Seguidores

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

João Carlos Faria

Nos supermercados da hipermodernidade.

Mas afinal por estes tempos o que é eternidade? Nossas pegadas por esta vida será apagada? Nem nossa memória continuará na quinta geração nem saberão que existimos. Alguém ouviu falar de um parente do século dezoito só se fazer a tao arvore genealógica da família? Imaginem quem se lembrará de nos no seculo vinte e dois?
Ninguém meus caros então esta nossa vida é um único momento. Então devemos viver com leveza.
Simplesmente não há problemas mas qualquer problema é passageiro. Então para que vaidades?
Não entendo o porque de nossas vaidades? Tanto tempo gastamos com nossos sonhos e projetos futuros e simplesmente não há futuro só tem o hoje.
Nos preocupamos com tantas coisas que nunca iremos interferir a vida politica é uma delas. Se haverá ou não uma terceira guerra. Tudo esta ai acontecendo neste exato momento.
Lemos tantas noticias e nos emocionamos. Gastamos tanta energia com algo que nunca poderemos interferir.
A vida são os momentos em que vivemos. E podemos nos ajudar e ajudar a quem esta próximo.
A uma grande orquestração por parte de quem esta no poder. E fazem e desfazem diante de nossa grande ingenuidade.
Somos reles vitimas do consumo. Das mudanças de comportamento sociais. Das várias filosofias nas prateleiras dos supermercados da hipermodernidade.
Damos nossa opinião nos jornais diários se somos contra o governo do momento a opinião é publicada se não raramente entra.
Nada é verdadeiro. Leiam jornais de vinte trinta anos atrás e tudo parece sempre igual.
E o pais e o mundo é sempre o mesmo? Hoje temos a internet e achávamos que com ela poderíamos nos homens comuns mudarmos a realidade do mundo em que vivemos.
Mas será que mudamos a geopolítica de nosso pequeno planeta?
Como diria o velho Raul Seixas parem o mundo eu quero descer. Ei homens dos disco voador nos de uma carona para uma galaxia qualquer de qualquer universo?
Confesso que não sei nada. Mesmo depois de ter lido tanto. Conversado tanto só me resta a meditação.
E a vida segue com o nascer do sol e a chegada da lua. Nossos calendários e nossas horas são invenções da sociedade da civilização humana.
Tudo passa e nos sempre passageiros me lembro de um livro de ficção A maquinado tempo de H.G. Wells em que o viajante chega a um futuro onde já não existe humanidade.
E ai ? Somos efêmeros. Perante o eterno. Então meus caros na medida do possível só nos resta a felicidade de hoje. Meditar é viver.



Joka

Nenhum comentário: