Seguidores

domingo, 27 de março de 2011


JOKA

Muitas cascas de Banana ao que esta estabelecido ...

Dedicado a Edu Planchez

Buscar o novo numa sociedade que só quer manter o velho. É pedir para ser execrado. Vivemos numa época sem revoluções com exceção a do oriente médio é claro. Mas aqui nestes Trópicos nada novo surge. Nas artes só o cinema inova e enquanto indústria de entretenimento. Não vemos ninguém com experimentalismos. E ai os poetas de hoje não se fazem ouvir. Como mudar? Ainda não temos nenhuma formula mágica. O jeito é ir batalhando. Também nossa sociedade só encherga a arte como produto de mercado. Não se vê como mudanças. Se quisermos refletir o mundo temos que ler um filosofo como Nietzsche que está firme e forte nas prateleiras de educação das livrarias. Ontem o achei lá quando pesquisava sobre educação. Não há luzes no fim do túnel não vejo a internet fazer brilhar as mentes inteligentes e sóbrias dos dias atuais. Não me sinto tão desinformado assim para não achar um cheiro de revolução no ar? Nos anos noventa ingenuamente produzimos o LITTER um jornal dentro de uma fundação cultural. E fomos caçados como ratos. E com a internet disparamos tantos tiros que nunca atinge alvo nenhum? Nossas vozes não se fazem ouvir? Mas mesmo assim caímos e sempre tentamos levantar. Mas já não consigo visualizar nenhuma estratégia nova? Mas cabe a quem faz arte ressurgir das cinzas. E atirar nossas flexas. Nossos escritos, nossas músicas quem sabe nossos filmes. Dias destes fiquei sabendo que torceram o nariz quando viram um poema de minha autoria e daí ? Bola para frente temos o mundo para conquistar. Nem escrevo mais poemas. Sempre me fiz presente e continuarei presente. A vida é muito curta para deixarmos de viver. Minha cidade é muito pequena diante do mundo que ainda conquistaremos o poeta Edu Planchez numa sala de literatura um quartel general de gente que não quer ser comum. Fez um cartaz turnê mundial da Ursa Maior. É isto conquistemos o mundo. Um amigo nosso em comum disse que Edu se quiser chega a qualquer cidade deste planeta de Cingapura a Nova Yorque  se dá muito bem. Então vamos em frente Cesar Pop esta retomando a Rádio Aguapé que a leve para todo Brasil porque não numa praia do Rio de Janeiro? Nos somos muito mais que uma cidade caipira do interior de São Paulo somos universais. E como declamava Edu o centro é onde quer que estejamos. E no tempo que estejamos. Tá na hora de reunirmos os homens e mulheres que tem alma de guerreiros e fazermos uma verdadeira revolução cultural nestes pais. O povo ÁRABE nos mostra que é possível. Tenhamos fé , pois somos jovens e rebeldes de espírito. Ainda que hoje sejamos já senhores e senhoras. Banana muitas cascas de Banana ao que esta ESTABELECIDO o novo urge somos almas de DIAMANTES. Somos livres e libertários. Centuriões do LITTER. A vida não acaba nem quando trocamos de corpo. A revolução se faz no presente. No dia de hoje só existe o hoje. O amanhã e o passado é uma mera ilusão. Sejamos o hoje.

JOKA
joão carlos faria      

quarta-feira, 23 de março de 2011


JOKA

Uma passagem na eternidade

Enquanto um vizinho faz chorar sua viola. Tento rascunhar estas palavras. Na sobra de tempo. Se é que o tempo nos sobre?  A vida é feita de autos e baixos e de muitas rotinas. Tento entender as rotinas? Tento é me livrar delas e do senso bem comum de que a vida acontece num fim de semana ou em algum feriado prolongado. Porque hoje temos que viver como robôs nos permitindo tomar um banho de mar. Ou curtir uma cachoeira só num fim de semana? Ou assistir a um espetáculo de teatro ou ver amigos só em fins de semana? A vida é muito curta e pode ser muito rica?Ou pobre demais nos que fazemos as escolhas? Por qualquer desatenção podemos deixa - lá. E ai do que nos servirá todos nossos projetos para um futuro inexistente? É melhor arriscar tocar uma viola desafinada. Declamar um poema mal feito. Lançar um livro mal diagramado. E muitas vezes mal escrito. A perfeição é conseqüência do fazer. E para se chegar a um bom livro se passa pelos fracassos. E descaminhos. É ai José? Estamos bem longe de Pasárgadas. Aqui não tem Rei? Nem as mulheres que queremos. Se o que fizemos não nos fez chegar onde queríamos paciência. Mas na maioria das vezes o que queríamos era alcançar Castelos de Areia? Ou imaginávamos que muinhos de vento eram grandes gigantes. Somos cegos? Não vemos nenhuma luz? Nossos desejos são limitados. Ás vezes curtir dois pássaros num fio de um poste é bem mais interessante que alcançar qualquer objetivo de ter e poder. Porque não ser discreto? Estamos presentes no mundo estamos vivos. A maturidade nos faz mais críticos e mais seletivos. Basta nos sentirmos vivos. Se nos ligarmos ás rotinas nos prendemos a elas. Esta vida é um intervalo uma passagem na eternidade?  Então parece que todos os poemas que lemos. Todos os livros sagrados. Todas as religiões porque passamos não nos servem de nada? Parece que sempre somos os mesmos e como canta Belchior vivemos como nossos pais? Chega de sermos medíocres. Vamos celebrar a vida. Vamos cantar e tocar. Vamos ás pistas de dança. Aos bons saraus. Descobrir os melhores livros. Aprender a estudar de fato. E não empurrar com a barriga. Não precisamos de nenhum livro de auto-ajuda. A força esta dentro de nós e não fora. Busquemos deixar de sermos os de sempre e sejamos novos. Que nasça dentro de nós um novo ser humano. Com vontade de mudar. Com sabedoria para discernir o que é bem e mal. E ir bem além do bem e do mal. Criemos uma nova sabedoria política. Criemos uma nova arte. Devemos descobrir dentro de nós a religação com o universo. Sejamos mulheres e homens de verdade. E não de mentira. E não de fachada. Na simples aparência. A felicidade esta dentro de nós. E nunca esta fora. Basta nos descobrirmos. Ir além de nossas máscaras. Que se quebrem todas nossas máscaras. Matemos nossos personagens. Nossos eus. Deixemos nascer nossa essência. Ainda não somos. Um dia quem sabe?

JOKA

joão  carlos faria  

terça-feira, 15 de março de 2011


JOKA

Voltemos ao útero do universo

Noite sedenta noite de palavras que ainda não são mágicas?  Entre a física e a metafísica fico  com as duas. Não há separação. O saber é essencial para nos seres viventes. A noite traz uma brisa. Que nos faz sentir vivos. A liberdade é uma utopia a ser conquistada. Hoje vivemos numa sociedade onde o politicamente correto se faz presente. Não a espaço para o humor. Não há espaço para uma reflexão. Tudo é correto por demais. E quem esta fora destes trilhos da hipocrisia da sociedade humana esta fora de tudo. A criatividade não se faz mais presentes nas artes. As idéias revolucionárias estão sufocadas na vida política. Hoje dois e dois é sempre quatro. Não há mais um infinito de números entre um e o dois. Temos que sempre concordar com a monotonia e a burrice coletiva. Quem não joga esta fora. A onde chegaremos com esta sociedade hipócrita e sem nenhum valor?  A ausência de mulheres e homens de verdade. Somos tremendamente covardes em esconder as dores e amores desta Káotica humanidade. Tudo se esconde em baixo de grandes tapetes. A geração da qual  faço parte é uma geração perdida sem nenhuma grande contribuição para esta humanidade que esta em Kaos. Ainda não sabemos como mudar. Viver se torna a cada vez mais perigoso para quem busca sair deste trágico labirinto. Estamos bem longe de nossa essência. E perplexos diante desta mídia insana. Que tentam nos impor valores que mais desagregam que nos une. Sejamos cada vez mais críticos em relação a nós e ao nosso próximo. O universo virtual mais nos separa que nos une. Somos bombardeados por milhares de informações que não nos serve para nada. O que o humor do mercado interfere na minha vida. Como disse um amigo que também escreve o mercado é gente para ter humor variado? Um analista de mercado em plena sexta feira. Analisa os benefícios do terremoto do Japão para a economia de nosso pais. E ai uma tragédia se abate num pais numa população. E alguém consegue refletir uma vantagem econômica? Pobre de nós que lemos e ouvimos estas analises e nunca nos damos conta da barbárie em que vivemos. Esta humanidade não produz arte. Gera mercadoria disfarçada de arte. Toda e qualquer manifestação humana é sempre pensada de modo econômico? O movimento Pank foi pasteurizado. Tudo que se faz que se posiciona ao contrário do que esta estabelecido. E embalado e vendido pela indústria cultural descaracterizando o sentido real. Por isto nada transforma. Nada toca nossos corações. Tudo se torna produto. A classe política não passa de uma classe que cria produtos e ideologias vendidos nos supermercados eleitorais. As universidades só produzem gente diplomada. Que não consegue refletir e intervir para gerar mudanças concretas na sociedade. Em nome do conforto e da entrada num mercado de trabalho. Todo dia nos prostituimos. E esquecemos nossos sonhos para nos manter sobreviventes esquecemos-nos de realmente viver. Perdemos todo o sentido do que é de fato viver. Ter nos faz sentir melhores. E nunca seremos mulheres e homens de verdade. Diógenes hoje não achará um só ser humano? Estamos mortos. Ainda não fomos enterrados. Voltemos ao útero do universo para que possamos nascer de novo.

JOKA

joão carlos faria
    

terça-feira, 8 de março de 2011


JOKA

Moradores de Rua

Em um passeio em São Paulo ontem o que me deixou incomodado numa bela cidade foi o desamparo em relação á população de rua. Como nós Brasileiros ainda achamos normal conviver com esta marginalização. Moradores de rua infelizmente não é um privilégio da Capital Paulista é um problema complexo. Mas pode ser resolvido. Num texto que li hoje de Rubem Alves ele coloca porque temos que complicar tudo é dificultar o aprender a ensinar. E sei que posso passar este pensamento para a questão social. Não adianta a sociedade por conta própria tomar atitudes via associações ás chamadas ONGs. Pois ai governos intervém com sua burocracia. Já vi várias vezes que a simples distribuição de comidas por voluntários incomodam a governos. Então cabe a nós cidadãos que nos dizemos politizados cobrar ações eficaz por parte dos governos municipais, estaduais e federal. Cobrar junto á câmara e do senado nossos parlamentares. Esta injustiça social não cabe mais a um pais que se gaba e alardeia um crescimento econômico. Eu sei que a questão das ruas é complexa. Os problemas desde alcoolismo, doenças mentais e até falta de emprego cada pessoa é um caso. Mas daí a não dar opção a estas pessoas e até famílias é um absurdo. O governo estadual fala em bolsa aluguel então por que não o faz?  Porque estas pessoas não têm auxilio à bolsa família? As frentes de trabalho? O que não podem é estarem sujeitos a sofrer violências com serem queimados vivos. Como acontece em vários locais do pais. A serem barbaramente assassinados. E depois a opinião pública fica toda sentida e vira-se um caso de comoção nacional para depois tudo continuar do jeito de sempre em resumo nada acontece. Esta gente não tem quem as defenda por infinitos motivos estão nas ruas. E cadê nossa base Cristã. São Paulo hoje tem um bom policiamento e uma guarda municipal eficiente. Mas e ai? A questão do morador de rua é social e econômica. Reflete o desequilíbrio da sociedade capitalista. Mostra a pequena distribuição de renda. A falta de religiosidade numa sociedade que se baseia no ter e não no ser. É um problema que precisa de soluções afinal com gente não dá para se varrer para baixo do tapete. Estas pessoas estão ai esticando as mãos para nós. E se não tiver solução vão esticar uma arma em nossas cabeças. Uma facada em nossos corações. Virando caso de policia. Evitemos mal maiores busquemos soluções. Que venham de nossos corações. E não só de nossa fria razão. Quando deixaremos de ser uma civilização disfarçadamente fascista?


JOKA

joão carlos faria
                 

domingo, 6 de março de 2011

Tim Maia Racional


JOKA

Tim Maia Racional

Em meio a este inverno glacial em pleno carnaval. Isolado numa casa qualquer de uma vila qualquer de qualquer cidade. Fazendo as leituras para a faculdade em plena meia idade? Cadê eu por inteiro ? Ouvindo Tim Maia Racional comprada numa banca de revista. E ai assim estou vivo? A vida é repleta de cotidianos e poucas desventuras. Hoje já não sou cercado de tantos amigos? Mas um dia fui ? Temos sempre a ilusão do que passou seja melhor nunca foi? A vida é puro cotidiano as biografias são inventadas. Biografias não registram o tédio. E o tédio é vital para criar. Este frio glacial de nossa região sudeste me inspira a pensar. Mas devo simplesmente deixar de pensar. E Tim Maia arrasa em seu Inglês. Ele fez uma aventura nos Estados Unidos digna de ser filmada. Estes pais é repleto de uma grande fauna musical. E hoje na banca vi  Chico Buarque lança um novo cd. É os caras estão ai. E nos cadê nosso espaço? Nunca fazemos por merecer? Ninguém dá espaço devemos aprender a arrebentar as portas. E conquistar nosso espaço. Seja qual for ele. Não devemos passar uma existência na periferia da criação. Mas com vaidades e sem conteúdo não se chega a lugar algum. E Tim arrasa e sua banda arrasa nesta gravação. Ele correu todos os riscos e sua obra este ai hoje a nos encantar e seduzir. Façamos o mesmo se tivermos tal competência. Tudo flui não devemos deixar uma pequena elite cultural e social determinar as nossas vidas. Com o PT no poder foi feita uma parte da transformação, mas quem alcança o poder político tem uma tendência a se acomodar a se render aos sistemas. Por isto é necessário varias revoltas nos anos sessenta Muamar All Gaddafi representava uma mudança na Líbia hoje ele é o retrocesso. Este nosso conceito ocidental de Democracia nem sempre é pratico para muitos povos. A líbia é formada por tribos e Gaddafi já não agrada muitas delas. Por isto iniciou-se a rebelião e uma guerra civil. Mas será que nos Brasileiros de fato vivemos numa democracia?  Estes partidarismos que já não diz mais respeito a nossa realidade social. O Brasil carece de uma mudança política e cultural. E Dilma por si só não o fará a tendência de seu governo e acomodação. E não buscar mudanças. Afinal ela tem o clã Sarney e o PMDB como aliados. Com estes conservadores se muda algo sem a pressão social na internet e depois nas ruas?  Cabem a nós da base da sociedade buscar mudanças nossas elites mesmo as de esquerda estão acomodadas. Os Sindicatos precisam ser refunda dos. Suas lutas estão arcaicas para a tal sociedade do conhecimento já não conseguem mobilizar suas categorias. Precisam-se iniciar protestos e articulações nacionais nestes pais. A educação precisa de um projeto que nasça do pensar e refletir do professor que esta em sala de aula. E não do que pensa os eruditos e tecnocratas do Ministério da Educação o mesmo se da na cultura. A sociedade a base dela tem que aprender a pensar e fazer divulgar seus pensamentos. E não se deixar levar pelos interesses de uma pequena elite política e cultural. Precisamos gerar mudanças e elas só advêm da reflexão, geração de idéias e ação. Não deixemos que eles doutores pensem por nós. Nos que devemos criar nossas idéias e pólas em ação. Deixemos de agir como marionetes aprendemos a conduzir nossa vida e de nossa comunidade façamos política. A política é um instrumento legitimo de mudança. E Tim Maia adentra aos meus ouvidos não consigo ficar sentado. Vou dançar .... E como diria Raul Seixas  e Paulo Coelho ... NUNCA SE VENCE UMA GUERRA LUTANDO SOZINHO... Sejamos uma multidão ... Ou quem sabe uma Legião ....E porque não centuriões do LITTER .... .... ...

JOKA

joão carlos faria