Seguidores

sábado, 29 de junho de 2013

Boa noite .... E tudo passa ... E a vida passa ... Só a poesia não passa ... E o Universo se faz presença em nós ... E tudo nos move ... Nem tudo me comove ... Tó saindo ... Não faço rimas vazias ... Quem sabe pós moderno ... Pós concreto ... E a poesia de José Moraes Barbosa se faz presente ... É o convivio ... Somo do contra ... A favor ... E pelo amor ... Que as areias nos levem ... Que a vida nos leve ...Em breve seremos ar,terra, fogo e agua... Enfim boa noite ...

João Carlos Faria 
JOKA

A arte nos liberta

Dedicado a Marcos Badilho ...

Mesmo que quase ninguém goste de meus poemas ando com uma vontade de escrever e ler poemas
a ressaca das manifestações me fez ter vontade de escrever poemas. O amigo Marcos Badilho perguntou-me numa das manifestações se ainda escrevo poemas?
Tenho lá minhas dúvidas em relação a minha produção poética mas a arte faz parte de minha alma.
Preciso fazer a vontade sair. E construir uma escrita que seja minha. Embora dizem que minha poesia soe falsa, que sou canastrão enquanto poeta. Tenho minhas dúvidas minha poesia e escrita é menos vaidade e bem mais sinceridade.
Acho já desnecessário ser artista de caras e bocas de criar personagens. Tenho minhas ideias próprias em relação a vida. E adorei estas manifestações pelo pais afora. E acho que a classe politica, a imprensa e mesmos nós ainda não entendemos nada do que aconteceu. E para isto mergulhar na arte na poesia e na meditação nos dará resposta.
O Brasil e o mundo se transforma e com ideias anárquicas libertárias sendo postas em praticas via a horizontariedade da internet.
Pode até ter grupos que desejam findar a democracia. Mas não irão vencer. A liberdade é uma necessidade humana e arte e a religiosidade da forma mais sagrada e menos institucional possível nos liberta.
As estruturas sociais atuais estão falidas. E temos que nos encontrar pessoalmente de forma horizontal para re transformar a sociedade.
Minha geração veio depois do golpe. E temos o inútil medo de golpes e guinadas a direita. Mas devemos lutar pela democracia. Partidos políticos tradicionais estão falidos. A luta sindical esta falida. Mas que novo será este? Que amanhecer teremos?
Um amanhecer pacifico com um grande sol ? Ou frio e tenebroso sem liberdades?
A humanidade que faça suas escolhas. A televisão continua a nos deixar muito burros de mais como cantava Os titãs.
Hoje fiquei em frente o Jornal Nacional vendo as bobagens globais a Globo News é bem mais inteligente.
Estas massificações não colam mais. O marketing já não nos enrola. Não irei fazer carnes nas Casas Bahia. Nem irei comprar uma TV de plasma quero uma velha Brasília Amarela para passear na praia e na serra nada mais. É o velho rock dos Mamonas nos deixa saudades. Desde jovem sempre quis compor músicas tenho alguma gravadas a arte nos salva da mesmice. E quero estar bem longe de projetos culturais. Quero a arte que nos liberte e não a burrocracia do estado. Em São José dos Campos nos anos 80, 90 e começo deste século as pessoas se encontravam na Praça Afonso Pena no centro da cidade para falar de filosofia, arte, politica. Para cantar e dançar esta bela tradição parou. Era bem horizontal como esta juventude gosta. E ai amigos do Brasil vão as praças também para refletir. Para pensar. Só protestar também cansa. Precisamos refletir para agir com clareza. Enfim façamos arte. Da maneira que sabemos. Sejamos Panke no sentido de criar da maneira que sabemos criar. Enfim gostem ou não volto a poesia. Chegarei ao conto e escreverei roteiros e romances. A arte nos liberta. E já não preciso fazer caras e bocas … E como canta uma música de Edu Planchez … VISTA VISTA SUA SAIA VERMELHA … VISTA VISTA SUA SAIA AMARELA E FOGO PURIFICA FOGO … Este poeta … é poeta … E a vida segue. Estamos de ressaca ..O novo Brasil nasce Os filhos da morte burra acordaram … Voltemos as praças do século vinte afinal a democracia nasceu na Grécia de Sócrates, Platão e nasceu nas praças … E como diria os Inconfidentes mineiros Liberdade antes tarde do que nunca … Enfim retomo a poesia valeu o incentivo Marcos Badilho.
Uma pessoa as vezes acendem nossa chama de liberdade …
Abraços … O mundo se faz outro … Não tenhamos medo. O medo nos aprisiona … A liberdade nos transforma …



João Carlos Faria

terça-feira, 25 de junho de 2013



JOKA

Chega de sermos mão de obra barata...

Olha aonde chegou este tal de pragmatismo? Deu no que deu. Estava preocupado com a Democracia no Brasil. E esperando que Dilma chegue ao fim do mandato. Se ela vai ou não se aproximar dos movimentos sociais é uma grande interrogação? Tenho lidos os principais jornais dos pais Folha, Estadão e O VALE. E visto o brilhantismo dos colunistas brasileiros são grandes nomes que nos fazem refletir. Além da emoção das redes sociais. O pais e o mundo se transformam. Já li até que a democracia pode viver sem partidos. Mas acho que o pais precisa respirar. Deixar Dilma chegar ao fim do mandato. Se ela será reeleita é uma grande interrogação? Acho que o pais não dará uma guinada tão  conservadora assim. Uma imagem da internet mostra direita e esquerda sendo manipuladas pelas grandes corporações. E ai espera que a juventude e o povo continuem mobilizados. Mas não continue tão intenso nas ruas. Precisamos refletir pensar em próximos passos. Este movimento vai se refletir pelos próximos anos. Como diria Lula nunca vi nada igual na história recente dos pais. O Brasil começa a ter novas necessidades. Espero que se ataquem a questão do custo Brasil estradas, ferrovias. Educação de má qualidade.  A mídia precisam se democratizar. E cadê a esquerda que nunca debate as cooperativas ou formas de geração de renda autônomas para as periferias das grandes cidades. Chega de sermos mão de obra barata. Precisamos gerar riquezas que sejam distribuídas para todos nós. Enfim a discuto e longa... E quero voltar a fazer poemas e literatura, mas não vamos abandonar as ruas... Nem a reflexão ... E a filosofia...

João Carlos Faria


  

O Vale caderno Viver
http://www.ovale.com.br/viver/belo-desabafo-1.417559

JOKA

Viver

Em tempos de manifestações espero que não passe despercebido ás belas matérias do Caderno Viver hoje em sua capa com Camila Morita. Recentemente outros artistas plásticos. Nossa região sempre com bons talentos. Também gostei de umas matérias com uma série de cineastas. Em tempo pode haver um debate sobre as políticas artísticas e culturais da região. Embora também ache que artistas não devem viver em torno de instituições culturais. Espero que as ruas como em Maio de 1968. Tragam novos ares as artes no Brasil e no mundo que estas contestações voltem a influenciar as artes. Que hoje parecem se institucionalizar. E cadernos como O VIVER sempre nos põem a par destas mudanças. Mostrando nos a importância da imprensa em fazer um filtro com critério. Este jornal pode avançar criando um caderno de Literatura. Assim mostrando a cena no mundo, Brasil e região... Enfim O VIVER é um Oasis neste importante cenário de transformações da sociedade contemporânea o mundo se transforma... Pois as artes  nos faz refletir e agir. Como diria o lema de 1968 é proibido proibir.

João Carlos Faria

Matéria do jornal



 Viver&
June 25, 2013 - 06:25

Belo desabafo

Camila Morita
Camila Morita
Camila Morita expõe sentimentos em telas - Personagem é usada de vitrine para que a artista mergulhe na carga da vida
São José dos Campos

É por meio de uma personagem que a joseense Camila Morita -- primeira artista em ascensão no Vale do Paraíba participante da série “Novas Caras da Arte”, publicada todas as terças-feiras no Viver & --, de 33 anos, expõe seus desabafos.
Essa moça delicada e sensível retratada sobre as telas, parecida com Camila fisicamente -- o que a própria artista plástica demorou para constatar --, sem nome, apareceu por um acaso quando desenhava em um quadro à época em que ainda tinha um escritório de arquitetura em São José dos Campos, e nunca mais saiu de seus trabalhos.
“É muito terapêutico para mim. É um momento de extravasar”, disse.
Toda essa extravagância artística a ajudou a deixar a arquitetura para segundo plano e fez de suas obras seu ganha pão.
Mas todo o processo para que isso se tornasse natural passou por momentos conturbados. “Quando comecei a vender, eu achava estranho. Pensava: ‘Por que alguém quer comprar uma coisa que eu fiz por desabafo?’. Não entendia”, contou.
Hoje, três anos depois, garante que já se acostumou e gosta da ideia de uma pessoa comprar uma tela que saiu de seu sentimento para fazer parte da vida dela.

Produção. Como na maioria dos artistas, Camila não tem regras para produzir.
Já chegou a ficar seis meses sem fazer nenhum trabalho, mas também há épocas em que produz todos os dias.
Não há rascunho, não há uma prévia imagem do que será retratado.
Todas as obras dela são desenhadas na própria tela, com grafite ou lápis à base de óleo, e depois pintadas com tinta acrílica ou aquarela.
“Geralmente, minhas produções vêm de uma crise, da carga de um trecho da vida, do que está acontecendo”, diz ela, que trabalha em casa.
Dessa forma, quando está preparando telas para alguma exposição, costuma ficar introspectiva, concentrada, focada em suas obras.
Camila conta que acredita e desacredita na arte o tempo inteiro e que, por isso, pintar sempre vai fazer parte dela. Mas pode querer ou não expor o que produzir. “Já cheguei a recusar exposição por não estar bem, não querer”.

Mostra. No momento, a artista está em produção.
No dia 25 de julho, ela inaugura uma mostra no Empório Duvin, no Guarujá, com o tema “Imersão”.
Ela diz que se trata do trabalho mais profundo que já fez, em que realmente faz uma imersão nos seus sentimentos, nas suas lembranças: saudade, despedidas, encontros.
Diferentemente do que costuma fazer, as telas usdas como plataforma serão em formatos pequenos, de no máximo 30 X 30 cm. Na última exposição que fez, as telas mediam 1 X 1m.
“É um novo exercício para mim. Sempre precisei de mais espaço, até quando não tinha tanto conteúdo”, conta.
Suas novas obras ainda serão colocadas numa moldura em forma de caixa (“caixinhas de lembrança”), vedadas com vidro, que representa os olhos dela, pelos quais vê o mundo.
“O oco entre o vidro e a madeira pintada é o lugar onde tive o livre arbítrio para as escolhas dos sentimentos. A madeira pintada é, então, a impressão do que ficou”, explica.

segunda-feira, 24 de junho de 2013


JOKA

Os sem bandeiras

Minha conexão falhou … Fui caminhar … fiquei sem internet … Sem manifestação e sem protesto.
Opa depois que terminar a faculdade. Vou é tirar férias da rede e de tudo o mais. Nada de televisão em algum lugar de praia ou na Mantiqueira ler a Desobediência Civil de Henry David Thoroau. E pescar e nadar. Epa preciso aprender a pescar. E ai onde vai chegar as manifestação? irão derrubar presidente? Governadores? Prefeitos? E o congresso?
Irão criar uma nova democracia? Tá tudo errado. Mas sabemos fazer politica? Milito a muito tempo e a vida politica é muito chata e improdutiva. São muitas reuniões, articulações, conchavos e puxadas de tapete e nunca nada acontece?
E agora acham que não precisamos de partidos políticos? As agendas são vastas. E o fascismo tenta se sobressair nas ruas ...Os sem bandeiras escondem suas bandeiras ...
Beleza vamos as ruas, vamos por fogo e dançar em volta das chamas. E a hora que a classe politica nos chamar para o dialogo? Para ver novas propostas?
Ai quero ver as novas lideranças que sejam bem competentes. As escolas nos ensinaram a trabalhar em grupo. A decidir tudo em equipe. A entender o pais e o mundo.
As redes sociais nos une e nos separa. A democracia se fortalece? Não estamos mais deitados em berço esplendido?
E agora iremos aprender a nos reunir. Criar propostas e projetos? Debater o orçamento da união.
Votar e sermos votados. Epa querem o fim dos Partidos Políticos? Dos Sindicatos …
Seremos uma grande nação LIBERTARIA … vou tentar entender Thorou. Ler sobre o Movimento Provos … Agora somos todos anárquicos …
É a turma do Pondé esta na rua ...Os Panques ESTÃO nas ruas e por uma questão de agenda não fui as ruas.
E ai cara pálidas. Estamos em guerra todos contra todos … E a sociedade Brasileira acorda … E o desrespeito as bandeiras de militantes políticos nas ruas acontece … Militantes não são dirigentes … nunca decidem nada somente carregam o piano …
Só dizem amém. Militante é gente tentando mudar o mundo. E que sempre sai frustrado … Cobrem dos chefes de poder.
Das grandes empresas, dos lobistas, das multinacionais … Da oligarquia das terras. Precisamos entender de politica.
Massas na historia sempre foram manipuladas a bel prazer. E agora é diferente?
Quero ver esta gente construir no dia a dia da vida politica do pais algo de fato novo.
Mas vamos as ruas … As rua refletem desejos de mudanças …

João Carlos Faria            

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Daqui a pouco trabalho ... E as pessoas na rua. Espero que estes atos as inspirem a debater idéias. A aprenderem a se organizar e aprender a fazer politica com P maiusculo, Eu vos saudó ... Gritemos e transformemos este planeta ...
Mas que o Bem vença o Mal e a esperança se transforme em boa nova ...
Já estamos cansados de guerra de ódio. Que bandeiras tremulem ... 
E a justiça social alcance o Brasil ... 

JOKA
Joka Faria
Nunca vi nada igual neste pais Eduardo Pereira . Mas quero ver esta juventude aprender a fazer politica. Ai o pais mudará. Renam Calheiros já foi jovem ...
Eu já fui jovem e ai? O lance é aprender a militar a construir estruturas sejam elas horizontais ou verticais. 
Já inventaram uma altenativa a partidos politicos? Estou lenbrando da queda da bastilha e logo depois assumiu Napoleão ... Na revolução Russa Lenim e Stalim.
Na Alemanha Hitler... Na China Mao Tsung ... A direita deu o golpe militar em 1964.
E quem quer assumir o poder? ... Temos Marina, AÉCIO ... Algúem do PSOL ...Ainda fico com Dilma ...

JOKA

terça-feira, 18 de junho de 2013


JOKA

Liberdade mesmo que tardia ...

A pátria se faz livre? E nas ruas as perguntas a onde vai chegar um movimento desta envergadura?
Movimento sem lideres. Mas com ideias com debates pela internet. E os Partidos políticos tentarão captar esta ousadia da juventude do século vinte um que se movimenta.
E quem são estes jovens? Suas ideias ? Suas propostas? O que afetará nas eleições em 2013.
E a corrupção acaba? O pais vai investir em educação arte e cultura.
O Sindicatos irão criar cooperativas? Terá mudanças nos movimentos sociais?
Na forma como se conduz a politica no Brasil? Um dirigente da Fifa falou que aos primeiros gous o povo esquece.
Só se ficarmos sem conexão sem internet. Sem nos comunicarmos.
Este pais precisa mudar. O PT e Lula já representaram mudanças. Mas o PT ainda se faz esquerda?
Ainda comanda a agenda?
E teremos de fato um transporte gratuito e de qualidade?
A politica se transforma com este movimento de massa que em nada se compara a outros movimentos, este vem das redes virtuais. Ainda não tem lideres encarnados.
Ainda se faz virtual. Temos no Brasil uma demonstração da força das redes sociais.
E a internet ainda se manterá livre?
Somos espionados por governos. E o povo na ruas as causas se multiplicam.
E as bandeiras se somam … Teremos enfim uma pátria livre?
Ou a doutrina Monroe ainda nos afeta. Ainda somos enquanto América Latina quintal do império Norte Americano.
Enfim inúmeras perguntas … Mas o êxtase e o grito se faz nas ruas …
Liberdade antes tarde do que nunca … Ainda somos inconfidentes …

João Carlos Faria

sexta-feira, 14 de junho de 2013


JOKA

Mudanças sociais

Acho estranho um pais que precisa ter uma infraestrutura para continuar a se desenvolver e avançar no setor econômicos e outros se aventurar a trazer uma Copa do Mundo e uma Olimpíada.
Investindo grandes recursos públicos em estádios enquanto nossas estradas estão abandonadas.
Talvez a pauta desta juventude que sai as ruas é bem pequena. Ninguém incentiva a quebra de bens públicos e privados. Os manifestantes deveriam ter ficado no centro de São Paulo para aglutinar mais gente e não dá motivo para a repressão policial.
As pessoas devem sair a ruas e não ficar só nas redes virtuais. Elas servem para reaprendermos a nos organizarmos já que Sindicatos e Centrais Sindicais se omitem nos últimos anos.
Alguns grupos mais exaltados com sangue nos olhos assim como muitos das forças policiais se excedem e assim contribuem para desmoralizar o justo movimento.
A cidadania se pratica também com protestos mostrando nossa indiguinação quanto a como o pais esta hoje.
Chega o Brasil precisa eleger prioridades e não eleger candidatos. É um grande erro nas eleições não nos preocuparmos com o parlamento nacional.
Talvez assim se faça para se manter sempre os mesmo no poder. Presidente, governadores e prefeitos não governam sozinho o legislativo tem uma grande importância.
E a agora o cidadão volta as ruas. Pois estas manifestações não são isoladas refletem a inconformidade com o rumo da politica no Brasil.
O cidadão Brasileiro quer participar da vida politica do pais e ela pode acontecer além dos partidos políticos.
Devemos aprender a nos organizarmos de várias maneiras. A internet serve para criar esta mobilização e gerar a reflexão.
Mas o palco principal são as ruas. E a troca de ideias de corpo e alma.
A democracia no pais se fortalece quando cidadãos saem as ruas. Estes incidentes servem para estes jovens descobrirem os limites entre protestar e gerar baderna.
E com certeza haverá um amadurecimento deste novo movimento social que surge no pais.
Pois a velha forma de fazer politica esta se mostrando ineficaz.
O Brasil precisa de investimento em infraestrutura. Geração de renda , educação e em arte e cultura.
Esta juventude do século vinte um mostra sua cara.
Como diria Cazuza Brasil mostra sua cara … Meu cartão de crédito é uma navalha?

João Carlos Faria    

JOKA

Mudanças sociais

Acho estranho um pais que precisa ter uma infraestrutura para continuar a se desenvolver e avançar no setor econômicos e outros se aventurar a trazer uma Copa do Mundo e uma Olimpíada.
Investindo grandes recursos públicos em estádios enquanto nossas estradas estão abandonadas.
Talvez a pauta desta juventude que sai as ruas é bem pequena. Ninguém incentiva a quebra de bens públicos e privados. Os manifestantes deveriam ter ficado no centro de São Paulo para aglutinar mais gente e não dá motivo para a repressão policial.
As pessoas devem sair a ruas e não ficar só nas redes virtuais. Elas servem para reaprendermos a nos organizarmos já que Sindicatos e Centrais Sindicais se omitem nos últimos anos.
Alguns grupos mais exaltados com sangue nos olhos assim como muitos das forças policiais se excedem e assim contribuem para desmoralizar o justo movimento.
A cidadania se pratica também com protestos mostrando nossa indiguinação quanto a como o pais esta hoje.
Chega o Brasil precisa eleger prioridades e não eleger candidatos. É um grande erro nas eleições não nos preocuparmos com o parlamento nacional.
Talvez assim se faça para se manter sempre os mesmo no poder. Presidente, governadores e prefeitos não governam sozinho o legislativo tem uma grande importância.
E a agora o cidadão volta as ruas. Pois estas manifestações não são isoladas refletem a inconformidade com o rumo da politica no Brasil.
O cidadão Brasileiro quer participar da vida politica do pais e ela pode acontecer além dos partidos políticos.
Devemos aprender a nos organizarmos de várias maneiras. A internet serve para criar esta mobilização e gerar a reflexão.
Mas o palco principal são as ruas. E a troca de ideias de corpo e alma.
A democracia no pais se fortalece quando cidadãos saem as ruas. Estes incidentes servem para estes jovens descobrirem os limites entre protestar e gerar baderna.
E com certeza haverá um amadurecimento deste novo movimento social que surge no pais.
Pois a velha forma de fazer politica esta se mostrando ineficaz.
O Brasil precisa de investimento em infraestrutura. Geração de renda , educação e em arte e cultura.
Esta juventude do século vinte um mostra sua cara.
Como diria Cazuza Brasil mostra sua cara … Meu cartão de crédito é uma navalha?

João Carlos Faria    

quinta-feira, 13 de junho de 2013


JOKA

Quando o cidadão vai as ruas vira terrorista ?

Vivemos a democracia da repressão policial. A democracia da falta de direito em expor contra uma
cidade cada vez mais cara. Com estas passagens altas nos grandes centros do pais. O direito de ir e vir do cidadão esta sendo desrespeitado.
E o mundo inteiro vê a violência das forças policiais do Rio e de São Paulo. As tropas de choque são na verdade um exercito de repressão. Ei estamos em 1984. Esta tudo sendo monitorado. Qualquer hora destas seremos tachados de terrorista.
E o congresso brasileiro no calor do inferno dos protestos … Querem criar uma lei anti terror.
E o pais mergulhar numa violência sem igual. E estes jovens serão satanizados. Transformados em terrorista. Quantos já estão presos nas prisões paulista?
E ninguém fala nada? E as passagens continuarão caras? Vão justificar esta caris tia?
E agora vem esta competição esportiva cara e alienada promovida pela Fifa?
Com o aval do governo Brasileiro.
É estamos numa democracia. Quando o cidadão vai as ruas vira terrorista.
Vamos ficar em casa? Vamos ceder ao terror do estado brasileiro ?
Não devemos nos silenciar. Quando um Estado autoritário usa cassetete. Botinas, balas de borracha.
E tudo o mais contra a juventude ?
A rua é o palco para exigir os direitos a transporte de qualidade e abaixo custo.
Queremos cada vez mais carros de passeio nas ruas?
É hora de se investir em transporte público de qualidade.
O Brasil mostra sua democracia ao mundo.

João Carlos Faria

domingo, 9 de junho de 2013



JOKA


Anos rebeldes


"Esconder-se no porão, de vez em quando, é necessidade vital. Precisamos de silêncio e solidão, e, não, apenas os poetas. Senão, corremos o perigo de nos esvairmos em som, fúria e esterilidade. O campo para que a palavra se instale para o autor e para o leitor é o campo do silêncio e da audição."

[Adélia Prado]


Frase de Adélia achada na internet. Este porão que esta dentro de nós se faz necessário. Nada como o silencio. Abster-se de falar e escrever. Muitas vezes inicio um processo de escrever quase diariamente. Mas muitas vezes é melhor o silencio. As vezes arriscar um mau poema. Que não passa a verdade que sentimos. A escrita sempre nos faz correr riscos. Vivemos numa sociedade que achamos que devemos estar em cena o tempo todo.
Na cena artística que encontrei em minha cidade era necessário se fazer de louco e de besta. Embarquei por muito tempo nesta bobagem. Me aventurei. E hoje começo a me achar no silencio. Graças a muito murro em ponta de faca. Graças a muitas feridas que ainda não cicatrizaram.
Gosto muito de politica e de arte. E ainda não me conformo de não conseguir alcançar espaços. De sempre ser anonimo. E não ter importância alguma. Tento me acostumar a ser só publico das movimentações humanas. E conviver com a escrita. Que me faz dar ao mundo a opinião que o mundo não se interessa em saber. Infelizmente ou felizmente não sou tão politico assim. Nunca terei tantas realizações. Mas é divertido. Sempre estou de expectador nos lugares onde acontecem e nos bastidores. Sempre informado pelas ruas da cidade. Ou ao telefone.
Falar de politica, arte e filosofia para mim é um prazer imenso. Delicio-me ao ler jornais. Principalmente em papel aquele que suja nossa mão. Parece que a internet não nos faz refletir é tudo fragmentado. Queremos mais emitir opiniões nos fazer presentes que entender o mundo que nos cerca.
E este mundo sempre com tantas possibilidades, econômicas, sociais, espirituais. Estamos no olho no Furacão. E acho que no momento temos uma grande influencia dos anos sessenta que transformarão o mundo.
Tantas marchas acontecendo, tanta gente nas ruas. Infeliz emente muito atos de vandalismo. Mas as pessoa estão se mexendo por modismo? Ou sede de transformação?
Com o tempo saberemos. As ruas são o palco para grandes mudanças.
Temos que ver isto. Atos de vandalismo nunca levam a lugar nenhum.
Mas a agitação das redes sociais. Se fazem agora nas ruas.
A vida se transforma. Espero ver uma grande música surgir. Um novo cinema. E novas maneiras de ver e fazer politica.
A vida se transforma. As sociedades se trans formão.

João Carlos Faria       

quarta-feira, 5 de junho de 2013


JOKA

Debates ...

Eu não sei qual a formula ? Como fazer ?
E como organizar?
Enfim acho que não só eu mas toda a sociedade?
Se faz necessária uma nova atitude em relação a organizarmos nós politicamente?
E acho que as pessoas precisam começar a criar encontros reais. De corpo e alma.
Escrever para JORNAIS, escrever artigos ou nós Facebook da vida já não basta.
O povo precisa ir as praças públicas. Deve haver um debate que junte as ideias
sejam de esquerda, direita, centro.
Ou qual matiz ideológica tivermos.
A sociedade brasileira precisa de algo novo.
Não podemos nos prender mais aos calendários eleitorais.
E a forma como se faz politica neste Brasil.
Precisamos repensar as ações e só errando é que se acerta.
É só fazendo que se aprende, devemos estar nas ruas.
Criar espaços de debates que oxigenem a sociedade brasileira.
O novo se faz urgente.

João Carlos Faria    

segunda-feira, 3 de junho de 2013


JOKA

A colher estrelas que contém o tempo ...

O tempo anda escasso ?
Mas que tempo é este? E para que precisamos de tanto tempo assim?
Há este frio para variar nos faz recolher. Mesmo assim caminhamos pelas ruas desvendando
o mundo. Ando a colher estrelas que trazem o tempo dentro de si.
É as estrelas tem o tempo dentro delas. Houve um tempo que só havia dia e noite. Depois inventamos as ampulhetas. Surgiu o relógio de sol.
E os animais não estão nem ai para eles só existem a noite e o dia. Ultimamente vejo a madrugada passar confesso que é meio a contra gosto.
Prefiro uma boa noite de sono. Mas que correria é esta em que vivemos?
Gosto de minhas caminhadas pela Mantiqueira sem preocupação com o tempo. Sem horários as vezes um amigo que gosta de se apressar vai junto. E ai faz valer um tempo chato.
As vezes passo alguns segundos no inferno garanto-lhes é infernal …
O tempo anda escasso?
E as madrugadas me fazem rever a vida toda que chato. O que passou simplesmente já foi. E não será diferente. Temos que viver nosso tempo.
Este tempo em que escrevo. Este tempo de internet … De Facebook … Momento de lazer enquanto não leio textos indicados por amigos.
E ouço música em uma rádio. É a vida e o que fazemos de nosso escasso tempo?
As vezes é bom dormir. Planejar novos paços. Se o universo nos permitir.
Realizar sonhos, criar novas utopias …
As ideias muitas vezes se repetem mas fazem se necessárias, acabei de abaixar um programa que cria música quem sabe eu finalmente recriador de sons …
Ir além das palavras, das imagens e criar uma sonoridade minha.
Gastaria um tempo com isto. Gosto de gastar meu tempo em meditação. Em oração.
Em busca de nosso pai que esta em nós.
Enfim o que é o tempo ? E o que fazemos de nosso tempo.
Em nossa infância não chegávamos a pensar …
Preciso reler Fernando Pessoa … Devo me ler me acessar.
Enfim a meu tempo de escrever. E talvez um tempo de um leitor,
Será que somos o tempo?
O tempo anda escasso?
E a o tempo do Eclesiastes … que nos fala do tempo …
Que nos conta sobre a vida … Enfim o tempo anda escasso?

João Carlos Faria

Confiram esta rádio a Esoterica FM …

domingo, 2 de junho de 2013


JOKA

Moradores de rua

Quer melhor coisa que esta chuva no telhado.
Numa tarde de outono ?
Mas fala-se em tantas bolsas que para um pais deste se
faz necessárias.
Por isto mesmo com um Partidos dos Trabalhadores bem liberal ainda
tem politicas públicas sensíveis.
E que me fará votar em Dilma.
Mas não devemos nos esquecer dos moradores de rua?
Cade uma politica para eles neste imenso Brasil ?
Não é questão de pegar no colo e fazer cafuné.
É questão que direitos e deveres é de todos nós.
São seres humanos que estão a merce das ruas ?
Do frio e da morte?
Vejo a critica as politicas governamentais de cotas e bolsa mas não
vejo os críticos proporem uma solução melhor.
E por isto o PT esta nadando de braçadas sem nenhuma oposição
consistente.
Mas este pais merece uma mudança merece. Mas não temos lideres políticos
nem um povo que tenha visão.
Temos os governantes que merecemos. Porque talvez se estivecemos no poder
faríamos igual ou pior?
Só saberemos se um dia alcançarmos o poder? Mas este dia parece-me bem distante.
Enquanto os moradores de rua estão nas ruas sem nenhum apoio governamental.
Falta nos a sensibilidade social.

João Carlos Faria