Seguidores

sexta-feira, 28 de abril de 2006

Os pés foto de Emília Ract


Emília Ract

http://spaces.msn.com/hiddenflames/

Variações de desejo

Variações de desejos.

Joca Faria

Ela em poses ousadas numa manha diante de meus olhos seu corpo todo nu.
Brilhando com as varias cores daquela maquiagem corporal, Depois de fazermos amor de uma maneira bem estranha nos dedicamos a sessao de fotos.
Nossos corpos pintados, Dentro daquele quarto de um antigo hotel
somente nos.Com nossas câmaras fotográficas e de vídeo.
Num mundo particularmente nosso somente nosso. Sem nenhuma regra a não ser as nossas próprias.
Poses muitas poses sutis, Nossos corpos sendo fotografados em partes e mais partes, Nossa intimidade traída e desvendada.
Por nosso próprio olhar, Diante de espelhos, Velas e luzes sendo desmontada nossa intimidade, Tornamos nos um só ser naquele minúsculo quarto de hotel.
Pedíamos nossos lanche, Não saímos do quarto sempre com as fotos e nossos sexos, Cada vez mais éramos um só, Numa estranha
unidade.

João Carlos Faria

Maya

Maya

Joca Faria

Manha de um outono qualquer, Motos passam em sinal vermelho.
Carros correm em velocidade, Caminhões numa quinta feira de
muito trabalho.Poetas escrevem seus textos um oficio como outro qualquer.
O sexo e a ilusão tomam conta de sua mente.Vive num mundo ilusório de Maya, Vários desejos insanos de sexo. Busca solitária
em mundos virtuais.
Buscando encontrar a si mesmo, Mesmo que seja na outra metade desvendar o mistério feminino.
Em busca de um sexo pleno, Em busca de um gozar interno.
O falo em riste em busca da flor, Em busca da vagina.
Em busca dos segredos.
A vagina a depositaria da semente onde nasce a flor, Filha de Gaia
a mãe natureza e a unidade do masculino e femino traz de volta o
sexo sagrado.

João Carlos Faria

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Vermelho Sangue

Vermelho Sangue

Joca Faria

Um grito de pavor numa tarde qualquer de um outono seco, Onde narizes queimam, saem deles sangues à vista turva.
Ela vai ao banheiro despe se, Liga o chuveiro e molha se para melhorar, Derrepente começa a se tocar em baixo do chuveiro ensaboa se em tesão, Toma a ducha desliga se enrola na toalha e
caminha em direção ao seu quarto.
Lá esta despida passa um creme delicadamente em todo seu corpo
treme de tesão deita se a tocar em sua vulva Vermelha lembrando dos momentos mais íntimos.
O celular toca e uma amiga que ela conta estar em tesão. Sua amiga conta mais historias, Ela pega uma câmara digital e tira fotos de sua total intimidade.
Sua vagina, Seus seios partes e mais partes de seu corpo sem mostrar o rosto abre aquele blog em que usa outra identidade e publica suas fotos.
Escreve um conto bem picante e troca mensagens com pessoas de todos os lugares.
O celular novamente toca e um amigo a convidando para sair quem
sabe vai realizar suas fantasias?

João Carlos Faria

Desejo

Desejo

Joca Faria

Ela nua em frente ao espelho tocando se imaginando milhões de mãos a toca-la.
Num dia quente numa tarde seca entre arrepios de desejo, Sentindo
os mais estranhos arrepios.
Veste se toda de branco sai pelas ruas a procura da realização de sua mais maliciosa fantasia.
Corpo todo tremulo, Numa tarde fascinante de um sol vibrante.
Perfumada incendiando os sentidos, busca atrair a atenção de todos
os machos que a cercam.
Mas em busca de um só homem que a satisfaça plenamente.

João Carlos Faria

quarta-feira, 26 de abril de 2006

Feminino e Masculino

Feminino e Masculino

Joca Faria

Alem de impressões sobre as curvas do universo, Como estamos aqui vivos, Respirando este ar e existindo?
Vivemos simplesmente respirando este ar, Sorvendo os alimentos vivemos e morremos.Mas quem somos?
Nascemos seres masculinos e seres femininos numa dualidade perfeita, O sexo nos faz amar e procriar. Temos a atração do feminino pelo masculino e versos indecifráveis.
Quem somos enquanto somos espíritos? Existem tantas dimensões
quanto podemos imaginar?
Nossas vidas de sessenta a cem anos não e o suficiente para podermos desvendar nosso real ser.
Marionetes de uma força que não conseguimos compreender?
Estou aqui , Mas sei que este momento passa parecendo um simples
sonho. O que é o mundo real?

João Carlos Faria

Soerguida debruçada sobre o sol da tarde.

Soerguida debruçada sobre o sol da tarde.

Joca Faria

Desejos transparentes, Você desfilando em minha frente vestida de calcinhas transparentes com muita renda.
Eu de espada erguida pronto para penetrar te de alma e corpo.
Nesta tarde de nuvens e sol, Nosso amor transcende a morte e a vida.
Dispo me para um amor deliciosa numa tarde de curvas maliciosas.
O Feminino e curvo como a arquitetura de Oscar Niemar, O feminino são as curvas do universo.
Fêmeas, desenhos, silhuetas em forma de desejo.
Fazemos um delicioso amor por esta tarde, Você toca meu corpo de uma maneira deliciosa.
Uma grande troca em busca de um momento de êxtase.
Saímos pelas ruas apos nossa tarde de amor, Visitando lojas de
peças intimas para te por as roupas do pecado.
Somos nos amantes de uma eternidade, Venha que a noite chega
e também o desejo de fazermos amor.

João Carlos Faria

terça-feira, 25 de abril de 2006

Elizabeth

É isso aí, Joca Faria, uma boa resposta ao grande> poeta...Considero o Edu o grande poeta de nossos> entrelaçados grupos caóticos, mas tbém não presisava> ele ficar delineando faixas de gazas ou de gazes> entre> nós...Estamos entre nós, estamos entrelinhas> entretidos e entrelaçados por finos fios de Ariadnes> mil nessa terra tão bela que é o Brasil, Terra> Brasilis que já foi Pindorama e que agora derrama> poesia por entre braços e pernas entreabertas ao> novo> mundo...Um mundo que se aproxima e se alarga num> alagado de líquidos espessos e fluídicos semelhantes> a> qualquer coisa que se possa metaforar...Gostei do> seu> jeito,

Elizabeth

ET na fazenda?

Outono Amarelo

Outono Amarelo

Beijo a noite, Olho as Estrelas despontando e iluminando o céu de
outono amarelo.
Discos voadores não cruzam o céu na esquina da galáxia, Nem os vejos em minhas retinas tridimensionais, Faço fumaças como os Índios de milênios atrás esperando um contato.
Tocam se tambores um grupo de pessoas dançam nuas ao luar da
noite da Mantiqueira.
Mas envão nem um cotato com estes seres galácticos.
Beijo a noite, Olho as Estrelas despontando e iluminando o céu de
outono amarelo.
Esperaremos estes contatos para outras noites dançamos ao redor da cachoeira e entremos nela ao Raiar do Sol.
Fazemos um amor solitário entre pedras e águas cada um com seu par.
Descemos a montanha sagrada, para voltarmos a nossa doce realidade.
Quando deparamos com Discos Voadores cruzando o céu.Em plena
Via Dutra.
Entramos em êxtase paramos o carro, Naves brincam por entre nuvens ensolaradas e num picar de olhos desaparecem.

João Carlos Faria

segunda-feira, 24 de abril de 2006

CD DE POESIAS

República das Letras

Esta no ar o cd República das Letras lançado em 2004 pelos escritorese produtores Marcelo Planchez e Joca Faria com apoio da ADC CTA e gravado no estúdio Nosso Som da Fundação Cultural Cassiano RicardoCom trilha de Gabriel Russo e Bebeco Russo. Um belo trabalho com poetas de São José Dos Campos, Vale do Paraíba,São Paulo , Brasil.E veja e confira no

www.cidadedaspalavras.com.br

República das Letras 00 - Introdução01 – A flor da Serra – Bebeco e Gabriel Russo02- Signo de leão – Mirtes Mazza Mazieiro03- Rua XV de Novembro – Marcelo Planchez04- Mundo – Joca Faria05- Degradação da natureza – Carlos Alberto Cândia06- Cabelo íris – Daniela Peneluppi07- A Mulher que nasce de ti – Flanklim M.08- Com as próprias mãos – Braga Barros09- Queixa de mulher – Mirtes Mazza Mazieiro10- Vivo na impossibilidade – Wallace Puosso11- Onde mora a felicidade – Flanklim M.12- Pausa tic-tac – Daniela Peneluppi13- Amiga minha – Celso de Avelar14- Caótico clã – Edu Planchez15- Retinas-Joca Faria16- Rosto-Braga Barros17- Noite-Marcelo Planchez18- Meu epitáfio – Carlos Alberto Cândia19- Excelência da sabedoria – Celso de Avelar20- Galáxia da cara – Edu Planchez21- Casinha na beira da estrada – Bebeco Russo22- Os fatos – Simões23- Na casa do caipira – Zé Mira

Domingo Azul

Joca Faria

Manha uma bela manha de Domingo. O dia começa com grandes expectativas.O sol mesmo no Outono e forte e quente,Crianças brincam em quintais, Discos voadores cruzam o céu em silencio.
O que será que os Jardineiros da Terra conversam?
Nunca sabemos nunca se comunicaram comigo mesmo assim acredito em sua existência. Nem tudo precisa ser sentido por nossos quatro sentidos. Hoje em meus sonhos passeávamos de trem. Na verdade éramos caronistas num trem de carga de São José a Caçapava.Todos os sonhos tem algum sentido? Busco respostas em minhas eternas duvidas.
Quem sou realmente? Quem SOU além de João Carlos Faria onde vivi? Quem é meu ser real? Nunca sei ? Qual meu rel motivo para viver este teatro nesta limitada terceira dimensão? Quais são minhas terceiras intenções? Nunca acho a resposta ,Mas procuro em todos os livros, Em todas as conversas filosóficas de nossa Irmandade Azul.
Buscas buscas eternas buscas.O sol brilha neste Domingo Azul vou me encontrar num almoço com amigos, Desvendar mundos secretos quero ver o TÚNEL que liga São TomÉ das Letras ao PerÚ será que É real?
Mas o que e real? Este texto que julgas ler? Não sabemos tudo e uma grande ilusão.
Hoje É hoje? Vou indo antes que a noite chegue e este dia desapareça.
Pois hoje tem Fantástico o show da Vida.

João Carlos Faria

Á VOLTA

Numa noite muita estranha sai de casa e fui caminhar pelas ruas, Não vi nem um bar que me interessava parei num ponto de táxi e peguei um em direção ao outro lado da cidade, Onde recomecei minha caminhada de volta para minha casa não sabia porque estava fazendo aquilo.
Mas já estava fazendo correndo todos os ricos que à noite me apresentava, Já havia feito isso com um amigo em Monteiro Lobato.
Em direção a Serra da Mantiqueira ,mas desta vez estava num ambiente urbano em pleno outono iria caminhar por mais ou menos vinte quilômetros assim começava minha pequena odisséia estava bem discreto não recomendo ninguém faça isto nos dias de hoje.
Mas caminhei refletindo toda minha vida nestes últimos 43 anos, No que aconteceu e onde poderia chegar além e claro de minha casa. Eu um cidadão normal trabalhador e honestos estava vivendo minha crise de identidade como cuidara mal de minha parte espiritual me sentia um tolo materialista, mas agora após viver algumas experiências místicas meu modo de ver o mundo estava mudando isto tudo e uma grande passagem e não podemos nos atér.
Só ao mundo material.
Cruzei vários bairros até que um amigo passou de carro e me viu e
parou estranhandome ai acabei aceitando a carona e fomos parar num bar e conversarmos lá expus toda minha angustia e dores, E minha vontade de mudar. Algo dentro de mim fazia me querer mudar, mas como? Ainda não sabia ele deixoume em casa minha esposa me esperava não havia bebido.
Ela não perguntou nada fomos dormir, E de novo aqueles sonhos estranhos sentado numa praça qualquer cercado por livros que não conseguia abrir.
E um monte de pontos de interrogações como num desenho animado girando em volta de minha cabeça.
A luz que tentava acender e não conseguia.Um primo que há anos que não vejo.
Preciso parar de contar.Outro dia lê falo de novos sonhos boa
noite.

João Carlos Faria

Cotidiano

Joca Faria

Noite qualquer noite acabo de assistir A Grade Família em meu rico cotidiano sem o telo, Minha vida anda bem comum já não tenho grandes ambições à não ser buscar a felicidade.
Sou alguém do signo de câncer.Bem câncer mesmo gosto de estar em casa.Ultimamente preciso de grandes motivos para sair da toca
poucas coisas me motivam ultimamente. Preciso encontrar um caminho profissional para sertime mais realizado.Minhas buscas espirituais deixam me contente ainda ando lendo lobsang Rampa
No momento e o livro A FÉ QUE ME GUIA que trata sobre o suicídio e o primeiro que considero ficcional deste autor embora trate de verdades metafísicas.
Estou relembrando minhas ultimas empreitadas no campo da política que não resultaram em nada e ainda assim me comprometem perante a esquerda local, Sinto me um esquerdista mais numa vanguarda talvez seje uma vanguarda de um homem só.
Quero construir algo novo nos movimentos sociais e nada parece sair do lugar nada caminha e só me enrosco.
Gosto do chamado terceiro setor quando trabalhei de Agente Cultural já tinha estas idéias meio inatas ajudei posteriormente afundar uma ong.Mas por divergências acabei saindo.
E parece que tudo que faço.Não sai do lugar ando meio sem animo
pois tudo leva a uma caminhada de quarenta minutos ate o centro.Preciso de uma simples mudança de vida um emprego e um pouco de sucesso em minha vida afetiva.
Mas o mundo gira.Mas parace que menos para mim, como posso
mudar tudo isso? Hoje nem animo tive para ir a uma reunião.
Tenho que achar uma solução já estamos no meio de Abril em pleno
Outono e ainda não encontrei nenhum emprego.
Um dos meus poucos prazeres e escrever e ler isto me segura muito, Mas deve ter algo alem disso tenho outros bons contatos afetivos importantes na vida, mas não quero retrata-los em meus textos.
Hoje assistindo a Grande Família lembrei me dela a atriz se parece muito com a mulher que acho que amei, Nunca a tive em meus braços sempre de uma maneira distante, Um Índio me falou que preciso esquecê-la eu tento, mas um amor só se supera com outro.
Vou me indo já e tarde outro dia caro leitor continuamos esta narrativa um grande e fraternal abraço.


João Carlos Faria

quinta-feira, 20 de abril de 2006

João Carlos Faria-Joca Faria

Ligações entre os Céus e a Terra e também os Infernos

Ligações entre os Céus e a Terra e também os Infernos

Joca Faria

Outono acabo de estar com um amigo que já não via há semanas,
Tenho saudades de momentos que ainda não vivi. A um silencio nesta avenida de idas e vindas.Hoje falei em outro texto de Índio e tinha esquecido me que era dia do Índio.
Tudo acontece e não acontece nesta vida estou a muitos e muitos anos desempregados parece ate séculos nada neste campo de emprego me aparece. Digo que não aceito propostas indecentes, pois
não sou picareta. Não podemos vender nossa alma por umas poucas moedas de ouro, Nossa consciência é o que importa. Ando desiludido
com a política partidária. Ela não me entusiasma.Neste momento de minha vida prefiro brincar com crianças.
Prefiro mais escrever um texto e ler um livro. Ando mais preocupado com minha alma não quero errar desta vez.
A vida e muito curta para perdermos tempo com bobagens devemos
deixar este materialismo corrosivo de lado.
Minha vida amorosa também e um verdadeiro vexame não tive ninguém nestes 36 anos que amei de verdade, Já perdi a conta de quanto tempo faz que não faço amor carnal com alguém a ultima vez deve ter sido na boleia de um caminhão em Vitória no Espírito
Santo.Por uma bagatela de quinze reais.
Quando viajava de caminhão com um amigo se eu fosse padre estaria bem tranqüilo.Mas como estudo Gnose fico apreensivo
Não estou trabalhando sobre o tantrismo.
Descascar banana não e muito interessante preciso encontrar minha cara metade achar um amor de verdade.
Nem sei porque estou desvendando minha vida neste texto nunca fui
tão sincero num texto.Não que nos outro não seja.Mas aqui não tem
nenhuma ficção.
E tudo verdade, Mas a nossa vida também e literatura e arte assim e a humanidade.

João Carlos Faria

http://www.jocafaria.blogspot.com/

www.cidadedaspalavras.com.br

quarta-feira, 19 de abril de 2006

Indio de Neom

Índio de Neom

Joca Faria

Uma flecha poética endereçada ao poeta Dailor Varela atravessou meu
caminho e a fiz chegar ao destinatário.
Recebeu Dailor em plena Rua XV de Novembro em São José dos
Campos o texto de Edu Planchez.
Caro Edu a poesia brota em todos os lugares e em todos os altares
Todos somos mágicos ao mexer com os símbolos que a escrita nos da. Em Paris, Parintins, Paraisopólis, Rio de Janeiro, São Paulo de qualquer papel brota as palavras como vindas de fontes do inefável.
E uma arte a ser estudada o poeta precisa se burilar aprender isto
para alguns leva uma eternidade para outros vêem com facilidade.
Quero ainda estar na Lapa ai no Rio, mas quero ir a muitos lugares a inda sim nosso Vale e uma grande Mãe Vaca.
Hoje todos os escritores estão se ligando numa grande teia que e a internet. De Curitiba tenho contato com a doce Bárbara Lia, São Paulo o Rynaldo Papoy e tantos outros.
Precisamos sim criar uma ong editora que publique livros e jornais
no mundo real do papel.
Precisamos divulgar nossos talentos você no Rio nos aqui no Vale do Paraíba a Daniela Peneluppi em Paris.
E assim mostrar ao mundo este novo mundo LITERARIO que é a internet.Ela só esta
ai para mostrar e criar esta teia. Eu e o Marcelo Planchez seu irmão nos comprometemos com esta causa através da futura ong CidadedasPalavras já fizemos dois cds de poesia estamos caminhando para o terceiro. Mas para mim e só o eterno começo. Todos nos. Nos anos noventa fizemos a Celebração ao Renascimento da Poesia, o Jornal Literário Litter, mas precisamos agora criar esta editora com gente de nosso Brasil e até de outros lugares que falam Português vamos camaradas vamos em frente que atrás tem uma nova geração esperando o sinal verde.
Caríssimo Índio de Neom vamos em frente como Centuriões do Litter da liberdade da palavra escrita. Criar uma nova filosofia longe
de instituições burocráticas. Sejamos livres para recriar o novo ,pois
o novo sempre esta ai.
Arregacemos as MAõS com nossos amados Ricardo Faria, Franklin Maciel, Dailor Varela, Ludmila Saracosvisky, Marcelo Planchez, Paulinho da Site Vale e tantos outros Índios Guerreiros
desta Terra chamada Brasil.
Somos uma tribo invisível como diz Carlos Daguapé vamos a guerra viva Cazuza, Raul Seixas, Tom Jobim, Carlos Dromund de
Andrade, Santos Dumont, Monteiro Lobato,Cassiano Ricardo.
E tantos outros que nos incinaram com seus escritos, suas vidas
vamos Índio de Neom vamos combater o bom combate.
A hora e agora ou nunca mais.Não existe passado nem futuro somente o presente.
Arregacemos as camisas, Homens vistam suas saias, mulheres suas
Calças e mudemos o rumo da historia com nossas próprias mãos.

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

http://jocafaria.blogspot.com/

terça-feira, 18 de abril de 2006

Do Irmão EDU PLANCHEZ

Amigo Joca, por favor, faça esse texto chegar nas mãos do Dailor.
Abraços
Do Irmão EDU PLANCHEZ

--------------------------------------------------------------



Padrinho Dailor Varela das grandes veredas palavradas.
Aqui Rio de Janeiro mar sereia lobo luma de oliveira e outras delicias.
Rosa ainda não me jogou água quente + o Ícaro cospe em mim por puro prazer. Meu adolescente voador é um garanhão filósofo que anda espreitando bundas nas janelas com seu binóculo verde musgo(...).
Muita guerra nos morros empório dos magnatas do asfalto. O Rio é carnaval - europa-áfrica-oceania. Não consigo + viver longe desse centro cosmopolita. O Rio de Janeiro é a única cidade cosmopolita do Brasil, o resto é província (tenho pena dos que não vivem essa geléia general de Torquato e Cia). Não suporto + pulsar dentro dessa cloaca caipira em que meus ex-irmãos de rabiscos se comem. Se é pra brigar, briguemos sob a capa estrelada do pedófilo mar de Ipanema. Esse vida é muito curta para ficar aturando a fuligem desses terríveis fogões à lenha. Eu não sou paulista+ pode me chamar de Oswald de Andrade Roberto Piva, e sou paulista e não sou baiano e sou francês brasileiro venezuelano do Iraque( entendeu?) Não sou tão puro assim, andei me esfregando nas cachorras da Guanabara e nas vacas do vale dos Paraíbas. Porra padrinho! Não fique triste! Você é o Barão da Ralé! Sujeito de idéias esporrantes! Abandone esse museu caipira e venha para as velhas ruas da Lapa carburar uns charutos árabes feitos com folhas de uva. "É preciso estar atento e forte não temos tempo de temer a morte". Padrinho, aqui é a esfera da sétima arte, nós somos a sétima arte e todas as outras artes sem nenhuma qualificação na boca do lixo. O Rio de Janeiro esta de pernas abertas para você Don Quixote dos Trópicos. Morrer sim, + de rir. Mande esse camaradas que dizem gostar do que crio visitarem o site da minha banda de poesia elétrica primitiva BLAKE RIMBAUD ( www.blakerimbaud.com.br).

Um beijos de seu afilhadoEDU PLANCHEZ

SOMBRA.........................?

SOMBRA

Joca Faria

Dedicado a Emília Ract

http://spaces.msn.com/hiddenflames/

Noite uma noite qualquer, Em mundos estranhos.Via seres estranhos parecidos com Vampiros de filmes B. Nunca conseguia acender a luz, Não enxergava nada a minha frente.
Tentava entender aqueles seres Demoníacos. A minha volta ou eram
parte de minha sombra?
De meu lado escuro? Quem sou então? O bem e o mal duelam dentro
de meus sonhos? Vivem como sombras?
Acordei desesperado com muitos suores quase paralisados, mas ainda não eram nem oito horas da noite. Havia DORMIDO meu sono da tarde, Estranhas criaturas parecidas entre si tentavam dominar a chave de minha casa. Eu não tinha nenhuma proteção contra estes seres além de minha imaginação.
Afinal quem somos nos humanos? Que também vivemos em mundos
paralelos tentando os desvendar?
Sou um mero aprendiz dos mundos de Morfeu não o entendo mesmo tentando o entender.
Para onde vamos em qual dimensão estamos além desta terceira dimensão? Tenho medo tenho muito medo.Mas o enfrento tento dominá-lo não mais ter medo.
Também somos parte deste mundo de sonhos e ilusões devemos o desvendar ou seremos devorados.
Tudo existe e não existe não devemos ter medo. Vamos em frente desvendar tirar o véu deste incrível mundo desconhecido.
Afinal de onde viemos?

João Carlos Faria

http://jocafaria.blogspot.com/

www.cidadedaspalavras.com.br

Emília Ract


Emília Ract




Perfil

Voluntas mea est
Ocupação:
Escritora
Idade:
27
Local:
Sao Paulo
Interesses:

Adoro a Lua,a noite e meus amigos. Gosto do extraordinário e de coisas esquisitas. Me chamam de "louca", pois que seja... Não sou conformista. Prefiro qualidade a quantidade. Sou discreta, e filósofa. Tenho atracção pelo misticismo ou assuntos fora do comum. Tenho ideias progressistas. Sou original e não suporto qualquer limite à minha liberdade. Detesto ciumes, inveja , hipocrisia e preconceito... Tenho sede de viver...beber o mundo num gole só...



.
Lautreamont ...
EM UM EXEMPLARDE “LES CHANTS DE MALDOROR”Debaixo do meu vestido ardia um campo
com flores alegres como crianças de meia-noite.O sopro da luz nos meus ossos quando escrevo a palavra terra.
Palavra ou presença seguida por animais perfumados;
triste como ela mesma, bela como o suicídio;
e que me sobrevoa com uma dinastia de sóis.

( Lautreamont )

Hoje a noite está sombria como meus pensamentos.
Mergulharei neles a fim de tirar algum proveito.
Uma luz que esclareça meu entendimento sobre o mundo,
E um mundo de opções para que eu entenda a mim mesma!

Emilia Ract

segunda-feira, 17 de abril de 2006

Cassiano Ricardo


O poeta Cassiano Ricardo em
foto oficial da Academia Brasileira
de Letras









Cassiano Ricardo (1895 - 1974)
Café-Expresso
1Café-expresso — está escrito na porta.Entro com muita pressa. Meio tonto,por haver acordado tão cedo...E pronto! parece um brinquedo...cai o café na xícara pra gentemaquinalmente.E eu sinto o gosto, o aroma, o sangue quente de São Paulonesta pequena noite líquida e cheirosaque é a minha xícara de café.A minha xícara de caféé o resumo de todas as coisas que vi na fazenda e me vêm à memória[apagada...Na minha memória anda um carro de bois a bater as porteiras da[estrada...Na minha memória pousou um pinhé a gritar: crapinhé!E passam uns homensque levam às costasjacás multicorescom grãos de café.E piscam lá dentro, no fundo do meu coração,uns olhos negros de cabocla a olhar pra mimcom seu vestido de alecrim e pés no chão.E uma casinha cor de luar na tarde roxo-rosa...Um cuitelinho verde sussurrando enfiando o bico na catléia cor de[sol que floriu no portão...E o fazendeiro, calculando a safra do espigão...Mas acima de tudoaqueles olhos de veludo da cabocla maliciosa a olhar pra mimcomo dois grandes pingos de caféque me caíram dentro da almae me deixaram pensativo assim...2Mas eu não tenho tempo pra pensar nessas coisas!Estou com pressa. Muita pressa.A manhã já desceu do trigésimo andardaquele arranha-céu colorido onde mora.Ouço a vida gritando lá fora!Duzentos réis, e saio. A rua é um vozerio.Sobe-e-desce de gente que vai pras fábricas.Pralapracá de automóveis. Buzinas. Letreiros.Compro um jornal. O Estado! O Diário Nacional!Levanto a gola do sobretudo, por causa do frio.E lá me vou pro trabalho, pensando...Ó meu São Paulo!Ó minha uiara de cabelo vermelho!Ó cidade dos homens que acordam mais cedo no mundo!

Cancioneiro Ricardiano

Joca Faria

Noite quente admiravelmente quente.Uma noite joseense em terras
De Cassiano Ricardo.Onde quem e míope e Rei.
Tudo flui numa segunda-feira o povo nas Praças a fazerem suas velhas e novas fofocas políticas.
Hoje já não ha mais a balsa o comunismo e passado temos astronauta
Brasileiro e os votos são bem contados.
Tem Brasília e suas novas mazelas.Um tão de mensalão e a dança
De Ângela Guadagnim nossa bem votada deputada.
O povo indeciso entre Tucanos e a Estrela Vermelha dois grandes partidos.
Um jogo perigoso que já começou em todo pais, Aqui em São Jose.
Quase sem Campos os Tucanos levam vantagem.
E assim nossa historia o Rio Paraíba sem balsa, Sem Piraquara quase perde a Esperança.
Mas ainda tem sua chance e nois do povo sempre sendo iludidos
Pelos Tucanos e a Estrelinha Vermelha como se política fosse futebol com seus times e nois aqui sem ter pra onde ir.
Já não sei em quem votar, Estou todo PERDIDO já fui comunista,
Anarquista e também capitalista sem ter o tar do capitar.
Mais nois do povo sempre temos que votar Tem um tar de terceiro.
Setor que a cada dia se organiza mais.
Não ha balsa, não ha valsa só o fanki carioca. E a musica regional não toca nem no quintar.
A esta balsa tão bela que lá pra bandas de Santana nunca atravessei e
Meu amigo Cassiano Ricardo tudo muda só não muda a esperteza
De nossos políticos.
Quem sabe que desta periferia nasça novas lideranças que gere
Uma nova esperança.

João Carlos Faria

quarta-feira, 12 de abril de 2006

Campeão Paulista

Campeão Paulista

Joca Faria

E noite de Domingo o Santos acaba de ganhar o Campeonato Paulista tem uma grande festa de fogos.
Televisões mostram tudo.Acabo de ver um grupo de Jongo no
Programa do Faustão nossa cultura refletida em momentos na
Televisão.
Sinto me contente por ver um grupo de jongo já vi um varias vezes
Estas manifestações culturais fazem parte de nossa alma.
Mesmo tendo nos uma formação Americanizada dias destes vi num
Jornal uma tribo indígena com um site sobre sua cultura.
Ontem estreou na Rede Globo o programa novo da Regina Casé que busca retratar as novas culturas das ruas de nosso grandioso pais mais dedicado as nossas periferias que forma uma cultura própria que se impõem com a auto organização do povo.
Gostemos ou não do que sai das periferias.Eles estão ai imaginem quanto mais a
Internet e as novas tecnologias darem o acesso a este povo.
Hoje com aparelhos digitais e fácil montar estúdios de gravação de áudio e imagem.
E difundi-los na internet isso vai facilitar o próprio produtor cultural
Mostrar seu trabalho hoje em dia já existem milhões de blogers de escritores e poetas, Vários sites de noticias independentes imaginem
quando a internet atingir uma popularidade como a da tv.
As organizações não governamentais já tem um papel importante
na formação da economia solidária ajudando o desenvolvimento de nossa população.
Isto e o lado bom de nossa nação. Longe das corrupções políticas que os partidos mantem para se perpetuarem no poder, precisamos
de um sistema de financiamento publico nas campanhas para combater a corrupção
Em nosso pais.
Precisa se desenvolver a internet para que se fiscalize com mais clareza o poder público.
A democracia Brasileira tem e deve se aperfeiçoar com a democracia dos meios eletrônicos.
O terceiro setor nascente tem um importante papel na democracia que a cada dia se fortalece mais apesar dos atuais escândalos políticos.Sairemos deles mais amadurecidos enquanto nação.

João Carlos Faria

www.cidadedaspalavras.com.br

terça-feira, 11 de abril de 2006

Participação Popular ou nosso voto de volta

Participação Popular ou nosso voto de volta.


Joca Faria

Recebi em minha residência copia do requerimento numero 1431
de autoria da Vereadora Amélia Naomi e enviado pelo Presidente
Da Câmara Municipal de São Jose Dos Campos vereador Dilermando Dié.
Registrando o relatório da 8 reunião publica preparatória do processo de Revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado do Município de São José Dos Campos.
Li atentamente a ata da reunião e enquanto cidadão brasileiro fica
se muito contente com a efetiva participação de nossa comunidade.
A ata consta de uma reunião realizada em nosso distrito de Eugenio
De Melo na Escola Posidônio Jose De Freitas.
Tendo se dado muitas propostas de melhorias não só para o distrito
como toda a cidade.
Porque nossa Câmara Municipal em parceria com a Prefeitura não
realiza audiências publicas todos os anos para ouvir a população e o cidadão interessado para se fazer o orçamento do próximo ano?
Estas reuniões do Plano Diretor de nosso município mostraram que nossa comunidade esta apita a participar das decisões de nossa comunidade.
Mesmo tendo varias divergências ate por motivos de oposição e situação estamos aprimorando na pratica a democracia participativa em nosso município.
Pode se usar os recursos de internet para se registrar as opiniões de nossos munícipes.
Porque não se realiza reuniões de nossa câmara descentralizadamente. Pois sabemos que para a maioria de nossa população estar as terças e quintas na câmara e muito complicado.
Vivemos atualmente uma crise moral e ética de nossa classe política
temos que usa-la como reflexão e mudar as praticas políticas em nossos pais. Podemos começar e devemos começar por nossa amada
São Jose Dos Campos.

João Carlos Faria

sábado, 8 de abril de 2006

FAST FOOD

Joca Faria

Morte morrida morte matada. Invado o desejo de te penetrar fêmea
em cio.
A quantas luas não fazemos amor? Acabo de ver a calcinha da atriz na novela.
Quantas luas? Quantas mulheres nuas dançando em volta da fogueira.
E eu aqui a ESCREVER tantas besteiras. Hoje andei descalço pela avenida
senti na pele o solo. Como estamos distantes de nossa Mãe Gaia em
Ônibus neuróticos em filas para isso e aquilo.
Presos há um tempo que não temos para nos mesmos escravos de um consumo. Engordando e comendo mais com os olhos do que com a boca. FAST FOOD nossa vida e um grande e rápido FAST FOOD.
Não temos tempo para nada em nosso egoísmo virtual, De olhos.
Em celulares, computadores e tv.Pautamos nossos horários na programação televisiva.
Consumir num sexo FAST FOOD.
Transar sem amor com a mulher consumível fazer um sexo vazio
um sexo sem amor.
Estamos longe dos Deuses longe de nosso Deus interior quem sou
Eu quem e Você.
Não somos nada alem de um numero no RG um numero de cartão
de credito, Eleitores passivos de políticos corruptos.
Não quero fazer amor com quem NÃO ame, Quero ser careta e romântico quero acreditar na família.
Deixar de ser um homem FAST FOOD.
Somos uma grande sociedade descartável como o resto que jogamos apos comer um FAST FOOD.
O que realmente e importante? Como deixaremos de ser seres apenas consumista.
Quando construiremos uma verdadeira sociedade ética?
Mulher venha fazer amor comigo depois de dançarmos ciranda em volta da fogueira.

João Carlos Faria

O CONTRA

Joca Faria

Sempre fui do contra ser do contra e algo interessante sempre provocar nunca deixar calmo.
O contra também me lembra do Fanzine do Beça um fanzine interessante que já rola a uns quinze anos em São Jose.
Mas começo a tomar juízo ,ou seja, lá o que for e não tomar mais
decisões de impulso, pois elas são geralmente perigosas.
Temos sempre que pensar bem em nossas atitudes raciocinar bem e medir nossas ações e palavras e bom ler aqueles manuais de alta
ajuda e livros de etiquetas.
Pois com eles podemos refletir e saber como agir melhor. Nossa sociedade e puras relações humanas saber conviver com diferenças de opiniões e isso só se aprende com o tempo e com as quedas.
Sempre estamos a cair, mas sempre estamos nos levantando eu estou com a mania de ler três horóscopos por dia.Ai tiro uma media
para o resto do dia fico também de olho em meus sonhos e minhas
intuições levando tudo com jeito tentando ser menos explosivo.
Estamos nesta vida para aprender este mundo e uma escola.
No mais um grande abraço e ate o próximo texto.
Quem sabe um conto?

João Carlos Faria

sexta-feira, 7 de abril de 2006

Pelo comunismo.com

PELO COMUNISMO.COM
por Xico Sá [com auxílio e pitacos de Pinky Wainer]*

Um fantasma está assombrando os donos da “propriedade intelectual” e os coronéis dos direitos autorais em todo o mundo: o fantasma do copyleft. Ponto. O fantasma do Comunismo.com.
A novíssima Editora do Bispo, que se apresenta neste blog, é a primeira no Brasil a defender abertamente a cópia livre das suas edições, seja por meio gutenberguiano ou eletrônico.
Copyfree já, copia livre aqui e agora!
Por favor, copiem nossos livros [lista aqui www.editoradobispo.com.br], copiem e espalhem por ai a boa nova.
É estúpido querer ser dono de direitos alheios e controlá-los como quem controla bois gordos.
Pela livre circulação do conhecimento, da arte ou simplesmente do vandalismo.
Chega de negar ao coletivo o que é obra das antigas e soma geral de todas as investidas desde que copiaram a maquiagem de Cleópatra.
Um espectro cheio de dúvidas ronda as nossas cabeças. Comunguemos, democraticamente, as nossas interrogações:
1)Atire a primeira nota promissória aquele que se sente autor de fato, original, dono das palavras e dos quadros, e das músicas e dos seus samples;
2)atirem os paralelepípedos sobre nós aqueles editores que se acham no direito de terceirizar essas “invenções”;
3)atirem os próprios sapatos os que se acham nos direitos reservados de tirar um troco do que de fato nunca lhes pertenceu nem mesmo na condição de plagiadores cleptomaníacos, ladrões de parágrafos;
4)atirem as fluorescentes do iluminismo barato aqueles que teimam em frear, séc. XXI adiante, qualquer política dos que espalham conhecimentos, repertórios e obras diluídas;
5)atirem os primeiros bits aqueles que duvidam do manifesto do Manifesto ponto comunista, by Eben Moglen, que mostra como um espectro incomoda: o movimento da livre informação anuncia a chegada de uma nova estrutura social, resultante da transformação da burguesia industrial pela tecnologia digital que ela mesma inventou;
6)pela retomada do capital imaginário e simbólico até mesmo para os que narram sonhos e pesadelos; seus fantasmas lhes pertencem;
7) pela desobediência à caretice do mercado, explorador da mão de obra escrava dos escribas, que também se submetem a cada coisa, cada censura, cada corte nada epistemológico, que nem parecem prontos para se livrarem das algemas.

*Xico + Pinky + Zuca Pinheiro são sócios da novíssima Editora do Bispo.

http://dobispo.zip.net/index.html

www.editoradobispo.com.br

quinta-feira, 6 de abril de 2006

JOCA FARIA-João Carlos Faria

Deuses

Deuses

Joca Faria

São os Deuses astronautas? Lendo o livro O Eremita de Lobsang Rampa chegamos a estas e mais conclusões.
Pesquisando na internet sobre os Jardineiros do Universo encontrei
um texto de um livro falando que em Ilha Bela litoral norte de São Paulo no Brasil tem uma entrada para outras civilizações.
Já fui lá muitas vezes e ate agora por sorte ou azar não encontrei nada alem de suas belas praias, cachoeiras e seus pernilongos.
Talvez seje este escriba indigno de ver alguma coisa alem dos sonhos.
Nunca vi nada anormal fora dos livros que leio sou uma piada enquanto esotérico.
To achando que não levo jeito para nada nem palhaço, nem político.
Nem esotérico o que farei então? De minha vida?
Talvez passear com as crianças nos parques de diversão?
Não sei qual a minha missão acabo de ir à casa de um amigo tentar
emprestar mais um livro de Lobsang Rampa e os cachorros começaram a latir. Porra estava ficando com o saco cheio tentei empinotisar o cachorro e foi pior ainda que dureza vou levar muitas
e muitas encarnações para virar um bom enpinotizador.
Vocês ficam ai rindo de minha incompetência lembre se daquele poema de Pessoa em que dizia que ele era o pior.
E foda hoje li um texto de Ferrez discutindo quem e o dono da periferia pó agora ate isso.
Mas quero ir a Ilha Bela atravessar aquela bolsa telefonar para alguém para descrever o paraíso.
Talvez tenha sorte e veja um Disco Voador pousando naquela ilha
mas se não ver tem lá um grande por de sol.

João Carlos Faria

quarta-feira, 5 de abril de 2006

mulher

Egoista

Joca Faria

Quem não sou? Será realmente que sou egoísta? Prefiro o silencio numa noite vazia a sair de casa.
Vivemos sempre sos em nossos mundos imaginários, Parece que o mundo roda a nossa volta só parece ,Pois não roda somos na verdade um apanhado de matéria com um espírito dentro ainda não somos Deuses só chegaremos lá se nos descobrirmos realmente.
Desculpe amigo se fui egoísta sempre somos, Pois só nos preocupamos com nos mesmo nunca com o próximo veja meus textos só falo de meu universo pessoal, Mas como o de cada ser humano ele e riquíssimo.
Cometo a cada segundo milhões de erros, Pois a cada segundo tomamos milhões de decisões.
A vida e feita de escolhas e de grandes novidades mesmo na vida cotidiana tudo e um grande circulo cotidiano.
Hoje num parque onde eu levava as crianças para brincar fiquei tentando imaginar os elementais daquelas belas arvores.
Imaginem em tão uma floresta.Estudar esoterismo e cada vez mais aprender que somos completamente ignorantes, mas como e bao ser
ignorante, pois sempre podemos aprender somos todos grandes crianças.
Tentando desvendar os reinos imaginários.
Desculpe me amigo, pois sou milhões de egos se manifestando a cada minuto.Tento os eliminar, mas eles aumentam.
Sou uma multidão egoísta, Mas vencerei meus demônios, pois também sou um anjo.
Escondido dentro de uma garrafa.

João Carlos Faria

terça-feira, 4 de abril de 2006

Edu Planchez

Edu Planchez

Es um poeta es um profeta vagueias pelas noites do Do Rio
de Janeiro a despejar sua poesia como jatos de esperma
numa fêmea desejosa.
Solver teu poema como mel em minha alma tua poesia escancara as portas das mediocridades institucionais
Vagabundo dos Vagabundos.
Poeta de alta estirpe na vagabundagem necessária a criação poética tu me estimula a criar a buscar o novo nesta urbanidade vazia de sentimentos.
Edupianamente Planchez carregas o verbo em meio a bolas de sabão a pós a chuva de verão.
Beijo tua alma indecente estou contigo de mãos dadas
em nossa irmandade azul.

Joca Faria


O PAU DURO CONTEMPLANDO O GRELO ENCARNADO
É UM RELÂMPAGO DEVASTADOR
(A porta se abre com a fúria do sopro sinfônico)

(à Maria Pintora Frida de São Luís )


Os casais adoecem de tanto brigar, inglória atitude,
impotência, morbidez injusta, cegueira, falta de tesão, pica inútil,
xereca vazia, caralho que nunca vê o sol,
buceta arreganhada para nada

Minha poesia adora ver a porra encandecente transbordar
o canal da vagina, o útero, o ventre, a boca, o anus
e escorrer sem parar pelas coxas gargantas
até o sul da criança rubi

Foder até a foda se tornar um livro de histórias
Foder até o fim das guerras idiotas

O pau duro contemplando o grelo encarnado
é um relâmpago devastador

Pablo Picaso dorme nu sobre a sombra das tintas
de suas mulheres toreadas
A lança que não fura o boi atravessa as bolhas
que se formam nas camadas tênues
da geométrica vontade

Rei e Rainhas brincando de brincar
diante da porta do templo da gestação

A porta se abre com a fúria do sopro sinfônico
A porta se abre para espalhar o pigmento
do fascínio ensurdecedor

(Edu Planchez)

http://7erros.blogspot.com/

jocafaria.blogspot.com
www.cidadedaspalavras.com.br

Identidade?

Identidade?

Joca Faria

Quantas fantasias irrealizáveis têmos que estão em nossos sonhos?
Sinto me cansado por estes dias e ainda sou jovem e quando velho ficar.
Tarde de outono indecisa entre o frio e o calor, O telefone não
tocou hoje à tarde, mas em compensação recebi um e-mail de uma leitora, pois e tem alguém que tem prazer em me ler.
Obrigado muito obrigado pelo incentivo.Leitora anônima.
Pode se indetificar se quiser, mas se não quiser continue anônima.
O sol deu as caras lá fora e aqui suo em bicas usando minha saia
Xadrez que pouco usei em publico, aguardo o momento certo,mas.
Tem realmente um momento certo para ousadias?
Não sei bem.Mas o espero enquanto não chega o momento certo a
Vontade louca em se mostrar.O problema que sempre e uma performance, mas a vida também e uma eterna cena sempre estamos nos escondendo representando.
No orkut usei a foto minha de saia para o pôster principal ainda não obtive retorno, mas os terei.
Mas que retorno esperar nesta sociedade apática a tudo nesta hipermodernidade onde nada parece acontecer de novo.
Que mundo e este em que vivemos com aparência de normalidade onde tudo e anormal.
Onde nos escondemos atrás de computadores e senhas secretas em
Novas identidades?
Devo ser um dos poucos homens que guarda sua própria saia em seu guarda-roupa.Sinto-me contente por isso.
Mas precisamos fazer mais nesta sociedade descrente em mudanças.
Tudo de novo pode acontecer basta acreditarmos em nos mesmos.
E eu começo a acreditar em mim mesmo.
Caminho alem de tropobana.
Caminho para alem desta terceira dimensão.
Quem sou eu?

João Carlos Faria

segunda-feira, 3 de abril de 2006

Diário de minhas insanidades

Joca Faria

A nudez e tão necessária quanto à respiração. Se o mundo se acabasse hoje pularia o muro e iria em direção a uma cachoeira e lá mergulharia de corpo inteiro.
Tudo passa só minha silenciosa solidão não, Quero ter uma alma que me tome como sua.
A quantas noites não faço amor comigo mesmo, Ouço historias comoventes no silencio da noite quente de outono.
Não transo com vendedoras de sexo, Não transo com ninguém nesta noite de vida.
Minha impopularidade com as mulheres e deprimente há quanto tempo
Não tenho ninguém em meus braços.
Será que sou muito exigente? Quem muito escolhe passa noites e noites em camas vazias.
Não consigo escrever sobre sexo ,pois seria muita mentira posso escrever como faria se tivesse alguém em meus braços.
Mais um final de semana passou e nada de novo aconteceu em minha triste solidão.
Quero um dia fazer amor seguidamente por vários dias e noites quem amei um dia hoje e mãe.
E esta tão distante de mim como uma estrela.
Minha rotina minha triste rotina de escriba se inicia e duro escrever sem ser lido.
Mas quem sabe um dia tudo muda? Não sei quem sou? O que fiz
Ou não fiz?
Quero descobrir o amor, quero sentir um beijo apaixonado.
Não ha nada mais a escrever por hoje.Domingo à noite quase na hora de terminar o Fantástico grande coisa numa noite tediosa.
Dormir no fim da tarde ate a noite.Acordei sem tesão nenhum ,mas
Voltou a vontade de escrever textos que nunca são lidos.

João Carlos Faria