Seguidores

quarta-feira, 7 de setembro de 2011


JOKA

Vã ilusão dos desejos

Na tarde em que se começa a findar o inverno. Eu naufrago de mim mesmo. Deparo com a mais sublime das forças o sexo.Que nos faz estar entre o bem e o mal.Navegando na vã ilusão de imagens virtuais. Projeto todas as minhas lúxurias em imagens físicas que contemplo e sei que não deveria mais contemplar.Em minhas fraquezas me fortaleço.Minhas alcovas multiplicam minhas vãs ilusões. Vejo muitos corpos, projeto-me neles torno-me eles. Na vã ilusão humana de satisfazer-se no momento.Sei que é tudo passageiro.E vivemos entre o moral e o imoral. Mas tudo nos inspira o desejo. Respiro e adentro as forças que estão dentro de mim para me compriender.Não sou nunca fui santo.Nem sigo as vãs ilusões moraes.Mas devo seguir os desejos de meu coração. Respiro, respiro,respiro e busco as forças que estão dentro de mim para compreender estes meus desejos de prazer.Que nunca serão satisfeito.Esta força nos domina. Pois tudo nasce do sexo.Anjos e Demônios.E em mim prevalecem meus demônios de orgias em imagens internas que se fazem externas.Sou e não sou todas aquelas pessoas todas aquelas vivencias. Sou humano, sou pecado e mera ilusão. Ainda uma simples sombra em busca de luz. Perco-me em filosofias, escolas, ensinamentos.E tudo esta em mim animal racional. Nesta vida se é que ainda terei outra?  Masculino, com falo em riste. Com a energia que ainda não se transmuta.Nunca se transforma.Perco-me no tempo ancestral.Não devo cair e mesmo assim caio. Ó montanha que esta longe de mim. Ó seres inefáveis dêem-me a força para seguir com minhas dores moraes. Mas as físicas parecem doer ainda mais. Quero estar longe dos infernos e desço as esferas de Naemah,Lilith. Tento-me  movimentar.Perco-me nas mentiras deste labirinto virtual. Quase real.Não nunca fui.Adentro a vagina, ao útero da terra.Transformo-me no falo que fecunda a terra.E não sou.Deixo de ser ainda mera sombra. Que os Deuses me mostrem o caminho. Ó lúcifer traga-me a luz. Somos anjos caídos nos últimos instantes.E não nos levantamos.Não sou, busco ser.Busco a luz. Cadê o fogo de Prometeu?                   


JOKA

joão  carlos faria                         

Nenhum comentário: