Seguidores

quarta-feira, 8 de maio de 2013


JOKA


Mero militante de causas impossíveis

A vida urbana é mais cheia de risco que imaginamos. Como não se encher destas traquinagens eletrônicas por estes dias me deparei com um destes celulares chamados androides … E ai é muito sedutor. Mas me esforço para resistir e ficar com o PC. Prefiro curtir o tempo livre em bancas de revista … Em caminhadas e passeando pelo centro da cidade. Ver o que rola na visão do povo. Ando trabalhando em madrugadas e ai descubro o valor de uma boa noite de sono. Tenho muitos amigos virtuais que podem tornar-se reais. Gosto de politica mas felizmente não participo dos esquemas. Me esforço para nunca aderir. É melhor passar a vida inteira como mero militante de causas impossíveis. A fazer parte deste jogo de xadrez da politica tradicional e profissional. Neste jogo corremos o risco de perder nossa alma … Como bons escritores sempre descreveram. É melhor andar de cabeça erguida pelas ruas da cidade. Imaginem fazer o jogo sujo nas câmaras e congressos de nosso pais? Não tenho O príncipe de Maquiavel como livro de cabeceira. Prefiro alguma literatura mais humana e sóbria. A poesia nos ensina a liberdade. Ler jornais nos satisfazem. A vida é muito passageira para se jogar a toalha e abraçar o poder sem nenhuma base ética. O básico de nossa sociedade seria um luxo de uma realeza da idade média. Não devemos querer ter muito para sobreviver. A vida no Brasil do século dezenove era dura de mais. Hoje temos uma variedade de conforto e acesso a bens de consumo e usamos tudo isto de maneira correta? Volto a acreditar na ideia de empreendedorismo de ousadia comercial de tentar se livrar do patrão. A causa liberal me seduz. Quero é uma singela liberdade econômica. Para fazer o que quiser de meu dia e não vender minha horas. A vida como sempre repito é curta e somos eternos mutantes …
Quero voltar a frequentar sarais em praças públicas. Conviver com gente que tenta ver o mundo de outra maneira. Tenho hoje minhas dúvidas se a arte muda o mundo? Mas que ela me transforma a cada dia que passa me transforma … Que saudade de bons livros .. Enquanto leio Dom Casmurro de Machado de Assis em breve me livro das apostilas da faculdade e poderei ler o livro de Pedagogia que mais me atraia. Nada como completar uma formação acadêmica. Só falta os estágios, alguma matérias e o famigerado Trabalho de Conclusão de Curso.
É a vida se fechando em vários ciclos … É a vida abundante em espiritualidade, arte, politica e filosofia. E somos vitimas e algozes nesta torta sociedade de consumo … E a praça é sempre do povo. Dos pássaros e da cidade.
Saberíamos viver longe da diversidade que a cidade nos oferece?


João Carlos Faria          

Nenhum comentário: