Seguidores

quarta-feira, 28 de julho de 2010

JOKA






Em qual circulo Dantesco vivemos?





Se eu tivesse a formula do sucesso usaria para mim e passaria para os amigos. O interessante da vida é que ela não tem formulá.

A vida não tem formula e temos uma grande mania que precisa ser corrigida a de dar conselhos infelizes. Vir com aqueles chavões faça um concurso. Ou uma faculdade. Arrume um emprego grandes besteiras e fácil querer interferir na história dos outros e a nossa? Sucesso e fracasso são pontos de vista. Tem outras monte um negocio. Não use isto ou aquilo. As pessoas na maioria das vezes nem nos perguntam. Temos que aprender a respeitar ao próximo pelo que são. Se não queremos que interfiram na nossa história. Sei que é difícil ficar em silencio. Mas cada vez mais descubro que o silencio vale ouro. E minha sina é escrever que dureza. Então que eu consiga escrever sem apontar caminhos pois estou longe de querer ser um escritor de auto ajuda. Eu não conduzo de maneira adequada nem a minha vida quanto mais a do próximo.

Muitas vezes quero é arrumar a mala e morar num sitio qualque. Nosso modo de vida esta cada vez mais destrutivo e competitivo contas contas e mais contas.

Não sonho em trabalhar para me aposentar quero e ter saudê e cuidar do meu dia a dia. Um dia de cada vez. Dominar a própria rotina é uma tarefa ingrata. E aquela pergunta gentil como foi seu fim de semana? Como se as pessoas vivessem de verdade só no fim de semana. Temos que viver de fato dentro de nossas poucas vinte e quatro horas. Que ultimamente acho muito pouco descontando uma sete horas que na média dormimos.

A vida não pode ser um fardo. Tem que ser um prazer. Cada respirada que damos é uma grande vitória. A maioria dos problemas que temos nos mesmos o criamos. E muitas vezes jagomos a culpa no próximo em Deus ou nos Deuses. E haja igrejas, centros pisiquiatricos e os famosos livros de auto ajuda. Os doze passos. Seja um líder em sete lições e algumas coisinhas mais. Caramba precisamos é viver. Porque queiramos ou não a morte nos aguarda e a qualquer momento. Ainda não aprendi a perder o medo dela. Até ela chegar eu perco. Tem um clássico do cinema que o cara enrola a morte num jogo de xadrez. Se a vida foce assim talvez por isto que a moda cinematográfica do momento é filme sobre vampirismo. O título do filme é o Sétimo Selo de Ingmar Bergman.

Tó tentando abaixar este filme no meu computador e nunca entendo como se faz um downloads la vem aquelas senhas e cadastra-se e nunca me cadastro vou me virando assistindo filmes na TV a cabo e emprestando dos poucos amigos que ainda me restam. E amigo de verdade se conta nos dedos. Domingo vi um documentário mostrando um campo de refugiados na Africa é duro ver aquela situação e não conseguir se mexer. Fora a campainha da casa da gente que toca duas vezes por semana e saímos mau humorados para atender. E não conseguimos mudar a nós mesmos e vamos interferir no mundo? Vi num jornal da televisão local mostrando o luxo de Campos de Jordão e de novo nada fazemos. Precisamos não absorver estas informações. A nos humanos esta faltando cada vez algo que chamam de amor. Estamos nos endurecendo. E pessoas duras não conduzem nem a si mesmo. Dias deste vi um trecho de Jogos Mortais Seis mudei de canal como pode as pessoas verem um filme destes? Será que como na série LOST já estamos num inferno e ainda não descobrimos?

Em quais círculos dantesco eu devo estar? Pelo jeito em vários não vou nem nomealos preciso reler esta grande obra. A cada dia ela se faz mais presente A DIVINA COMÉDIA é mais real do que podemos imaginar. Qualquer hora deste pego sua mão e te levo ao inferno ´para dar uma passeada. Cuidado para não ficarmos lá ou aqui?

Mas como diz Riobaldo Viver é perigoso. É vou terminar para ler Grandes Sertões eita João Guimarães Rosa um mestre da literatura universal. Vamos em frente lendo bons livros. Tentando ver bons filmes e quem sabe um amor de verdade pinta em nossas vidas.

Que os Deuses olhem por mim e por você. Mas temos que reaprender a rezar. Cair no chão de joelhos e pedir com fé. Nos humanos não somos maquinas. Assim falou Charles Chaplin e assim repito. A vida não tem receita de bolo. A vida está longe de ser planejada. O único objeto é nos achar. Opa onde estou?





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora
 
Video Estrada São Xico
 
http://www.youtube.com/watch?v=S346xBkpWdY
Roberto Piva

terça-feira, 27 de julho de 2010

Video da Banda As Velhas Virgens

http://www.youtube.com/watch?v=zGhSZjHNv2E
JOKA






Vou é no Hocus Pocus





Demorou talvez tenha passado desapercebido talvez seja culpa do Davi F. F. Pois não me apresentou nos anos noventa as Velhas Virgens digo que foi um acidente de som no dia eu ouvi Elomar, Xangai, Música Arabe. Mas na volta nas Terras de Monteiro Lobato eis que começa a tocar dentro carro as Velhas Virgens e juro que corei. Tinha mulheres no carro. Faz anos que não ouço nada alternativo tão bem feito. Lembrei dos textos pornográficos que já escrevi. De Solfidone, Ricardo Faria e do sádico Rynaldo Papoy.Edu Planchez. Somos fichinhas diante das Velhas Virgens por isto abandonei a poesia eu se é bom ou não é. E as Velhas é talento elevado a raiz quadrada. Os caras segundo a Wilkipédia estão ai desde os anos oitenta. Mas firmando a partir da segunda metade dos anos noventa. Tem tudo a ver com Raul Seixas, Cazuza mas de uma forma mais radical e tão bem elaborado quanto. Numa época que nos metemos a fazer tudo. Eles fazem bem feito. E o cara fez teste para o CQC e não passou? Só a música que acessei no Yotube tem mais de um milhão de acessos. Os caras são de mais. Estou ouvindo e revirando no meu tumulo com a música Abre as pernas mas um aviso pessoas muito sensíveis e sentimentais não devem ouvir. . As Velhas Virgens.

Eis que meu ouvido neste inicio de maturidade ouve uma coisa bem escrota e muito bem feita. Uma sátira social numa época que na TV a cabo se vê no canal Global Multi show o programa Papo Calcinha onde mulheres abrem o jogo e falam de tudo abertamente. Estamos perdendo nossos valores morais. Mas bandas como esta ajuda a refletir e analisar os cara são politicamente antenados e não dizem besteira. Cabe ao artista retratar o mundo. E retratar muitas vezes dói a quem cria. Mais que a quem aprecia. Vivemos numa sociedade inteiramente fascista. Onde fingimos muito e por isto morre-se gente aos milhares de câncer. Mas Velhas Virgens é Rock in Rool na veia. Os caras estão com cds novo. Intitulado Ninguém beija como as lésbicas em época de Emo você ainda pode ouvir e assistir a um show das Velhas Virgens. E nada daquela gente besta que fica cheirando vinho de segunda categoria e ouvindo um Jazz bem chato e dizendo que é antenado. Estou fora deste espaço de gente xarope. Quero é ouvir uma Velhas Virgens num Hocus Pocus da vida. O Hucus é um casa alternativa aqui de São José dos Campos. Uma cidade quase sem alternativas inteligentes. Na verdade convivo com um povinho bem reacionário. Há vida inteligente nas cidades? Não consigo descobrir. Então antes só do que muito mal acompanhado. Hoje vou num show do Daniel? Não vejo opção mais barata de lazer. Eu que não vou ficar dormindo num feriado.

Viver é difícil mas é bom pra caramba. Ai ai ai me dei um beliscão estou vivo. Posso aprender a amar. Não vou deixar Elomar passar desapercebido num texto meu ele é um outro lado da moeda um gênio de nossa música pouco reconhecido. Já tive o prazer de ver dois shows dele nesta cidade.

E o cara foi tocar no Penha Folclórica um bar que foi comandado por Diogo Gomes. Esta cidade as vezes tem lampejos de inteligencia. Mas lampejos. Um dia São José desperta. Mas agora dorme na ilusão de um poder que não possui. Não passamos de uma cidade dormitório segundo Walace Pousso. E é verdade somos caipiras metidos a muderninhos. Como canta Cazuza a Burguesia fede. Somos canta ela caboclos metidos a esperto. Eu estou preso um dia me liberto. Quem sabe já estou a caminho.

Mas meus caros ouçam as sátiras e o bom humor de Velhas Virgens os caras tem letra, música e tudo mais que uma grande banda tem e estão usufruindo das facilidade deste mundo virtual. Enfim são bons pra caramba.

Eita estrada da Mantiqueira sempre nos levando a grandes e belas surpresas por isto um dia estarei morando lá pras bandas de São Bento. Bem perto da pedra do Baú.

As grandes cidades como São José caminham para um Kaos urbano. E falta nos lideres nas administração públicas e nas câmaras de vereadores. Então vou pegar o meu chapéu. Mas antes estarei somando forças ao Vicente Ciofi. Um dom quixote das terras Valeparibanas junto com Cosme Vitor e Zé Moraes Barbosa.

Gente de força e retidão moral dá para contar nos dedos. Nosso mundo tá carecendo de homens e mulheres de verdade.

A verdade é dura mas deve ser dita escrita e re-escrita.

No mais vou a um show. Um grande abraço e tenhamos não uma fé cega. Mas uma fé de arquitetura e construção só o amor liberta.

Ainda somos escravos.





João Carlos Faria



Pasárgadas





Editora

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Joca Faria






Onde esta a revolução?



Dedicado a Ricardo Faria





As cidades se fazem presente na vida de todos nós temos alguma alternativa fora das cidades? Não sei? E a vida pública a vida comum a todos nós? Ando a observar uma ausência da chamada militância na vida pública os partidos políticos ao meu ver estão sendo esvaziados. E isto é positivo e negativo ao mesmo tempo. A parte da sociedade que reflete o mundo e tenta atuar na vida pública esta desiludida com o espectro politico que se vê. Encontro ex militantes nas ruas meus colegas de luta. E vejo a revolta e o desinteresse. Alguns migram para as ongs me elas as ongs dão as respostas? A sociedade civil no Brasil e no mundo precisa mudar. A necessidade de novas estratégias de luta social. E criar-se uma democracia de verdade. A colocação do jornalista Ricardo Faria numa entrevista em vídeo que fiz. Colocando que os partidos políticos tem dono é um fato. E a muita gente combativa que vem enche gando isto.

As vezes demora para cair a ficha e quando cai vem a desilusão. E as pessoas se caçam de tentar e vão cuidar de suas vidas privadas. E o sistema ai sae vencedor. Tem que se descobrir alguma maneira econômica de estimulo a luta social. Para que o militante tenha independência econômica e não se sujeite a entrar numa administração pública via os famosos cabides. A luta sindical também esta se esvaziando. É o momento propicio para se criar uma nova movimentação de enfrentamento a

este maléfico neo liberalismo.

Os partidos de esquerda estão rumando para uma direita bem cínica. Cobram taxas para os que trabalham em gabinetes de vereador, deputados e senadores e nas administração públicas acreditam que para conquistar o poder politico tudo vale a pena. E ai vem uma pesquisa mostrando que a América Latina continua a ser uma região rica mas com uma grande desigualdade social.

Já não acredito que governos resolvam isto. Para a sociedade urbana se vê a necessidade de criação de movimentos na linha do MST. Porque não há criação de cooperativas de trabalhadores? Nesta América Latina os despossuídos continuam cada vez mais despossuídos e vemos um medo constante na população e um medo de reagir a estes fascistas de partidos políticos gente cínica e sem nenhum caráter.

Que como diz Ricardo Faria querem perpetuar a pobreza neste continente e alguns candidatos a presidentes que criticam a esquerda de estar ligadas as farcs. Devem ser ligados a agencia de investigação Norte Americana a famosa CIA. Pois vivem indo aos Estados Unidos da América ouvir conselhos.

Como mudar este jogo perverso? E não se entregar a ele ouvirando conivente ou abandonando a luta politica? Sei que parece que estamos cada vez mais sós. Nossa juventude parece cada vez mais alienada e desinteressada da luta politica seja no Brasil na Argentina na Rússia em qualquer canto do bloco chamado emergente.

Ou até mesmo na Europa e Estados Unidos não vemos reação. E precisa-se haver uma reação a este jogo fascista que esta instaurado no mundo comteporaneo.

O ser humano não pode aceitar esta escravidão que esta imposta a ele. Uma escravidão cultural, econômica e social.

Continuaremos a ser escravos ou seremos homens livres?

A liberdade custa um alto preço e temos que pagar para conquis-tala. É hora de mudar e uma eleição no Brasil ou em qualquer parte do mundo não muda nada. Quem se elege tem compromissos com quem financiou sua eleição.

Só uma luta vinda das bases da sociedade pode mudar o jogo que esta instalado um jogo perverso que cria um desemprego estrutural. Que gera a violência e nos faz o lobo do lobo do homem.

Caro Ricardo Faria continuamos a perguntar onde esta a revolução?





João Carlos Faria





Pasárgadas





Editora


Entrevista com o jornalista Ricardo Faria

http://www.youtube.com/watch?v=jD7bDnE9Pf0

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Joca Faria






Quando pego-me a olhar uma revista . . .



Dedicado a Rynaldo Papoy





Eita admirável mundo novo em que vivemos onde descaradamente tudo virou marketing e super fulo. E um amigo fez uma enquete sobre o que é consumismo? Será que realmente temos alguma resposta? Eu simplesmente não respondi achei se tratar de uma mera polemica vazia. Esta tudo fácil e tudo sempre continua igual. As velhas profecias que os livros irão desaparecer. Li um artigo de Noam Chomsky que vão invadir o Irã. Mas para isto eles invadem nossas mentes e nossos corações com suas manipulações. Esta gente do Império acha que manda em tudo. E não mandam em nada. Vão acabar gerando um Armagedom. E nós assistindo de camarote em nossas vidas cotidianas. Conheço vários seres humanos que tentam ser diferentes e como eu acabam sendo iguais. Tantas igrejas abertas, tantos partidos políticos. Hoje convivemos com internet, TV a cabo. E acabamos sendo os mesmos. Só não é consumista quem nada tem? Pois se tiver gasta? Passo horas agradáveis numa banca de revista a analisar o mundo que nos cerca com um amigo. O duro é que analisamos e sempre somos os mesmos. Quando pego-me quase a olhar para uma revista de pornografia e digo mais uma vez perdi. Como caímos diante do inevitável. Tudo é sedução. O cotidiano é sempre igual. Tento mudar de cidade. E se mudasse de corpo? A personalidade é igual então que eu mude minha personalidade meus hábitos e maus costumes. Este amigo falava que as pessoas em nossa cidade olham todo mudam e analisam. E quando vimos estávamos analisando uma garota pelo seu estilo de se vestir e de novo saímos perdendo. As armadilhas estão ai a todo momento. Estejemos atento vinte e quatro horas por dia. Se queremos ser diferentes dos que se julgam donos do poder. Ser povo é duro. Porque admitir-se povo é saber de antemão que não interferimos em nada que nos cerca? Temos que aprender a criar nossa própria revolução individual.

Não adianta nada brigar externamente. Explodir bombas. Assassinar políticos corruptos em nada gera nada. Muitas vezes estas tolas idéias emocionais passam por minha cabeça mas de nada valem pois eu ou você se assumicemos o poder sem realmente sermos outros. Nada seria diferente. Nos humanos carecemos de uma depuração. Precisamos alcança-la. Somos muito débeis. Acreditamos na ciência no que falam algumas bestas que detém pós doutorado e defendem a legalização das drogas in licitas. Proibidas já são livres imaginem legalizadas. Ja´basta o álcool. Como alguém me falou a mente mente. Estamos cheios de teorias bem insanas. Tudo é moda uma hora os homens se depilam pois são metra sexuais. Depois vem uns dizendo que não e quem acredta vira joguete da mídia. Que nos tortura com suas ilusões. Eu finjo que não tó ai. Mas tento estar antenado. Infelizmente estamos presos bem longe da liberdade. Mas onde esta a liberdade? A metafisica diz que dentro de nós. E nos seguimos vivendo nesta Kaos gerado por nós enquanto os pássaros cantam também engaiolados. Assim vivemos e assim morremos muitas vezes sem nada saber sem chegar ao ser. Tenho sempre mais perguntas que resposta? Hoje faz sol depois de vários dias de frio. O tempo urge perdemos as horas para alguns compromissos. Viver também é uma grande desventura. E aprender a enchegar o maravilhoso dentro do cotidiano.

Ainda não tenho as resposta para o que seja consumismo? Talvez seja a necessidade de preencher nosso vazio existencial. Sinceramente não sei nem sei se existo?

E as vezes é melhor continuar não existindo. Tornar-se invisível nada vida social. Deixar de chamar a atenção. Deixemos o mundo acontecer não importa. Nos enquanto seres humanos e únicos e que temos que acontecer. Já disse e repito a revolução é individual. Se a fizermos acabaremos contribuindo para a evolução desta doente humanidade.

A copa passou assim com as eleições passaram e nos ainda longe bem longe de sermos passarinhos. Enfim nos acabamos prendendo os passarinhos.

Não há caminho além de se desvendar. De estar nú diante de si mesmo.

Eu ainda não sou.







João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Video feito na Vila Tesouro, Video Urbanidade de FOTOS
E SOBRE O ARTIGO NOAM CHOMSKY

Em breve mais um texto inédito... Hoje segunda - feira dedicada a criação de videos....Abraços

Depois de algumas horas na edição chega agora só amanhã. Um bom café uma televisão e uma boa meditação.
E assim vivemos tentando nos desvenciliar de nossas meras ilusoes e a FLIP FICA PRO ANO QUE VEM...
só Deus cria...

Joca Faria - João Carlos Faria

http://www.youtube.com/watch?v=-gR8Uv7Rtio


http://www.youtube.com/watch?v=nzloIpjM440

http://www.youtube.com/watch?v=WpaAkGDX_tA

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Joca Faria








MONTANHA RUSSA.





Chove em minha aldeia. E os pássaros brincam de esconde esconde. E sonho que recebo pelos correios um belo pergaminho com um poema e um desenho da Pantera- Cor- de Rosa. Gostaria de lembrar o que estava escrito neste poema. Eu que descobri que não domino as artes do verso que foi uma fase de aprendizado. Mas a vida é passageira. E muito cotidiana. Ando tendo vários sonhos interessantes com políticos de minha aldeia. E artista também desta aldeia. Gosto de minha aldeia mas sei que preciso preparar- me para cair na estrada. Ontem passei o inicio da madrugada assistindo o filme O estranho caso de Benjamim Button de David Fincher com argumento de Eric Roth e texto de F. Scot T Fitzerd com Brad Pitt, Cate Blanchet.

Este filme é impressionante nos mostra a montanha russa que é a vida e como devemos saborealá nos altos e baixos. Para quem já conhece o filme sabe que ele Benjamim nasce velho e vai rejuvenescendo. Tudo passa e somos simples passageiros. Como é impressionante os mundos dos sonhos psicologicamente somos os mesmos. E acordamos a refletir nossas bobagens e nossas meras ilusões e se esta vida toda não passar de um sonho? Dias deste descobri que o inferno só é inferno porque estamos sós. Ninguém se reconhece. Se nos reconhecemos não passaria de um pesadelo. Por não nos reconhecermos é um inferno. O inverno nos leva ao recolhimento e ao silencio e adentrar dentro de si mergulhar no labirinto é uma grande aventura de alto descoberta. No verão quero achar uma bela arvore para relaxar e meditar por vários dias. Não sei porque ainda não gosto de meu novo

quarto. Parece pequeno demais para mim. Talvez esta ilusão passe. Ou é um sinal para eu cair na estrada. Gostei do tempo que aquele casal do filme passou só entre eles. Também gosto das cenas com aquela moto. Não compro uma moto porque mal ando de bicicleta. Mas as motos geram uma estranha sensação de liberdade. Sei que ainda não sei o que realmente significa liberdade estamos sempre presos as mentiras e ilusões que nos mesmos alimentamos.

E o duro é que a vida passa. As pessoas passam por isto vivamos o presente o passado é ausente e o futuro é sempre uma interrogação?

Hoje chove e felizmente só saio a tarde. Quero mesmo é poder caminhar por alguma estrada da Serra da Mantiqueira. Sentir a natureza e como também somos parte dela. A vida nas metrópoles e muito áspera. Só temos a velha ilusão de conquistar um poder que não nos adianta em nada. Sonhei com o presidente de meu pais. Estávamos em alguma fronteira. Junto a outros presidentes desta América Latina. Conversávamos eu silenciosamente ouvia as estratégias destes senhores do poder.

Não consigo interpretar os sonhos e não devo. Apenas devemos os sentir os viver. Pois aos poucos descobrimos que a mente sempre mente. A mente não é.

E de verdade só importa o que de fato é. Os pássaros brincam de esconde esconde a muito tempo também já brinquei. Em outras vidas se ainda as tiver brincarei.

Estranho a chuva deu um tempo. Tenho que atravessar um imenso lago para chegar a cozinha de minha casa. Estamos atravessando um oceano. E nunca vemos a praia. Sempre sonhei que estou num navio e caio no mar.

E estou sempre a afundar. O dia chega ao meio. Minha vida já esta na metade. E ainda tenho que me descobrir. Não sou.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora
 
Video Córrego Cambui
http://www.youtube.com/watch?v=Ng-owyvr_Ps
 
Uma veia do Rio Parayba do Sul
 
http://www.youtube.com/watch?v=Bs9tKACF_Zo

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Para se entender o universo desvendamos nosso micro universo.






Joca Faria





Hoje dando um intervalo na vida e passando pela TV SESC me deparei com o inicio do programa com o filosofo Pierry Levy intitulado As Formas do Saber com o jornalista Florestan Fernandes Junior. E estranho assistir simplesmente a TV de modo passivo mesmo que estejamos com uma TV a cabo. Vejo que a televisão anda perdendo a corrida pela interface com o celular e o computador. Na internet já temos o hábito de repassar para os amigos e nos sites de relacionamento e listas de discuçoes.. Belo programa da TV SESC. Nos dia de hoje a TV CULTURA DE SÃO PAULO já não esta mais sozinha com a responsabilidade de passar a cultura e o entendimento desta sociedade hipermoderna como bem explica o filosofo Gilles Iipovestky.

Quando no mundo teremos uma televisão mais atual integrada a internet? Já não dá para assistir os bons canais pagos sem um papel e uma caneta para fazer anotações e correr depois para o computador para fazer pesquisa. Já não sei sair de casa sem minha máquina fotográfica há poucos minutos quase tiro uma foto das nuvens e de umas estrelas ao anoitecer mas preferi registrar na retina e agora no papel. Ontem ao parar a TV a cabo por uma pane por causa de uma chuva e a internet uma menina de nove anos perguntou-me em que mundo vivíamos antes e sentou para conversar comigo mas acabou ligando o MP12 para ouvir música. É vivemos novos tempos e haja faculdades a distancia , livros , sites de informação mas para que realmente precisamos de todas estas informações? Se as vezes é mais prazeroso conversar ao vivo e no mundo real. Caminhar pela cidade pegar um ônibus ir ao parque fazer uma caminhada. Não ficar preso dentro de uma academia de musculação?

Pierry Levy fala também da importância do ensino a distancia e suas inovações que acabarão chegando as conservadoras escolas tradicionais. O mundo muda numa velocidade que haja esforço para se entender. Quais as revoluções de hoje em dia? Já não é mais o tempo de sair com panfletos nas mãos.

Mas e a burocracia no Brasil ? Com suas licitações em órgãos públicos que sempre emperram em qualquer governo de direita ou de esquerda. Isto precisa haver uma mudança. Vejo a criação de cursos de pós graduação em gestão pública para ajudar avançar na mudança da burocracia deste pais. Mas não vemos um debate sério sobre este tema? No congresso ? Na mídia?

Pierry Levy fala no programa que assisti também sobre as formas e os empregos nos dias de hoje. De como temos que identificar nossos talentos nossas habilidades para aprender a servir. E da geração de pequenos empreendedores que criam pequenas empresas de prestação de serviços.

Na minha visão a relação trabalhista anda mudando e rápida. Como mudar as formas de atuação do sindicalismo? Que ao meu ver estão ficando ultrapassados.

Levy fala também da não existência de uma cultura local e sim poem a cultura como algo universal.

Uma busca tão profunda do ser humano que muitas vezes ele alcança a um inconsciente coletivo. E cria uma linguagem universal.

Quero ler seus livros e seus artigos chegar aos pensadores de hoje é algo fundamental mas não desprezando as bases e o alicerce que são os pensadores de todos os tempos.

Assim passamos a entender cada vez melhor o mundo que nos cerca e aprenderemos a interferir neles como cirurgião. E bem longe de ideologias e pensamentos muitas vezes ultrapassados.

No BRASIL já começamos as eleições muito bem com grandes jornalistas da TV CULTURA como

Heródoto Barbieiro que ao questionar o candidato a presidência Tucano José Serra sobre os pedágios paulistas acabou perdendo o emprego junto com outros colegas.

Aqui não há debate mais parece uma partida de futebol entre PT X PSDB. Quando teremos um debate maduro que debate os grandes problemas nacionais? Acho que nunca pela minha experiencia em eleição digo que é uma guerra onde vale se tudo para vencer. E depois fazer o que bem entender por quatro anos.

Neste pais não temos um congresso sério quem ganha a eleição leva o congresso.

Por isto é bom estudar estes filósofos para aprendermos novos conhecimentos e estratégias.

Para usarmos nas nossas vidas diarias. E nas novas maneiras de combater quem tenta manter o atraso no pais e no mundo. E tá difícil aprender a separar o joio do trigo.

Bom vou olhar um pouco de nuvens e estrelas.

Para pelo menos me entender já que sou um micro universo.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Joca Faria






Preciso contar estrelas ...





A noite se fez noite e minha cabeça dói. Leio vários textos de muita gente boa. Não leio meus escritos pois a cabeça dói . A cabeça dói enquanto a vontade de criar se faz presente. Nada que talvez uma dipirona não resolva. Mas as dores da existência não á dipirona que resolva. Durmo e sonho com as bobagens que faço. E em sonhos muitas outras. O inferno não são os outros somos nós. Ultimamente sinto-me um Demônio. E tento libertar-me deste anjo caído que sou. Hoje procurei um CD de mantras Tibetanos que havia visto numa loja já não achei. Tenho que me conformar comigo mesmo recitando mantras. Ando entre minhas leituras vendo muitos filmes. Quero participar da criação de um longa metragem. Adoro filmes eles nos revelam. E gasto uma vida inteira para me descobrir. Ainda não sei produzir roteiros. Descubro me em sonhos entre orgias. E minha vida normal é normal. As vezes criamos tempestades para nos sentir vivos de novo. Por isto ando curtindo as angustias da escrita de Léo Mandi. Gosto de estar no centro de qualquer cidade onde percebo de tudo. O relógio da antiga câmara toca. E sei que á algo a fazer. E não faço. Um poeta perambulou por três dias pela cidade sem nada enxergar. Perambulamos por esta vida e não vemos nada. Não devo deixar que o mundo de fora me afete. Nem o de dentro. A neutralidade é uma dádiva. Assisti na TV a cabo um trecho de No tempo de Gláuber. E Gláuber Rocha nos inspira lembra-me alguns artistas que convivo nos dias de hoje. E haja vontade de fazer cinema. Vi o documentário de como fazer filmes a baixo custo que retratava a produção de Quarta B de Marcelo Galvão. Em breve verei o filme. Tudo nesta brincadeira chamada vida acontece e não acontece. E nem tudo depende de nosso querer ou não. Coincidências e acasos existem. Gosto do silencio da noite e conto estrelas infindáveis estrelas ando a ler sobre a vida de ABRAÃO em algumas revistas talvez para entender os impasses que acontecem no Oriente Médio. E tudo passa e nossa humanidade um dia passará. E onde encontraremos a felicidade? Ela esta dentro de nós. Minha cabeça martela ainda não tomei a dipirona. Não quero perder a inspiração. Estou aqui no silencio um admirável silencio numa noite de inverno cheia de estelas. Nosso tempo é longo e curto. Só tenho saudade do que ainda não realizei. Das mulheres que ainda não amei. E que vou amar. Quantas mulheres lindas por toda a cidade. Uma diferente da outra. Cada uma no seu universo. E o roteiro que ainda não veio. O filme ainda não feito. A dor continua nada que quarenta gotas não resolva. Como interferiremos no mundo se não conduzimos bem nossa doce existência. Não tenho resposta. E para que precisamos de respostas. Gosto de ler jornais em bibliotecas parece antiquado mas é saboroso bem longe de uma frágil interação virtual. E quando saímos a rua estamos em cena somos vários personagens numa só pessoa. Não tenho dúvida que eu seja um ator estou sempre a representar papeis bem diferentes neste Kaos chamado sociedade. Cada hora um personagem adentra dentro de mim. Chega quero destruilos todos e tornar-me essência novamente.

Devo achar algum mantras tibetanos para baixar na internet. Mas não agora. Vou voltar a mim mesmo. E desligar esta caixa de endoidecer e também transformar. Só depende de que forma a usamos.

Haja vontade de fazer cinema.

E quero que esta vontade nunca passe. Gosto de qualquer pessoa que consiga dirigir um filme. Reunir pessoas por uma causa comum. Ainda não tenho todo este carisma e paciência.

Que pena que Urubuzão Humano não saiu ou saiu? Só o Edu Gair sabe.

Mas vamos em frente tentando desvendar esta sociedade que cada vez mais adentra ao estilo de vida

neo liberal. Que coisa e a alternativa a Ceebração Ao Renascimentoooo da Poesia fundada por Edu Planchez no começo se chamva Celebração ao Renascimento da Poesia e do Humanismo Edu havia lido uma matéria de Alen Ginsberg na qual o poeta defendia o retorno de um novo humanismo isto em 1995.

E tudo passa só não passa a ideia de uma volta do HUMANISMO.

Mas como diria Chapolin Colorado quem nos salvará? E digo nos mesmos cara pálida.

E minha cabeça dói e minha consciência dói um pouco menos após escrever este texto.

No mais vou parar preciso contar estrelas.





João Carlos Faria




 Glauber Rocha ator e diretor

http://www.youtube.com/watch?v=s5fRglGh_z8&feature=relateda.http://www.youtube.com/watch?v=SIZ0lBaKUNg&feature=related

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Joca Faria






Vou além do destino da chuva.







As pessoas em nossas vidas vão e vem são as chamadas recorrencias. E se não nos corrigirmos estamos nos encaminhando para o inferno as vezes a passos largos e as vezes a passo curto. E o inferno e esquecimento de si mesmo e dos outros. Não me acho perfeito. Nem me acho bom. Escrevo para desvendar meus Demonios e tentar vislumbrar um pouco de luz. Dias deste numa novela um médico escritor. Escrevia e apareceu um ser de luz. Que iluminava seus escritos. Comentei com algúem se acontece comigo as vezes é um Demonio e quase nunca é um Anjo. E a sim seguimos rumo ao abismo. Arte para mim é tentar se desvendar e Roberto Piva partiu confesso que o li pouco um ou outro livro. Mas era alguém que tinha opinião. E pelo que sei um grande poeta.E na minha opinião poetas são poucos. Para mim um estágio longo de minha escrita. Não tenho paciencia para aquelas formas. Em poesia ou o caboclo é acima de ótimo ou só escreve bobagem. E acredito que de minha se assim podem chamar de poesia só sobre o Livro Retinas que acho que é um livro mais sentimental do que literatura propriamente dita. Mas esta ai para lerem e criticarem se quiserem queimar fiquem a vontade. Mas gosto do que ele resulta e sempre vou reeditalo nunca o renegarei. Minha escrita se define após O DESTINO DA CHUVA que esta ai uma mistura de prosa e poesia. Então meus caros para mim arte é uma jornada espiritual. Por isto muitas vezes nos indentificamos com a obra de um Samuel Becketi ou Carmina Burana apresentanda por estes dias em forma de coral em minha cidade felismente lotou e fiquei para fora. Curtindo as pessoas da fila. Também para mim arte e cultura fazem parte dos movimentos sociais. Ela a arte ajuda o ser humano a se encontrar com sigo mesmo. É uma jornada ardua. Somos vaidosos por demais. Confesso que gosto de um palco. Subo até em cima de uma melancia. Mas de uma fátidica quarta-feira que para meus apreendizados enquanto ser quase umano. O H se conquista com muito trabalho e padecimentos voluntários. Me restou muita coisa. Não passou de uma recorrencia e sei que não passei em algumas provas e fui aprovado em outras. Gostei de estar num carro com mais tres pessoas que como eu aceitam o Kaos com aprendizado e não se conformam com as bobagens

que vemos a todos os momentos. Mas como Arjuna e Krisnhna estamos sempre em batalhas muitas vezes o interior reflete nosso hesterior. Veremos se realmente aprendi quando outras provas chegar. O ser humano não se mede pelo que escreve ou fala mas sim como de fato age. E o bom mocismo não faz parte de minha personalidade confesso que sou dualidade bem e mal. E sei que a uma ardua tarefa de estar acima disto. Portanto sempre acertarei e errarei. Mas prefiro algumas companias a outras. Não gosto dos que se fingem bons. São lobos travestido de ovelhas. O lobo dos próprios lobos. Sim sou Joca sou Joça. E busco ir além de Joca e Joça.

Erro muito e continuarei errando. Mas de sarais vazios de conteudo estarei bem longe. Muito longe.

Já não perco tempo tentando construir movimentos deixo que eles aconteçam. Se acontecerem estarei neles. Mas que sejam para reais transformaçoes sociais e individuais. Deixo o papel de bufão, bobo da carte para outras figuras. Meus figurino estão guardado qualque hora os tiro do armário e vou para a cena. Meu momento não é para isto e viva Roberto Piva, José Saramago que já cumpriram sua jornada. Que cada um de nós construa seu próprio espaço. Enquanto tiver saúde fisica e mental nunca vou me acoitar. Correr do bom combate. Sempre serei uma voz critica que as vezes erra ou acerta. Acredito que erramos mais que acertamos.

Mas para mim o fazer poetico esta acima de fazer versos. A poesia esta na vida. No dia a dia e no confrontar-se consigo mesmo diante do espelho.

O resto nesta cidade ou qualquer cidade deste planeta é muita vaidade e pouco talento. Estar nesta midia facista já estive várias vezes e estarei muitas outras ela nos manipula e nos faz de bobos da corte seja voce artista, politico, jornalista a unica midia democrática de verdade chama-se internet.

Onde cada um faz o que bem entende e toma para sim as consequencias.

A liberdade de fato para ser alcançada custa um preço bem alto. E eu estou disposto a pagar para alcançala. E Roberto Piva pagou. Saramago pagou. Samauel Becket pagou.

E só com o tempo saberemos ou não se eu João Carlos Faria ou Joca Faria ou como meus detratores dizem Joça paguarei.

Agora sigo meu caminho. Que venham outras quarta-feiras. A vida é cheia destas quarta-feiras.

Tó aqui recuperado e pronto para o bom e o mau combate.

Paz ao coração de todos. Até no dos adversários.



João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora