Seguidores

domingo, 1 de abril de 2012



JOKA

Um olhar do paraíso

E a escuridão se fez. E ainda nem notei as estrelas. Uma tarde se passa e eu entre livros. Entre filmes. Assisti a Um olhar do Paraíso de Peter Jackson. E sempre seguindo minha jornada. Contaram-me que uma das únicas vezes que temos uma clarividência e quando o Anjo da Morte vem nos ceifar. Ouvi isto enquanto subia uma montanha que não termino nunca. Hei de termina lá.  Que bela imagem deve ser esta da morte se fazendo presente para nós. Quem assistiu ao Sétimo Selo de  Ingmar Bergman  verá isto de uma maneira bem poética. E vidas vão e vem e nos apegamos a toda esta matéria como se fosse isto tudo um fim em si mesmo. Formamos tantas religiões, temos um grande cabedal de conhecimentos e nos fazemos medrosos. Quantas e quantas vezes temos nascido e morrido. E tudo se faz sofrimento. Devemos nos entregar a Deus de corpo, alma e sentimento. E alguém em conversas me disse que o maior dos códigos de éticas esta nos dez mandamentos. Deus se faz presentes em todos os tempos em nossa vida. Já vi quando criança a morte vir me buscar e não fui. Ainda não era o tempo e sabemos que um dia virá. Todo dia ao acordar recordo cenas de minha existência. Coisas que fiz achando-se justas e coisas que já mais farei novamente. Revejo-me. E ainda simplesmente me desconheço. A vida é simples e nos aborrecemos com tudo. Um celular que já não funcione corretamente nos tira o bom humor. Um simples cansaço e já nos tornamos bem mal humorados com quem nós amamos. Damos importância ás regras que nos regem nos nossos empregos. Mas as regras estão ai desde que o homem e homem. E também a política a corrupção. Não iremos transformar o mundo sem ao menos nos transformamos. Quando atravessava a ponte do Rio Paraíba falei para um amigo se um dia eu ficasse rico ajudaria tao instituição. Ele ficou em silencio. E depois chegamos á conclusão que ninguém fica rico e se eu fica-se ajudaria mesmo? Nunca sabemos. A vida é como ela é. E nenhum livro de auto-ajuda ou manual nos trará sabedoria. Nenhuma faculdade nos fará PH Deuses. Ás vezes num senso comum a melhor senso que a mais inteligente teoria. E ás vezes um saber cientifico que vem da ciência nos traga um pouco de sabedoria. Mas devemos nos conhecer saber quem de fato somos. Nunca há muitos caminhos. Mas um só. Procurando e batalhando por ela a verdade se fará presente em nossas vidas. O tempo passa ainda não nos fizemos colheita. E o Anjo da Morte sorridente nos espera. Falaram-me que os três primeiros dias depois da morte é sufocante, pois ainda estamos ligados a matéria e para muitos pode ser uma eternidade. Acabei de assistir a este belo filme de Peter Jackson que nos ajuda a refletir entre vida e morte. Tenho lá minhas dúvidas se um dia escreverei um romance tão profundo quanto o que deu origem ao filme. O cinema para mim é uma arte de grande sofisticação e inventividade e se faz também técnica. E a vida segue enquanto a morte ainda não joga xadres conosco. E eu nem sei jogar xadres. Quem sabe ela converse comigo enquanto subo uma montanha. Nade num riacho. E a vida segue. Já tenho uma certa vivencia e sei o que nunca serei. Mas será que sabemos todos os caminhos que ainda seguiremos? Enquanto ela não nos supreende tudo é possível. E vou seguindo. A muitas montanhas a subir. E o cansaço da subida nos é prazeiroso. Durmi por doze horas. E mesmo assim um dia se fez. E a noite se faz presente. E há muito a se fazer nesta noite. Vejo o Anjo da Morte caminhando de uma estrela a outra. E tudo se descortina ao meu olhar. E ainda não vi nem um disco voador diante de meus olhos. Será que sou tão cético assim? E subo a montanha a me refletir. E vejo o mundo do alto da Mantiqueira. E tudo passa. Mas fica registrado em nossas retinas. Uma hora destas volto a fazer versos. E que é a vida?Nunca sabemos ainda não adentrei a poesia de Rumi por enquanto vou adentrar ao universo do Russo Tchékhov. E tudo segue. E sento na beira da estrada a observar o voar de pássaros. E o caminhar das formigas. Enquanto respiro e tomo um café. E tudo se esvai na ampulheta do tempo. Leio Augusto Cury. E me faço uma águia. Ó morte ó morte ó morte ainda tenho muito por saber.Ainda tenho muito por construir ....

JOKA
joão carlos faria

Foto do filme um Olhar do Paraiso. 

Nenhum comentário: