Seguidores

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Joca Faria








E nunca olhar para trás para não virar sal ...





Uma dor dá ausência de liberdade. Felizmente a internet não esta funcionando. Uma grande dor de existir. Uma vontade de cair no mundo. Gostaria de ter o desprendimento necessário para cair ao mundo. Como diz Samael Aun Weor O HOMEM ESTÁ CRUCIFICADO A MATÉRIA. Gostei da imagem que Davi F. F. Criou numa palestra ao fazer a cena de uma crucificação. E de consolo vem esta a música Zepelim de Chico Buarque. Que daria um grande filme. Ontem uma terça – feira assisti a um final anárquico de um filme nacional onde um travesti se joga do prédio após tentar se aproveitar de um garoto e caiu numa sexta. Cinco andares abaixo felizmente sobreviveu. Depois uma garota pelo jeito prostituta. Beija numa bela cena dois homens numa arvore vai para a estrada deixando eles para trás e pega uma carona com um caminhoneiro. E vai se embora. Como conseguimos nos apegar a estas vidas bem comum que temos. Um numa loja . Outros num banco, outros funcionários públicos. E alguns eternos artistas desempregados. Vejo a infelicidade na face de cada um de nós. É a vida sem se descobrir é uma grande merda. Isto uma merda. Hoje não consegui terminar minha hora de mantra. E agora Chico canta Construção ai fodeu. Como se achar ? Como mergulhar na investigação esotérica de corpo e alma. Ir além dos conceitos dos livros. Experimentar … E o ridículo de alguém de nossa turma se intitular mago. Atualmente nem magro é. Somo um monte de charlatões a se dizer artistas, políticos. Mas que tentam o novo. E esta massa que acredita em copa do mundo? Eleições? E Chico vai de Meu Caro Amigo. Este Chico é um grande cronista. Como nós podemos mudar ? Realmente nos mudar adentrar dentro de si mesmo e chegar a realidade. É um caminho sem volta. Não há droga que salve. Não há álcool que salve. Não há vaidade que dê resposta. Não adianta temos que tomar um choque de realidade. Desculpem não consigo ser festivo o tempo todo. Este neo liberalismo corroendo vendendo ilusões de mercado em qualquer parte do mundo é a mesma ilusão de ter. Sempre enquanto humanidade nos distanciando do ser. Hoje negamos a existência dos Deuses. Não mais festejamos o divino. Estamos num grande abismo? E ai o que fazer como recriar algo novo. E Chico canta Apesar de Você meu caro Chico cade o outro dia?

Talvez os poetas festivos de nossa cidade estejam sertos é melhor fingir que não vê? Não prefiro descerrar o véu. Por mais dor que me cause. A realidade é dura mas libertar. E hoje faz um frio de inverno. Estou vivo. Estamos vivos. Já não sou tão jovem como na foto que vi. E continuo a persistir enquanto tiver saudê física e mental. Tem hora que dá vontade de construir uma asa e sair voando. E nunca olhar para trás para não virar sal.

A eterna rotina nos sufoca. As articulações que nunca dão em nada. Fazemos fazemos e sempre morremos na praia.

Lembro-me da desolação daquela trés pessoas num barco a deriva no filme Limite de Mário Peixoto. E o filme termina e eles no barco. Estamos também a deriva? E do jeito que vai estaremos sós no inferno.

Quero criar minhas asas. E Milton Nascimento e Chico Buarque cantam O CIO DA TERRA.

Vamos debulhar o trigo. Vamos semear uma nova sociedade ainda temos tempo? Chega a juventude esta dentro de nós … Como a infância nesta maturidade já instaurada.

E Chico canta a Homenagem ao malandro. Também graças aos Deuseque sim existem. Também já fui a Lapa. A lapa é linda é o Rio de Janeiro apesar de tudo continua belo. Ainda temos chances de construir nossas asas e voar. Romper com nossas velhice com o que nos prende ao velho homens que ainda somos. Nos desprender de nossas vaidades. E juntos dançarmos uma grande ciranda numa praça num parque de nossa cidade.

E Chico canta junto com Milton Cálice. É Chico PAI AFASTE DE MIM ESTE CALICE DE VINHO TINTO DE SANGUE.

Afinal não temos pecado nenhum. Temos uma eternidade para chegar ao ser. Mesmo que caímos num abismo. Mas quero subir chega de cair. Quero subir alcançar a liberação final. Chega de ser Lunar quero voar até Sol. E tornar-me parte do Sol.

O Sol surgiu ainda é manhã. Ainda é manhã nossas almas estão em construção. O SOL desperta nossas forças. Chega de titubear vamos em frente. A dor passou mesmo que temporariamente esta dor serve para chegarmos ao real. Pois ainda estamos na ilusão.

E como diz Samael Aun Weor O HOMEM ESTA CRUCIFICADO A MATÉRIA.

É a hora deste que se faz homem se despregar e chegar ao SOL.

E Chico finaliza com a música Sem fantasia junto com Gal Costa.

Tudo passa devemos ser passarinhos.



João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

domingo, 27 de junho de 2010

Joca Faria






A verdadeira face além dos véus da ilusão.



OU A INFLUENCIA DE UM FADO COMO CANOA DO TEJO.





A noite se faz enquanto olho os sites de noticia procurando por algo novo. E muitas vezes me esqueço que o novo esta dentro de mim como para você ele está dentro de você mesmo. Nós nos bastamos. E perdermos tempo nos identificando com as coisas que passam. Com idéias que nunca alcançaremos. Ouço Fafá de Belem cantando fados. As vezes ouço cds de mantras indianos. Sinto ganhar tempo quando estou a ler um livro e neste momento é Grande Sertão Veredas já passei da metade e é sempre novo. Muitas vezes quero me retirar do mundo. Mas nunca me retirarei de mim mesmo. Então é mais fácil sempre levar o mundo de dentro de mim e tentar interpletalo e o reduzir ao vazio. Quanto tempo de nossas vidas perdemos com tolos pensamentos. Para que alcançar poder, ter fama e dinheiro se não temos a necessária sabedoria para apreciar e usar para o bem. Ainda estamos no mau. Nos achamos bons, pessoas uteis. E nada disto somos. A vida passa como o dia de hoje tudo se repete. Tudo nos prova. Cade as belas moças que estavam a minha frente hoje pela manhã. Para mim elas já não existem. Só ficaram registradas em minhas retinas. Apreciei a beleza

feminina? Ou uma tola ilusão de luxúria se quer elas notaram minha presença.

A vida se esvai como escrever este texto. E tudo é pura vaidade. Eu um amontoado de ilusões. Quero despir-me de minhas ilusões. Chegar ao lago limpo e puro. E mergulhar cada vez mais dentro de mim.

Riobaldo reflete os tiro que ele dá em ex companheiros jagunços. Lado sempre nos achamos de um lado um partido politico de esquerda, direita ou centro. Alguma causa que nos move isto tudo é sempre mera ilusão. O emprego do momento. E no fim sabemos que nada fica. Tudo é passageiro. O que eu pensava ontem não é como penso hoje e se amanhã houver talvez não pensarei. E ai talvez fique o prazer momentâneo de ouvir o Fado cantado por Fafá de Belém.

Ou os aprendizados que tenho nas minhas manhãs de sábado. Viver é uma ilusão temos que enxergar decerrar o véu. E ver a face real da vida. Viver é perigoso diz Riobaldo e é mesmo. Não

se identificar com os que nos provoca. Mas belo na vida é ver um monte de pássaros passar diante de sua janela. Enquanto você reflete sua vida. Tudo é rápido não nos esqueçamos. Há quantas vidas estamos indo e vindo e nunca passamos nas provas. E de novo estamos aqui a repetir o mesmo drama e canta Fafá vou recomeçar vou tentar viver... E assim estamos ou não estamos aqui neste exato momento. Que de exato não tem nada é passageiro.

Jogos. Eleições, carros nas ruas. Barulho. E nos perdermos nestas ilusões até mesmo minha velha sinusite. O dinheiro que vem e passa e vem de novo. O que ficará de tudo isto meus caros já sabemos nada. Qual foi nosso ultimo desejo de luxúria foi realizado? Talvez não e passou simplesmente passou. Chega o trem em breve chega preciso caminhar para a estação. Estamos sempre chegando e indo embora. Não devemos nos apegar a nada. Pois como canta Fafá tudo isto é fado. E me disse alguém num restaurante que mudei quiça eu mude. Mas mude de verdade que nasça outra pessoa que este meu eu morra. E nasça uma pessoa despida de ilusões. Mas sei que para algo nascer temos que morrer. Quero a morte do mais alto precipício e como um pássaro me jogar de frente ao mar bravio. E ai poderei andar pelas ruas da Velha Lisboa.

Como uma simples criança despida de ilusões. Por enquanto a muito choro e ranger de dente muita dor. Despir-se de si mesmo dói. Que venha muito sofrimento e muita dor. Para que um dia haja um renascimento.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora







Fado de Fafá de Belem



http://www.radio.uol.com.br/album/fafa-de-belem/meu-fado/20055?cmpid=clink-rad-al
 
Fafá no yotube numa tv Portuguesa
http://www.youtube.com/watch?v=r_SY1N4ibhI
Joca Faria






A verdadeira face além dos véus da ilusão.



OU A INFLUENCIA DE UM FADO COMO CANOA DO TEJO.





A noite se faz enquanto olho os sites de noticia procurando por algo novo. E muitas vezes me esqueço que o novo esta dentro de mim como para você ele está dentro de você mesmo. Nós nos bastamos. E perdermos tempo nos identificando com as coisas que passam. Com idéias que nunca alcançaremos. Ouço Fafá de Belem cantando fados. As vezes ouço cds de mantras indianos. Sinto ganhar tempo quando estou a ler um livro e neste momento é Grande Sertão Veredas já passei da metade e é sempre novo. Muitas vezes quero me retirar do mundo. Mas nunca me retirarei de mim mesmo. Então é mais fácil sempre levar o mundo de dentro de mim e tentar interpletalo e o reduzir ao vazio. Quanto tempo de nossas vidas perdemos com tolos pensamentos. Para que alcançar poder, ter fama e dinheiro se não temos a necessária sabedoria para apreciar e usar para o bem. Ainda estamos no mau. Nos achamos bons, pessoas uteis. E nada disto somos. A vida passa como o dia de hoje tudo se repete. Tudo nos prova. Cade as belas moças que estavam a minha frente hoje pela manhã. Para mim elas já não existem. Só ficaram registradas em minhas retinas. Apreciei a beleza

feminina? Ou uma tola ilusão de luxúria se quer elas notaram minha presença.

A vida se esvai como escrever este texto. E tudo é pura vaidade. Eu um amontoado de ilusões. Quero despir-me de minhas ilusões. Chegar ao lago limpo e puro. E mergulhar cada vez mais dentro de mim.

Riobaldo reflete os tiro que ele dá em ex companheiros jagunços. Lado sempre nos achamos de um lado um partido politico de esquerda, direita ou centro. Alguma causa que nos move isto tudo é sempre mera ilusão. O emprego do momento. E no fim sabemos que nada fica. Tudo é passageiro. O que eu pensava ontem não é como penso hoje e se amanhã houver talvez não pensarei. E ai talvez fique o prazer momentâneo de ouvir o Fado cantado por Fafá de Belém.

Ou os aprendizados que tenho nas minhas manhãs de sábado. Viver é uma ilusão temos que enxergar decerrar o véu. E ver a face real da vida. Viver é perigoso diz Riobaldo e é mesmo. Não

se identificar com os que nos provoca. Mas belo na vida é ver um monte de pássaros passar diante de sua janela. Enquanto você reflete sua vida. Tudo é rápido não nos esqueçamos. Há quantas vidas estamos indo e vindo e nunca passamos nas provas. E de novo estamos aqui a repetir o mesmo drama e canta Fafá vou recomeçar vou tentar viver... E assim estamos ou não estamos aqui neste exato momento. Que de exato não tem nada é passageiro.

Jogos. Eleições, carros nas ruas. Barulho. E nos perdermos nestas ilusões até mesmo minha velha sinusite. O dinheiro que vem e passa e vem de novo. O que ficará de tudo isto meus caros já sabemos nada. Qual foi nosso ultimo desejo de luxúria foi realizado? Talvez não e passou simplesmente passou. Chega o trem em breve chega preciso caminhar para a estação. Estamos sempre chegando e indo embora. Não devemos nos apegar a nada. Pois como canta Fafá tudo isto é fado. E me disse alguém num restaurante que mudei quiça eu mude. Mas mude de verdade que nasça outra pessoa que este meu eu morra. E nasça uma pessoa despida de ilusões. Mas sei que para algo nascer temos que morrer. Quero a morte do mais alto precipício e como um pássaro me jogar de frente ao mar bravio. E ai poderei andar pelas ruas da Velha Lisboa.

Como uma simples criança despida de ilusões. Por enquanto a muito choro e ranger de dente muita dor. Despir-se de si mesmo dói. Que venha muito sofrimento e muita dor. Para que um dia haja um renascimento.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora







Fado de Fafá de Belem



http://www.radio.uol.com.br/album/fafa-de-belem/meu-fado/20055?cmpid=clink-rad-alhttp://www.radio.uol.com.br/#/album/fafa-de-belem/meu-fado/20055?cmpid=clink-rad-al
http://www.radio.uol.com.br/album/fafa-de-belem/meu-fado/20055?cmpid=clink-rad-al

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Afinal somos ou não somos Cristãos?.






Joca Faria





É noite ainda não vi a lua. Hoje vi o sol li muito nesta máquina que também deixa a gente doido.

Tive problemas para editar um vide-o que já estava esperando fazer a muito tempo de um poeta de minha cidade o Audi. Que sempre encontro no centro da cidade este sempre é exagerado ultimamente quase nunca.

A cidade tem hora que não rola nada em seu centro. Mas as vezes que puderia ser sempre é tantas pessoas interessantes com histórias de vida fantásticas. Muitas vezes dou várias volta no calçadão para esbarrar com alguém conhecido mas prefiro um acidente assim com uma pessoa do sexo feminino. Que fosse o encontro de muitas vidas. A gente mau sabe sobre esta nossa vida atual imagine as passadas? Mas com as figuras humanas prefiro estar com minha câmera de vídeo e tirar ali um relato legal. As perguntas começam com os clichés de sempre nome, idade o que faz da vida muitas vezes evolui para uma questão filosófica. Outras um papo bem sem graça. Nunca depende muito do entrevistador mas dó entrevistado. Quando é uma figura sábia a câmera vai bem solta e o dialogo é franco. No caso de Audi rendeu uns quinze minutos e garanto que posso tirar outras ainda dele. Mas tem gente que um minuto seu edita-se seria o máximo. Não opto pela edição. Pois acho a manipuladora. Tem um amigo que diz que quando edito eu manipulo. É só questão técnica. Como as figura são as mais desconfiadas gente da cena politica e cultural que no fundo é uma coisa só.

Uma boa entrevista para funcionar bem precisa de um bom bate papo antes sem gravar estar despido de vaidades tanto o entrevistador quanto o entrevistado. E não fazer gracinhas dos tipo CQC e PANICO. E nem copiar os telejornais a internet e o yotube tem uma linguagem própria que está sendo construída. Podemos sim fazer entrevistas longas desde que o assunto seja bom.

Uma câmera digital se acha por ai por uns quinhentos reais ou menos prefiro as de doze pixel s da Sony,

Geralmente com um cartão de memória de dois gb. Que grava uns quinze minutos. É esta uma nova sociedade onde o twiter expande a informação. Agora sei para que ele serve. Os blogues são instrumentos democráticos e sites também ajudam. Estão surgindo os com lojas que disponibilizam trabalhos regionais como o Entrementes. É bom usar um pouco do comércio para o bem. Dinheiro não é perigoso. E sim o uso que damos a ele. Sabendo usar se muda uma sociedade para o bem.

Nestas minhas andanças esta semana conheci uma figura que esta morando na rua e diz que foi expulso de casa pela milicia do Rio de Janeiro nesta semana eu tinha assistindo um filme nacional com este tema. A mulher teve que fugir com o garoto cujos pais foram mortos por traficantes e policiais corruptos também no Rio quando se fala Rio também se lé Brasil de uma forma geral.

Estamos numa eleição precisamos propor soluções práticas para mudar este situação de inversão de valores.

E usemos a ueb como veiculo de mudanças e solidariedade. Afinal somos ou não somos Cristãos?

Tenho lá minha dúvidas o egoismo esta reinando quase absoluto este é uma das indagações de Audi.

Mas vejam a entrevista me questionem. Prefiro criticas a elogio só assim avançamos.

Tudo acontece neste momento e só existe este momento então vivamos.

O que passou é passarinho. Então vamos em frente. Sigamos nosso coração ainda o temos?

Continuo com esta dúvida. Este consumismo nos consome a alma. Por isto quando encerro um texto deste vou sempre tentar aprender a meditar e como não sou de ferro assisto um pouco de TV a cabo antes de dormir. Ultimamente escrevo menos que gostaria. Quero chegar a um romance. Temas não me falta. Só a técnica.

Tenho meu medo de perder tudo numa pane de meu micro. Mas descubro a técnica de salvar e avanço.

E assim caminhamos rumo a Lua ou o Sol?

Alguem me falou que gostaria de virar uma pedra num pico qualquer da Mantiqueira.



João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora



Veja o video



Valor da vida Audi



http://www.youtube.com/watch?v=Vu0ainYiVpk
 
http://www.youtube.com/watch?v=Vu0ainYiVpk

domingo, 20 de junho de 2010

A metafisica de José Saramago.






Joca Faria





Quem ama as escritas e a arte e já tenha lido um livro de José Saramago hoje deve estar em luto não um luto de choros e lágrimas mas de felicidade que alguém que tão bem contribuiu para a humanidade voltou a outro plano. Pena que nossa metafisica que Saramago dizia não acreditar nos diga como foi feito o anuncio da chegada de Jesus Cristo que Saramago nasceu. Não nós nunca sabemos como um ser humano deste nasce e não temos uma máquina do tempo para velos crianças.

Mas sabemos de suas partidas ele nos deixa um legado em forma de escrita. Ele da terra de Camoes e Fernando Pessoa escritores tão importantes para mim enquanto leitor. E para milhões de outros seres humanos. Uma figura desta que respirou o mesmo ar que eu e você. Que fez um livro inventado sobre a vida de Jesus Cristo que para meu inconsciente se tornou tão real como qualquer dos Evangelhos que li ou venha a ler. Tão belo como qualquer dos Apócrifos.

As religiões estão ai tem a sua importância não mais para mim. Saramago não é de uma religião se é que a arte é algo como uma religião. Para mim ver um bom filme, ler um livro ouvir uma música que adentre dentro de mim é pura metafisica. Não sou e nunca tenha sido agnóstico sou estudante de Gnose. Leio e releio Saramago. Ou qualquer artista que tenha alcançado seu porte ou até convivo com muitos que aprendem como eu os segredos e a magia do fazer arte. Gente como eu que ainda não atingiu a perfeição de um mestre como este. Mas que procuram viver uma vida de eterno aprendizado. De eterna critica de si mesmo e do próximo pois estamos sempre buscando uma perfeição. Que graças aos Deuses nunca é atingida. Gosto da gente que encara a arte como um caminho árduo de ensinamentos um caminho difícil. Estamos sempre próximos e distantes deste ideal da indústria cultural que foi criada no século vinte. Mas o artista em essência é um criador e ontem numa rara conversa com uma pessoa amiga debatíamos estas questões do fazer e não fazer.

Tenho a noção do cruel mercado e sua exigências. As vezes fazemos o jogo as vezes não. Faz parte de nosso aprendizado. Pois temos nosso lado direito e nosso lado esquerdo. Quem vive joga. E devemos lutar para deixarmos de sermos marionetes das farsas do destino. Enfim Saramago foi embora e nos continuamos. Faz dois dias que foi embora só hoje fiquei sabendo. Hoje no retorno de um sono entre este mundo físico e as outras dimensões me dei conta que também sou osso com uma das mãos circulei a cavidade de meus olhos e me vi caveira. Uma caveira cheia de emoções, sonhos. Dores, ilusões mas um monte de ossos que respira tem uma cultura um modo de vida.

Que não sabe nada de suas vidas passadas que tem esta personalidade transitória que agora escreve por vaidades e por desejo de sua alma. Quando escrevemos ou fazemos arte tem de tudo misturado nosso ego. A busca da esencia. Nossas vaidades. Necessidade de ser reconhecido e aceito também de justificar uma existência.

Mas para que temos que justificar no fim para nós mesmos eu não verei meu enterro nem o que dirão de mim passará um tempo e minha passagem por aqui será esquecida então para que me preocupar com alguma coisa. Saramago estava vivo mas para mim no meu dia a dia não fazia a diferença. Para os próximos dele sim. Mas para mim só a obra dele era importante.

O que importa é obra para o outro. Para mim é a minha experiencia o meu prazer em escrever.

Findado este texto quem sabe virão outros. E ai o texto esta posto num blog num site. Talvez nunca ganhe as páginas de um livro ou jornal. Mas são suportes a personalidade de José Saramago foi a essência que compõem Saramago existe.

Então de nós só vale a essência. Esta que nos anima e nos faz viver minha personalidade que se chama segundo meu batismo de João Carlos Faria que no universo cultural leva a alcunha de Joca Faria um dia vai-se.

Que talvez nunca se conte-te em ser o que é. Que quer mudar a si mesmo por dentro e por fora. Eu sou fruto de minha época desta virada de seculo vinte para vinte um. Não escrevo a bico de pena, não uso máquina de datilografia e já quase não ouço rádio.

Isto tudo é passageiro menos tudo que já passei e passarei se passar pois estou de passagem. Temos que estar preparados para a morte já em vida.

Assim sempre lembraremos que tudo é transitório. E sabendo que tudo passa devemos nos distanciar do bem e do mal. Do certo ou do errado.

Sei que é quase impossível mas também tudo é possível. O escritor Saramago só se tornou o grande escritor que é já na maturidade.

Mas o que é relevante Os Beatles foram os Beatles na juventude. O tempo é uma invenção quando estivermos prontos estaremos.

Hoje ouvi Secos e Molhados em tempo cronológico já faz quase quarenta anos que gravaram. Mas para mim vale o hoje e hoje é atual.

Tudo vai, tudo vem e ai Vinícius tudo é uma grande onda?

Estou indo se os Deuses deixarem farei outros textos. Um beijo a humanidade que toda a humanidade seja feliz.

Palmas a José Saramago.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Joca Faria




O JOGO SUJO DAS ELITES MUNDIAIS





Se a sociedade é o reflexo de nosso mundo interno após ler um artigo sobre a Faixa de Gaza de

Heather Sharp descubro que estamos podres. E nem adianta propor um protesto junto a embaixada de Israel na cidade de São Paulo pois eu estaria gritando sozinho. Israel chora até hoje seus seis milhões de pessoas mortas durante a segunda guerra mundial. Mas Israel provavelmente encaminha a humanidade para uma terceira guerra mundial como pregam alguns profetas. Junto com os Franceses que querem proibir a burca. O ocidente quer e provoca várias guerras. Esta semana fiquei sabendo que uma empresa Francesa que criou um sistema de cartão para vender água na Africa do Sul e uma mulher ficou sem crédito para ter agua em casa. Nas favelas no Brasil as comunidades vivem a merce do trafico.

Quantos desempregados vivem nas grandes cidades do mundo. E nós aqui só assistindo estas mazelas sociais e queremos ter paz de espirito nunca teremos. O mundo vive em guerras silenciosas e estamos aqui dentro de nossas vidas normais as vezes com algum emprego que mantém um certo padrão de conforto as vezes na ilusão de que teremos alguma coisa. E sempre criticando Hugo Chaves, Evo Morales e até Lula que é forçado a ter acordos com o honesto partido da oligarquia brasileira chamado PMDB que agora pós até o vice presidente na chapa de Dilma Roussef. O Brasil está refém destes canalhas e fascistas. Como a família Sarney. O PT apoia a família Sarney no Maranhão. É obrigado a isto? Sim pois a sociedade civil no Brasil nunca se mobiliza sempre fica em silencio será que ela tem um quinhão deste jogo sujo. Talvez não tenha mas nossas classes médias não se organizam nunca. Ou não sabe ou carece de lideres e articuladores. Os novos meios de comunicação e os problemas de hoje vão além de países e fronteiras. Tá na hora de criarmos novas formas de luta politica de forma pacifica. Como foi o envio de ajuda humanitária a faixa de Gaza.

Temos que transformar a vontade de ódio e vingança em amor. Sei que não é fácil. Explodir embaixadas de Israel ou a sede mundial da empresa que explora a água na Africa do Sul não levaria a nada só aumentaria a violência. Devemos nos inspirar em Gandhi e descobrir outras estratégias.

No Brasil o sindicalismo morreu e a luta sindical também. Nas grandes cidades precisam se desenvolver novas formas de lutas politicas e sociais. O MST enquanto movimento é o único avanço mesmo tendo uma linha considerada radical. Partidos Políticos como PSOL e PSTU. Não consegue ter a simpatia da classe média brasileira seus discursos estão fora de moda e suas práticas não convencem. Não consigo enxergar na candidata do PV partido no qual estou filiado uma alternativa sempre soube dos movimentos internos de sua direção e a mim não convencem mais é uma pena. A dicidencia chamado Partido Livre foi cooptado pelo PT. Qualquer ação nova neste pais é sempre cooptada. É difícil achar soluções mas elas virão. O pais carece de novos lideranças por enquanto vou votar em Dilma Roussef. Mas acho que ao longo dos próximos oito anos deve haver mudanças o PT corre o risco de virar um PMDB. E isto seria um grande atraso para o Brasil.

Cabe a sociedade civil descobrir novas maneiras de organização. Falta um movimento urbano que busque a geração de renda nas grandes cidades. E seja desvinculado da vida partidária.

No Brasil a cooptação de novos lideres se dá de muitas maneiras. É a falta de homens e mulheres de fibra que não se entregue a sedução do demônio no caso o poder de modo fácil.

As organizações politicas precisam ser internacionais. O que afeta Gaza de uma maneira ou de outra nos afeta. Quem sabe acordamos deste nosso egoismo e vamos em frente as embaixadas de Israel fazer nossos pacíficos protestos.

Solução para tudo tem esta na união de forças que queiram a liberdade. Mas liberdade também é

sinônimo de equilíbrio econômico, social, religioso.

Nos seres humanos estamos doente e a cura é o amor. Como o apostolo Paulo fala em Corinthios 13.

Fé e importante mas que não seja cega. Poderia ter citado alguma frase do Alcorão mas sou ocidental e este livro nunca chegou as minhas mãos.

Devemos entender a cultura muçulmana e não repeli-la. Somos uma só humanidade e este excesso de consumo nos leva a guerras.

Se não há novos lideres sejamos nós. Eu você ou qualquer outra pessoa que também tenha fé em si mesma. Que a humanidade seja feliz.





João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

terça-feira, 15 de junho de 2010

Joca Faria






Terceiro setor micro empresários das mazelas sociais?







Indiferença nunca é o caminho a vida corre em passos largos. Feito um cavalo livre de cercas. E nós nos prendemos a cercas imaginárias? Que são as utopias? Mais quais utopias? Me vejo cair de um grande edifício. E não criei asas ? Irei me esborrachar ao chão. Sempre me vejo nú em sonhos e hoje finalmente me vesti? Ando assistindo a filmes Americanos na telinha mas os filmes Brasileiros para mim são exóticos. Sempre trazem uma novidade são dificies de digerir. O estado financiando o cinema nacional permite um montão de experimentações e arte é experimentação não se pode prender-se a formulas pré-fábrica das. Estou assistindo sempre o Canal Brasil da Rede Globo com uma programação que privilegia o fazer cinema. O nosso cinema na TV a cabo. Só falta um canal com filmes Europeus, Asiáticos consigo ver filmes destes países mas sem legenda. Mesmo assim se vê uma variedade da produção mundial estes dias vi um pedaço de um programa estilo Chaves numa TV Árabe. Só falta a TV Aljazira em Português falta uma fusão da TV com a internet. Tanta comunicação e não vemos surgir novos lideres revolucionários. Hoje fiz uma critica a Revista Caros Amigos a um amigo dono de uma banca de revista e chamou-me de vendido. Os donos de banca de revista são intelectuais natos. Sempre se tem um papo agradável e inteligente com estas figuras. Este amigo diz que deveria ter uns trinta Hugo Chaves na América Latina como um todo. Acho que tanto Lula como Chaves tem uma boa estratégia politica. Cada um a seu modo. E devem trocar figurinhas. É duro só falta seis meses para terminar o governo Lula e não vai tarde. Uma outra pessoa tem uma tese que Dilma se elegendo Lula virá Ministro das Relações Exteriores do próximo governo. É uma idéia boa para que uma figura carismática um grande líder que não tem um diploma universitário precisa- se aposentar. Nem eu quero vestir pijama. Ando fora de revoluções pois não vejo nenhuma acontecendo. A maioria do terceiro setor é uma maneira de terceirizar as atividades do setor público micro-empresários das mazelas sociais. Vi ontem um filme nacional com uma professora de balé que fazia um trabalho legal numa favela. Também vi a ausência do setor público na única ação pública um policial corrupto entregou um bandido ao seu rival. O filme desmitificou a mentira de que traficantes são bem feitores da comunidade. Marisa Orth fez uma atuação excepcionall bem longe de suas caracturas na tv. Ela no cinema tem feito vários filmes é uma grande atriz. Este filme ousou um pouco tentando ser também um musical. Precisamos de ousadias como esta e também de um cinema comercial que leve milhões ao cinema como é o caso das produções de Daniel Filho. Que sempre cria uma obra que traz o povo ao cinema. O governo no Brasil deveria investir na criação de polos de cinemas regionais como a Petrobras faz em Paulinia no Estado de São Paulo. Sem uma interferência do Estado não há cinema. E questão de estratégia nacional. Ter uma industria cinematográfica forte com produção e distribuição. Cultura não é perfumaria. Sabemos mais da vida norte Amercana do que da nossa.

E isto nos torna pobres de espíritos só vejo o Brasileiro ter um afã nacionalista durante a copa e isto não me fascina. Temos uma história de conflitos que tiro por base na leitura de Grande Sertão Veredas de João Guimarães Rosa que ando lendo recentemente vi uma palestra sobre Padre Cicero que é uma figura histórica que nunca dei uma atenção mas foi um grande líder politico uma historia desta precisa ser filmada por vários diretores. Estes homens e mulheres que fazem e fizeram nossa historia mostra que o Brasil foi forjado a ferro e fogo e não somos tão ovelhas ou gado como parece. Por isto cultura não é nunca foi perfumaria.

Por isto precisamos de arte e cultura tanto como educação. E estamos ai miremos em personagens como Padre Cicero que aos quarenta e cinco anos deixou de ser um padre de aldeia para virar um líder um novo Jesus Cristo para o povo brasileiro graças as visões de uma beata.

A vida da muitas voltas e sempre devemos estar preparados para estas voltas. A vida é passageira ou teremos uma vida comum bem sem graça ou nos entregamos a ela e teremos uma grande Odisseia.

Indiferença nunca é o caminho a vida corre em passos largos. Vamos arrebentar nossas cercas imaginárias? Ou iremos acreditar nelas?



João Carlos Faria



Pasárgadas



Editora

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Joca Faria






Borboletas num portal





Quase tarde … O sol ainda não apareceu. Ultimamente acordo com lembranças de minha vida não dás passadas mas desta presente existência se é que existo? Posso ser uma ilusão. O sol esta dando as caras bem tímido? Acho que não. Cachorros latem. Pássaros como nós em silencio. Porque cantar se estão presos em gaiolas? A vida corre como sempre num cotidiano. Só alguém muito simpática me ligando. Acho estranho ninguém nunca me procura. A solidão sempre me faz compania. Ontem comi pasteis no mercado. Que delicia são estes pasteis fritos na hora. Olhei o teto tinha uma luz dourada nos iluminando. Ai sentei num banco de uma rua. E via as pessoas caminharem a cidade como sempre cheia de belas mulheres. Me sentia um estranho em minha própria cidade não via ninguém conhecido. Para ouvir suas historias e ilusões. A vida é rápida mas as vezes acontece tudo bem devagar. Faz vários dias que não leio um bom romance. Ultimamente gosto mais da prosa que da poesia. A prosa sempre nos conta algo. A poesia é mistério por demais. Prefiro a poesia dentro da prosa. E crio imagens poéticas dentro de meus textos.

Mesmo assim talvez não deixe de ser poeta se é que sou poeta. Acredito que sim. Mas não me torna nada especial. Outro dia vi um portal dimensional em pleno banhado. Numa tarde de terça -feira.

Quis adentra-lo não me era permitido. Tinha um enorme prédio no centro do banhado. Uma região banhada pelo Rio Paraíba do Sul. Que torna São José dos Campos uma cidade bem diferente. Mas ao mesmo tempo igual. Em baixo a trilhos e uma Vila que existe a mais de cem anos. Quando não havia represas ali se inundava. Quem sabe um dia vira um imenso lago. No bairro em que moro a Vila Industrial também tem este banhado. Ele chega até Taubaté terra do escultor Fernando Ito que faz grandes formigas em madeira. Tive a impressão de ver suas esculturas ganharem vida para dentro deste portal. A primeira vez que tive contato com sua obra foi num Shopping qualquer. Belas obras. Adorei sua formiga no SESC. Estava do lado de fora na Avenida Ademar de Barros acabei sentando em cima eita mania de aparecer. São nossos eus. Bem presentes. Felizmente o conheci pessoalmente num destes eventos que sempre estamos. O portal do Banhado é belo um dia destes conseguirei atravessa-lo. Ai não sei se voltarei. São várias as dimensões dizem que existem vários de nós que coisa acho que me basto. Lembrei me que cresci sempre num açougue ou numa loja qualquer. A vida num comércio é rica pena que não tenho esta vocação ou ainda não há descobri.

Talvez meu outro eu numa dimensão qualquer seja um próspero comerciante e chegue a prefeito de sua cidade. Pois de tão chato que sou não viro nem esperto r de quarteirão. Se foce eu prefeito iria além do bolsa família. Nestes dias de frio poria vários carros rodando a cidade e a via dutra para tirar moradores de rua. Para não morrerem de frio. Faria um programa anti drogas que circulasse em todos os bares da cidade. Tá os bêbados tem livio arbítrio podem beber até morrer. Mas qualquer ajuda e sempre é bem vinda. O ser humano por natureza esta sempre em crise. Existir é uma grande interrogação?

Mas nesta vida vou indo. Provavelmente não serei prefeito e com o andar das carruagens nem um escritor reconhecido já não mais importa. O que importa é escrever. Somente escrever. O resto é pura ilusão menos o portal do banhado ele está lá. E real muito mais real que nossas vidas vazias.

Prefeitos passam, vereadores passam nos do povo passamos mas o portal magicamente sempre está lá.

E eu um dia o atravessarei. E não mais voltarei e esta vida será mais um sonho das muitas que ainda não lembro.



João Carlos Faria



Editora Pasárgadas



Vila Industrial São José dos Campos Vale do Paraíba São Paulo Brasil

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Joca Faria






Ao amor que ainda não chegou.





Céu azul pintado de nuvens brancas, não há liberdade sem ter cem por cento de nossa conciencia.Hoje faz frio. Na manhã de outono. Não tenho seus pés para me aquecerem.Hoje depois de anos descobri no Youtube o nome da cantora que canta com Rod Stewart a música I dont want to talk ela se chama Amy Belle. Agora posso pesquisalá esta gravação é uma das preciosidades da música comteporanea. Que encontramos nas melhores banquinhas de cd de qualquer cidade. É neste mundo atual todo o cd pirata esta institucionalizado faz parte de nossa urbanidade.Ouvir esta música de um encanto maravilhoso nos faz saber do grande valor que é viver. E ainda não tenho seus pés para me aquecerem nesta manhã de segunda-feira que acabei não saindo para me achar. Pois perdido estou. Simplismente adoraval mulher por não tela a sussurrar em meus ouvidos ouço esta canção enquanto tú não chegas para dar um sentido real a vida. Viver só e estar num inferno de gelo nada que fazemos tem sentido. Já não milito em fileira nenhuma sou descrente pois tudo é ilusão só o amor que ainda não tenho é a possibilidade do real. Estou tão cego quanto os personagens de Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago.Que bela metafora que ainda não decifrei totalmente. Talvez porque não tenha voce ao meu lado para conversarmos e pensarmos juntos. Viver é uma grande metafora e sem voce a vida não existe. Sem voce sou metade. Sem voce eu não existo. Não possuo conciencia alguma.Voce e a chave que abre os portais.Que tira o véu de minha ilusão. Sinto que sem voce simplismente não existo. Poderia pular de uma ponte ou gritar feito o quadro de Edvard Munch mas de nada adiantaria.Pois ainda permaneceria só.

Vou vivendo os dias de eterno retorno. Tudo se repete numa grande ciranda.E ainda não achei um ponto de fuga.Tudo é uma grande ilusão. Tenho horror deste povo que vive encenando os mesmos personagens a mais de vinte anos. Estamos envelhencendo e contiuamos a contar as mesmas velhas mentiras. E nada de novo acontece. Quero quebrar minhas algemas. E partir para uma espiral acima .Chega de descer a torre das velhas ilusoes quero uma escada para o céu. É só com voce eu posso subir. Termino este texto e permaneço. Que os Deuses te mandem para os meus braços.

Céus azul pintado de nuvens brancas subo o morro que leva a minha casa. E vejo o azul inteiramente azul .Numa sexta – feira. E assim chego a conclusão que não há liberdade sem cem por cento de nossa consciência livre de nossos eus. Quero subir aos céus chega de descer as escadas que me levam ao abismo de minha ignorância. Só o real saber nos eleva. E ele esta longe de livros está dentro de nós.





João Carlos Faria





A música



http://www.youtube.com/watch?v=7RkWs6P2IwE







I Don't Want To Talk About It

i can tell by your eyes that you've probably been

cryin' forever and

the stars in the sky don't mean nothin'to you, they're a mirror



REFRAO:

I don't want to talk about it, how you broke my heart

if i stay just a little bit longer

if i stay , won't you listen to my heart, whoa, my heart?



if i stand all alone, will the shadow hide the color

of my heart blue

for the tears black for the night's fears

the star in the sky don't mean nothin' to you, they're a mirror



I don't want blue to talk about it black , how you broke my

heart (blue black, blue black)

if i stay here just a little bit longer

if i stay here, won't you listen to my heart, whoa, my heart?



REFRAO:



I can tell by your eyes that you've probably been

cryin' forever and

the stars in the sky don't mean nothin' to you, they're a

mirror



REFRAO:



All i want is to hold you back

forget all the bad times

slowly taste your neck

baby, let me take you to a ride to the sky

make you feelin' high, so fly, hum hum, damn right

sweetdreams are we

that make it girl it's all true, i never meant to fake it girl

you know the sun doesn't shine forever

so close your eyes and let us shine together



REFRAO



Tradução















I Don't Want To Talk About It (Tradução)

Eu posso ver pelos teus olhos

Que provavelmente tu estavas chorando pra sempre

E as estrelas no céu não significam nada pra ti,

elas são um espelho



Refrão:

Eu não quero falar sobre isso

Como tu me partis-tes o coração

Se eu ficar só um pouquinho mais

Se eu ficar, tu não ouvirás o meu coração?

Meu coração



Se eu suporto tudo sozinho,

As sombras esconderão a cor do meu coração triste?

Pelas lágrimas negras por causa dos temores da noite

E as estrelas não significam nada pra ti

Elas são um espelho



Refrão

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Joca Faria






Sem amor não se chega ao ápice o EXTASE.



Inspirado no filme



Nome Próprio de Murilo Salles. Quebase-se nos textos de Clarah Averbuck interpretaçãoação da bela Lendra Leal...





Um tênis furado jogado num lixo. Abrem -se as lixeiras e a pênis também cortado na noite escura. Mulheres se disfarçam e Camila saída da vida. Não tem nome próprio Camila é uma síntese de mulheres e homens que nunca sabem o valor do amor. Ainda não se descobriram eu que perdido estou neste labirinto de desejos. Em meio a gente tão perdida quanto eu. Assisto a saga incompleta de Camila nesta tarde de frio num Corpus Cristis.

Eu crucificado nesta matéria vejo me naqueles personagens. Estou tão indefeso. Quanto os fetos de abortos achados num lixo. Também me afogo na praia. E transo em Copacabana. Sou e não sou todos aqueles personagens. Nossa erá é de miséria e luxo. Estamos mentalmentes perdidos num amontoados de emoções. Espíritos vestindo corpus em desejos vazios por sexo. Este mesmo sexo que pode nos elevar. Nos afastas de nós mesmos e nos joga num grande abismo. A solidão faz parte deste abismo. Estas pessoas estão perdidas. Nós estamos perdidos pois nos baseamos em nossos eus. Camila menstrua num banheiro sem dinheiro nenhum para se limpar. Camila não quer empregos. Quer uma boa foda. Não quer morar Camila quer escrever. E dormir. Camila inventa mentiras. Faz amor com quem deseja menos com quem a deseja. Camila são mulheres vazias. Que não aprenderam o valor do amor. São homens desesperados. Camila é uma grande farsa. Não tem nome próprio não se acha e se publica afim que a decifrem num blog. Camila escreve livros. Circula entre vagabundos que se dizem artistas. Mas no fundo são artistas vagabundos. Estamos bem longe do ser. Só procuramos ter. A vaidade é nosso única ambição. Então porque ela chora? Deveria andar noite adentro pela madrugada fria. Está tudo em trevas. Camila se disfarça de Lilithy e Naemah seduz homens e mulheres pois não se acha. Esta tão perdida quanto você e eu. Nua num apartamento vazio. Tentando-se despir de si mesma. Se coloca nua num texto. Afinal quem é Camila. Que caminha toda a segunda-feira pelas ruas da cidade. A uma multidão de Camilas nos eventos culturais tão perdidos quanto Camila. Criando uma vida ilusória um mundo próprio. Se reconhecem entre si não se enxergam pois cada um no seu próprio inferno. O CÉU talvez seja o coletivo a junção a ciranda.

Não o coletivo comunista ou capitalista longe disto. O céu esta dentro de cada um de nós. E somos Camila. Sempre fomos Camila. Ela no filme que termina por terminar. Mas ela esta ai viva. Dizem que no inferno fazemos sexo e não gozamos não se chega ao ápice. Mas neste vida mundana nunca alcançamos o êxtase. Mesmo dentro da multidão estamos num apartamento feito Camila. Quero deixar a Camila. Quero abandonar LILITHY E NAEMAH. Mas só se mergulharmos profundamente dentro de nós de mim. E lá rancar os Demônios e Anjos ai talvez essência, transparência ai quem sabe o amor real de Camila. Camila sou.EU somos nós.





João Carlos Faria



Editora Pasárgadas

terça-feira, 1 de junho de 2010

Joca Faria








Os portais de Ferreira Gullar





Não conseguirei começar um texto sem falar de um bate papo com o poeta Ferreira Gullar que nos auge de seus oitenta anos. Tem uma sensibilidade sem igual . Já me deparei com alguma parte de suas obras já li belos ensaios no caderno Mais da Folha de São Paulo li seus poemas no colegial mas deparar com o poeta frente a frente é outra coisa. Tive o prazer junto com Edu Planchez de encontrar e conversar com ele na Academia Brasileira de Letras mas ontem ouvir suas histórias de vidas foi maravilhoso. Geralmente qualquer palestrante tem uma palestra montada. Mas o lugar e as circunstancias mudam Ferreira Gullar nos falou com sabedoria sobre Capitalismo e Comunismo mostrando que já esta a frente destas bobagens em que ainda as vezes acreditamos. Falou da morte e da bobagem que é ser ter muito dinheiro sem saber dividir. Ele é uma figura de um carisma impecável. Nos contou sobre seu processo de criação da poesia das exigências que faz com o poema de seu critério de seleção de saber cortar o poema que não tem a qualidade necessária para se entrar num livro. Colocou suas habilidades de critico de arte falando do fazer e fazendo uma bela critica sobre as vanguardas do século vinte. E as bobagens que fazemos e chamamos de arte. Tudo isto por causa de um cara que se chamava Duchamp e pois um bidê num museu. Colou que o movimento que ajudou a criar do neo concretismo é a primeira contribuição da arte feita no Brasil para o mundo

nos fez entender que a Semana de Arte Moderna e o MODERNISMO BRASILEIRO só traduziu o pensar Europeu para estas terras Tupiniquins.

E por intervenção do público no caso o poeta Braga Barros falando da terra onde nasceu Amilca de Castro ele nos falou do convívio que teve com este amigo ai sim se emocionando e contando nos do convívio com ele outros na Revista Manchete sim ele também é jornalista e no bela cidade do Rio de Janeiro faziam uma revista de circulação nacional. Mil faces deste escritor que ontem foi anunciado quando estava na casa onde Monteiro Lobato viveu que merecidamente ganhou o Premio Camoês sem dúvida nenhuma Ferreira Gullar e´um escritor que entra na historia da literatura tendo contribuído com sua enorme sensibilidade para as letras universais. Esbanjando saúde e lucidez no seus oitenta anos ele ainda tem muito a nos passar. Por pouco não vou hoje a São Bento escultar suas histórias e saborear de sua sabedoria.

Ontem cheguei em casa fiz minha meditação e não quis saber de televisão, nem internet ou livros já havia me alimentado bem com sua sabedoria.

Este fim de semana de convivi-o com muitos escritores no Festival da Mantiqueira nós dá o animo necessário para continuar nesta vida de escritor e ativista cultural é um mundo onde se aprende muito dando força a nossas almas. Mas também de muitas ilusões e vaidades. É difícil manter um pé neste universo e no chamado mundo real. Onde devemos ganhar nossa vida e o suado pão do dia a dia mas vamos seguindo como canta Caetano Veloso. Sem lenço nem documento nada nos bolsos ou na mão eu vou porque não ?

É estamos ai vivos enfrentando nossos desafios e o contato com Ferreira Gullar mas fez lembrar do convívio com José Omar de Carvalho um poeta que viveu nesta cidade hoje andamos órfãos de figuras como José Omar e algumas horas com Ferreira Gullar já valeu muito a primeira figura da literatura nacional que assisti uma palestra na minha escola foi Ignácio Loiola Brandão lá nos anos oitenta e me recordo até hoje.

Quantas pessoas ontem que se depararam a primeira vez com um poeta da envergadura de Ferreira Gullar?

Ele abriu portais agora basta nós atravessá-los.





João Carlos Faria



Editora Pasárgadas