Seguidores

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Estou lançando o movimento enterrem Casssiano Ricardo

Chega de uma semana literária dedicada a um só escritor SÃO JOS´´E DOS CAMPOS tem grandes nomes precisa-se fazer um enventário literário...para redescobrir grandes nomes sotterados na mediucridade provinciana.
Viva Hélio Pinto Ferreira, Jo´se Omar de Carvalho, Paulo Núbile e tantos outros.
Viva a arte a literatura....
Vamos lenvantar em brados pela liberdade de expressão.....

Joca Faria
Perda

Joca Faria


Noite ...venho andando ao lado de carros na via dutra...não tenho medo de nada...farois iluminam meu corpo...cheio de sangue causando pavor aos motoristas...o acidente foi a algumas horas o carro estava cheio.Toda minha família ali....
E eu caminhando ...perdido...já não sou mais ...quem afinal...sou?
Tínhamos saído a alguns dias estávamos felizes em Ubatuba...curtindo nosso momento nunca imaginávamos o que iria acontecer... Mas aconteceu...simplismente.
Viver é estar aqui sem nada saber...em momentos as coisas acontecem...e agora ando só a margem desta rodovia...agora...mas ontem brincávamos na praia...éramos felizes...e agora todos ali...eu perdido...caminho...


João Carlos Faria


Saber


Joca Faria

Noite...a chuva cai lentamente...depois de meses de estiagem...na cidade , carrros em alta velocidade...enquanto caminhamos pela rua...pessoas bebem ...enbriagam-se nos bares...

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

A semiótica na cidade sem Alma?

Joca Faria

Dedicado há Patrícia Neponuceno


Vôo ao longe...caminho pela cidade...nunca sei nada busco embebedar-me no saber...o conhecimento nos leva a descoberta de si mesmo...esta semana novamente estou desvendando o mundo da semiótica...não com a consciência desperta...mas procurando Despertá-la...tenho fé em minha busca Quixotesca...sinto não estar sozinho ...vejo varias quase almas inquietas tentando saber...os signos nos cercam...não enxergarmos quase nada desta tridimensionalidade...anjjjos nos cercam...busco a ciência e o esoterismo num equilíbrio perfeito...
Horo a Deuses e acendo velas aos homens do saber, sou profano num parque da cidade a realizar rituais de uma Irmandade Neo Filosófica que já não existe mais ...estamos todos ai vivos, tomando a taça da vida enquanto o anjo da morte não nos colhe...
Não sei escrever sobre ciência, não consigo dividir o saber em conhecimento humano e dos Deuses...às vezes o saber humano tenta nos enrolar e diz não existir Deus. Mas se vivo neste Kaos...se ainda estamos passando e voltando aqui. Como os Deuses não existem...? quase viro artista plástico ao aprender a ler um quadro com a professora Patrícia Neponuceno ... quase ? mas será mesmo quase? Talvez já esteja sendo plasmada minha obra para encantar a cidade dormitório...
Cidade que morre e renasce a cada dia , que parece ser áspera mas é tátil...quem ainda não viu um Por do Sol no Banhado...quem não viu a bela arquitetura de nossa câmara maçônica...nossa igreja Matriz...quem ainda não passeou pelo Inpe, CTA quem não conhece a arrogância da Via Dutra e não percebe Ypes Amarelos florindo ao lado dela...quem não vê a beleza feminina que anda por nossas ruas...
É esta cidade merece ser lida através da semiótica quase agredi um rapaz que diz ter nascido aqui ao afirmar que nossa cidade não tem alma...
Segurei meus egos perdoei tanta ignorância de alguém formado em filosofia...esta cidade é nosssa muito nossa em sua beleza e feiúra...
A semiótica me faz olhar esta cidade bela cidade que quase deixa de ser dormitório...???

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Vestido...

Joca Faria

Cá estou a não ver navios...a cidade acorda todos despertos? Ou dispersos? Vejo lindas mulheres vestindo saias coloridas...Clarisse Guimarães escreveu-me dias destes dizia na carta que nua estava...num colchão e tocava seu sexo em brasa...Perguntei a ela e daí? Respondeu gentilmente que sou ridículo...pois não se pode falar dos desejos..? Que sou careta e repressor...travestido de poeta pornográfico...não dei bola ela falava do tesão em estar viva...ela saiu vestida de um vestido florido que acabara de comprar...no e-mail continha vários poemas de amor, daqueles que não tenho capacidade de escrever, pois nunca amei ninguém...Clarisse falou que não sei nem o que é um toque...que minto ao dize me liberado que no fundo seja um Católico Romano disfarçando-se de gnostico... Não concordo com ela...sou sim liberto e libertário....qualquer hora desta compro um sitio no Turvo ou no Taquari e vou criar porcos e galinha...não suporto mais esta modernidade que é morar na Vila Industrial...
Já tenho saudade das oficinas de teatro...tenho saudades das mãos de Ana a tocar-me...tenho saudades das mãos que ainda não encontrarão meu corpo....sinto desejos...tenho vontade de devorar a alma alheia...ontem Clarisse disse –me que comprou uma calcinha verde daquelas vindas da China e vestiu-se e andou pela casa e fez muitas fotos e que as enviou para um site de nudez...Clarisse nunca tem medo de ser ela mesma...escreve poemas...faz natação...já fez faculdade...vive só e bem acompanhada...
Diz que sou um idiota e que devo arrumar um serviço de verdade, mas o que é verdade...não quero saber de bater cartão, de cortar carne em açougues...quero sim ser um produtor cultural...ganhar meu sustento através do terceiro setor...não depender de patrão...ela me chama de vagabundo...mas vagabunda e ela que dá só por excitação e nunca por amor...devo encerrar este texto tenho um curso de semiótica...preciso de uma reciclagem vou me indo outro dia falo mais da bela Clarisse....
Beijos insanos e sacerdotaisss.....entizááá.....

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Lxcvm

Joca Faria

http://serpentearrependia.blogspot.com/

Leio ardorosamente o blog de Edu Planchez este poeta escorrega com suas palavras acidas por entre minhas pernas, penetra-me pela boca de suas palavras...quando leio sinto um tesão ...muito tesão suas palavras nos levam a inefáveis caminhos....escuto suas letras macias nunca quis nada além da mais sincera amizades de homens que estão no abismo...
Um dia este poeta pirou ao ver sua áurea rompida...mas é mentira...a primeira vez que o vi na Praça Afonso Pena tive a impressão de ver um santo homem...Edu é único entre nos poetas contemporâneos...sou filho de sua poesia...sou apaixonado por sua ira poética....mas o ser humano Edu as vezes é chato...não gostava quando ele parava nas padarias para ver jogos do Flamengo como qualquer mortal...mas ai que esta a graça deste homem coco...ele é uma pessoa simples conversa com presidentes das republicas e os mendigos da rua sem nenhuma distinção....ele vive sempre no abismo....como diria Paulo Chiacchio...ele pode ganhar uma passagem para Pequim e sem saber Mandarim dentro de um ano volta cheio de amigos da China...tendo gravado cd, feito muitos shows...este homem-feminino deve explodir para o bem da mídia...ele é um deus das artes.....curvo-me diante deste poeta...beijo-lhe a boca numa inocente contemplação....
Edu é louco sim ele sim embriaga com as palavras....ele me inspira o tempo todo faz dois anos que não o vemos aqui em nosso Vale do Paraiba...ele ainda não sabe que agora temos rádios, tv, fundações, ongs que ganhamos cachês para no apresentar para nossa comunidade...viva nosso Vale do Paraiba....viva todos poetas...João Nicolau...passou por aqui...querendo novidades...não tenho novidades nos seres humanos somos o novo , caro leitor descubra dentro de si mesmo sua essência....vá a abismos...resgate sua essência...vou me indo tenho que ir....temos muito a fazer.....
Somos homens de muita fé....

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

quinta-feira, 20 de setembro de 2007


XXX

Joca Faria

O que é o sexo em nossas vidas? Como diz Solfidone toda busca de poder é por causa do sexo?
Como sabem estes três x que coloquei é o símbolo de sexo no mundo pornográfico já houve tempos em que sonhava participar de orgias, hoje saio correndo deste modo de vida quero é o sossego de uma vida monogâmica sim, podem chamar-me de careta e reacionário mas a fidelidade a alguém e a melhor coisa do mundo, já houve tempo que eu não acreditava na força da família. Hoje é o que me dá esperança, família e amigos são fundamentais para termos segurança.
Não sou hipócrita já estive muitas vezes em bordeis em beira de estradas em minha cidade.
Mas tento resistir a estas loucuras masculinas. Nos homens tendemos a achar que ser livre e foder muito. E que poder tem a ver com foder. Precisamos nos livrar deste patriarcado ridículo e destruidor de civilizações.
Nosso Império Masculino esta ruindo temos que construir uma civilização com base no equilíbrio entre os sexos.
Nossos jovens acham bonito quando se dizem bi-sexuais. A sociedade tem medo de fazer este debate por medo de ser considerados pré-conceituosa. Mas temos que rediscutir os papeis sexuais, não sou psicólogo e nem me interessa fazer psicologia e sim estudar Young, Wiliam Raich e tantos outros.
A sociedade precisa enfrentar a homofobia dias destes morreu um barbaramente assassinado no Nordeste então se aceita no oficial e se mata estes jovens de maneira bárbara, como o Francês que morreu na passeata GLS em Sampa.E sempre fica tudo por
Isso mesmo?
Nazista andando livremente em São Paulo cadê nossa policia civil?
O que é liberdade civil num estado onde narcotraficantes delimitam nossas comunidades.
Como no Rio e em São Paulo. Nos cidadãos Brasileiros temos que enfrentar junto com o Estado nossos problemas chega desta democracia representativa e decadente precisamos da real democracia participativa. Vamos debater a questão da homossexualidade de cara limpa estudar soluções e propô-las além das faculdades.
O Brasil precisa sair desta hipocrisia.de deixar para quem governa e apontar as falhas sem se envolver somos ou não somos uma nação?
Nossos jovens estão desorientados porque nossa geração também e desorientada e sem rumo.
Mas que rumo tomar?

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

X?

Joca Faria

Não sabemos o que viemos fazer, não foi nos dado um manual de como viver. Estamos aqui somos frutos do amor de um homem e de uma mulher...um dia fomos concebidos ...hoje estamos a buscar o essencial.
Mas que essência é esta que procuramos?...nunca sabemos não nos deixamos tocar temos medo de abraços...crianças numa experiência nasceram sem o cantato do tato...e acabaram morrendo...toco nosso sexo...beijo nossa boca...vivemos como se fosse nosso derradeiro dia...a cidade está fazia caminhamos pelas ruas em busca de ônibus que nunca passam...a pressa a vida e a morte ao nosso lado... aviões explodem na África...a borboleta dança na floresta...desço em frente minha casa vestindo uma saia escocesa às 8 horas da manhã do dia 16 de Setembro de 2007 em plena manhã de setembro...dormimos felizes sentimos cumprir nossa missão planetária...não temos tesão...temos toda energia sexual concentrada em nos...
Morro a cada segundo e renasço no começo da primavera...
Leio jornais na madrugada ao som de um filme...fico atrás da tela ao terminar o filme saio gritando poesia poesia poesia...abre-se a dimensão adentramos em sonhos acordados agora somos poetas atletas, poetas cantores, poetas profetas...somos um grande corpo uma só mente na madrugada Joseense, Santana em festa...dorme em silencio enquanto seu teatro explode em tesão é Festivale...
Tudo se festeja num café com pão , café com pão......... jovens, adultos e velhos divertem-se neste nascer do dia...todos são um e um é todos....
Eis nos Deuses por um momento...além de nossa tosca compreensão além de nossa normal mediocridade...somos seres humanos por um só momento...quem sabe um dia entremos num portal e não mais voltaremos.......


João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

sábado, 15 de setembro de 2007

Cena....

Dedicado a Edu Gair e Harley Campos

Joca Faria


Manhã bela manhã de um sábado ...hoje é dia de poesia ...filosofia...esoterismo...e muito mais porque hoje é sábado como canta Vinicius de Moraes...a poesia anda...o teatro anda...hoje se encerra o Festivale numa grande maratona...viajam poetas e incertos artistas ...caminhamos por Vilas e jardins de primavera florida...ando de saia pelos teatros...Libertários...Bejo-te a boca num asfalto...encontro pés de tomate...em plena calçada...Hoje a festa termina a luz se apaga...atores vão se embora...o sonho retoma a vida .A cidade ficará menos colorida...mas a primavera chega à semente germina e as artes se fortalecem...hoje é sábado tem Teatro da Cidade.
Nelson Rodrigues vive através de suas peças, Plínio Marcos nos engole com sua crua
Realidade...e assim é a dramaturgia...mas sem o ator nada acontece sem o ator tudo é literatura...o ator traz a vida e a morte...Chalaça ganha novamente a vida...Marques de Sade com suas orgias são belezas num palco qualquer. Edu Gair sobe num palco vestindo um vestido e grita grita grita Senhor Poesia...poesia.... poesia...eis que surge no palco alguém nú ...um poeta...dividido ao meio entre ser político e poeta...com a falsa certeza...defronta-se ao espelho e como no poema de Marcelo Planchez vê ali refletida a imagem de uma mulher devassa uma filha de Lilithy ....mas cheia de moralidade...ele trabalha com as drogas mas se vende como um cavaleiro...mas um falso cavaleiro que seduz mulheres e rouba a energia a vital sugando sugando suas idéias seus sonhos e passando a fingir-se idealista...nunca este homem entrou numa cachueira...o mar deu-lhe uma lição .... Edu Gair travestido grita de novo Senhor Poesia...o poeta caminha desce do palco atravessa nú por entre o publico e sai de cena...entra um casal brigando discutindo sentam-se a mesa de um bar num cenário de shoping center...e ficam a espera daqueles poetas que ali estão em todos os sábados mas eis que chega
Alguém com uma flor...na mão e dá a mulher senta na mesa e diz que só tem cinco minutos e nada mais...fala do acasalamento entre Deus e Deusa diz que não sabe quem é a mulher...sai fora tornar-se um anjo...afasta-se...sai correndo....apaga-se a luz acaba a cena...acende outra luz Edu Gair junto com Harley Campos na cena agora estão fazendo uma cena...de Esperando Godot...mas eis que o Sr. Poesia invade o palco descendo nú numa corda ...e grita sou o melhor de todos os escritores....eu vou ganhar o premio Nobel...os dois riem e cantam uma música de Edu Planchez...termina a cena termino este texto...assim Sr. Poesiaaaaaaaaa......


João Carlos Faria

jocafaria@yahoo.com.br

www.cidadedaspalavras.com.br

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Cervantes

Joca Faria


Neste ultimo sábado vi o Cavaleiro de Triste Figura emergir das paginas que Cervantes escreveu para o mundo real. Primeiro algumas noivas.Ficamos perdidos não sabíamos o que acontecia. Depois uma noiva desce numa tirolesa...Seguimos há. Eis que do prédio desce uma figura louca a gritar por uma corda fiquei estranhando ,mas sabia o que ele falava não me era estranho derrepente descubro que estou diante do nobre Cavaleiro Dom Quixote entrei em Êxtase ... Vindo a grande admiração que tenho por este personagem que agora rasgou o tempo e vivo está em nosso século vinte e um...
Comecei como outras pessoas atônitas a seguir pelas ruas da cidade este louco profeta...Perdido em seus devaneios. Quando inesperadamente um catador de papel como a questioná-lo e ele envolve esta pessoa que se torna nada mais nada menos que Sancho Pança ... Que Dom Quixote prometeu-lhe uma ilha uma bela ilha...E assim começou esta aventura ou desventura agora em nosso tempo...Brigas de espada...Mas uma hora ele chamou-me para ser o Rei que lhe sagrava Cavaleiro e assim como mais um ex-discípulos de Solfidone o sagrei em plena Rua Sete de Setembro cavaleiro da agonia amorosa que clamava por Dulcineia... Lindas doze mulheres passaram de vestidos de noivas perto de nos e o Cavaleiro saiu a correr a correr a correr.
Atrás de sua bela amada...Ficávamos todos atônitos...Como as músicas eletrônicas que penetram em nossos ouvidos de uma maneiraaa estranha...O cavaleiro andou pela cidade...Sempre pela cidade vivendo aventuras e mais aventuras...Quando foi rapitado por policiais assim encerrando sua santíssima
saga...Eu fiquei com sua espada esquecida pelos policiais e caminho só tentando reencontrá-lo...Este louco...Quem sou? Quem és...A onde vivemos....Sou batidas de musica eletrônicas...Viradas de discos um rap numa esquina qualquer...
Cervantes

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

Estaremos nas 22 horas ininterruptas de teatro

No cine Santana . FESTIVALE

Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Dia 16 Domingo às 6 horas da manhã

Com Café com Palavras

Com Joca Faria, leó Mandí, Marcelo Planchez....Elizabete Souza ...Daniella Penellupi...Reginaldo Poeta Gomes..... .... ..... .....

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Quase humano?

Joca Faria


O sol está apino já é meio dia...E já fiz pouco já fiz muito...tudo acontece na capital do avião.
Como pasteis numa banca perto da igreja matriz, faço contato...caminho pela cidade de bermuda mesmo...sem criar nenhum estilo próprio...Quero viajar ser diferente mas sou sempre igual a mim mesmooo...olho-me no espelho e não vejo nada além de um ser quase humanooo.
Tudo acontece como quase sempre as mesmas pessoas os mesmos desafios ontem atravessei a via Dutra para deixar um currículo...e voltei a sós porem ...acompanhado...tenho medo quase sempre de perder-me no caminho da luxúria não realizada. Porque temos que ser assim sempre luxuriosos. Se não atingisse um certo nível de conhecimento seria um pam sexual...não teria limites mas me emponho limites a lúxia toma conta de minha mente...quem me vê não sabe o que penso...a um ser desprezível escondido dentro de mim pronto a cometer todos os delitos sexuais...dizem que as Igrejas deveriam acabar isto é um absurdo estamos mesmo com elas ...numa quase total materialidade...a família esta sendo desestruturada...tudo se acaba ...e eu perdido nesta kaoticidade entre o mal e o mal.
Não sei se vencerei meus eus. A luta é diária tranquilamente diariamente dentro de minha mente...
Sempre as mesmas fantasias ativo e passivo dentro de casas de luxuria total...homens e mulheres fazendo amor...sem limite der repente viram estatuas de sal...séculos passam e ao pó retornam...quero escapar desta roda...quero libertar-me ...tornar-se um ser...um ser humano de verdade...ainda sou um monstro a descer agora solitário a torre a grande torre de onze de setembro...
Não compreendo nada tento seguir a intuição ela me diz para ser ou não ser...
Estou entre o masculino e o feminino...tudo é uma grande ilusão nossos corpos escondem e mostram nossos desejos se tivesse nascido em Roma seria feliz pois amaria todos os corpos...mas sou um ser da hiper-modernidade e tento resistir aos encantos desta luxúria cada vez mais material estamos muito longe do sol. Descemos um grande abismo quero voltar a luzzzz.

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

http://mundodebeth.blog.terra.com.br/

http://fariajoca.blog.terra.com.br/

sábado, 1 de setembro de 2007

HOJE É SÁBADO NÃO HÁ MELHORRR DIA QUE SABADO PARA MIM TODOS OS DIAS SERÃO SÁBADOOOOSSSSSS