Seguidores

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Joca Faria






Quando pego-me a olhar uma revista . . .



Dedicado a Rynaldo Papoy





Eita admirável mundo novo em que vivemos onde descaradamente tudo virou marketing e super fulo. E um amigo fez uma enquete sobre o que é consumismo? Será que realmente temos alguma resposta? Eu simplesmente não respondi achei se tratar de uma mera polemica vazia. Esta tudo fácil e tudo sempre continua igual. As velhas profecias que os livros irão desaparecer. Li um artigo de Noam Chomsky que vão invadir o Irã. Mas para isto eles invadem nossas mentes e nossos corações com suas manipulações. Esta gente do Império acha que manda em tudo. E não mandam em nada. Vão acabar gerando um Armagedom. E nós assistindo de camarote em nossas vidas cotidianas. Conheço vários seres humanos que tentam ser diferentes e como eu acabam sendo iguais. Tantas igrejas abertas, tantos partidos políticos. Hoje convivemos com internet, TV a cabo. E acabamos sendo os mesmos. Só não é consumista quem nada tem? Pois se tiver gasta? Passo horas agradáveis numa banca de revista a analisar o mundo que nos cerca com um amigo. O duro é que analisamos e sempre somos os mesmos. Quando pego-me quase a olhar para uma revista de pornografia e digo mais uma vez perdi. Como caímos diante do inevitável. Tudo é sedução. O cotidiano é sempre igual. Tento mudar de cidade. E se mudasse de corpo? A personalidade é igual então que eu mude minha personalidade meus hábitos e maus costumes. Este amigo falava que as pessoas em nossa cidade olham todo mudam e analisam. E quando vimos estávamos analisando uma garota pelo seu estilo de se vestir e de novo saímos perdendo. As armadilhas estão ai a todo momento. Estejemos atento vinte e quatro horas por dia. Se queremos ser diferentes dos que se julgam donos do poder. Ser povo é duro. Porque admitir-se povo é saber de antemão que não interferimos em nada que nos cerca? Temos que aprender a criar nossa própria revolução individual.

Não adianta nada brigar externamente. Explodir bombas. Assassinar políticos corruptos em nada gera nada. Muitas vezes estas tolas idéias emocionais passam por minha cabeça mas de nada valem pois eu ou você se assumicemos o poder sem realmente sermos outros. Nada seria diferente. Nos humanos carecemos de uma depuração. Precisamos alcança-la. Somos muito débeis. Acreditamos na ciência no que falam algumas bestas que detém pós doutorado e defendem a legalização das drogas in licitas. Proibidas já são livres imaginem legalizadas. Ja´basta o álcool. Como alguém me falou a mente mente. Estamos cheios de teorias bem insanas. Tudo é moda uma hora os homens se depilam pois são metra sexuais. Depois vem uns dizendo que não e quem acredta vira joguete da mídia. Que nos tortura com suas ilusões. Eu finjo que não tó ai. Mas tento estar antenado. Infelizmente estamos presos bem longe da liberdade. Mas onde esta a liberdade? A metafisica diz que dentro de nós. E nos seguimos vivendo nesta Kaos gerado por nós enquanto os pássaros cantam também engaiolados. Assim vivemos e assim morremos muitas vezes sem nada saber sem chegar ao ser. Tenho sempre mais perguntas que resposta? Hoje faz sol depois de vários dias de frio. O tempo urge perdemos as horas para alguns compromissos. Viver também é uma grande desventura. E aprender a enchegar o maravilhoso dentro do cotidiano.

Ainda não tenho as resposta para o que seja consumismo? Talvez seja a necessidade de preencher nosso vazio existencial. Sinceramente não sei nem sei se existo?

E as vezes é melhor continuar não existindo. Tornar-se invisível nada vida social. Deixar de chamar a atenção. Deixemos o mundo acontecer não importa. Nos enquanto seres humanos e únicos e que temos que acontecer. Já disse e repito a revolução é individual. Se a fizermos acabaremos contribuindo para a evolução desta doente humanidade.

A copa passou assim com as eleições passaram e nos ainda longe bem longe de sermos passarinhos. Enfim nos acabamos prendendo os passarinhos.

Não há caminho além de se desvendar. De estar nú diante de si mesmo.

Eu ainda não sou.







João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

Nenhum comentário: