Seguidores

sábado, 29 de junho de 2013

JOKA

A arte nos liberta

Dedicado a Marcos Badilho ...

Mesmo que quase ninguém goste de meus poemas ando com uma vontade de escrever e ler poemas
a ressaca das manifestações me fez ter vontade de escrever poemas. O amigo Marcos Badilho perguntou-me numa das manifestações se ainda escrevo poemas?
Tenho lá minhas dúvidas em relação a minha produção poética mas a arte faz parte de minha alma.
Preciso fazer a vontade sair. E construir uma escrita que seja minha. Embora dizem que minha poesia soe falsa, que sou canastrão enquanto poeta. Tenho minhas dúvidas minha poesia e escrita é menos vaidade e bem mais sinceridade.
Acho já desnecessário ser artista de caras e bocas de criar personagens. Tenho minhas ideias próprias em relação a vida. E adorei estas manifestações pelo pais afora. E acho que a classe politica, a imprensa e mesmos nós ainda não entendemos nada do que aconteceu. E para isto mergulhar na arte na poesia e na meditação nos dará resposta.
O Brasil e o mundo se transforma e com ideias anárquicas libertárias sendo postas em praticas via a horizontariedade da internet.
Pode até ter grupos que desejam findar a democracia. Mas não irão vencer. A liberdade é uma necessidade humana e arte e a religiosidade da forma mais sagrada e menos institucional possível nos liberta.
As estruturas sociais atuais estão falidas. E temos que nos encontrar pessoalmente de forma horizontal para re transformar a sociedade.
Minha geração veio depois do golpe. E temos o inútil medo de golpes e guinadas a direita. Mas devemos lutar pela democracia. Partidos políticos tradicionais estão falidos. A luta sindical esta falida. Mas que novo será este? Que amanhecer teremos?
Um amanhecer pacifico com um grande sol ? Ou frio e tenebroso sem liberdades?
A humanidade que faça suas escolhas. A televisão continua a nos deixar muito burros de mais como cantava Os titãs.
Hoje fiquei em frente o Jornal Nacional vendo as bobagens globais a Globo News é bem mais inteligente.
Estas massificações não colam mais. O marketing já não nos enrola. Não irei fazer carnes nas Casas Bahia. Nem irei comprar uma TV de plasma quero uma velha Brasília Amarela para passear na praia e na serra nada mais. É o velho rock dos Mamonas nos deixa saudades. Desde jovem sempre quis compor músicas tenho alguma gravadas a arte nos salva da mesmice. E quero estar bem longe de projetos culturais. Quero a arte que nos liberte e não a burrocracia do estado. Em São José dos Campos nos anos 80, 90 e começo deste século as pessoas se encontravam na Praça Afonso Pena no centro da cidade para falar de filosofia, arte, politica. Para cantar e dançar esta bela tradição parou. Era bem horizontal como esta juventude gosta. E ai amigos do Brasil vão as praças também para refletir. Para pensar. Só protestar também cansa. Precisamos refletir para agir com clareza. Enfim façamos arte. Da maneira que sabemos. Sejamos Panke no sentido de criar da maneira que sabemos criar. Enfim gostem ou não volto a poesia. Chegarei ao conto e escreverei roteiros e romances. A arte nos liberta. E já não preciso fazer caras e bocas … E como canta uma música de Edu Planchez … VISTA VISTA SUA SAIA VERMELHA … VISTA VISTA SUA SAIA AMARELA E FOGO PURIFICA FOGO … Este poeta … é poeta … E a vida segue. Estamos de ressaca ..O novo Brasil nasce Os filhos da morte burra acordaram … Voltemos as praças do século vinte afinal a democracia nasceu na Grécia de Sócrates, Platão e nasceu nas praças … E como diria os Inconfidentes mineiros Liberdade antes tarde do que nunca … Enfim retomo a poesia valeu o incentivo Marcos Badilho.
Uma pessoa as vezes acendem nossa chama de liberdade …
Abraços … O mundo se faz outro … Não tenhamos medo. O medo nos aprisiona … A liberdade nos transforma …



João Carlos Faria

Nenhum comentário: