Seguidores

domingo, 3 de fevereiro de 2013


JOKA

Veja esta canção ...

Me criei em São Paulo, Vale do Paraíba … Na São José dos Campos em meu sangue circula Minas Gerais pois sou apaixonado pelo Rio de Janeiro. E canto ao mundo meu amor por esta cidade. Pisei em seu solo alguma vezes na vida .. Ainda viverei temporadas na cidade. Ontem vi um outro Rio nas lentes de Cacá Diegues o filme O maior amor do mundo que vai além do que se escreve na sinopse é um filme real e metafisico … Um homem acomodado a sua vida de cientista … Que não teve coragem de viver … E nos seus últimos dias redescobre o Brasil através da crua realidade das periferias cariocas. Na primeira vez que vi um trecho do filme não consegui entender nesta segunda vez mergulhei em sua história nas paisagens degradante do subúrbio carioca que antes se chamavam favelas e hoje insistem na maquiagem de se intitular comunidades. É coisas desta sociedade absurda da qual fazemos parte. Das academias dos cientistas sociais. Que querem ver o mundo de dentro de uma universidade. E a vida vai além. Um artista como Cacá Diegues descortina o mundo a nossa frente … Vem em minha memoria seu filme Bye Bye Brasil sempre com José Wilker. Cacá sempre nos surpreende com suas obras ... Este imenso Brasil a cidade que nasci Paraisópolis havia trens que ligavam Minas ao Rio mas no governo de Jânio Quadros foi desativada … Um pais que prefere a rodovia a ferrovia … E enquanto escrevo no oriente a Índia, China convivem com imensas nuvens de poluição. Provocadas pelo automóvel. Que sociedade e esta que insiste em conviver com a degradação do meio ambiente. No filme um rio corria cheio de esgoto. As famílias vivendo sem tratamento de esgoto. Cercada pela violência de traficantes sem nenhuma presença do Estado Brasileiro. E a vida carioca segue uma vida que mostra um pais. Que sempre se faz forte inabalável. Mas dias me hores sempre virão … A ditaduras passaram vivemos numa democracia desde 1989. E ai precisamos ir além no aprender de fazer a vida pública valer a pena. Ser politico e fazer politica deve ser sempre para o aperfeiçoamento da sociedade e este cineasta a sua maneira faz politica quando desvenda um pais com suas imagens com seu jeito de nos contar histórias. Assim sempre seguimos em busca de um tempo inexistente … Pois só existe de fato noite e dia … As horas é uma invenção de nossa mente … O Brasil se descortina nos olhos de Cacá Diegues … Ou como ele agora quer Carlos Diegues … Por entre utopias, sonhos e fantasias ainda teremos um cinema que nasça no Vale do Paraiba …

JOKA

João Carlos Faria   

Nenhum comentário: