Seguidores

quarta-feira, 2 de novembro de 2011


JOKA

O povo Puri

Dedicado ao historiador José Luiz Pasin

Na noite glacial de primavera. Acenderam-se estrelas. O sol se faz presente num feriado numa quarta-feira. Para variar dormir sem sua compania.Como quase todos os dias desta minha ilusória vida de solidão. Não ter sua companhia me faz mais triste. Porque mulher talvez eu tenha vindo bem antes. Ou você deve estar meio perdida em algum lugar que nunca fui.Hoje sai de minha imensa rotina fui com meus familiares  catar bambu numa vargem perto de onde moro. E divertido ver crianças com medo de vaca. Mas sempre só. Quero moça que me apareça para poder compartilhar contigo meus  teus desejos.Eu nunca vi moinhos?  As vezes os ônibus me parecem grandes monstros. Sempre me lembro de um filme de terror em que a mulher entra num ônibus perde sua criança que era filha do capeta. E vai parar num inferno. Ontem vi numa escola uma comemoração do dia das bruxas. Não viemos da Inglaterra nos viemos de Portugal  de mãe África. E somos também um pouco do povo que sempre viveu aqui do Povo Puri  que antes de Cabral. Antes de Colombo habitavam estas terras. Nossas tradições são outras encarnei um pouco um personagem de Machado de Assis. Depois refletindo lembrei-me da autopofagia de Oswald Andrade devoramos estes elementos e criamos o dia do Saci.Mas mulher esta quarta-feira se esvai como as areias da ampulheta. E eu aqui sem você. A atender telefonemas. Durmo numa imensa rede no telhado de minha casa. As pessoas que moram em bairros têm a estranha mania de ligar os sons bem auto de seus carros em dias de folga. Aqui onde moro só falta o churrasco na laje para completar. Na noite glacial de primavera. Quero adentrar dentro de mim e ver como os povos Puris viviam. Bem antes de nós neste Vale do Paraíba. Estas memórias ancestrais  devem  ser recuperada. Que bom saber que no Paraguai se fala Guarani. Quero conhecer toda esta imensa América Latina. Sentir o viver de todos estes povos. Quero ir a Templos Astecas, Mayas. Enfim mas quero sua compania quero que estejas comigo. E muito estranho ver este povo a comemorar Haloween. É muito estranho. Será que o estranho nesta história toda sou eu? Mas que eu?  Cadê os gigantes? Onde esta Dulcineia? Adoro ler Cervantes me falta o livro dois de Dom Quixote. Hoje li um lindo poema de Ana Cristina Cesar no Face  ainda lerei sua obra  completa. Pelo que sei nos deixou cedo. Gosto muito do Face porque me estimula a pensar. Vejo coisas que normalmente não veria. Por isto acesso este site de relacionamento. É muito estranho parece que temos duas vidas a real bem básica do dia a dia. E a virtual toda cheia de emoções uma se funde a outra e não somos? Ainda não conheço a língua dos Puris, suas tradições, suas lendas. Não somos se não temos esta identidade. E vou me entregar a uma tradição que não me pertencem se nada sei se nada sabemos dos Puris? Adentro dentro de mim busco nos registros da natureza toda esta cultura que esta perdida? Mas ela de uma maneira ou de outra circula em nossas veias em nosso sangue vermelho. Não somos só Português, Negros também somos Puris. Adentremos dentro de uma caverna. Retiremos da Terra as urnas funerárias. Somos todos estes povos. Se não os conhecermos não nos reconheceremos? Vamos revirar a terra. Para absorvermos esta cultura. Ó moça quero estar contigo nesta autofagia. Quero esta junto quando o Xamã fizer o ritual. Bebemos das ervas e adentremos dentro de nós.    
   
JOKA
joão carlos faria

Nenhum comentário: