Seguidores

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Performances Urbanas

Joca Faria

Dedicado a Eliete Santos...

Hoje ainda não é sábado, mas meu sentimento já é de sábado. Porque o sábado nos fascina como naquele poema de Vinicius de Moraes...quero falar da vontade que sinto de fazer novas performances solitárias e em grupos... Sábado passado o Roberval um ator joseense dos bons me presenteou com um estojo de maquiagem para eu usar nas performances que faço.
A Eliete Santos uma bailarina e artista completa esta desenhando umas roupas para eu usar meio na busca de algo andrógino. Acho que vou acabar criando um personagem inspirado em Ney Matogrosso, Elke Maravilha, Edu Planchez, Sr. Gay e nas Drags Queems mas algo poético e bem censura livre acho que devo começar a trabalhar com todos os públicos chocar já virou algo datado bem anos oitenta como diz a Cíntia Rosa
Precisamos aprender a ser contemporâneos vivemos a cyber cultura.
E devemos novamente voltar as ruas, mas agora enquanto artistas profissionais buscando criar uma nova linguagem cênica.
E novamente incendiar a praça Afonso Pena, pois ela é nossa antena...onde velocípedes atravessam portais...O Aude faz seus desenhos lá ele merece ser reconhecido enquanto artista...tomar a praça estar presente em nossa comunidade voltar a ser povo o que nunca deixamos de ser... Desculpe-me alguns eletistas de nossa fraternidade ou Irmandade Neo Filosófica mas o povo cheira melhor que cavalo...e eu sou povão mesmo...há há há....Mas quem não é...precisamos criar algo na linha do Grupo Circo Mágico atingir uma linguagem bem pop. Aprendermos a ser populares levando alta cultura...filosofia...e outras mumunhas mais né mestre Dailor Varela...vamos fazer sarais...cavalhada....procissões poéticas ...vamos reunir a Tribo Invisível né Carlos Aguapé...sejamos libertos e libertários...para criarmos a nova civilização nascida do Renascimento da Poesia e do Humanismo....
Viva todos e mais ninguém vou voltar a realidade poética somos Águias e não galinhas né Rita Elisa Seda adorei a palestra que acabo de assistir desta escritora....
Minha mente caminha rápido....crio dezenas de roupas e personagens .... serei um produtor cultural dos bem ousados ...ou morreremos de tédio...já não mais viveremos numa cidade dormitório....viva viva viva a cidade das palavras.....não me calo não sossego sou apenas visionário.....

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Filhos da Mantiqueira

Joca


Ser ou estar não quero escrever hoje sobre a genealogia plancheniana poética ...Quero falar de outras coisas, mas o frio me dá vontade de tomar um café com leite e um queijinho derretido até num micro ondas...Dias destes estive em Paraisópolis no nosso Sul de Minas Gerais, mas para mim estas bandas da Mantiqueira parecem-me uma região só , pena que tem a divisão política entre São Paulo e Minas Gerais HE.HE.HE. Minas Gerais...
Onde nunca morei e não morrerei...costumo perguntar para meus entrevistados a mórbida pergunta onde morrerão. Não sei por que me vem esta pergunta? Queria que um leitor qualquer decifra-se este enigma...Estou muito contente vamos nos apresentar no Festivale aqui na cidade dormitório este ano...acompanho este Festival desde 1990 quando jogava luvas perdidas no palco por um ator. Era a peça de um casal eu tinha meus vinte anos...E já sabia o que queria pena que ainda não alcancei...quero poder fazer poemas como Reginaldo Poeta Gomes estes dias ele conseguiu falar da cueca que lavava. Que sacada simples e fenomenal de um poeta. Ser simples e direto e criar temas nunca poetizados...geralmente sou pornográfico...falo da calcinha...da nudez...mas nunca da minha mudez...fico sempre em silencio achava que o silencio era a meditação santa ignorância meditar é calar a mente... Ficar quieto e calar a boca.... agora depois de anos compreendo Zaratustra
de nosso irmão Fred eric Nietze quando este subia as montanhas...Eita vida marvada....tenho minhas fotos de nus na internet ainda não consigo apagar...não consigo eliminar este eu mas chegarei lá e o dissolverei...mas não jogo culpa em nada simplesmente as assumo....
Manhas passam como a vida dias destes lia Clarisse Guimarães que poetisa fantástica...esta moça ou mulher...ela profetisa...daquelas que contam historias tão bem num de seus poemas falava de mulheres que recebiam para fazer amor nos templos...não entendemos nada disso...estes dias ela também nos contava através de suas cartas virtuais ... de como bárbaros faziam amor...falávamos de tudo em suas cartas... nunca fala de si mesma onde mora...como vive...mas é fabulosa...a primeira vez que tive contato com ela foi numa carta que recebemos seus livros para publicarmos no LITTER
De lá pra cá mantenho contato com ela por carta e pela net...Fala me da vida de uma maneira simples...que mulher apaixonante...ela adora viajar diz que conhece bem estas bandas da Mantiqueira nas divisas de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.
Para ela esta Mantiqueira é mágica muito magicaaa...por falar nisso Edu Planchez estará por estes dias em Lorena quem sabe Clarisse o visita...nunca nos visitou em corpo físico...ainda não sabemos se Clarisse realmente existe...mas tudo bem já somos prisioneiros do Mundo de Bete....
Mas devo ficar com a mente quieta a espinha ereta e o coração tranqüilo como diz aquela músicaaaa...
Tudo flui nesta terça-feira não leio Lobsang Rampa, mas vejo um quadro de Davi Fernandes de Faria...sobre o TIBET...
Vou-me indooo meu tempo termina...andarei pelo calçadão...haver belas raparigasssss....

João Carlos Faria

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Bombas


Joca Faria

Outra manhã em minha vida não olhei pro céu não vi dragões voando.
Não te vi nua em minha frente, pássaros voam no céu, mas não os vejo.
Aviões explodem nas manhas de agosto. Risca-se o céu em brasa.
Cadáveres não se reconhecem. Morro em silencio, devia ter escutado os profetas.
Não escutei morro calado em silencio. A corrupção humana é o ápice de nosso egoísmo.
Enquanto crianças morrem de fome em nossas periferias.
Não te vi nua na praça. Não te vi voando de vassoura. Não te abracei na manhã , morro em silencio. Deixo um testamento. Escrevo mentiras nele. E sorrio para a enfermeira ao morrer.
Agora sou cadáver num caixão. Os ratos me esperam no túmulo. Mas estou livre das amarras.
Não vi suas pernas numa saia branca, quero sentir o cheiro de sua vagina.
Só tenho um real para te dar, vamos fazer amor num fétido banheiro de padaria.
Como adolescentes sem dinheiro.
Bombas explodem no congresso em Brasília, quem levou a bomba?
Quinhentos ladrões morrem, os urubus fogem das carniças de porcos deputados.
Bombas bombas bombas na capital do sexo....
Quem vai mudar esta nação? Ficamos em silencio após nosso gozo no banheiro...
Saímos a passear pela cidade, pomos nossa bomba no correio...Chega terça ...No congresso.....
Vamos embora deste pais, pois o tempo urge...
Fazemos amor em Paris...enquanto o sangue rola no que restou do congresso...
Fazemos amor enquanto ouvimos o hino nacional...
A policia cerca nosso hotel nos rendemos....Separam nos....
Mas nos vemos no tribunal...E assim somos cadáveres ambulantes...

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Poder

Joca Faria

Nesta era de informações ou hiper-modernidade o poder não é dado a qualquer um. É necessário muito esforço para alcançar o poder, seja ele qual for.
Desde um emprego ou ser eleito presidente da republica de um pais qualquer. Tornar-se um grande empresário, tem que se lutar muito para chegar lá.
Até para ser poeta há um grande esforço. Para construir uma ong tem que estudar muito e arregaçar as mangas para chegar lá.
E assim, nesta hiper-modernidade com internet quase de graça em infocentros e bibliotecas demonstra que não se paga caro pelo conhecimento. O grande abda Almirez estudou tudo sobre economia nos anos noventa, numa biblioteca pública. Depois, entrou na faculdade, dominando a matéria e desafiando professores. Hoje, está na classe média, curtindo o esforço feito na década passada.
O grande líder latino americano Hugo Chavez, é uma dessas pessoas que se preparou muito para conquistar o poder, mas infelizmente usa o seu conhecimento para criar uma nova ditadura na nossa América.
A democracia deve estar junto com o conhecimento. O filósofo Samael Aun Weor atravessou a América Latina a pé, até chegar ao México. Ele trouxe para a contemporaneidade o Conhecimento Gnóstico, de todos os povos antigos do planeta e de graça, repassou em seus livros para aqueles que querem deixar de serem cegos.
E assim livros estão nas estantes das bibliotecas ou são vendidos bem baratos, em sebos, basta vontade para buscar o conhecimento, o saber.
Lula é presidente porque o José Dirceu construiu um Partido dos Trabalhadores bem preparado, nos melhores moldes do Partido Democrata Americano. O PT é hoje, um dos três grandes partidos no mundo.
Tudo deve ser planejado, ter um projeto de vida e lutar por ele. O músico Edu Planchêz, finalmente começa a gravar um cd, com um bom produtor musical, depois de passar fome pelas grandes capitais brasileiras.
E assim, caro leitor, lute por seus sonhos, vá em frente e chegará lá. Estamos na era da informação, mas o mundo ainda precisa de pedreiros, açougueiros, carpinteiros e poetas.
Nunca se desesperar, lutar pelos sonhos, chegar ao pódio e ser os campeões, como dizia a velha banda Queem.
E assim vou me indo, tenho que ler e agir muito neste dia... hoje!

João Carlos Faria
Conferencias das Cidades

Joca Faria

Acabo de me inscrever na conferencia das cidades não podemos perder oportunidades de refletir esta urbanidade.
E se tudo correr bem estarei lá dia 27 exercendo a cidadania algo abstrato , mas muito real.
Temos o desafio de criar empregos, construir uma cidade que crie o menor impacto ambiental possível.
A questão do emprego em nossa sociedade e o maior desafio , mas temos que fazê-lo conservando o nosso meio ambiente.
São José dos Campos terá grandes condomínios fechados um deles na divisa com Caçapava no distrito de Eugenio de Melo, mas como será construído um conjunto para a classe média e que impacto gerará em Caçapava e São José?
Isto tudo deve ser debatido com a a sociedade civil. Porque o governo do Prefeito Eduardo Cury não recria o orçamento participativo?
É uma forma de ouvir os munícipes e debater as questões graves de nosso meio ambiente?
Não entendo porque a questão do desemprego nesta cidade esta fora da ordem do dia? Porque nossos sindicatos não criam uma associação de desempregados para colaborar com quem esta fora do mercado.
Será que os sindicatos não percebem que estão se enfraquecendo na atual conjuntura econômica?
Meu caro Eduardo Cury onde esta nossa fábrica de emprego? Quais ações a prefeitura vem tomando para melhorar a vida de nossos desempregados?
Tudo isso deve ser debatidos no dia 27 longe das torpes discussões intermináveis entre oposição e governos afinal todos os partidos de um jeito ou de outro estão em governos?
Vamos lá buscar avanços.

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br
Ela

Joca Faria


Ontem o relógio parou bruscamente... As pessoas gogelaram –se e ela entrou em contato comigo ouvia sua bela voz ao telefone eu em silencio não extravasava minha emoção.
Tudo acontecia num tempo mágico, sua voz trazendo doçuras aos meus ouvidos. Em silencio a provocava. Ela queria ouvir minhas fantasias e eu curtia a realidade daquele momento estamos distantes por cento e vinte quilômetros...
Queria saber o que faço ...Faço pouco busco estar com um pé no mundo real e outro no virtual. Sou um ser comum que trabalha quando tem trabalho , mas sou poeta e poeta e ser integralmente poeta.
A arte corre em minhas veias , a política faz parte de mim. Mas você mulher sou eu sou você. Quando nos conectamos. Quero tornar esta relação real e não mais virtual...
Realizarei seus sonhos , seus desejos secretos....
Desvendaremos juntos nossos mundos, seremos dois em um.
Quero te mais e mais próxima de mim.
Beijos incendiarás nesta longa estrada real que nos separa....
Qualquer Domingo deste pegarei um ônibus cruzarei o estado e te encontrarei.
Numa alcova e faremos amor por dias inteiros....

João Carlos Faria

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Câmara Municipal
Sol ao meio dia, acabei de encontrar a Daniella Penellupi na nossa Câmara Municipal.
Joca Faria (*)




Como todos os artistas desta cidade, sempre os vejo na Câmara, apreciamos a democracia. Estava lá o Déo Lopes e paramos para um dedinho de prosa. Lembrou as formigas que param para trocar idéias.
É gente, artista não é tão cigarra quanto o povo imagina.

Trabalhamos duro em nossos projetos. Nem sempre ou quase sempre não temos o retorno que esperamos, mas tocamos o barco.
Hoje é uma quinta feira ideal para ouvir música no fim da tarde num barzinho qualquer.quem sabe quem sabe.

Preciso ir aos bancos pegar os nomes dos gerentes para vender uns anúncios de nossos sites. Precisamos produzir um jornal de oito páginas para divulgar nossos artistas regionais. A idéia é simples, mas falta apoio o que temos conseguido cabe em nosso quintal.... Acabei de entrevistar Léo Mandi ele mandou pra cima , mesmo foi 7 a zero.

Tudo acontece se aprendermos a acreditar em nos mesmos. Tudo flui, estou participando hoje de um encontro de nosso Tribunal de Contas sobre o Terceiro Setor e apoio público.

Precisamos criar a ong Cidade das Palavras, todas as informações são bem vindas.... Neste sábado terá a palestra de Davi contra Golias. Será muito interessante ver um artista novo falar de seu trabalho ele prepara muitas surpresas. Vou voltar a fazer letras de música tá pintando no horizonte umas idéias. No mais um grande abraço.

(*) João Carlos Faria - jocafaria@yahoo.com.br - www.cidadedaspalavras.com.br - www.jocafaria.cidadedaspalavras.com.br

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Epa???

Joca Faria

Estamos aprendendo a começar a usar este mundo virtual para reais experiências de linguagem deparei me com uma ousada proposta de nosso Cesar Pop...E vamos nos aventurar afinal tudo cabe em nosso quintal?
O beijo dado por você nesta madrugada incendiou meu desejo. O sexo veio e nos sentimos felizes no dia de hoje.
Quero fazer uma canção tão igual e tão diferente das que ouvi ontem. Rita lee e sua viagem sonora me encantou ontem no Yotube. Quero ouvi-la em todas as galáxias que for....não quero nada além de escalar nú a pedra do Baú.
E cantar na madrugada fria de minha de nossa Mantiqueira....
Dia deste estava em plena praça Afonso Pena acompanhando a vida de um pardal...que belo Pardal livre leve e solto....hoje li um poema sobre tigre de nossa Elisabeth ....em seu mundo subterrâneo...
quem somos nos...além de nossa falsa moralidade...seguro- me na cadeira de balanço ao ler o livro sobre a prostituição em São Paulo me vejo a li em todos os personagens sou as prostitutas, os bêbados , bixas, os come dores de pau grande e pique no mas agora neste pra no sinto a necessidade de chegar mais próximo do sol sem queimar minhas asas...quero ser Deus....por isso deixo minha alma de Demônio para traz... BUSCO sair deste labirinto de orgias e pecados insanos e tornar-me um diamante....qualquer dia deste mando uma entrevista para o Marcelo Planchez...por enquanto saboreio as resposta de Edu Planchez...minha alma caminha sobre a terra sou o pássaro preso na gaiola...
sou a mulher de pernas abertas na madrugada de São Paulo...nunca sou eu mesmo pois ando longe muito longe de minha essência...quero ver a luz quero ser luz...
Prefiro meu silencio sexual a grandes orgias a três a quatro a cinco....já vivi em muitas eras já experimentei tudo isso minha amiga...agora busco algo sagrado...
Já vivi em templos e bordeis, já fiz de tudo que sua torpe imaginação pode querer...agora caminho em direção ao mercado para comprar uma rapadura de cinqüenta centavos....
Não mais tenho medo dos infernos pois já sei que passei por ele. Quero chegar aos céus tornar me anjo...

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

domingo, 5 de agosto de 2007

Encontro Literário

Sábado as 10 da manhã no dia 11 de agosto de 2007 haverá uma palestra do
artista plástico Davi Fernandes de Faria sobre o processo de sua criação artística.

Na Câmara Municipal de São José dos Campos

http://fotolog.terra.com.br/daviffartes

Grupo Cidade das Palavras

www.cidadedaspalavras.com.br
Pasteis dos chinas


Joca Faria


Ontem meramente ontem te encontrei pelas ruas.
Andando pensativa te animei te convidando para comer um pastel numa pastelaria de chinês. Contei-te que eles já fazem estes belos pasteis há mais de três mil anos.
E só agora me livro dos pré-conceitos e desguto estes belos pasteis de noventa centavo em nossa Rua Quinze de Novembro é que na verdade nos somos preconceituosos com quem não fala nossa língua.
É uma mentira que dizem minha garota que nos povo brasileiro somos amáveis, mentira queremos tirar o coro de nosso próximo.
Somos bem selvagens em nosso capitalismo tupiniquim. Somos descendentes de bárbaros Portugueses vieram aqui degradados para explorarem estas nossas riquezas.
E nos achamos hoje muito espertos. É menina não precisas andar cabis baixa por ai.
Levante-se acredite em si mesma. E vamos comer nosso pastel e tomar uma maçazinha campeão.
Que é daqui de Jacareí. Precisamos ter fé em nos mesmos. Vamos caminhar pelo calçadão da Rua 7 de Setembro. Ver as vitrines ...deixe seus currículos por ai. Sem medo. Bom vou me indo...Preciso caminhar até a Vila Industrial.
Sabia que nossos bairros ainda não foram pintados por nossos artistas plásticos que bela idéia falarei com o Davi e sugerirei pra que ele retrate nossas comunidades em tela...
Ontem ao voltar para casa a noite, vi lindas gaivotas voando em direção a vargem.
Talvez ainda haja esperança nesta terra maltratada pela poluição do ar, contaminação do solo. E por ai vai...

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Traça

Joca Faria

Chegando à velha biblioteca de nossa Cidade deparei com um poema de minha autoria muito bem editado no Jornal Traça de nossa Fundação fazia tempos que não via algo meu sendo editado na Fundação Cultural Cassiano Ricardo.
Também pudera nunca envio meus textos para nossa bela antologia , mas gosto muito de ler todas as de contos são minhas preferidas. Consigo memorizar cada conto que leio entrão para meu imaginário como um de uma recente antologia que um cara fica num ponto de ônibus e vai ficando até a eternidade.
Quando criarmos um projeto de cinema e já estiver maduro enquanto roteirista irei adaptar um conto deste.
Tem um de um gárgula que toma o corpo de um homem também aos poucos.
Temos um bom contista na Cidade o Jorge Pessoto agente cultural no Novo Horizonte.
Nem falo dos contos do Reinaldo de Sá este já merece um livro solo há muito tempo.
Vive aqui na Biblioteca falta até um cafezinho quando nos encontramos no antigo sebo que tem aqui que vende livro a um real.
Mas hoje em dia gosto de vir no Pão com Palavra em um sábado por mês.
A semana literária é um achado da Dirce Araújo que vai virar tradição.
Enfim ler e escrever é a melhor saída nesta vida moderna que levamos, tem também as oficinas culturais no projeto artes nos bairros.
Que vi nascer quando fui agente cultural e que sobrevive muito bem até hoje.
No mais São José tem uma boa fermentação cultural e agora surge varias ongs e grupos.
Formando um grande balaio como diria o mestre Cláudio Mendel.
Eita vamos em frente que o tar do trem ta passando uai.

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br