Seguidores

quinta-feira, 22 de junho de 2017


Série Curitiba dedicado a Camille Serpa

Curitiba, fresta de sol .. A cidade ..


Claridade , inverno .. Curitiba .. raios de sol

Batman passeia por Curitiba !
Por entre raios de sol


Tarde, inverno .. cadê o velho poeta de Curitiba ?
Um tal de Paulo

Jardins, praças a cidade se encanta no Sol de inverno !


Joka

João Carlos Faria

Série Fernando Pessoa numa tarde de incertezas !

Dancemos cirandas , em torno do congresso !
Justiça social, paz, trabalho !
Como se constrói a democracia ?

Que a poesia alcance Brasília, irmanados num canto de amor !

Não ser mera , sombras sem o Sol !
Alma por nascer.

Quantos amores para desbravar a poesia ?
Quantos poemas são necessários para abrir um portal?

É preciso navegar nos pensares de algum educador !
Mas Pessoa é amor !

É a leitura de Fernando Pessoa se encerra com o carregar de uma bateria !

Joka

João Carlos Faria

terça-feira, 20 de junho de 2017

O velho novo discurso das elites burocráticas da cidade

Desejo todo sucesso a nova diretoria da Fundação Cassiano Ricardo mas sou frequentador e já fui do “ conselho democrático “ quando a comunidade opinava de fato e tinha nove comissões setoriais de arte e cultura.
Vivemos numa cidade em que a classe politica e empresarial não investe nem no time de Futebol da Cidade a velha Águia do Vale.
Muito menos em arte e cultura. Vi varias iniciativas assim desde a Gestão de André Freire, Diniz e tantos outros.
O mecenato não faz parte do empresariado sangue suga brasileiro.
Cade a Embraer, General Motors , Jonhson e Jonnson entre outras industrias e comércios.
E Associação comercial ? E o Shopping Colinas ?
Estes modelos de Festivais já não estão ultrapassados ?
Carecemos na cidade não fechar uma Fundação mas mudar o conceito de politica de arte e cultura nisto o Vicentina Aranha sua gestora esta anos luz a frente.
Chega-se o fim de semana e só nos cabe o SESC e o Vicentina Aranha com uma certa programação de arte e cultura na cidade.
A Fundação sempre deixa um vácuo.
E a cidade silenciou com o fim do ‘Revelando São Paulo cade os agentes culturais da
areá de folclore e cultura popular se calaram ?
Cade um debate para uma politica de arte e cultura que gere empregos para a comunidade artística investir num polo de cinema pode ser um dos caminhos.
Divertam-se senhores gestores de cultura deste município vocês não enganam ninguém mais. Uma hora a comunidade artística da cidade amadurece e saberá construir uma politica horizontal de cultura. Porque esperar de governos que são representação dos feudos partidários .Nada de novo e inventivo vira .Só a manutenção dos velhos currais eleitorais.A sociedade se transforma em suas bases e suas elites estão podres.

Joka

João Carlos Faria

http://www.ovale.com.br/_conteudo/2017/06/viver/8975-fccr-de-olho-no-setor-privado.html

segunda-feira, 19 de junho de 2017

A arte de não escrever roteiro

Podia fazer um roteiro assim entrava-se num buraco de minhoca e saia no palácio do planalto. Raptava-se o presidente e enviava para uma galaxia muito muito distante.
Punha uma cópia ao estilo Super Dínamo e ela renunciava.
E gritava. Se é para o bem da nação diga ao povo que saio pelas portas do fundo.
Quando se assiste filmes Americanos dá uma impressão que faríamos melhor.
Mas é uma mera impressão. O buraco é de minhoca.

Joka

João Carlos Faria

domingo, 18 de junho de 2017

Só nos resta um levante popular ?
Ou silenciar e continuar gado marcado ?

Acabei de ver e ouvir num programa de politica da TV.
A classe politica se articula para dar banana a opinião pública
de todos os espectos e gostos ideológicos. Você se engana no fast food de suas
ideologias mortas.
Na atual circunstancia só um levante popular pode mudar o rumo
do Brasil.
Querem fazer as reformas trabalhista e da providenciá goela abaixo.
E reforma politica ?
Hoje não se usa nem foice e nem martelo cade os hackers ?
Como podem muitos defenderem certos partidos e seus lideres
desmoralizados ?!
É hora de uma reorganização social que seja horizontal e não vertical.
Destitua seus deuses “políticos “ corruptos que vendem o Brasil por trinta moedas.
Só nos cabe novas articulações e novas organizações.
Tenhamos fé e ação. Acreditemos na capacidade do povo se reorganizar.
Estes partidos estão podres, enlamados na corrupção.
Se venderam ao mercado. Traíram por trinta moedas o povo Brasileiro. 

Joka

João Carlos Faria

 https://www.youtube.com/watch?v=LVLzEYS5c_g

Globo News Painel 17 de Junho de 2017




 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

E pedra já não é pedra.
Homem já não é nome de homem.
Mulher já não é mulher.
E ironicamente cotidianamente continuamos desumamos.

Inúteis

Dedicado a Jacek Ricardo Sielawa

“ Poema de Jacek

LANCEIROS NEGROS, No Porto mais triste de todos alegres portos do mundo, no paralelo mais 30, mais até do que se sinta.
O estado do prédio era de puro abandono. Abandono é não ter dono, Ninguém abandona pessoas, pessoas não tem dono, embora seus estados, sejam de puro abandono.”



Para sair deste politicamente correto agora vos chamo a todos de seres humanos.
Já que ter sexo masculino ou feminino anda bem fora de moda.
Este tal de gênero. Estamos querendo dar outros nomes as coisas, objetos e a nós
desumanos. 
Não se pode dar as cores o sentido do rosa e do azul ?
Silenciamos diante de uma minoria ruidosa. Enquanto no mundo real são todos
massacrados no velho sistema.
Como somos idiotas. Somos maioria e minoria no mundo sem respeito a humanidade.
E por baixo do tapete transvestis, homo sexuais e todas as vertentes são indistintamente
mortos e massacrados.
As periferias sempre a margem sendo “favela ou comunidade “ não temos direito
nem sabemos escolher presidente seu “Róger “
Velha canção do Ultraje a rigor e hoje Róger execra na redes sociais.
Negro , pobre , puta, bixa , trave co são nomes dado ao povo.
Que se cala. Que se mata no uso de crack, álcool, maconha.
Lutar é inútil ?! Nestes dias incorretos ?
Pasto merda no pasto diz Moraes em poemas bombas.
Bombas de arte. No cotidiano de desemprego, injustiças sociais.
Enquanto vermelhos e azuis incendeiam a pátria da corrupção diária.
Estamos “mortos “ diante da impossibilidade “democrática “
Reagir ? Mudar ?
Inúteis na imprecisão de dias mortos.  
Fico com as anárquicas bombas poéticas de 
Jacek Ricardo Sielawa. A inutilidade do poema lhe dá vida.

Joka

João Carlos Faria 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Sombras de democracia !?
O caos no abismo cotidiano

Dias de delírios e utopias despedaçadas. Cacos que não se juntam.
Fé em que ?
Injustiças sociais .. desperdício de recursos públicos. Na puta nua
no palácio do planalto .. sórdidas ... Algemas da desilusão .. já não
somos os mesmos .. cada um a sua maneira sente a dor e a desilusão ..
de podres poderes .. reagir ao cinismo dos palácios e festas em Paris ..
Estamos sem chão diante da puta nua senhora Brasília .. esgotos ratos
de gravatas ..
Cracolândias espalhadas Brasil afora. A fome em qualquer lugar.
Insegurança onde o trafico reina .. Que Deus nos perdoe de tanta
inercia. Não sabemos reagir ?!
Gritar, incendiar nossa inconsciência onde esta nossa cidadania ?!  
E o nefasto poder paralelo nas ruas e nos palácios de governos.
Quem ousa romper e dar um basta a este nefasto jogo de maldades ?!
Nossa dor e tanta que estamos em silencio. Calados.

Joka

João Carlos Faria
Sombras de Oscar Niemeyer
O caos no abismo cotidiano

Artes .. performance .. teatro ..o que seria da vida sem estas insanidades .. arte ..
 A vida é Curta !
 Não nos pecados no óbvio .. olhar a vida nas profundezas das cores .. Velásquez ..
 Artes insanos , profanos .. sagrado desejo do existir !
 Morte , Caos .. adentremos ao coração do universo .. !
Versos de um não existir o óbvio .. nos aliena .. a arte subverte o olhar cotidiano ..
 Que Gláuber .. Que Nietzsche iluminem o caminho da saída do labirinto .. a vida é um laboratório de imensas oportunidades .. criar Kaos .. Mautner .. Caetano ..
 Sombras de Oscar Niemeyer .. A semana de 22 .. transforma .. o nada em tudo o cotidiano é matéria bruta do criar !

Joka
João Carlos Faria
Invadir ou dialogar

A questão é que o município esta quebrado ?  A tal da iniciativa privada e sua especulação
imobiliária cobra 350 mil por uma casa nova de meio lote na Vila Industrial ?
Os preços com esta imensa crise Brasileira que não tem fim não abaixam. Faltam remédios nos postinhos não quero crucificar o prefeito Felício Ramuth neste texto. Esta crise politica e a insistência de Temer ficar no poder acaba com a economia.
Sem dinheiro não se gera emprego , abre -se concurso público.
Universidades públicas em colapso. Invadir resolve nestes tempos turbulentos ?
Caros colegas de esquerda do PSTU ?
E o que é esquerda ou direita nestes dias onde temos um pais quebrado e um congresso que propõem reformas onde o cidadão nunca ira se aposentar ?
Moradia é um direito básico do ser humano. E quanto já se perdeu na corrupção neste pais ?
E PT e PSDB continuam a ter eleitores e gente defendendo.  
Estamos e nos esforçamos para cavar mais ainda o buraco que não nos tira deste caos politico e econômico . Ou aprendemos a arte do dialogo ou nos afundamos.
Cabe a Câmara e a Prefeitura debater as politicas publicas com o cidadão. Mostrar a real situação econômica do município para juntos pensarmos saídas para a cidade.
Mas dialogar não esta no agir da classe politica brasileira tanto a esquerda quanto a direita.
De fato esta gente quer é poder e ludibria sua base in calta e ingenua.

Joka
João Carlos Faria

domingo, 4 de junho de 2017

Manhã entre Sol musica e livros no sebo de Analú Oliveira
Parque Vicentina Aranha


O Sol iluminava os livros. Na manhã de outono .. Tantas emoções ali registradas parte da vida humana ali retratada .. diversos autores ali em corpo,alma gesto e palavras. A cidade em vida !
Uma peça de Plínio Marcos sobre Helena Petrovna Blavastsky que li no seculo passado.
Deo Lopes, Moacyr Pinto, Paulo Barja todos em meio aos livros e as cores de um outono
numa manhã de domingo.
Literacia .. arte .. vida a poesia vive na cidade das palavras.
Numa calçada em frente a um velho sanatório.

Joka

João Carlos Faria

https://www.youtube.com/watch?v=j5jx6lpPFMU