Seguidores

domingo, 26 de fevereiro de 2012


JOKA

Uma canção para Deus e o Diabo ...

Dedicado a Rubens Jardim  

O diabo anda me cercando nos falamos ainda há pouco me deixou com várias dúvidas acerca do existir. Por isto mergulho em alguns livros fundamentais. E tento um dialogo com quem esta próximo. Mas será realmente que alguém esta próximo?  E nunca , mas nunca sabemos tudo. E entre o homem e Deus a um grande abismo?  E estamos aqui nos achando vivos. E todas as injustiças se fazem saltar a nossos olhos. E o diabo retoma e continua a falar comigo. Testando-me. E vou seguindo meu caminho de fé. Mas não uma fé cega. E o diabo através de alguém me disse para escolher caminhos mais baratos. Eu prefiro pagar um auto preço para me desvendar. E as injustiças seguem. E entro no universo das teorias. E bato um papo gostoso com o diabo. Enquanto Elomar canta para nós. E entre Deus e o Diabo a uma infinitude de teologias. Há meus caros onde poderemos estudar teologia com isenção? Não sei. Sei que viemos de uma cultura Judaica Cristão. E nunca sou. Não me faço sábio. E sim sou completamente ignorante. E a um abismo diante de mim que nada sei?  Eu nunca decifro?  E não irei ser devorado. O diabo é sedutor com seu papo interessante. Com seu olhar de malicia. E continuamos a nos falar noite adentro. E tento achar alguém isento e que tenha sabedoria que me ajude a obter respostas. Que bobagem esta tudo dentro de nós. E canta Elomar. Seguimos a vida. E a vida fora do universo virtual é bem outra. E as ruas nos fazem próximos uns dos outros. E alguém consegue pensar com este belo calor? Eu juro que não só peguei num livro ás seis da tarde. Mais vale uma prosa e até uma TV ligada numa tarde quente. Sem contar a si esta. E o Diabo se diverte com nosso desespero. E a vida não passa de uma ilusão. Mas sempre queremos ter e não sabemos SER. Eu nunca fui e alguém me disse que gostaria de dormir e só acordar em outra vida. Quando vejo crianças pequenas e penso saudações meu caro uma nova chance. E estou já na metade de minha vida e que legado deixarei?  Vou é ouvir Elomar. É a música Cantiga de Amigo. E o Diabo agradece o bom gosto. E canta Elomar. Não canso de ouvir uma mesma música. E hoje estudei Paulo Freire finalmente alguém de minha realidade no estudo acadêmico. Ontem vi grafiteiros do Rio falando em fazer e estes garotos vivenciam enquanto somente escrevo. É que eu não sei desenhar? Alguém me ensina? E a vida se esvai. E esperamos ter outra. Mas vivemos o agora. E tudo se esvai. E cadê as estrelas nesta cidade? Minha cidade não se faz solidaria. Minha cidade se constrói de homens egoísta e o Diabo ri de nosso egoísmo. E todas as cidades se fazem iguais? E a injustiça se faz. Talvez porque neste calor não sabemos pensar. Deixemos a solidão urbana. E vamos dar um grande abraço. Como cantou Elizabeth num poema quanto custa um abraço? E tão difícil assim nos enxergar no próximo? Afinal todos queremos uma TV de plasma?  Eu quero uma casa com quintal e um jardim. Nada mais ... Só ganhar meu sustento sem precisar de ajuda. E tudo se esvai. Modifica-se queiramos ou não. E o Diabo vai embora, mas promete voltar. E o que é o ser humano sem suas eternas e infernais dúvidas. Volto á leitura de livros. E retorno a minha essência. O tempo passa e é uma grande farsa. Será mesmo que existimos? Ai ai ai acabo de me beliscar. Ai que preguiça ...         


JOKA
joão carlos faria

Nenhum comentário: