Seguidores

domingo, 19 de abril de 2009



Como nos livrar dos donos do poder?


Joca Faria

Será que não é possível encontrar outras formas de fomentar e financiar a produção artística, sem a ditadura da burocracia política, sindical ou empresarial? O chato é a certeza de que pelo menos 90% da produção que se diz ou ambiciona ser artística é apenas lixo audiovisual, teatral ou literário. Talvez seja o preço para a criação dos 10% que podem ser chamados de arte.

Nelson Motta...
Que desafio é este que Nelson Motta nos lança a arte e cultura e a própria politica está presa a institucionalidade como sempre comenta Franklin Maciel.
O que poderemos fazer para mudar estes rumos temos uma ferramenta poderosa para a reflexão e ação que é a internet. Acabei de ver uma foto da poeta Josefina Neves Mello na Cooperlifa um sarau que acontece na periferia de São Paulo como aqui tem O poesia no prato e agora os Encontroes do
ARTEATH um grupo de artes plásticas de São José dos Campos que também esta na net através de uma lista de email. Onde sempre há um debate..BEM ACOLORADO...mas o que importa é descobrirmos maneiras de fazermos nossa literatura, música, artes plásticas e cinema de forma independente do estado, sindicatos e empresas e até aprender a gerar renda.
Como grupos como o Atuadores de Harley Campos que buscam a geração de uma reflexão profunda vai ter espaço dentro deste teatro que busca só gerar o humor nada contra o humor assisto de vez enquando programas desta areá na TV.
Como poetas e autores desconhecidos terão chance de publicar sua obra e deixa-lá ao julgamento do público?
E artistas plásticos criarão obras ousadas e exposição será na rua se sempre as prefeituras usam das leis para impedir a livre manifestação da expressão. Como acontece com a perseguição dos grafiteiros em São José prá poucos.
Já vi varias vezes grupos de cantores sendo tirados das praças. E até atiradores de faca.
A lei mente. O estado é uma mentira que protege uma minoria de pessoas que são os donos do poder.
Somos amassados e apanhamos nos trens de subúrbio, nos humilhamos e dizemos sempre sim nas filas de emprego.
Precisamos criar nossas própria maneira de gerar renda e trabalho não mais dependermos de patroes, empresários e governos eles nos mentem sempre.
Vivemos uma mentira social tá na hora de novas saídas e Nelson Motta acertou em cheio em sua reflexão. E olha que ele faz parte de nossa elite que belas contribuições já´nos deu.
Vamos tentar superar este nosso egoismo social e nos relacionarmos em comunidade pois só enquanto comunidade encontraremos a saída.
E para isto as artes tem um grande papel pois elas nos dão a base para gerarmos as reflexões e caminharmos para as mudanças a internet é só uma ferramenta de comunicação.
Mas ainda é horizontal e não podemos deixa-lá tornar-se vertical.
No mais deixo aqui minhas idéias e aguardo as suas mesmo que seja teu silencio.

João Carlos Faria

República Libertária de Passarada

Literatura,filosofia e arte


Entrar no grupo:


Nenhum comentário: