para velhas repetições de formulas que nos fazem perder
o caminho.



João Carlos Faria
A burrice do marketing politico 

Se fosse Dilma e Lula eu demitiria logo o idiota que fez este terrorismo
do programa do PT que não vi não quero ver e não gostei.
Um Partido que foi anunciado por Henfil na TV Mulher da TV Globo
nos anos 80.
Um partido que surgiu na abertura do processo democrático do pais.
Que tem um líder Carismático que tem milhões de militantes nas ruas
me fazer uma bobagem desta.
Tá talvez até Dilma ganhe mas não enfeiem a história deste pais.
Eu e milhares de Brasileiros já demos o melhor de nosso tempo
e nossa juventude por este projeto.
De colaborar para um processo de democratização do pais.
Não nos faça o terrorismo que o PSDB possa voltar.
Façam uma campanha limpa honesta.
Proponham coisas novas.
O cidadão Brasileiro não é um idiota alienado.

João Carlos Faria


Eleições 2014

Acabo de ler uma boa reflexão de Tico Santa Cruz aqui no Face
sobre as eleições.
Ele coloca uma opinião que sempre tenho precisa-se uma reformulação
no Congresso Brasileiro.
Eu pretendo votar em Dilma para Presidente e no legislativo no PSOL
Mas quem ganhar as eleições vai ter que enfrentar um monstro chamado
PMDB no Congresso.
Este mesmo PMDB que foi da base de Fernando Henrique Cardoso de Lula
e Dilma.
Que esta no poder a muito tempo representante do que há de mais conservador
neste pais.
A democracia no Brasil precisa dos Partidos Políticos e eles não estão arejados
o poder é um balcão de trocas.
E precisamos entender de politica para mudar o pais.
Sair as ruas é algo saudável mas com esta violência e este certo clima fascista
afasta muita gente da rua.
Que pais é este que esta nascendo?
A democracia é um valor que se constrói no dia a dia de um pais. E cabe
a todas gerações transformar este pais.

João Carlos Faria

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Joka

Cuidado os senhores feudais do império,
Querem nos dizer o que pensar.
O que sentir.
O que falar.
Eles nos amedrontam com a ilusão de não
ter dinheiro.
Ele nos fazem chafurdar na lama da ignorância.
Na ilusória inexatidão de três mais cinco.
Nos tiram o emprego precário.
Salários de fome.
Não pensem você não é pago para pensar.
Não reflita.
Tudo uma formal indelicadeza.

De como somo enganados todos os dias








Joka

Poetas promovem o silencio.
A alta descoberta.
Poetas subvertem a língua.
As artes.
Poetas devem ser espuços do manicômio do mercado.
Espuços da sociedade devem tomar cicuta.
Poetas devem ser queimados na fogueira.
Eles nos fazem refletir.
Nos fazem calar.
E nos falam do amar.


Dedicado a Piva











Joka

O Estado é um manicômio.
Partidos políticos se fazem gerentes da burrocracia.
A consciência de quem tem poder foi anulada pelo carimbo de todos os dias.
Travestem-se todos.
De bondosas almas.
Demônios em pele de cordeiros.
E a sociedade esta em colapso.
Uma crise de identidade.

Desobediência civil
Joka

O Estado é um manicômio.
Partidos políticos se fazem gerentes da burrocracia.
A consciência de quem tem poder foi anulada pelo carimbo de todos os dias.
Travestem-se todos.
De bondosas almas.
Demônios em pele de cordeiros.
E a sociedade esta em colapso.
Uma crise de identidade.


Desobediência civil
  
Vai ter copa, vai ter dinheiro vai ter tudo que queremos. Basta ter fé em nos mesmos.
E tudo se faz ilusão.
Votos nas urnas.
E os podres poderes na eterna guerra de mocinhos e bandidos.
Governos só refletem a sociedade da qual eles fazem parte.
E se esquecem quando conseguem uma cadeira.
O poder é uma mera ilusão.

Joka

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Hoje achei perdido numa gaveta o Cd Pluralidade de Edu Malafaia
vou escutar numa madrugada.
Dentro das faixas tem uma canção que me comove um hino de liberdade.

O POETA O PALHAÇO E A CRIANÇA

A primeira vez que houvi foi encantamento numa manha de fevereiro de 
1996.
Na Celebração ao Renascimento da Poesia salve a poesia de Malafaia.
E salve a poesia que se faz nas ruas das cidades do Brasil afora.
A arte nos liberta.

Joka 
João Carlos Faria

E crianças brincam nas tardes ensolaradas de outono

E Dali estava aqui brincando com suas cores fazendo desenhos dançantes.
E a Bela da Tarde dançava um samba a sua frente.
Enquanto jovens Iranianos fazem seus vídeos.
E a chuva caie silenciosamente neste noite de Maio.
Eu vi Alen Ginsberg passear por um bairro de uma cidade do interior dos trópicos.
E alguém resolvia caminhar nas margens de um grande rio.
Quantas margens tem um rio?
Como Sócrates veria esta nossa sociedade de hoje?
Será que somos assim tão sem noção e destruímos um planeta por inteiro
para saciar nossos desejos de consumo?
Eu daqui quero encontrar Bruce Lee.
E crianças brincam nas tardes ensolaradas de outono.
E Branca de Neve passeia no labirinto com o Minotauro ela o ensina
a jogar petecas.
E tentam juntos achar a saída do labirinto pois uma sacerdotisa havia lhe avisado
que se não saísse perderia a cabeça.
Ele sempre não conseguia entender porque tinha aquela cabeça de touro.
Ele que gostava dos versos de Camoês.
E via o futuro ser projetado numa bacia de água.
E não achava aquela saída.
Quantas joias daria para ter uma saída.
Este mundo de matrix que nos aprisiona e não achamos a saída.
Adentrar sempre ao reino dos mortos e voltar nos deixa um pouco cansados.
Quantos degraus tem esta escada onde anjos sobem e descem?
As vezes as portas do inferno se abrem e o vemos em toda sua feiaudade
quantos corpos a se petrificar?
E Dali desenha sem cessar. Nunca para atravessa dias e noites numa cabana
esquecida na Patagônia.
E quantas cores. Ele enxerga uma variante infinita de cores.
E nos pátios das escolas crianças soltam a imaginação em jogos e brincadeiras.

Joka



Especialistas debatem a crise da água na Univap

Este assunto água é tão sério e não esta comovendo a sociedade não vemos manifestações públicas sobre este tema ?
O tema eleições e a guerra ideológica entre esquerda e direita comove mais
o cidadão?
Que pais é este? Que povo somos?
Precisamos debater a questão ecológica com amor.
Esta semana vi num moral de uma escola este mesmo questionamento do
filosofo Leonardo Boff.
Sem um meio ambiente saudável não temos vida de qualidade.
Cabe as lideranças organizadas do sociedade ter um pouco mais de consciência ambiental.
O planeta e as gerações futuras agradecem.
João Carlos Faria



http://www.ovale.com.br/especialistas-debatem-a-crise-da-agua-na-univap-1.530890
Urbam estuda construção de mini shopping na zona leste


Politica partidária a parte bem que esta ideia não e tão ruim assim. Mas e aquela área em frente que
esta sobre o controle do São José ?
Quando a cidade terá esta área de volta?
Ali poderia ser um centro de esporte, cultura e lazer nos moldes do SESC.
Hoje único centro cultural na área central da cidade.
Precisamos ver a cidade de hoje e também projetá-la.
Espero que o prefeito Carlinhos Almeida tenha esta ousadia que consiga de novo o teatrão e faça
e este mini shopping na Vila Industrial.
Mas como anda as obras do teatro municipal da cidade?
O Vicentina Aranha vem se transformando numa área de eventos de arte.
O centro da cidade precisa sofrer uma revitalização cabe a prefeitura de São José dos Campos
debater estas propostas com a população.
Começamos a ver o governo Carlinhos Almeida fazer propostas e ações para a cidade.

João Carlos Faria


http://www.ovale.com.br/urbam-estuda-construc-o-de-minishopping-na-zona-leste-1.530897

segunda-feira, 19 de maio de 2014

A visceral poesia de Ricardo Chacal nos faz refletir a vida

Vamos dar as mãos a Anjos e Demônios
Quantas abismos 
Diante deste Kaos beber a cicuta
Buscar a ausência
Ou ver a mera ilusão se desfazer
nas areias da praia
Arte poesia
Metafisica
Enquanto o capitalismo
O mercado compra a ausência da
consciência do cidadão
Almas vendidas arruinadas
E jogadas ao fundo do inferno do mercado
Desculpem ler Chacal me comove


Joka

sexta-feira, 16 de maio de 2014

João Carlos Faria

Quem mandou eu ler Rubens Alves ?

Este dias estou finalizando meu estágio obrigatório.
E estar numa escola não tem preço.
Valerá a pena quando eu pegar meu diploma.
Educação é um universo rico de experiencias humanas.
Sei que tenho o desafio de entender todas as teorias da educação
e decifrar seus pensadores.
Para por em prática a práxis.
Enfim teorias e práticas.
Quem mandou eu ler uma cronica de Ruben Alves a alguns
anos na Folha de São Paulo.
E não é que mandei uma carta escrita a mão para ele.
Nunca terei a resposta. Ele não deve ter entendido minha caligrafia.
Terminando o curso de Pedagogia quero me inteirar de
todas as propostas ousadas na educação.
Escola da Ponte e outras proposta.
No momento o básico já é um grande desafio.


Joka

quinta-feira, 15 de maio de 2014




João Carlos Faria

Canção a delicada alma

Mulher areia. Saída de uma duna de nossas
meras ilusões.
Enquanto passeamos pelas vidas de outras
almas errantes.
Nas conecçoes virtuais.
Enquanto o mundo se transforma via mentiras
virtuais.
Quando aprenderemos separar o joio do trigo
de tantas informações que adentram a nossa
retina?
Nada como uma conversa ao pé de ouvido
tomando um café numa cozinha qualquer.
Nossas revoltas estão estampadas no universo
virtual.
Vivemos numa sociedade que se escraviza
pela burocracia de cada dia.
Papeis tantos papeis, carimbos que deveriam
ser rasgados.
Mulher areia. Saída de uma duna de nossas
meras ilusões.
Poderia ser uma duna de papeis e de tantas
leis que tentam aprisionar nossa delicada
alma.
Quem dera ter em mãos uma espada
que cortasse toda esta ilusão.
Cabe nos a reflexão.
Cabe nos a meditação.
Neste mundo de mera ilusão.
Não devemos nos esquecer do agora.
Mulher areia. Saída de uma duna
de nossas meras ilusões.
Por acaso hoje viste o por do Sol?



Joka

quarta-feira, 14 de maio de 2014


João Carlos Faria

Poemas devemos escrevelos


Que tal escrever um poema nestes dias de tensão.
Onde busco entender a escrita acadêmica compreender suas
regras.
Nestes dias em que a politica anda muito pesada e temos
que pensar muito o que escreveremos.
Um poema que seja livre libertário que nos faça ver
a beleza do Sol nas manhãs de outono.
Que reflita o encantamento pela Mantiqueira vista da Vila Industrial
em São José dos Campos.
Um poema repleto de caminhadas e boas conversas entre amigos.
Cheio de encontros ao acaso nas ruas.
Problemas acontecem para serem resolvidos.
Refletimos a vida é cheia de pequenos e grandes obstáculos.
Tenhamos fé em nos mesmos.
Afinal na vida tem vários mundos e a Academia com suas regras é só mais um deles e tudo passa.
Que cuidemos da vida e a levemos de maneira tranquila.
Quando tivermos cansados vamos a um parque ver a natureza
fluir.
Leiamos bons livros.
E ai teremos força para desvendar os ensinamentos técnicos
que uma faculdade nos passa.
Enfrentaremos nossos desafios diários com força.
O que é a poesia se não a vida.
Vamos escrever poemas. Criar canções sobre a
vida.
É outono e a natureza se faz selvagem forte e bela.
Quantos rios, córregos que precisam ser despoluídos.
Quantas crianças que precisaram de uma boa formação
academia de seus professores.
Precisamos nos redescobrir humanos.

Joka



terça-feira, 13 de maio de 2014

João Carlos Faria

O homem que carrega tempestades nas mãos

Hoje vi o visceral poeta Edu Planchez no principal canal de
jornalismo da TV Brasileira.
Enfim as luzes. Mas para quem é iluminado não faz nenhuma
diferença ser reconhecido ou não.
A sua poética, poemas sempre a mesma visceralidade.
Em um sistema que não enxerga talentos.
As ruas sempre são os melhores lugares para se achar
poetas.
Que não se prendem a um sistema corrosivo que busca
destruir a criatividade humana.
Sempre tive e terei o privilegio de encontrar almas
que de novo buscam alcançar as estrelas.
E como diria Nietzsche é necessário possuir um caos
dentro de si para que nasça uma estrela brilhante.
A vida segue pelas ruas que nenhuma rede social
irá alcançar o palco da vida é a rua.

Joka



segunda-feira, 12 de maio de 2014

Poesia Industrial 

Dedicado a Paulo Carraturi

Manhãs de Sol nos sábados da Vila Industrial.
Onde as artes se espalhavam nos cantos da cidade.
Este homem estava conosco na criação das Casas
de Cultura que estão ai até espalhadas pela cidade.
Arte, poesia.
Na crianção de um fanzine.
Nas oficinas culturais no trabalho de base
que derão origem a Casa de Cultura Chico Triste.
Abraços velho amigo.

Joka 

domingo, 11 de maio de 2014

A direita mostra sua cara. É nunca é das boas. Onde um pais como o Brasil entraria
numa fria de uma ditadura a esquerda?
Quem realmente dita as regras no mundo hoje é o Mercado.
São os financiadores de estados. 
Esta na hora de uma reação positiva e inteligente a esta tentativa de desestabilização
de governos eleitos democraticamente.
Desculpem não somos nem Cuba nem a Venezuela.
O povo sofreu muito na ditadura militar. A educação foi sucateada. Com a democratização conquistamos o SUS.
A batalha será dura mas que vença a Democracia.
Estou com as forças democráticas e não com a oligarquia que sempre vendeu este pais
a preço de banana.
Os candidatos Dilma Roussef e Eduardo Campos representam as forças politicas que
buscam um avanço neste pais.
Eu voto em Dilma e no parlamento na legenda do PSOL.
Jornalistas e jornais não são independentes são empresas comerciais. A midia brasileira
é um imenso latifúndio e tem donos.

João Carlos Faria
João Carlos Faria

Preservar a Serra da Mantiqueira

Preservar é a palavra de ordem em relação a Serra da Mantiqueira andando pelas cidades
do Vale do Paraíba vejo o turismo se desenvolver.
A sociedade precisa fazer este debate de maneira inteligente e madura. Como preservar
e garantir a sobrevivência econômica de suas populações?
Todos sabemos que a burocracia no Brasil e lenta e burra. Cabe um debate sim para se preservar a Serra.
E em um ano eleitoral é mais que justo que se faça este debate.
A economia das cidades do Vale onde a Mantiqueira esta precisa ser mantida. Mas também precisa-se pensar no reflorestamento e na preservação da flora e da fauna.
A questão das águas esta sendo debatida por causa de um verão pouco chuvoso.
E preservar a Mantiqueira e o Rio Paraíba do Sul é o que deve ser feito para termos água em abundancia.
Mas que seja também garantido o direito de exploração econômicas destas propriedades que
estão na Serra e no Rio.
Enfim cabe nós bom senso e reflexão para chegarmos a um caminho do meio como bem retrata
as duas matérias do jornal O VALE.
Pena que estes temas não comovam nossa população que se desinteressa pela vida coletiva pelo
que acontece em nossas comunidades.


Joka

   Serra da Mantiqueira, trecho do bairro Ribeirão Grande, Hari Krishina. Foto: Marcelo Caltabiano.
   Foto : Jornal O VALE

sábado, 10 de maio de 2014

João Carlos Faria

ÉTICA

Não sei prever quanto TEMPO temos não entendo nada de futuro.
Então vivamos o hoje.
E saúdo a todos nesta ainda noite de sábado.
Que a vida nos traga trabalho, saúde, fé.
De que vale viver sem fé. De que adianta fé sem trabalho.
Não separemos tanto as coisas, fé, trabalho, ciência, politica.
E que a ética regule nossas atitudes e nossa não atitude.
Para sermos livres devemos chegar a sabedoria.
A vida se faz agora futuro não existe.

Joka


sexta-feira, 9 de maio de 2014

João Carlos Faria

Humano ?

O ser humano é escravo de si mesmo?
Somos frutos do que afinal? De uma sociedade as vezes
saudável as vezes doente.
E ai libertar-se como?
Patrão, estado, família, amigos.
As vezes é mais forte que qualquer inimigo.
O bem e o mal esta dentro de nós.
Gastamos uma vida inteira em buscas e as vezes
fracassamos.
Mas vale o caminho?
O Sol esta ai em nosso caminhar.



Joka

Relatório da Cetesb aponta redução da poluição do ar nas maiores cidades da RMVale



Ela disse que as cidades podem contribuir para a melhoria do ar com políticas públicas, como incentivo ao transporte coletivo e ações de planejamento urbano.

Maria Helena Martins

E a sociedade brasileira aceita ter mudanças de habito? Ao que vemos no dia a dia não.
As grandes cidades estão parando e a população não cobra alternativas públicas.
No ano passado começaram as manifestações pró passe livre e esta bandeira se perdeu
com tantas outras que surgirão.
Iremos virar uma Índia em termos de transito? E as autoridades politicas não tem força para mudar
esta situação que líder politico arriscaria medidas impopulares?
Caberia neste caso a existência de ongues sociais e movimentos da sociedade para cobrar mudanças.
Pois partidos políticos não ousam propor mudanças tão radicais para não perder as eleições.
Enfim cabe a sociedade brasileira buscar uma forma de ampliação das lutas sociais.
E a democracia para avançar tem que desenvolver outras formas de organizaçãoes sociais
além de partidos políticos que estão perdendo a credibilidade.
Enfim precisamos nos repensar enquanto sociedade democrática. Cade aos filósofos, cientistas sociais
e a Academia.Eles estão refletindo esta transformação social?


João Carlos Faria



Banhado São José dos Campos São Paulo Brasil 
Foto :Cláudio Vieira jornal O Vale.

João Carlos Faria

Por do Sol

Banhado
E ali um portal que nos faz ver o infinito
E nos transporta aos universo que se fazem diversos
As vezes em manhãs coberta pela neblina
A tarde quase apressada nos faz sentir parte do todo
Em meio as angustias de nossas vidas
As pressas de nossa sociedade
Ele sempre ali
Banhado
Vida, energia
Ao longe a Mantiqueira
Escondida nas manhãs coloridas
E a cidade perdida em devaneios. Ilusões
Que tudo se perde na inexistente passagem do tempo
Somos eternos em nossas idas e vindas as dimensões sutis
Na imensa roda gigante que sobe e desce
Afinal quando despertaremos de nossa ilusão?
Banhado

Joka

http://www.ovale.com.br/relatorio-da-cetesb-aponta-reduc-o-da-poluic-o-do-ar-nas-maiores-cidades-da-rmvale-1.527473

quinta-feira, 8 de maio de 2014

João Carlos Faria

Toda imagem não será castigada ?

Depois de um tempo Curtindo o canal Curta agora resolvi
entrar no site que já tinha entrado.
Este Canal é muito bom mas deveria ter a programação
que destaca do site.
Pois tem várias formas de se ver filmes, curtas.
Cinema e o que nossa imaginação nos permitir.
A anos que me travo sem saber a arte dos roteiros.
Qualquer hora arrisco na ficção.
Mas sem roteiro?
O que é cinema sem roteiro?
E agora vocês nos presenteiam com TODA poesia de um tal
Paulo.
E que viva a poesia. Que seja imagem. Invenção e na escrita.
A poesia arte, transformação.
E alguém nesta semana ao assistir um documentário cheio de
cabras e cabritos me perguntou quem é este Senhor um tal Ariano?
E fiquei surpreso. E as pessoas normais assistiram a este vide-o
na hora do almoço. Desligaram-se da mais famosa emissora do pais.
E ai quem sabe aprenderemos a fazer roteiros criativos para que
todas as famílias tenham uma opção que Seja Curta enquanto
existe.

Joka


https://www.youtube.com/watch?v=SZnyAm3AR4k

terça-feira, 6 de maio de 2014

João Carlos Faria

O bom combate

Lilith solta-se de suas amarras.
E passeia por nossos devaneios.
O inferno se faz aqui e agora.
Vivemos na doce luta para ir além da terra sem males.
Ou a visceral vontade de voltar a ser pedra.
Que se trave o bom combate além da vida e da morte.
E como nas Runas seja lançada nossa sorte.
Que os Deuses nunca nos abandone.
Enquanto subimos e descemos da mansão dos mortos.
Que cantemos as alegrias de viver.
E nossas sombrias desventuras.


Joka

segunda-feira, 5 de maio de 2014


João Carlos Faria

As runas


E Deus resolveu jogar uma partida de futebol chamou Odin.
E Dionísio foi para fazer um som. Um sambinha dos bem carioca.
Escolheram um campo de várzea em Manaus.
Convidaram Oswald Andrade para registrar tudo porque é um
dos escribas favoritos de Deus.
E Odin resolveu ver a sorte jogando umas Runas.
Mas manteve a ética e não mostrou o resultado.
Mas não é que o danado do Macunaima conseguiu convencer
a Odin para lhe contar o resultado e ele acabou falando.
E ai o malandro não se fez de rogado para não contar
o resultado do jogo.
Fez Odin mandá-lo de volta para São Paulo nos dias de hoje.
E de novo Macunaima anda por ai a fazer suas malandragens.
Mas sobre o resultado da partida ele não nos conta quando
ele vem pegar uma cachoeira aqui pras bandas da Mantiqueira.



Joka



Desenho Solfidone A mulher


domingo, 4 de maio de 2014

Educação tem solução?

Lev Vygotsky
Gera poesia?
Conseguimos ser Dionísicos com este saber?
Mas afinal quem sabe educar?
A academia com todas as suas regras nos inspira
a achar os problemas reais da educação?
Ou cria um grande labirinto?
Não sei ? Mas saberei?
Afinal alguém realmente sabe?
Ou todos nós fingimos entender e repetimos estas
teorias como papagaios?
O que é educar?
Desculpem entre uma sala de aula convencional.
E uma de arte educador de oficinas culturais.
Me sinto mais a vontade com os arte educadores.
E olha que tenho uma experiencia muito boa com eles os arte educadores.
A escola não é uma fabrica de neuróticos consumistas?
Hoje vi uma festa por mais um Templo de consumo.
E tudo sempre produtos iguais.
E o capitalismo repete a planificação da economia.
Acredito que falta arte nas escolas.
E cabe a todos nós no chão da escola mudar. Mas desconfio que quem pensa na educação não dura muito numa sala de aula. É que o Estado e as famílias só querem marionetes repetidores de velhas formulas. E a sociedade esta ai cada vez mais violenta.
E vamos estudar Lev Vygotsky.
Vamos vamos somos simples marionetes dos senhores da Academia.
Homens sábios.



Joka